Diarreia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Diarreia
Microfotografia de um rotavírus, a causa de cerca de 40% das hospitalizações por diarreia em crianças com menos de cinco anos de idade.[1]
Classificação e recursos externos
CID-10 A09, K59.1
CID-9 787.91
DiseasesDB 3742
MedlinePlus 003126
eMedicine ped/583
MeSH D003967

Diarreia é a condição médica em que se verificam pelo menos três movimentos intestinais aquosos ou pouco consistentes por dia. Geralmente tem a duração de alguns dias e pode causar desidratação, devido à grande perda de líquidos nas fezes. Os sinais iniciais de desidratação são muitas vezes a perda de elasticidade normal da pele e irritabilidade, progredindo à medida que se vai agravando para diminuição da micção, palidez, aumento do ritmo cardíaco e diminuição do nível de consciência. No entanto, em recém-nascidos que se encontram a amamentar, as fezes pouco consistentes e não aquosas podem ser normais.[2]

As causas mais comuns de diarreia são infeções dos intestinos provocadas por vírus, bactérias ou parasitas, uma condição denominada gastroenterite. Estas infeções são geralmente adquiridas a partir de alimentos ou água contaminados por matéria fecal ou contraídas diretamente a partir de outra pessoa infetada. A diarreia pode ser dividida em três tipos: diarreia aquosa de curta duração, diarreia sanguinolenta de curta duração e diarreia persistente, caso tenha duração superior a duas semanas. A diarreia aquosa de curta duração pode também dever-se à uma infeção por cólera, embora isto seja raro no mundo desenvolvido. No caso de haver presença de sangue, pode-se estar na presença de disenteria.[2] Existem também uma série de causas não infeciosas que podem provocar diarreia, entre as quais flora intestinal debilitada, hipertiroidismo, intolerância à lactose, doença inflamatória intestinal, vários medicamentos e síndrome do cólon irritável.[3] Na maior parte dos casos não é necessária a recolha de amostras de fezes para confirmar a causa.[4]

A prevenção da diarreia infeciosa é feita com a melhora das condições de saneamento, com a ingestão de água potável e com a lavagem das mãos com sabonete. A amamentação durante os primeiros seis meses de vida é recomendada, uma vez que oferece imunização contra rotavírus. O tratamento de primeira linha é a terapia de reidratação oral (TRO), que consiste em água potável com pequenas quantidades de sais minerais e açúcar. São também recomendadas pastilhas de zinco.[2] Estima-se que estes tratamentos tenham salvo a vida de mais de 50 milhões de crianças nos últimos 25 anos.[1] Aos doentes com diarreia é geralmente recomendado que continuem a ingerir alimentos saudáveis e aos bebés que continuem a ser amamentados.[2] Quando não estão disponíveis TRO comerciais, é possível usar soluções improvisadas.[5] Em pessoas com desidratação grave pode ser necessária a administração de líquidos por via intravenosa.[2] No entanto, a maior parte dos casos podem ser tratada apenas com a ingestão de líquidos por via oral.[6] Os antibióticos raramente são usados e são recomendados apenas em alguns casos de diarreia com sangue e febre elevada, em pessoas com diarreia derivada de viagens e pessoas com bactérias ou parasitas específicos.[4] A loperamida pode ajudar a diminuir o número de movimentos intestinais, mas não é recomendada em pessoas com diarreia grave.[4]

Em cada ano ocorrem entre 1,7 e 5 mil milhões de casos de diarreia.[2][3][7] É mais comum nos países em vias de desenvolvimento, nos quais as crianças mais novas contraem diarreia, em média, três vezes por ano.[2] Estima-se que o número total de mortes por diarreia tenha sido de 1,26 milhões em 2013, uma diminuição em relação aos 2,58 milhões em 1990.[8] Em 2012, a doença foi a segunda causa mais comum de mortalidade infantil em crianças com menos de cinco anos de idade (0,76 milhões ou 11%).[2][9] Os episódios frequentes de diarreia são uma causa comum de má-nutrição e a causa mais comum em crianças com menos de cinco anos.[2] Entre outros problemas que podem ocorrer a longo prazo estão a diminuição do crescimento e do desenvolvimento intelectual.[9]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Mapa mostrando a distribuição mundial de doenças causadoras de diarreia (por 100.000 habitantes).

A diarreia é classificada em Aguda, quando dura até 14 dias; Persistente, quando superior a 14 dias ou ainda Crônica, quando ultrapassa 3 semanas. Essa classificação tem importância porque o tratamento e a investigação de cada um dos tipos é diferente.

A diarreia crônica pode ser classificada em nove tipos[10]:

  • Osmótica (má-absorção);
  • Secretória;
  • Inflamatória;
  • Motora;
  • Mista;
  • Mole;
  • Aguada;
  • Com torções;
  • Sem torções.

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Uma diarreia pode conduzir à ocorrência de desidratação, que consiste na perda acentuada de água e sais minerais do corpo. Esta pode ser identificada a partir dos seguintes sintomas:

  • Olhos encovados;
  • Pele seca;
  • Boca seca;
  • Desidratação.

Em caso de crianças observar:[editar | editar código-fonte]

  • Fralda seca por mais de três horas;
  • Fraqueza e choro fraco;
  • Irritabilidade e indisposição para brincar.

Causas[editar | editar código-fonte]

Muitos fatores podem provocar a diarreia entre os quais a ingestão de bolo de iogurte húmido.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Na maior parte dos casos de diarreia, o único tratamento necessário é a reposição dos líquidos e sais minerais perdidos. Isto é geralmente feito por via oral através de terapia de reidratação oral (TRO), podendo nos casos mais graves ser feita administração via intravenosa.[1] As restrições na dieta, como a dieta à base de banana, arroz, puré de maçãs e torradas, já não são recomendadas por não haver evidências de eventuais benefícios.[12] A investigação atual não sustenta a restrição da ingestão de leite por parte de crianças, uma vez que isso não tem qualquer efeito na duração da diarreia.[13] Pelo contrário, a Organização Mundial de Saúde recomenda que as crianças com diarreia continuam a comer ou a ser amamentadas normalmente, já que os nutrientes responsáveis pelo desenvolvimento continuam a ser absorvidos e aceleram o recobro do funcionamento normal do intestino.[14] Recomenda-se ainda que as crianças e os adultos com cólera continuem a comer.[15]

Embora alguns medicamentos, como a loperamida (Imodium) e o subsalicato de bismuto, possam ser benéficos, existem situações em que podem ser contra-indicados.[16]

Líquidos[editar | editar código-fonte]

A solução de reidratação oral (SRO) consiste em água ligeiramente adocicada e salgada e pode ser usada para prevenir a desidratação causada pela diarreia. Estão disponíveis no mercado várias soluções comerciais e as ONGs como a UNICEF distribuem regularmente bolsas de sais e açúcar. No caso de não estarem disponíveis soluções comerciais é possível fazer SROs em casa. A OMS recomenda que para a solução de reidratação oral caseira sejam diluídas em cada litro de água potável uma colher de chá de sal (3 gramas) e duas colheres de sopa de açúcar (18 gramas).[14][17] Podem ser administradas soluções com base em outros líquidos, como água de arroz ligeiramente salgada, bebidas de iogurte ligeiramente salgadas ou sopas de legumes ou de frango também ligeiramente salgadas. A dose de sal recomendada é de entre meia e uma colher de chá de sal (1,5 – 3 g) por cada litro de água de cozedura de cereais, sopa sem sal, chá fraco sem açúcar ou sumos naturais de fruta sem açúcar.[14]

As bebidas com grande quantidade de açúcar, como os refrigerantes e sumos de fruta, não são recomendadas para crianças com menos de cinco anos de idade, uma vez que podem aumentar ainda mais a desidratação. Uma solução demasiadamente rica em açúcar no intestino suga água do resto do corpo, de forma idêntica ao que acontece em caso de ingestão de água do mar.[14][18] Quando não estão disponíveis SRO mais adequadas é possível administrar simplesmente água natural.[18] A essa mesma pessoa pode ainda ser administrada uma mistura de bebidas ricas em açúcar em água natural, como objetivo de fornecer uma quantidade moderada de sódio.[14]

Em caso de necessidade, em crianças mais novas, é possível administrar a solução através de uma sonda nasogástrica.[19] Durante as primeiras horas de administração de SRO é frequente a ocorrência de vómitos, sobretudo nos casos em que uma criança bebe a solução rapidamente. No entanto, os vómitos raramente impedem a reidratação, uma vez que a maior parte do líquido é absorvido. A OMS recomenda que, caso uma criança vomite, se deva aguardar entre 5 a 10 minutos e depois administrar novamente a solução lentamente.[14]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

A OMS recomenda que uma criança com diarreia continue a ser alimentada normalmente. A continuidade na alimentação acelera o recobro da função normal do intestino. Pelo contrário, nas crianças a quem é restringida comida apresentam diarreia de maior duração e recuperam a função intestinal mais lentamente. A OMS salienta que os bebés devem continuar a ser amamentados normalmente, que nunca devem ser retirado qualquer alimento da alimentação da criança e que os alimentos habituais não devem ser diluídos.[14] No caso específico da cólera, as recomendações são idênticas.[15] Em crianças mais novas que não são amamentadas e que vivem em países desenvolvidos, uma dieta isenta de lactose pode ajudar a acelerar o recobro.[20]

Medicação[editar | editar código-fonte]

Embora os antibióticos apresentem benefícios em determinados tipos de diarreia aguda, geralmente não são usados exceto em situações específicas.[21][22] Existem receios que os antibióticos possam aumentar o risco de síndrome hemolítico-urémica nas pessoas infetadas com Escherichia coli O157:H7.[23] Nos países com menos recursos, os tratamentos com antibióticos podem ter alguns benefícios.[22] No entanto, algumas bactérias estão a desenvolver resistência antibiótica, principalmente a Shigella.[24] Os antibióticos podem também causar diarreia, sendo a própria doença o efeito secundário mais comum do tratamento com antibióticos de largo espectro.

Embora os compostos de bismuto diminuam o número de movimentos intestinais, não diminuem a duração da doença.[25] Os antimotílicos, como a loperamida (Imodium), são também eficazes a diminuir o número de movimentos intestinais, mas não a duração da diarreia.[4] Estes medicamentos devem ser usados apenas quando não se verifica sangue nas fezes.[26]

Outras terapias[editar | editar código-fonte]

Quando disponíveis, A OMS recomenda acrescentar à terapia de reidratação oral suplementos de zinco e potássio. No entanto, a sua falta de disponibilidade não deve impedir ou atrasar a reidratação. A OMS salienta ainda que é importante prevenir a desidratação o mais rapidamente possível e durante o transporte para o centro médico.[14] Os suplementos de zinco apresentam benefícios em crianças com diarreia em países desenvolvidos, mas apenas em crianças com mais de seis anos. As evidências apoiam as recomendações da OMS para a ingestão de zinco, mas não no caso dos mais novos.[27]

Os probióticos diminuem a duração dos sintomas em cerca de um dia e diminuem em 60% a probabilidade dos sintomas durarem mais de quatro dias.[28] O probiótico lactobacillus pode ajudar a prevenir a diarreia associada a antibióticos em adultos, mas possivelmente não em crianças.[29]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «whqlibdoc.who.int» (PDF). World Health Organization. 
  2. a b c d e f g h i «Diarrhoeal disease Fact sheet N°330». World Health Organization. April 2013. Consultado em 9 July 2014. 
  3. a b Basem Abdelmalak; John Doyle, : (2013). Anesthesia for otolaryngologic surgery Cambridge University Press [S.l.] pp. 282–287. ISBN 1107018676. 
  4. a b c d DuPont HL (Apr 17, 2014). «Acute infectious diarrhea in immunocompetent adults.». The New England Journal of Medicine [S.l.: s.n.] 370 (16): 1532–40. doi:10.1056/nejmra1301069. PMID 24738670. 
  5. Prober, edited by Sarah Long, Larry Pickering, Charles G. (2012). Principles and practice of pediatric infectious diseases 4th ed. (Edinburgh: Elsevier Saunders). p. 96. ISBN 9781455739851. 
  6. ACEP. «Nation's Emergency Physicians Announce List of Test and Procedures to Question as Part of Choosing Wisely Campaign». Choosing Wisely. Consultado em 18 June 2014. 
  7. Global Burden of Disease Study 2013, Collaborators (22 August 2015). «Global, regional, and national incidence, prevalence, and years lived with disability for 301 acute and chronic diseases and injuries in 188 countries, 1990-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013.». Lancet (London, England) [S.l.: s.n.] 386 (9995): 743–800. doi:10.1016/s0140-6736(15)60692-4. PMID 26063472. 
  8. GBD 2013 Mortality and Causes of Death, Collaborators (17 December 2014). «Global, regional, and national age-sex specific all-cause and cause-specific mortality for 240 causes of death, 1990-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013.». Lancet [S.l.: s.n.] 385 (9963): 117–71. doi:10.1016/S0140-6736(14)61682-2. PMC 4340604. PMID 25530442. 
  9. a b «Global Diarrhea Burden». CDC. January 24, 2013. Consultado em 18 June 2014. 
  10. [1]
  11. http://www.saudeinformacoes.com.br/bebe_diarreia.asp
  12. King CK, Glass R, Bresee JS, Duggan C (November 2003). «Managing acute gastroenteritis among children: oral rehydration, maintenance, and nutritional therapy». MMWR Recomm Rep [S.l.: s.n.] 52 (RR–16): 1–16. PMID 14627948. 
  13. «BestBets: Does Withholding milk feeds reduce the duration of diarrhoea in children with acute gastroenteritis?». 
  14. a b c d e f g h World Health Organization. The treatment of diarrhoea: A manual for physicians and other senior health workers. http://www.who.int/maternal_child_adolescent/documents/9241593180/en/
  15. a b Centers for Disease Control and Prevention (2014) Cholera - Vibrio cholerae infection. http://www.cdc.gov/cholera/index.html
  16. Schiller LR (2007). «Management of diarrhea in clinical practice: strategies for primary care physicians». Rev Gastroenterol Disord [S.l.: s.n.] 7 (Suppl 3): S27–38. PMID 18192963. 
  17. A Guide on Safe Food for Travellers, Welcome to South Africa, Host to the 2010 FIFA World Cup (bottom left of page 1).
  18. a b «Management of acute diarrhoea and vomiting due to gastoenteritis in children under 5». National Institute of Clinical Excellence. April 2009. 
  19. Webb A, Starr M (April 2005). «Acute gastroenteritis in children». Australian family physician [S.l.: s.n.] 34 (4): 227–31. PMID 15861741. 
  20. MacGillivray S, Fahey T, McGuire W (31 October 2013). «Lactose avoidance for young children with acute diarrhoea.». The Cochrane database of systematic reviews [S.l.: s.n.] 10: CD005433. doi:10.1002/14651858.CD005433.pub2. PMID 24173771. 
  21. Dryden MS, Gabb RJ, Wright SK (June 1996). «Empirical treatment of severe acute community-acquired gastroenteritis with ciprofloxacin». Clin. Infect. Dis. [S.l.: s.n.] 22 (6): 1019–25. doi:10.1093/clinids/22.6.1019. PMID 8783703. 
  22. a b de Bruyn G (2008). «Diarrhoea in adults (acute)». Clin Evid (Online) [S.l.: s.n.] 2008: 0901. PMC 2907942. PMID 19450323. 
  23. Wong CS, Jelacic S, Habeeb RL, Watkins SL, Tarr PI (June 2000). «The risk of the hemolytic-uremic syndrome after antibiotic treatment of Escherichia coli O157:H7 infections». N. Engl. J. Med. [S.l.: s.n.] 342 (26): 1930–6. doi:10.1056/NEJM200006293422601. PMC 3659814. PMID 10874060. 
  24. «Diarrhoeal Diseases». World Health Organization. February 2009. 
  25. DuPont HL, Ericsson CD, Farthing MJ, Gorbach S, Pickering LK, Rombo L, Steffen R, Weinke T (2009). «Expert review of the evidence base for self-therapy of travelers' diarrhea». J Travel Med [S.l.: s.n.] 16 (3): 161–71. doi:10.1111/j.1708-8305.2009.00300.x. PMID 19538576. 
  26. Pawlowski SW, Warren CA, Guerrant R (May 2009). «Diagnosis and treatment of acute or persistent diarrhea». Gastroenterology [S.l.: s.n.] 136 (6): 1874–86. doi:10.1053/j.gastro.2009.02.072 (inativo 2015-01-12). PMC 2723735. PMID 19457416. 
  27. Lazzerini M, Ronfani L (Jan 31, 2013). «Oral zinc for treating diarrhoea in children». The Cochrane database of systematic reviews [S.l.: s.n.] 1: CD005436. doi:10.1002/14651858.CD005436.pub4 (inativo 2015-01-12). PMID 23440801. 
  28. Allen SJ, Martinez EG, Gregorio GV, Dans LF (2010). Allen SJ, : . «Probiotics for treating acute infectious diarrhoea». Cochrane Database Syst Rev [S.l.: s.n.] 2010 (11): CD003048. doi:10.1002/14651858.CD003048.pub3 (inativo 2015-01-12). PMID 21069673. 
  29. Kale-Pradhan PB, Jassal HK, Wilhelm SM (February 2010). «Role of Lactobacillus in the prevention of antibiotic-associated diarrhea: a meta-analysis». Pharmacotherapy [S.l.: s.n.] 30 (2): 119–26. doi:10.1592/phco.30.2.119. PMID 20099986. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Patologia (doença) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.