Di Melo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Di Melo
Di Melo div.jpg
Di Melo em 2010.
Informação geral
Nome completo Roberto de Melo Santos
Também conhecido(a) como Bob di Melo
Imorrível
Nascimento 22 de abril de 1949 (69 anos)
Local de nascimento Recife, PE
 Brasil
Género(s) Funk
soul
samba
Ocupação(ões) Cantor, compositor
Cônjuge Juvenilza Abade dos Santos
Filho(s) Gabiroba
Instrumento(s) Violão, guitarra
Período em atividade 1968-1975
2009-presente
Outras ocupações Poeta, artista plástico
Gravadora(s) EMI-Odeon, MP Produções, Casona Produções, Showlivre
Afiliação(ões) Hermeto Pascoal, Wando, Geraldo Vandré, BNegão, Larissa Luz, Olmir Stocker, Waldonys, Charles Gavin, Heraldo do Monte, Baden Powell
Influência(s) Luiz Gonzaga, Miltinho, Elza Soares, Carlos Alberto, Paul Anka, Elvis Presley, Jimi Hendrix, The Beatles
Página oficial Site do documentário "Di Melo: O Imorrível"
Di Melo - Assinatura.png

Roberto de Melo Santos, mais conhecido como Di Melo (Recife, 22 de abril de 1949) é um músico, poeta e artista plástico brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Di Melo em foto de Rubens Pásaro.

Filho de Gabriela Dativa dos Santos e Artur Napoleão de Melo, Di Melo nasceu na capital pernambucana em 22 de abril de 1949. Di Melo chegou em São Paulo no final dos anos 60, quando começou a tocar na noite paulistana.[1] Em 1975, suas músicas são lançadas pela EMI-Odeon no disco que leva seu nome, e conta com as participações de Hermeto Pascoal e de Heraldo do Monte. O álbum Di Melo teve canções de sucesso, como Kilariô, A Vida em Seus Métodos Diz Calma e Se o Mundo Acabasse em Mel.[2][3]

Após alcançar o sucesso e acabar sendo esquecido[4], Di Melo sumiu por alguns anos.

Na década de 80, sofreu um acidente de moto, que quase lhe deixou paraplégico, então começaram-se os rumores de que ele estava morto.[5]

Na década de 90, as músicas do álbum de 75 voltam a tocar nas pistas, a redescoberta de seu trabalho se dá através de DJs ingleses quando a música A Vida em Seus Métodos Diz Calma aparece na coletânea Blue Brazil 2.[6] O seu álbum chegou a ser relançado, em CD, em 2002, dentro da coleção Odeon 100 anos, coordenada por Charles Gavin. Ele foi também objeto do documentário Di Melo: O Imorrível, de Alan Oliveira e Rubens Pássaro, e seu disco teve uma rápida aparição no videoclipe da canção Don't Stop The Party dos Black Eyed Peas.[7]

Considerado um dos artistas que mais próximo chegou a uma linguagem soul nacional, Di Melo nos brinda com muita desenvoltura, originalidade e apuro musical. Estima-se que o cantor/compositor possua mais de 400 músicas inéditas.

Em 2009, retornou à cena[1][8], e em 2011, se apresentou na Virada Cultural.[9][10] Em 2014, se apresentou no festival Psicodália em Rio Negrinho, Santa Catarina, e lançou 9 discos pela gravadora independente MP Produções.

Em 2016, Di Melo lança Imorrível, pela Casona Produções.[11]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[12][11][editar | editar código-fonte]

  • 1975: Di Melo (EMI-Odeon)
  • 2014: Sons, Sacações, Sambas e Tesões (MP Produções)
  • 2014: Seleção de Sambas (MP Produções)
  • 2014: Multicheiro (MP Produções)
  • 2014: Ah! É de Engravidar o Coração (MP Produções)
  • 2014: Distando Estava (MP Produções)
  • 2014: Coletânea (MP Produções)
  • 2014: Multicheiro 2 (MP Produções)
  • 2014: 32 de Fevereiro (MP Produções)
  • 2014: Sambas, Armações e Tesões (MP Produções)
  • 2016: Imorrível (Casona Produções)

Álbuns ao vivo[13][editar | editar código-fonte]

  • 2016: Di Melo no Estúdio Showlivre (Showlivre)

Compactos[11][editar | editar código-fonte]

  • 1975: Kilariô / Conformópolis (EMI-Odeon)
  • 1975: Kilariô / Pernalonga (EMI-Odeon)

Videografia[editar | editar código-fonte]

  • 2011: Di Melo: O Imorrível

Referências