Dinho (cantor)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados para Dinho, veja Dinho (desambiguação).
Dinho
Informação geral
Nome completo Alecsander Alves Leite
Também conhecido(a) como Dinho
Nascimento 5 de março de 1971
Local de nascimento Irecê, Bahia Bahia
 Brasil
Data de morte 2 de março de 1996 (24 anos)
Local de morte Guarulhos,  São Paulo
Gênero(s) Hard Rock
Rock cômico
Instrumento(s) Vocal e violão
Gravadora(s) EMI
Afiliação(ões) Utopia
Mamonas Assassinas

Alecsander Alves Leite, mais conhecido como Dinho (Irecê, 5 de março de 1971Serra da Cantareira, 2 de março de 1996), foi um cantor brasileiro, vocalista da banda Mamonas Assassinas, além de apresentador, compositor e humorista.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Dinho nasceu em Irecê, na Bahia, mas com apenas dois meses de vida migrou com os pais, Hildebrando Alves e Célia Ramos, para Guarulhos, em São Paulo, onde a família buscaria um futuro melhor. Seu apelido foi dado pela avó materna, Carmen Ramos, de origem espanhola, que não conseguia pronunciar Alecsander e por isso o apelidara de Dinho.

Começou a cantar ainda na infância, e aos cinco anos de idade já era a grande atração do coral infantil da igreja que frequentava. Ainda durante a infância teve suas primeiras aulas de canto na igreja Vila Barros, dadas pelo professor Donizete Severo. Em 1983 o professor de canto morreu em um acidente na fábrica em que trabalhava e desde então Dinho nunca mais voltou à igreja.

Desde a infância seu carisma era notável. Na escola, Dinho fazia sucesso com as meninas e era um verdadeiro terror para diretores e professores. Certa vez, em uma reunião de pais e mestres, uma professora desabafou para o pai de Dinho: "Botei o Dinho no fundo da sala, e ele não deixou ninguém do fundão estudar. Então o passei para o meio, e ele começou a incomodar os alunos da frente e os de trás. Então decidi colocá-lo na primeira fila, mas aí ele não me deixou dar aula. O que eu faço?". Aos dezessete anos, após ser eleito Garoto Verão de Guarulhos, vencer um concurso de dança no Programa Sílvio Santos e se apresentar algumas vezes no Perdidos na Noite, Dinho completou o segundo ano do segundo grau e decidiu largar os estudos.

Em 1989, Dinho estava assistindo um show da banda Utopia, formada à época por Sérgio, Samuel e Bento, quando subiu ao palco para cantar a música Sweet Child O' Mine, dos Guns N' Roses. Apesar de não saber cantar em inglês, seu carisma e sua presença de palco lhe garantiram o posto de novo vocalista do grupo, que posteriormente teria Márcio (tecladista) e Júlio Rasec (percursionista) como integrantes. A banda fazia pequenos shows em Guarulhos, especialmente no Parque Cecap, porém as músicas sérias do Utopia jamais fizeram o sucesso que os músicos esperavam. O fracasso pareceu ficar mais nítido em 1992, quando o LP da banda vendeu menos de cem cópias. Apesar das adversidades Dinho não desistiu, e chegou a ir até a prefeitura de Guarulhos pedir para que o Utopia fizesse um show na inauguração do Ginásio Paschoal Thomeu em Guarulhos. O fato de ser um completo desconhecido fez com que Dinho fosse destratado e humilhado pelos responsáveis do evento, que recusaram de maneira hostil a participação do Utopia na inauguração do ginásio.

Chegou a trabalhar como office boy e como animador de comícios, especialmente para o vereador Geraldo Celestino, fazendo imitações cômicas de celebridades como Maguila, Sílvio Santos e Luiz Inácio Lula da Silva. Em meados de 1992 começou a trabalhar como apresentador de um quadro musical do extinto programa Sábado Show, da TV Record, que era comandado pelo ex-sogro Savério Zacanini, que foi o responsável por dar as primeiras oportunidades de Dinho e da banda Utopia se apresentarem na televisão.

Com o passar do tempo, Dinho acabou percebendo que seu lado cômico e algumas músicas de brincadeira faziam mais sucesso do que as músicas sérias do Utopia. Após uma gravação despretensiosa das músicas Mina (que posteriormente seria reescrita e rebatizada como Pelados em Santos) e Robocop Gay, o grupo Utopia acabou sendo convencido pelo produtor Rick Bonadio a trocar o rock sério pela música cômica, e assim, em 1995, surgiu o grupo Mamonas Assassinas.

Com o sucesso instantâneo, inesperado e arrebatador que o grupo Mamonas Assassinas teve em 1995, Dinho passou de um completo desconhecido para frontman da banda mais popular do Brasil, tornando-se uma das celebridades mais assediadas do país em questão de semanas. Com a fama, conheceu alguns de seus ídolos, como Humberto Gessinger, Chitãozinho & Chororó, Roberto Leal e Morten Harket, vocalista da icônica banda A-Ha, com quem Dinho e os Mamonas Assassinas dividiram o palco em um show na casa noturna Toco Dance Club, tocando o clássico hit Take on Me.

Em 06 de janeiro de 1996, os Mamonas Assassinas voltaram para Guarulhos para realizar um inesquecível show no Ginásio Paschoal Thomeu, onde foram humilhados anos antes. Antes da apresentação como Mamonas Assassinas, os cinco integrantes da banda subiram ao palco sem as famosas fantasias e fizeram um show como se fossem banda Utopia, tocando as músicas Será, da Legião Urbana, Bichos Escrotos, dos Titãs e Horizonte Infinito, música do fracassado disco do Utopia. Em tom irônico, Dinho agradeceu aos Mamonas Assassinas pela chance de realizar o sonho do Utopia de tocar no ginásio. Em seguida, eles foram ao camarim para vestir as fantasias de presidiário e voltar ao palco como Mamonas Assassinas. No fim do show, Dinho sentou-se no palco e num raro momento de seriedade fez um desabafo para o público: "Há cinco anos eu estava aí, no meio de vocês, querendo estar aqui. E as pessoas olhavam pra mim e diziam: 'É impossível chegar até aqui'(...) Nós somos a banda Mamonas Assassinas, de Guarulhos, e levamos o nome dessa cidade pelo país e fora. E vamos levar o nome dessa cidade pro exterior também! Porque a gente ainda é daqui. O sucesso não sobe na cabeça das pessoas. Sobe apenas na cabeça das pessoas fracas. E nós não somos pessoas fracas. Se agente fosse fraco, nós teríamos desistido há cinco anos, quando as pessoas diziam que a gente nunca ia chegar até aqui. Mas nós estamos aqui!(...)".

Morte[editar | editar código-fonte]

Após pouco mais de sete meses de sucesso com os Mamonas Assassinas, Dinho morreu na noite do dia 2 de março de 1996, às 23h16min, num acidente aéreo na serra da Cantareira, junto com os outros integrantes da banda e os tripulantes da aeronave, após realizarem um show em Brasília, que seria o último antes de uma turnê em Portugal.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Em 2008 foi interpretado por Fabrízio Teixeira no especial Mamonas Assassinas - Por Toda Minha Vida, que concorreu ao Emmy Internacional de melhor programa artístico.

Em 2016 foi interpretado por Ruy Brissac na peça "O Musical Mamonas". Ruy Brissac voltará a interpretá-lo em Mamonas Assassinas - A Série, que tem estréia prevista para julho de 2016.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Com o Utopia[editar | editar código-fonte]

Álbum demo

Com os Mamonas Assassinas[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio

Coletâneas

Álbuns ao vivo

  • Mamonas ao Vivo (2006)
  • Mamonas: 20 Anos de Fenômeno (2015) "Em Andamento"

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Mamonas Assassinas
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências