Diários de Bicicleta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Diários de Bicicleta é um livro escrito pelo músico britânico David Byrne.

Resumo[editar | editar código-fonte]

Desde o início dos anos 80, David tem como seu principal meio de transporte na cidade de Nova Iorque andar de bicicleta. Duas décadas depois, ele descobriu as bicicletas dobráveis e começou a levá-las em suas viagens ao redor do mundo. A escolha de DB, inicialmente, foi mais pela conveniência que por uma motivação politicamente correta, mas quanto mais cidades ele via a partir de sua bicicleta, mais ele se tornava viciado neste meio de transporte e na sensação de liberdade, alegria e contato fornecida por ela. Este ponto de vista, a partir de sua bicicleta, tornou-se sua janela panorâmica da vida urbana, um mágico jeito de abrir os olhos para o funcionamento e ritmo da população e geografia das cidades.

As crônicas de Diários de Bicicleta são observações e introspecções de David - o que ele está vendo, quem ele está conhecendo, sobre o que ele está pensando - como ele pedala através e se envolve com algumas das principais cidades do mundo. Em lugares como Buenos Aires, Istambul, São Francisco e Londres o foco maior é em músicos e artistas que ele encontra. A política é abordada em cidades como Berlim e Manila, enquanto capítulos sobre Nova Iorque e sobre paisagens de parques industriais suburbanos e ruínas contemporâneas de lugares como Detroit, Pittsburgh e Columbus são mais preocupados com a história na paisagem urbana.

Ao longo do caminho, DB compartilha pensamentos sobre moda, arquitetura, isolamento cultural, globalização e a nova forma radical como algumas cidades, como sua cidade natal, estão se tornando mais "amigas das bicicletas" - tudo transmitido com uma mistura muito pessoal de humor, curiosidade e humanidade.