Diego Simonetti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Diego Simonetti
Nascimento 14 de junho de 1865
Gemona del Friuli
Morte 20 de dezembro de 1926 (61 anos)
Pisa
Cidadania Reino de Itália
Prêmios Ordem Militar de Saboia
Almirante Simonetti com uniforme de parada


Diego Simonetti (Gemona del Friuli, 14 de junho de 1865Pisa, 20 de dezembro de 1926) foi um almirante italiano lembrado sobretudo pelos eventos de Rijeka, Croácia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ingressou na Marinha aos 15 anos de idade, em 1885 alcançou o posto de alferes.[1] Em sua carreira, entre 1900-1901, após a Revolta dos Boxer, ele participou da campanha no Extremo Oriente com a Força Expedicionária Italiana na China. Entre 1911-1912 participou da guerra ítalo-turca e, depois, da Primeira Guerra Mundial, na qual ele foi chefe de gabinete das forças navais mobilizadas conseguindo promoção para o posto de contra-almirante e posteriormente vice-almirante, durante o conflito em 1916, merecendo a Ordem Militar da Sabóia e a Cruz de Mérito da Guerra. No final da Primeira Guerra Mundial, ele foi um dos protagonistas da ação que pôs fim à Empreitada de Rijeka, quando, ao seguir o Tratado de Rapallo frente a recusa de Gabriele D'Annunzio em deixar a Regência de Carnaro, a cidade de Rijeka estava completamente cercada e na manhã da véspera de Natal, em 24 de dezembro de 1920, o governo italiano ordenou uma intervenção militar para provocar a evacuação do território pelos legionários de D'Annunzio e Rijeka foi bombardeada pelos navios da Marinha Real. O almirante Simonetti, como Comandante-Chefe das forças navais do Alto Adriático, ordenou, da ponte de comando do navio de guerra Andrea Doria, o bombardeio do mar à cidade e um canhão disparado por Andrea Doria eviscerou a residência do Vate que no dia 31 de dezembro se rendeu, depois que quase cinquenta homens nos confrontos com o exército italiano na semana anterior, incluindo legionários, civis e soldados do exército real, perderam a vida no que foi chamado de Natal sangrento.

Posteriormente, foi Comandante-Chefe da Praça Marítima de Pola e governador de Corfu[2] durante a crise entre Itália e Grécia em 1923, depois Comandante-Chefe do Departamento Marítimo Jônico e do Baixo Adriático, Comandante-Chefe do Departamento Marítimo de Alto Tirreno [1] e, finalmente, a partir de 1º de junho de 1925, Comandante-Chefe da Armada Naval .

Seguindo o Decreto Real n. 2395, de 11 de novembro de 1923, o qual modificou as patentes dos almirantes juntamente com as de outros líderes das forças armadas do Reino, o posto de Vice-almirante foi dividido em duas categorias distintas, ou seja, vice-almirante de armada e vice-almirante de esquadra e o almirante Simonetti estava entre os que foram elevados ao posto de vice-almirante de armada, para depois assumir o posto de almirante de armada em seguimento a lei n. 1178, de 8 de junho de 1926, cujos nomes de vice-almirante de armada e vice-almirante de esquadra foram abolidos e substituídos pelos nomes de almirante de armada e de almirante de esquadra.

O almirante Simonetti morreu em Pisa em 20 de dezembro de 1926, após uma breve doença, enquanto sua bandeira de Comandante-chefe da Armada Naval ainda estava tremulando no mastro principal do navio-almirante da capitânia Conte di Cavour.[1]

Honras[editar | editar código-fonte]

Cavaleiro da Ordem Militar de Sabóia

"Como comandante das forças navais localizadas nas águas da Albânia e do Alto Epiro lutou efetivamente com excelentes resultados e com intervenção pessoal nas operações realizadas de março a outubro de 1918, em estreita colaboração com o comando das Tropas R.R., destacando-se particularmente na organização da defesa de Valona e de vários pontos da costa, na proteção de numerosos comboios, nas operações de guerra; depois, do mar, derrotou a Malakastra na ocupação de Durazzo e apoiou as tropas avançadas na linha de Mathi. Em cada ocasião, ele confirmava suas qualidades de mente e intelecto e sua competência profissional, obtendo com suas forças a conquista de importantes objetivos militares"

- Adriático 1915-1916-1917-1918

Cruz de Mérito de Guerra

"Como comandante de navio no início da guerra em operações brilhantes sob a costa adversária, e mais tarde destinado ao alto comando em locais sujeitos à ofensiva inimiga, ele provou em todas as circunstâncias suas virtudes militares"

- Adriático 1915-1916-1917-1918

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Treccani online
  2. UN GRANDE MARINAIO FORSE DIMENTICATO

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]