Diagrama de transição de estados

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Diagramas da UML 2.0 editar
Diagramas estruturais
Diagramas comportamentais

Em engenharia de software e eletrônica digital, um diagrama de transição de estados é uma representação do estado ou situação em que um objeto pode se encontrar no decorrer da execução de processos de um sistema. Com isso, o objeto pode passar de um estado inicial para um estado final através de uma transição.

Em grandes corporações é muito comum que o resultado ou produto de um processo de negócio seja resultado de uma tramitação por diversos setores da empresa, onde será trabalhado ou tratado de diversas formas, por diferentes equipes de profissionais. O controle sobre esse processo e suas etapas de tramitação, bem como a responsabilidade a ser atribuída por cada uma dessas etapas, normalmente se dá pelo registro de estados ou situações que identificam em qual desses estágios do processo de negócio um determinado elemento de trabalho está. Nesse contexto, pode ser utilizado um DTE para representar todas essas transformações ocorridas no estado do processo.[1]

Conceitos[editar | editar código-fonte]

  • Estado: Condição ou situação durante a vida de um objeto na qual ele satisfaz algumas condições, executa algumas atividades ou espera por eventos.
  • Transição: O relacionamento entre dois estados, indicando que o objeto que está no primeiro estado irá passar para o segundo estado mediante a ocorrência de um determinado evento e em certos casos uma condição.
  • Condição: causa necessária para que haja a transição de estado. Decorre da ocorrência de um evento ou circunstância que propicia a transição de estado.
  • Estado inicial: Estado por onde se começa a leitura de um diagrama de estado.
  • Estado final: Estado que representa o fim de uma máquina.
  • Barra de Sincronização: Semelhante a um Fork do Diagrama de atividade.
  • Estado composto: Estado composto por outras máquinas de estado organizadas em regiões que são executadas em paralelo.
  • Sincronização: permite que os relógios de dois ou mais processos paralelos estejam sincronizados em um determinado momento do processo.
  • Ação: atividade do sistema que efetua a transição de estado.

Exemplo[editar | editar código-fonte]

Um exemplo simples seria um semáforo (sinal de trânsito).

Cada estado corresponde a uma situação que ocorrerá. Quando verde, os carros podem prosseguir na via. Passado um tempo, é acionada a tarefa de mudar para amarelo. Então o semáforo passa de verde para amarelo. Aqui os carros ficam em estado de atenção e já aguardam a próxima transição.

O próximo passo é passar para vermelho. Nesse estado, os carros estão parados na via. De vermelho, o próximo estado somente será verde, assim, os carros podem voltar a trafegar na via.

Referências

  1. Carlos Alberto Debastiani. Definindo Escopo em Projetos de Software. São Paulo: Novatec, 2015. ISBN 978-85-7522-429-8


Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Diagrama de transição de estados