Dinastia Chou

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Dinastia Zhou)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
History of China.png
História da China
História Antiga
Neolítico 8500 AEC – 2070 AEC
Dinastia Xia 2070 AEC – 1600 AEC
Dinastia Shang 1600 AEC – 1046 AEC
Dinastia Zhou 1046 AEC – 256 AEC
 Zhou Ocidental
 Zhou Oriental
   Primaveras e Outonos
   Estados Combatentes
História Imperial
Dinastia Qin 221 AEC – 206 AEC
Dinastia Han 206 AEC – 220 EC
  Han Ocidental
  Dinastia Xin
  Han Oriental
Três Reinos 220–280
  Wei, Shu and Wu
Dinastia Jin 265–420
  Jin Ocidental
  Jin Oriental Dezesseis Reinos
Dinastias do Norte e do Sul
420–589
Dinastia Sui 581–618
Dinastia Tang 618–907
  (Segunda dinastia Zhou 690–705)
Cinco Dinastias
e Dez Reinos

907–960
Dinastia Liao
907–1125
Dinastia Song
960–1279
  Song do Norte Xia Ocidental
  Song do Sul Jin
Dinastia Yuan 1271–1368
Dinastia Ming 1368–1644
Dinastia Qing 1644–1911
História Moderna
República da China 1912–1949
República Popular
da China

1949–presente
República da
China
(Taiwan)

1949–presente

Nota: a Dinastia Chou pode também referir-se à Dinastia Chou de 690 a 705 (ver Imperatriz Wu Zetian da China), ou à Dinastia Chou Posterior de 951 a 960

Chou[1] (em chinês: ; transl.: Zhou (pinyin) ou Chou (Wade-Giles))[2] foi uma das primeiras dinastias chinesas. Calcula-se que o início desta dinastia tenha se dado com a queda da Dinastia Xangue, no final do século X ou IX a.C., e seu término com a ascensão da dinastia Chim, em 256 a.C. (ou 221 a.C.). A dinastia Chou foi a dinastia com maior duração em toda a história chinesa, e a tecnologia da Era do Ferro foi introduzida na China neste período.

Mandato do Céu[editar | editar código-fonte]

Na tradição historiográfica chinesa, os líderes de Chou dissiparam a família Im (Xangue) e legitimaram seu domínio invocando o Mandato do Céu - noção segundo a qual o rei (o " filho do céu") governava por direito divino, mas a perda do trono indicaria que ele havia perdido o tal direito. O Mandato do Céu estabelecia que os Chou assumiam ascendência divina (Tiã-Huangue-Xanguedi) sobre a ascendência divina dos Xangue (Xanguedi). A doutrina explicava e justificava o fim da Dinastia Xia e Dinastia Xangue, ao mesmo tempo que dava suporte à legitimidade dos governantes atuais e futuros. A Dinastia Chou foi fundada pela família Ji e tinha sua capital na cidade de Hao (ou Haojingue, próxima da atual Xiam). Possuindo o mesmo idioma e uma cultura similar à dos Xangue, os primeiros reis Chou, através da conquista e colonização, gradualmente estenderam a cultura chinesa pelas terras bárbaras das Planícies Centrais.

Civilização Chou Ocidental

Fengjian[editar | editar código-fonte]

Na historiografia Ocidental, o período Chou é usualmente descrito como feudal, pois o descentralizado sistema dos Chou se assemelhava ao sistema medieval europeu. Entretanto, historiadores debatem acerca do termo feudal, surgido para referir-se a um contexto puramente e especificamente europeu. Portanto, o termo mais apropriado para classificar o sistema político de Chou seria da própria língua chinesa: sistema Fengjian. A organização do território era feita com base em estados subordinados, governados por homens eleitos pelo rei, geralmente conselheiros e generais de confiança, e por seus herdeiros. Os estados pagavam tributos à capital, onde o Filho do Céu governava como monarca absoluto. Também deviam fornecer soldados em tempo de guerra. No entanto, toda essa organização existiu de fato apenas durante o Período Chou Ocidental, após o qual perdeu sua relevância com o declínio do poder real diante dos estados ascendentes.

Chou Ocidental e Oriental[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, a família Ji foi capaz de controlar o reino firmemente. Em 771 a.C., depois que o rei You substituiu sua rainha pela concubina Baosi, a capital foi saqueada pelas forças conjuntas do pai da rainha, que era o poderoso marquês de Shen, além de forças do estado insatisfeito de Zengue e dos odiosos bárbaros do oeste, os Rongue. O filho da rainha, Ji Ijiu, foi proclamado o novo rei pelos nobres dos estados insurgentes. A capital foi transferida para o leste em 770 a.C., para Uanguechengue (na atual província de Honã), que era uma localidade mais modesta, porém distante da fronteira com os bárbaros e portanto mais segura contra possíveis ataques.

Vaso da Civilização Chou Ocidental dos séculos IV-III a.C. no Museu Britânico

Devido a estas rupturas, historiadores comumente dividem a era Chou em Chou Ocidental (西周, pinyin Xī Zhōu), que vai da fundação do reino por Ji Fa em 1046 até o golpe de 771 a.C., e Chou Oriental (Chinês Tradicional: 東周 Chinês Simplificado: 东周, pinyin: Dōng Zhōu), que vai de 771 até 256 a.C., com a queda de Chou, ou ainda 221 a.C., quando o Império Chim foi consolidado. O ano exato do início de Chou Ocidental é ainda alvo de discussões: algo entre 1122, 1027 e outros anos entre o século XII e XI a.C. foram propostos. Historiadores chineses mencionam habitualmente o ano 841 a.C., baseados nos Registros do Historiador de Sima Chiã., mas outros apontam o ano de 1 046 a.C. como o mais provável. O Período Chou Oriental é divido em dois subperíodos. O primeiro, iniciado em 771 e encerrado em 481 a.C., é chamado de Período de Primavera e Outono, em referência à uma famosa crônica histórica de sua época. O segundo subperíodo é chamado de Período dos Reinos Combatentes, quando o Filho do Céu perdeu o respeito que lhe restava entre os estados, após dois golpes que derrubaram os governantes dos dois estados mais leais, Jim e Chi.

Declínio[editar | editar código-fonte]

A partir do ataque de 771 a.C., o poder da corte de Chou gradualmente diminuiu, e a fragmentação do reino levou à uma calamidade de guerras entre os estados. Desde a morte de You, os reis de Chou reinavam apenas simbolicamente, e alguns nobres até mesmo deixaram de reconhecer a família Ji como detentora do Mandato Celeste, chegando a declarar-se reis de seus respectivos territórios. Finalmente, a dinastia foi derrubada em 256 a.C., quando Wangcheng e Chenguechou, as únicas cidades ainda sob poder do rei, foram conquistadas pelo Reino de Chim. O último pretendente ao trono de Chou, Hui de Chou, foi morto em 249 a.C.. Chi, o último estado combatente, foi conquistado em 221 a.C., por Chim Xiuangue, que então declarou a fundação do Império Chinês. Por essa razão, as três datas podem ser aceitas para marcar o fim da dinastia Chou.

Agricultura[editar | editar código-fonte]

A agricultura na dinastia Chou era bastante intensiva e em muitos casos controlada pelo próprio governo. Todas as terras cultivadas eram controladas pelos nobres, que as "emprestavam" para seus servos, de forma similar ao feudalismo europeu. Por exemplo, um pedaço de terra era dividido em nove partes na forma de uma "roda de água", jing (井), com os grãos da parte do meio ficando com o governo, e os das partes ao redor, ficando com os fazendeiros. Deste modo, o governo podia armazenar comida e distribuí-la em tempos de colheita ruim. Alguns importantes setores fabris do período incluíam a produção de bronze, que era utilizado integralmente na produção de armas e ferramentas agrícolas. Novamente, essas indústrias eram controladas pela nobreza, que dirigia a produção destes materiais.

Filosofia[editar | editar código-fonte]

Durante a dinastia Chou, têm se as origens da filosofia chinesa nativa que desenvolveu seus estágios iniciais a partir do século VI a.C. Os maiores filósofos chineses, aqueles que fizeram o maior impacto sobre as gerações posteriores de chineses, eram Confúcio, fundador do Confucionismo, e Laozi, fundador do Taoismo. Outros filósofos, teóricos e escolas de pensamento nesta época foram Mozi, fundador do Moísmo; Mêncio, um famoso confuciano que se expandiu sobre o legado de Confúcio; Xangue Iangue e Han Fei, responsáveis pelo desenvolvimento do Legalismo (a filosofia central da futura dinastia Chim); e Xun Zi, que era indiscutivelmente o centro da antiga vida intelectual chinesa durante o seu tempo, ainda mais do que figuras intelectuais icônicas como Mêncio.[3]

Li[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Li (Confucionista)

Estabelecido durante o período ocidental, o sistema ritual Li Chinês tradicional: ; Chinês simplificado: ; pinyin: codificou uma compreensão dos costumes como uma expressão da hierarquia social, ética e regulação concernente a vida material; As práticas sociais correspondentes se tornaram idealizadas dentro da ideologia confucionista.

O sistema foi canonizado no Livro dos Ritos, Chouli, e Yili compêndios da dinastia Han (206 BC–220 AD), tornando-se assim o coração da ideologia imperial chinesa. Enquanto o sistema era inicialmente um corpo respeitado de regulamentos concretos, a fragmentação do período Chou ocidental levou o ritual a se dirigir para a moralização e formalização em relação a:

  • As cinco ordens de nobreza chinesa.
  • Templos ancestrais (tamanho, número legítimo de pavilhões)
  • Regulamentos cerimoniais (número de vasos rituais, instrumentos musicais, pessoas na trilha dançante)

Reis Chou[editar | editar código-fonte]

Nome Próprio Nome Póstumo Duração do Reinado1 Nome o qual
é mais conhecido
Ji Chang
姬昌
Wenwang
文王
Pré-dinástico Wen de Chou
Ji Fa
姬發
Wuwang
武王
1046-1 043 a.C.1 Wu de Chou)
Ji Song
姬誦
Chengwang
成王
1042-1 021 a.C.1 Chengue de Chou
Ji Chao
姬釗
Kangwang
康王
1020-996 a.C.1 Kang de Chou
Ji Xia
姬瑕
Chaowang
昭王
995-977 a.C.1 Chao de Chou
Ji Man
姬滿
Muwang
穆王
976-922 a.C.1 Mu de Chou
Ji Yihu
姬繄扈
Gongwang
共王
922-900 a.C.1 Gong de Chou
Ji Jian
姬囏
Yiwang
懿王
899-892 a.C.1 Yi de Chou
Ji Pifang
姬辟方
Xiaowang
孝王
891-886 a.C.1 Xiao de Chou
Ji Xie
姬燮
Yiwang
夷王
885-878 a.C.1 Yi de Chou
Ji Hu
姬胡
Liwang
厲王
877-841 a.C.1 Li de Chou
  Gonghe (regente)
共和
841-828 a.C. Gonghe
Ji Jing
姬靜
Xuanwang
宣王
827-782 a.C. Xuan de Chou
Ji Gongsheng
姬宮湦
Youwang
幽王
781-771 a.C. You de Chou
Fim de Chou Ocidental / Início de Chou Oriental
Ji Yijiu
姬宜臼
Pingwang
平王
770-720 a.C. Ping de Chou
Ji Lin
姬林
Huanwang
桓王
719-697 a.C. Huan de Chou
Ji Tuo
姬佗
Chuangwang
莊王
696-682 a.C. Chuangue Chou
Ji Huchi
姬胡齊
Xiwang
釐王
681-677 a.C. Xi de Chou
Ji Lang
姬閬
Huiwang
惠王
676-652 a.C. Hui de Chou
Ji Chengue
姬鄭
Xiangwang
襄王
651-619 a.C. Xiang de Chou
Ji Renchen
姬壬臣
Qingwang
頃王
618-613 a.C. Chingue de Chou
Ji Ban
姬班
Kuangwang
匡王
612-607 a.C. Kuang de Chou
Ji Yu
姬瑜
Dingwang
定王
606-586 a.C. Ding de Chou
Ji Yi
姬夷
Jianwang
簡王
585-572 a.C. Jian de Chou
Ji Xiexin
姬泄心
Lingwang
靈王
571-545 a.C. Ling de Chou
Ji Gui
姬貴
Jingwang
景王
544-521 a.C. Jing de Chou
Ji Meng
姬猛
Daowang
悼王
520 a.C. Dao de Chou
Ji Gai
姬丐
Jingwang
敬王
519-476 a.C. Jing de Chou
Ji Ren
姬仁
Yuanwang
元王
475-469 a.C. Yuan de Chou
Ji Jie
姬介
Chendingwang
貞定王
468-442 a.C. Chendingue de Chou
Ji Chuji
姬去疾
Aiwang
哀王
441 a.C. Ai de Chou
Ji Shu
姬叔
Siwang
思王
441 a.C. Si de Chou
Ji Wei
姬嵬
Kaowang
考王
440-426 a.C. Kao de Chou
Ji Wu
姬午
Weiliewang
威烈王
425-402 a.C. Weilie de Chou
Ji Jiao
姬驕
Anwang
安王
401-376 a.C. (An de Chou
Ji Xi
姬喜
Liewang
烈王
375-369 a.C. Lie de Chou
Ji Bian
姬扁
Xianwang
顯王
368-321 a.C. Xiam de Chou
Ji Ding
姬定
Shenjingwang
慎靚王
320-315 a.C. Shenjing de Chou
Ji Yan
姬延
Nanwang
赧王
314-256 a.C. Nan de Chou
  Huiwang
惠王
255-249 a.C. Hui de Chou2
1 A primeira data geralmente aceita na historiografia chinesa é 841 a.C., o início da regência de Gonghe.
Todas as datas diferentes destas são alvo de discussões complexas. As datas aqui apresentadas são aquelas
fornecidas pelo The Xia-Shang-Zhou Chronology, a obra de estudiosos oficiais do governo chinês apresentada
em 2000.
2 nobres da família Ji proclamaram Hui como sucessor de Nan depois que sua capital, Luoyang,
caiu perante as forças de Chim em 256 a.C.. Entretanto a resistência de Chou não duraria muito tempo
contra o avanço de Chim e Nan é largamente considerado como tendo sido o último imperador da Dinastia Chou.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. SCHAFER, E. H. China antiga. Rio de Janeiro. Livraria José Olympio Editora. 1979. p. 184.
  2. SCARPARI, M. Grandes civilizações do passado: China antiga. Barcelona. Ediciones Folio. 2006. p. 20.
  3. Schirokauer & Brown (2006), pp. 25–47.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Roberts, John A. G., History of China (título original), Palgrave MacMillan, 1999 (primeira edição), 2006 (segunda edição), ISBN 978-989-8285-39-3

Ligações externas[editar | editar código-fonte]