Diana de Cadaval

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Diana de Cadaval
Nome completo Diana Mariana Vitória Álvares Pereira de Melo
Data de nascimento 25 de julho de 1978 (37 anos)
Local de nascimento Genebra Suíça
Nacionalidade Portugal portuguesa
Género(s) Romance histórico
Pseudónimo(s) Diana de Cadaval
Ocupação Escritora
Temas abordados História, Realeza, Nobreza, Património
Obra(s) de destaque "Eu, Maria Pia", "Maria Francisca de Saboia", "Mafalda de Saboia", "Palácios e Casas Senhoriais de Portugal"
Cônjuge Carlos Filipe de Orleães
Filhos Isabelle de Orleães

Diana Mariana Vitória Álvares Pereira de Melo[1] [2] [3] [4] (Genebra, 25 de julho de 1978), mais conhecida pelo pseudónimo literário Diana de Cadaval,[5] é uma escritora portuguesa. Diana é também conhecida pelo título honorífico de "Duquesa de Cadaval", atribuído pelo extinto Conselho de Nobreza em 2001.

Diana é a filha mais velha do segundo casamento de Jaime Álvares Pereira de Melo, representante do título de 10.º Duque de Cadaval, com Claudine Marguerite Marianne Tritz, nascida em 1943. É irmã de Rosalinda Álvares Pereira de Melo, conhecida pelo título honorífico de "Duquesa de Cadaval-Guerrand-Hermès".

Estudou Comunicação Internacional na Universidade Americana de Paris. Actualmente dirige algumas das propriedades da família Cadaval: o Palácio dos Duques de Cadaval, em Évora, e a Herdade da Mata do Duque, em Benavente.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Diana Álvares Pereira de Melo iniciou a sua carreira como escritora em 2010, publicando seu primeiro romance histórico "Eu, Maria Pia", sobre a rainha Maria Pia de Saboia, pela editora Esfera dos Livros.[4]

Em Junho de 2011 publicou o romance histórico "Maria Francisca de Saboia" pela mesma editora, sobre a vida da rainha homónima. A apresentação teve lugar no Museu Nacional de Arte Antiga, e esteve a cargo do professor André Gonçalves Pereira.[6]

Em Fevereiro de 2013, inspirada pelo nascimento da filha Isabelle, escreveu "Mafalda de Saboia", romance histórico sobre a vida da rainha do mesmo nome.[7]

Em Julho de 2015 publicou o quarto livro, "Palácios e Casas Senhoriais de Portugal", tal como os anteriores da editora Esfera dos Livros, dando a conhecer 61 palácios e casas senhoriais que se destacam pela sua história e arquitetura imponente. O livro foi apresentado por Manuel Luís Goucha, na Sala D. Luís do Palácio Nacional da Ajuda.[8]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Em 2001 o Conselho de Nobreza, instituição privada então regida pelo pretendente miguelista Duarte Pio de Bragança, concedeu-lhe o título honorífico de duquesa de Cadaval, num processo controverso que terá contribuído para o fim dessa organização. A controvérsia prendeu-se com o facto de Diana ser filha terceira do então representante do título de duque de Cadaval.[9] Em 2010, em entrevista ao jornal Expresso, Diana afirmou estar de relações cortadas com as meias-irmãs mais velhas após a controvérsia do processo de concessão.[4]

A 21 de Junho de 2008, Diana Álvares Pereira de Melo casou com Carlos Filipe de Orleães, pretendente a duque de Anjou (nascido em 1973). A cerimónia teve lugar na Sé Catedral de Évora, e foi celebrado por Maurílio Jorge Quintal de Gouveia, Arcebispo Emérito de Évora. Tanto Diana como Carlos Filipe são capetianos, descendendo, por linha masculina ininterrupta, do rei Roberto II de França (972 - 1031); Diana pelo filho mais novo do rei, Roberto I, Duque da Borgonha, através do ramo real português (embora ilegítimo) da Casa de Bragança, e Carlos Filipe através do filho mais velho de Roberto II, o rei Henrique I de França, via o ramo da Casa de Bourbon-Orleães. Diana e Carlos Filipe são também primos em quinto grau, pois descendem do rei Francisco I das Duas Sicílias. A primeira filha do casal, Isabelle de Orléans, nasceu no dia 22 de fevereiro de 2012, em Lisboa.[10] O nome foi-lhe concedido em homenagem à sua bisavó, a princesa Isabel de Orléans e Bragança, condessa de Paris.[11] [12] O padrinho da criança foi o então Príncipe Filipe de Espanha.[13]

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Eu, Maria Pia (2010);
  • Maria Francisca de Saboia (2011);
  • Mafalda de Saboia (2013);
  • Palácios e Casas Senhoriais de Portugal (2015).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

Referências

  1. Direcção de Manuel de Mello Corrêa (1985). Anuário da Nobreza de Portugal - Tomo I Instituto Português de Heráldica [S.l.] p. 18. 
  2. Revista Vidas. «Confissões Diana, duquesa de Cadaval». 23 de Fevereiro de 2013. 
  3. Sic (23 de Abril de 2008). «Sangue Azul». 
  4. a b c «Expresso | Diana de Cadaval: "Gosto que me chamem princesa"». Jornal Expresso. Consultado em 2016-01-16. 
  5. Point de Vue, n.º 3086, 12-18 Setembro 2007, p. 22-25
  6. «Fotos: Diana de Cadaval lança livro «Maria Francisca de Sabóia»». Lux. Consultado em 2016-01-16. 
  7. VIP, Revista. «Diana De Cadaval - “O livro nasceu com a Isabelle”». Revista VIP. Consultado em 2016-01-16. 
  8. VIP, Revista. «Diana De Cadaval - Publica o quarto livro». Revista VIP. Consultado em 2016-01-16. 
  9. «Expresso | Monárquicos em discurso direto». Jornal Expresso. Consultado em 2016-01-16. 
  10. Group, Global Media. «Duquesa De Cadaval - Diana de Cadaval deu à luz uma menina - Pessoas - DN». DN. Consultado em 2016-01-16. 
  11. Point de Vue N°3013, 19-25 Abril 2006
  12. Poit de Vue Nº 3127 25 Junho - 1 Julho 2008
  13. Gente, Nova. «Felipe De Espanha - Padrinho de Isabelle». Revista Nova Gente. Consultado em 2016-01-16. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]