Diogo Pires, o Moço

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Diogo Pires, o Moço
Nascimento Séc. XV
Morte Séc. XVI
Nacionalidade portuguesa
Área Escultura
Movimento(s) estilo manuelino
Túmulo de Aires Gomes da Silva, 1522, Igreja do Mosteiro de S. Marcos (Universidade de Coimbra)

Diogo Pires, o Moço ou Diogo Pires-o-Moço (as datas e locais de nascimento e morte são desconhecidos), foi um escultor português ativo entre o final do século XV e o primeiro quartel do século XVI; era filho ou sobrinho de Diogo Pires, o Velho.[1]

Formado no contexto do gótico tardio, Diogo Pires, o Moço foi "o maior vulto da escultura manuelina". A sua obra assinala a transição, em Portugal, entre o gótico e a renascença.[2]

Biografia / Obra[editar | editar código-fonte]

As suas primeiras obras importantes, como o Padrão da Ponte de Coimbra ou a Estátua jacente de Frei João Coelho, são inteiramente no estilo manuelino, faceta da sua obra que culminará com as duas estátuas do Anjo Heráldico (ou Anjo Custódio do Reino), realizadas para a Igreja do Mosteiro de Santa Cruz e consideradas as suas obras-primas. A imagem do Anjo Heráldico poderá ser considerada como "o alfa e o ómega da estatuária manuelina: ao mesmo tempo que a afirma na sua pujança, é o seu grande canto do cisne".[2]

"Diogo promoveu, dentro da sua obra, uma gradual renovação de acordo com o gosto «ao romano», por influência, decerto, de Nicolau Chanterene, com quem conviveu e trabalhou"[3]. A mudança pode localizar-se entre 1522 e 1523, aquando da empreitada de renovação da igreja do Mosteiro de São Marcos de Coimbra em que ambos estiveram envolvidos. Os túmulos de Aires Gomes da Silva e de João da Silva dão conta dessa alteração, confirmando a viragem estilística do escultor, que então procurou, em certa medida, aproximar-se das opções renascentistas de Chanterene[2].

Algumas obras[1][2][editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Diogo Pires, o Moço

Referências

  1. a b Dias, Pedro – A escultura de Coimbra do gótico ao maneirismo. Coimbra: Câmara Municipal de Coimbra, 2003, p. 76-82.
  2. a b c d Pereira, Fernando António Baptista – "Diogo Pires-o-Velho". In: Pereira, José Fernandes – Dicionário de Escultura Portuguesa. Lisboa: Editorial Caminho, SA, 2005.
  3. Pereira, Paulo – Arte Portuguesa: História Essencial. Lisboa: Círculo de Leitores; Temas e Debates, 2011, p. 490, 491.
  4. «Anjo Heráldico». Museu Nacional de Machado de Castro. Consultado em 24 de novembro de 2014 
Ícone de esboço Este artigo sobre um escultor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.