Diferenças de género na utilização de redes sociais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Diferenças de género na utilização de redes sociais representam a forma como homens e mulheres usam serviços de redes sociais (SNSs) de maneira diferente e com diferentes frequências. Em geral, vários pesquisadores descobriram que as mulheres tendem a usar SNSs mais que os homens e para fins diferentes e mais sociais.[1]

As mulheres têm um comportamento muito mais ativo nas redes sociais, usam-nas mais e são mais participativas do que os homens. Por isso, acredita-se que são elas as que vão definir tendências em diante porque, em termos gerais, adaptaram-se mais e melhor à tecnologia.[2]


Conexões históricas[editar | editar código-fonte]

As tecnologias, incluindo as tecnologias de comunicação, têm um longo histórico de modelagem e modelagem pelo gênero de seus usuários. Embora as tecnologias usadas para realizar tarefas domésticas tenham uma aparente conexão histórica com o gênero em muitas culturas,  uma conexão mais pronta aos SNSs pode ser estabelecida com os telefones como uma tecnologia de comunicação disponível facilmente e amplamente disponível em casa. O uso do telefone há muito tempo tem conexões de gênero, desde a suposição generalizada de que as mulheres simplesmente falam mais que os homens e o emprego de mulheres como operadoras de telefonia. Em particular, as mulheres jovens estão intimamente associadas ao uso extensivo e trivial do telefone para fins puramente sociais.[3]

Da mesma forma, o uso e a influência das mulheres no desenvolvimento de computadores foi banalizado enquanto desenvolvimentos significativos nos computadores foram masculinizados.[4]

Há evidências históricas e contemporâneas de que os temores atuais sobre a segurança on-line de meninas têm antecedentes históricos, como telégrafos e telefones. Além disso, em muitos casos, essas reações históricas resultaram em restrições ao uso da tecnologia por meninas para protegê-las de predadores, molestadores e outros criminosos que ameaçavam sua inocência. Como os medos atuais focados no uso do computador, particularmente os SNSs e outros meios de comunicação, esses medos são mais intensos quando o médium entra em casa. Esses medos têm o potencial de - pelo menos temporariamente - sobrecarregar os usos positivos e fortalecedores dessas tecnologias.[5]

Diferenças[editar | editar código-fonte]

Predileção pelo uso[editar | editar código-fonte]

Muitos estudos descobriram que as mulheres são mais propensas a usar SNSs específicos, como Facebook  ou MySpace  ou SNSs em geral.  Em 2015, 73% dos homens e 80% das mulheres online usavam sites de redes sociais. A diferença nas diferenças de gênero se tornou menos aparente no LinkedIn. Em 2015, cerca de 26% dos homens on-line e 25% das mulheres on-line usavam o site de rede orientado a negócios e funcionários.[6][7]

Privacidade[editar | editar código-fonte]

A privacidade tem sido o tópico principal de muitos estudos com usuários de SNS, e muitos desses estudos encontraram diferenças entre usuários de SNS masculinos e femininos, embora alguns estudos tenham encontrado resultados contraditórios aos encontrados em outros estudos.[8]

Alguns pesquisadores descobriram que as mulheres são mais protetoras de suas informações pessoais e mais propensas a ter perfis privados.  Outros pesquisadores descobriram que as mulheres são menos propensas a publicar alguns tipos de informações. Acquisti e Gross descobriram que as mulheres em sua amostra eram menos propensas a revelar sua orientação sexual, endereço pessoal ou número de telefone celular. Isso é semelhante à pesquisa da Pew Internet e American Life em crianças usuárias de SNSs, que descobriu que meninos e meninas apresentavam visões diferentes de privacidade e comportamentos, com as meninas se preocupando mais e restringindo informações como cidade, cidade e sobrenome. e número de telefone celular que pode ser usado para localizá-los. Pelo menos um grupo de pesquisadores descobriu que as mulheres têm menos probabilidade de compartilhar informações que "as identificam diretamente - sobrenome, número de telefone celular e endereço ou número de telefone residencial", vinculando essa resistência às preocupações maiores das mulheres com "cyberstalking" "cyberbullying" e problemas de segurança.[9]

Apesar dessas preocupações com a privacidade, os pesquisadores descobriram que as mulheres são mais propensas a manter fotos atualizadas de si mesmas. Além disso, Kolek e Saunders descobriram em sua amostra de usuários de estudantes universitários do Facebook que as mulheres eram mais propensas a não apenas postar uma foto de si mesmas em seu perfil, como também eram mais propensas a ter uma conta visível no Facebook (uma descoberta contraditória em comparação com muitos outros estudos), publicar fotos e publicar álbuns de fotos.[10]

Cyberbullying[editar | editar código-fonte]

Pesquisas anteriores realizadas para investigar se existem diferenças de gênero no cyberbullying descobriram que os meninos cometem mais bullying cibernético, falsificação cibernética e mais violência com base na identidade oculta ou se apresentando como outra pessoa.[11]

Semelhanças[editar | editar código-fonte]

Embora homens e mulheres usuários de Redes sociais exibam comportamentos e motivações diferentes, eles compartilham algumas semelhanças. Por exemplo, um estudo que examinou a veracidade das informações compartilhadas nos SNSs por estudantes universitários descobriu que homens e mulheres eram mais propensos a "fornecer informações precisas e completas sobre seu aniversário, horário das aulas, nome do parceiro, objetivo ou objetivos políticos".[12]

Os dados coletados em dezembro de 2008 pelo Pew Internet & American Life Project mostraram que os usuários da Rede social em sua amostra estavam igualmente divididos entre homens e mulheres.  Como mencionado acima, os dados da pesquisa Pew são mais novos e sem dúvida mais representativos de toda a população adulta dos Estados Unidos  que os dados de grande parte da pesquisa descrita anteriormente.

Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rondán-Cataluña, Francisco Javier; Sanz-Altamira, Borja; Peral-Peral, Begoña (2017). «Gender roles in social network sites from generation Y». Journal of technology management & innovation. 12 (4): 1–9. ISSN 0718-2724. doi:10.4067/S0718-27242017000400001 
  2. «As mulheres lideram a revolução das redes sociais | ConnectAmericas». connectamericas.com. Consultado em 28 de fevereiro de 2020 
  3. Sociologia (14 de agosto de 2012). Gender Differences in Social Network service use (em inglês). [S.l.]: Crypt Publishing. ISBN 978-620-1-45967-0 
  4. Light, Jennifer S. (1999). «When Computers Were Women». Technology and Culture. 40 (3): 455–483. ISSN 0040-165X 
  5. McPherson, Tara (2008). Digital youth, innovation, and the unexpected. [S.l.]: Cambridge, Mass. : MIT Press 
  6. Tufekci, Zeynep (1 de junho de 2008). «Grooming, Gossip, Facebook and Myspace». Information, Communication & Society. 11 (4): 544–564. ISSN 1369-118X. doi:10.1080/13691180801999050 
  7. «Men catch up with women on overall social media use». Pew Research Center (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2020 
  8. Brandtzæg, Petter Bae (2012). «Social Networking Sites: Their Users and Social Implications — A Longitudinal Study». Journal of Computer-Mediated Communication (em inglês). 17 (4): 467–488. ISSN 1083-6101. doi:10.1111/j.1083-6101.2012.01580.x 
  9. Lewis, Kevin; Kaufman, Jason; Christakis, Nicholas (1 de outubro de 2008). «The Taste for Privacy: An Analysis of College Student Privacy Settings in an Online Social Network». Journal of Computer-Mediated Communication (em inglês). 14 (1): 79–100. doi:10.1111/j.1083-6101.2008.01432.x 
  10. Kolek, Ethan A.; Saunders, Daniel (1 de janeiro de 2008). «Online Disclosure: An Empirical Examination of Undergraduate Facebook Profiles». NASPA Journal. 45 (1): 1–25. ISSN 0027-6014. doi:10.2202/1949-6605.1905 
  11. Robinson, Lawrence (2 de novembro de 2018). «Bullying and Cyberbullying - HelpGuide.org». https://www.helpguide.org (em inglês). Consultado em 28 de fevereiro de 2020 
  12. Acquisti, Alessandro; Gross, Ralph (2006). Danezis, George; Golle, Philippe, eds. «Imagined Communities: Awareness, Information Sharing, and Privacy on the Facebook». Berlin, Heidelberg: Springer. Privacy Enhancing Technologies. Lecture Notes in Computer Science (em inglês): 36–58. ISBN 978-3-540-68793-1. doi:10.1007/11957454_3 
Ícone de esboço Este artigo sobre Internet é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.