Digimon World

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Digimon World
Desenvolvedora(s) Bandai
Flying Tiger Development[1]
Publicadora(s) Bandai
Plataforma(s) PlayStation, Microsoft Windows
Série Digimon
Data(s) de lançamento PlayStation
  • JP 28 de janeiro de 1999
  • AN 23 de maio de 2000
  • PAL 6 de julho de 2001

Microsoft Windows
COR 27 de abril de 2002[2]

Gênero(s) RPG eletrônico
Virtual Pet

Digimon World (デジモンワールド, Dejimon Wārudo?) é um jogo eletrônico do gênero RPG lançado pela Bandai em 28 de janeiro de 1999 no Japão para PlayStation. Na América do Norte, o jogo foi lançado em 23 de maio de 2000 e, na Europa, em 6 de julho de 2001. A história se concentra em um humano trazido para File City na File Island por Jijimon para salvar o local. Digimon tem perdido suas lembranças e se tornado feral e a cidade caiu em desordem. O objetivo do jogador, representado por um jovem sem nome, é salvar a ilha, ajudando Digimon a recuperar a memória e a retornar à cidade.

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

A jogabilidade gira em torno de criar um Digimon único a partir de sua forma de ovo (Fresh), evoluindo para seu formato In-Training, Rookie, Champion e após muito trabalho, Ultimate. Um parceiro Digimon irá "morrer" com a idade, e retornar, eventualmente, ao formato de ovo. Então, o jogador deve treiná-lo novamente. Além de treiná-los, o jogador deve alimentá-lo, deixá-lo descansar e até mesmo, levá-lo ao banheiro.

A outra parte principal da jogabilidade é a batalha. O parceiro Digimon do jogador, luta contra o Digimon que se tornou agressivo devido a uma crise na File Island. O parceiro Digimon inicia o jogo com algumas habilidades básicas, mas adquire mais à medida que progride nos níveis através do jogo.

Enredo[editar | editar código-fonte]

O jogo gira em torno de um jovem garoto sem nome (o jogador nomeia o personagem), o protagonista, que é atraído para o mundo digital através de seu dispositivo V-Pets. Jijimon cumprimenta e faz-lhe algumas perguntas, cujas respostas determinam se ele começa com um Agumon ou Gabumon. O objetivo é viajar em torno de File Island, localizando todos os Digimon residentes da File City, que se tornaram ferais e trazê-los de volta, criando parceiros Digimon no processo. Ele deve treinar seu Digimon e atravessar todo o Digimon World até que a cidade, uma vez que pouco povoada, esteja florescendo com Digimon diferente. Ele deve finalmente ir para o Monte Infinity (localização final) para enfrentar o antagonista, Analogman e o mega Machinedramon, e salvar o mundo digital da destruição.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

O desenvolvedor e editor Bandai (atual Bandai Namco Entertainment) usou uma extensa campanha de marketing para competir com a franquia de mídia Pokémon da Nintendo, especificamente o jogo eletrônico Pokémon Red and Blue. Um card game promocional foi oferecido aos primeiros 100 mil clientes norte-americanos.[3] O jogo foi oficialmente anunciado em conjunto com Digimon World 2 em maio de 2000, antes do lançamento..[4]

Recepção[editar | editar código-fonte]

 
Resenha crítica
Publicação Nota
Famitsu 23/40[5]
GamePro 2/5[6]
GameSpot 5.1/10[7]
IGN 5.8/10[8]
Pontuação global
Publicação Nota média
Game Rankings 52,55%[9]

Digimon World recebeu uma pontuação total de 23/40 de editores da revista japonesa Famitsu,[5] e passou a vender aproximadamente 250 mil exemplares na região até fevereiro de 2000.[3]

A versão em inglês vendeu cópias suficientes para se qualificar com o título de Greatest Hits na América do Norte e Platinum Range na Europa, mas recebeu pontuações de críticas mistas, ganhando uma média de 52,55% no site de revisão global Game Rankings.[9] A revista GamePro criticou a música e os "pequenos" efeitos sonoros do jogo, bem como a natureza em grande parte incontrolável do seu sistema de combate, recomendando-o apenas para "um fã hardcore de Digimon".[6] Miguel Lopez do GameSpot também afirmou que Digimon World "não é para todos – apenas os fãs dedicados de Digimon ou os fãs aplicados do gênero," mas achou os gráficos agradáveis, declarando: "apesar do seu foco de jogo desassociado, ninguém pode negar que o Digimon World é um jogo bonito."[7] David Zdyrko do portal IGN ofereceu uma opinião semelhante sobre os visuais do jogo, afirmando: "Não há nada de revolucionário a ser feito aqui [...] mas ainda pode ser classificado como um excelente jogo", mas encontrou o sistema de batalha insatisfatório.[8]

Legado[editar | editar código-fonte]

O jogo foi seguido por várias sequencias lançadas para o PlayStation e outras plataformas, embora não conservem os elementos de jogabilidade encontrados no original. Além disso, apesar de estarem listados tal como Digimon World DS, Digimon World Dawn and Dusk, Digimon World Data Squad e Digimon World Championship não são jogos oficiais da série.

Digimon World Re:Digitize foi anunciado pela primeira vez na revista V-Jump em julho de 2011,[10] como o primeiro jogo da franquia Digimon para o PlayStation Portable.[11] O desenvolvimento esta sendo realizado por tri-Crescendo,[12] A premissa original de Re: Digitize pretendia retornar à história do primeiro jogo, Digimon World; ao contrário das outras sequências.[13]

Por sua vez, Digimon World: Next Order foi anunciado pela V-Jump em julho de 2015. Desta vez, lançado para PlayStation Vita e pelo Bandai Namco.[14] Um trailer foi lançado em 31 de julho e apresentou clipes de Digimon World antes de mostrar sua jogabilidade. O jogador assume o controle do personagem principal que viaja ao lado de um parceiro Digimon. O jogo foi lançado no Japão em 17 de março de 2016.[15]

Referências

  1. «Flying Tiger Development: Digimon World» (em inglês). Flying Tiger Development. Consultado em 10 de outubro de 2015.. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2006 
  2. «Digimon World» (em inglês). Multi Enterprise. Consultado em 7 de abril de 2005.. Cópia arquivada em 7 de abril de 2005 
  3. a b Zdyrko, Dave (15 de fevereiro de 2000). «Digimon World» (em inglês). IGN. Consultado em 22 de abril de 2010.. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2017 
  4. Shoemaker, Brad (16 de maio de 2000). «Digimon World Hands-On» (em inglês). GameSpot. Consultado em 6 de junho de 2010.. Cópia arquivada em 16 de julho de 2016 
  5. a b «デジモンワールド まとめ [PS]» [Digimon World [PS]]. Famitsu (em japonês). Enterbrain, Inc. Consultado em 9 de outubro de 2015. 
  6. a b Cheat Monkey (18 de julho de 2000). «Digimon World Review for PlayStation». GamePro (em inglês). Consultado em 9 de outubro de 2015.. Cópia arquivada em 9 de abril de 2005 
  7. a b Lopez, Miguel (30 de junho de 2000). «Digimon World Review for PlayStation» (em inglês). GameSpot. Consultado em 29 de março de 2010.. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2017 
  8. a b Zdyrko, David (5 de julho de 2000). «Digimon World» (em inglês). IGN. Consultado em 29 de março de 2010.. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2017 
  9. a b «Digimon World for PlayStation» (em inglês). GameRankings. Consultado em 9 de outubro de 2015.. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2017 
  10. Spencer (18 de julho de 2011). «Devil Survivor And Durarara!! Artist Tied To New PSP Digimon Game» (em inglês). Siliconera. Consultado em 16 de abril de 2015.. Cópia arquivada em 24 de julho de 2011 
  11. Loo, Egan (17 de julho de 2011). «Digimon World: Re:Digitize PSP Game to Ship in 2012» (em inglês). Anime News Network. Consultado em 16 de abril de 2015.. Cópia arquivada em 25 de maio de 2017 
  12. Gantayat, Anoop (23 de julho de 2011). «Digimon World Being Developed by Tri-Crescendo» (em inglês). Andriasang.com. Consultado em 16 de abril de 2015.. Cópia arquivada em 12 de maio de 2016 
  13. Laura (29 de novembro de 2011). «Digimon World Re:Digitize Goes the Full Mile Back to Digimon World 1» (em inglês). Siliconera. Consultado em 16 de abril de 2015.. Cópia arquivada em 24 de julho de 2016 
  14. Romano, Sal (15 de julho de 2015). «Digimon World: Next Order announced for PS Vita» (em inglês). Gematsu. Consultado em 10 de outubro de 2015.. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2015 
  15. «DW:NO Release Data». Gamefaqs Release Information (em inglês). 2 de junho de 2016. Consultado em 2 de junho de 2016.. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2017