Diocese de Angra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Diocese de Angra
Diœcesis Angrensis
Sé Catedral de Angra do Heroísmo
Localização
País Portugal
Território A Diocese de Angra engloba toda o território da Região Autónoma dos Açores
Arquidiocese Metropolitana Patriarcado de Lisboa
Estatísticas
Área 2 243 km²
Informação
Denominação Católica Romana
Rito Romano
Criação da Diocese 5 de Novembro de 1534
Catedral Sé Catedral de Angra do Heroísmo
Padroeiro(a) São Salvador do Mundo
Beato João Baptista Machado
Governo da Diocese
Bispo D. João Evangelista Pimentel Lavrador
Vigário-Geral Cónego Hélder Fonseca Mendes
Bispo Emérito D. António de Sousa Braga
Jurisdição Diocese
Página Oficial Diocese de Angra
dados em catholic-hierarchy.org

A Diocese de Angra, frequentemente referida incorretamente como Diocese de Angra e Ilhas dos Açores, foi criada pelo papa Paulo III através da bula Aequum reputamus, de 5 de Novembro de 1534. A diocese abrange todo o arquipélago dos Açores e tem a sua sede na cidade de Angra do Heroísmo, na ilha Terceira.

História[editar | editar código-fonte]

No que respeita à organização religiosa, os Açores, como as restantes terras do além-mar português, começaram por estar sujeitas à jurisdição espiritual da Ordem de Cristo, exercida pelo vigário nullius de Tomar, que mandava visitar as ilhas por representantes, os chamados bispos de anel. Ao ser criado o bispado do Funchal (1514), o arquipélago passou para a jurisdição deste.

A pedido de D. João III de Portugal, o papa Clemente VII criou o bispado de São Miguel (1533), mas faleceu antes da bula respectiva ter sido expedida. No ano seguinte, o recém-eleito papa Paulo III pela bula Aequum reputamus erigiu o bispado de São Salvador do Mundo, dando-lhe por catedral a igreja do mesmo nome na cidade de Angra.

A diocese de Angra ficou sé sufragânea do arcebispo do Funchal até 1550, data em que passou para a dependência da metrópole de Lisboa.

Em 2007 esta Diocese contava com 231 mil católicos num total de 242 mil açorianos. Deste total cerca de 56% dos católicos são praticantes. Possui um total de 172 paróquias ou equiparadas com 134 sacerdotes diocesanos. Possui 96 paróquias com pároco próprio. Conta com 10 religiosos professos não sacerdotes e 160 religiosas professas residentes.[1]

Lista dos bispos da Diocese de Angra[editar | editar código-fonte]

Desde a sua fundação, a Diocese de Angra foi governada pelos seguintes bispos:

  1. D. Agostinho Ribeiro (1534-1540)
  2. D. Rodrigo Pinheiro (1540-1552)
  3. D. Frei Jorge de Santiago, O.P. (1552-1561)
  4. D. Manuel de Almada (1564-1567)
  5. D. Nuno Álvares Pereira (1568-1570)
  6. D. Gaspar de Faria (1571-1576)
  7. D. Pedro de Castilho (1578-1583)
  8. D. Manuel de Gouveia (1584-1596)
  9. D. Jerónimo Teixeira Cabral (1600-1612)
  10. D. Agostinho Ribeiro (1614-1621)
  11. D. Pedro da Costa (1623-1625)
  12. D. João Pimenta de Abreu (1626-1632)
  13. D. Frei António da Ressurreição, O.P. (1635-1637)
  14. D. Frei Lourenço de Castro, O.P. (1671-1678)
  15. D. Frei João dos Prazeres, O.F.M. (1683-1685)
  16. D. Frei Clemente Vieira, O.A.D. (1688-1692)
  17. D. António Vieira Leitão (1694-1714)
  18. D. João de Brito e Vasconcelos (1718)
  19. D. Manuel Álvares da Costa (1721-1733)
  20. D. Frei Valério do Sacramento, O.F.M. Cap. (1738-1757)
  21. D. António Caetano da Rocha (1758-1772)
  22. D. Frei João Marcelino dos Santos Homem Aparício (1774-1782)
  23. D. Frei José da Avé-Maria Leite da Costa e Silva (1783-1799)
  24. D. José Pegado de Azevedo (1802-1812)
  25. D. Frei Alexandre da Sagrada Família, O.F.M. (1816-1818)
  26. D. Frei Manuel Nicolau de Almeida, O.C.D. (1820-1825)
  27. D. Frei Estêvão de Jesus Maria, O.F.M. (1827-1870)
  28. D. João Maria Pereira de Amaral e Pimentel (1872-1889)
  29. D. Francisco Maria do Prado Lacerda (1889-1891)
  30. D. Francisco José Ribeiro de Vieira e Brito (1892-1902)
  31. D. José Manuel de Carvalho (1902-1904)
  32. D. José Correia Cardoso Monteiro (1905-1910)
  33. D. Manuel Damasceno da Costa (1915-1922)
  34. D. António Augusto de Castro Meireles (1924-1928)
  35. D. Guilherme Augusto Inácio de Cunha Guimarães (1928-1957)
  36. D. Manuel Afonso de Carvalho (1957-1978)
  37. D. Aurélio Granada Escudeiro (1979-1996)
  38. D. António de Sousa Braga, S.C.I. (1996-2016)
  39. D. João Evangelista Pimentel Lavrador (desde 15 de Março de 2016)

Arciprestados[editar | editar código-fonte]

  • Arciprestado da Graciosa
  • Arciprestado da Lagoa
  • Arciprestado da Povoação
  • Arciprestado da Ribeira Grande
  • Arciprestado da Terceira
  • Arciprestado das Flores
  • Arciprestado de Capelas
  • Arciprestado de Fenais da Ajuda
  • Arciprestado de Ponta Delgada
  • Arciprestado de Santa Maria
  • Arciprestado de São Jorge
  • Arciprestado de Vila Franca do Campo
  • Arciprestado do Corvo
  • Arciprestado do Faial
  • Arciprestado do Nordeste
  • Arciprestado do Pico

Cronologia da Diocese de Angra[editar | editar código-fonte]

Século XV[editar | editar código-fonte]

Século XVI[editar | editar código-fonte]

Século XVII[editar | editar código-fonte]

Século XVIII[editar | editar código-fonte]

Século XIX[editar | editar código-fonte]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Século XXI[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Anuário de 2007 da Diocese de Angra
  2. DRUMMOND, Francisco Ferreira. Anais da Ilha Terceira, Vol. I, Cap. V., Angra do Heroísmo, 1983.
  3. Para esta ermida foram trasladados os restos mortais do general Manuel Inácio Martins Pamplona, que chegou a Ministro Assistente ao Despacho num dos governos do rei D. João VI de Portugal.
  4. Manuel Francisco dos Santos Peixoto, Apontamentos para a História da Terceira, Angra do Heroísmo, p. 144.
  5. a b c d e f g h Desdobrável "Bem vindos à Catedral de Angra - ilha Terceira – Açores”. Ed. da Sé Catedral de Angra. Tip. Moderna - Angra do Heroísmo
  6. Angra do Heroísmo: Janela do Atlântico entre a Europa e o Novo Mundo. Horta (Faial): Governo Regional dos Açores; Direcção Regional do Turismo dos Açores. s.d.
  7. a b c d e f g h i j k Impérios da Terceira por ordem de antiguidade.
  8. [Padre Alfredo Lucas Sampaio, op. cit., p. 219.]
  9. Embora seja frequente encontrar como explicação do topónimo o ser a localidade atravessada por cinco ribeiras (supostamente as da Ponte, do Salto, do Mouro, das Cinco e da Praia), tal não corresponde à realidade, pois duas daquelas ribeiras não atravessam o povoado, quedando-se pela vizinha freguesia de São Bartolomeu dos Regatos. A raiz da designação encontra-se na expressão Às Cinco Ribeiras, nome que passou a designar o território em torno da quinta ribeira encontrada viajando de Angra em direcção ao oeste. Aliás esta mesma razão está por detrás dos nomes das freguesias de Santa Bárbara das Nove Ribeiras e de Doze Ribeiras, cujas igrejas se encontram nas imediações da Ribeira das Nove e da Ribeira das Doze, respectivamente. Este sistema de numeração das ribeiras prolonga-se até à Serreta, no extremo oeste da ilha.
  10. Genealogias da ilha Terceira de António Ornelas Mendes e Jorge Forjaz. Vol. VI Pág. 506 Dislivro Histórica, 2007
  11. Genealogias da ilha Terceira de António Ornelas Mendes e Jorge Forjaz. Vol. I Pág. 583 Dislivro Histórica, 2007
  12. Alfredo Lucas, As Ermidas da Ilha Terceira. Angra do Heroísmo: Edições BLU, 2004 (pp. 2019-210).
  13. O denominado "órgão grande", localizado originalmente do lado da Epístola, fora doado por Maria I de Portugal, a pedido do Bispo D. Frei João Marcelino. O segundo, denominado como "órgão pequeno", encontrava-se do lado do Evangelho e foi o primeiro órgão construído pelos organeiros João Nicolau Ferreira e padre Silvestre Serrão, em 1850.
  14. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae Boletim Paroquial de São Salvador, Novembro de 2010, pág. 3. Ano XI nº 2
  15. Alfredo Lucas, As Ermidas da Ilha Terceira. Angra do Heroísmo: Edições BLU, 2004 (pp. 2019-210);
  16. Jornal "A União", n.º 32.962, de 6 de Maio de 2006.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Pereira, José Augusto (cónego), A Diocese de Angra na História dos seus Prelados, União Gráfica Angrense, Angra do Heroísmo, 1950.
  • Pereira, José Augusto (cónego), O Seminário de Angra, União Gráfica Angrense, Angra do Heroísmo, 1963.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Bandeira do Vaticano Circunscrições eclesiásticas da Igreja Católica em Portugal Bandeira de Portugal
Conferência Episcopal Portuguesa
Metrópoles Eclesiásticas
Patriarcado de Lisboa | Arquidiocese de Braga | Arquidiocese de Évora
Dioceses
Algarve | Angra | Aveiro | Beja | Bragança-Miranda | Coimbra | Funchal
Guarda | Lamego | Leiria-Fátima | Portalegre-Castelo Branco | Porto
Santarém | Setúbal | Viana do Castelo | Vila Real | Viseu
Ordinariato Castrense
Dioceses históricas entretanto extintas
Aquæ Flaviæ (Chaves) | Betecas (Boticas) | Caliábria | Castelo Branco
Dume | Elvas | Magneto (Meinedo) | Miranda | Penafiel | Pinhel | Salácia
Administração Apostólica de Valença | Isento de Tomar | Isento de Santa Cruz