Dionísio Evangelista de Castro Cerqueira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dionísio Evangelista de Castro Cerqueira
Constituição brasileira de 1891, página da assinatura de Dionísio Evangelista de Castro Cerqueira (terceira assinatura). Acervo Arquivo Nacional

Dionísio Evangelista de Castro Cerqueira (Curralinho, 2 de abril de 1847Paris, 15 de fevereiro de 1910) foi um engenheiro militar brasileiro.

De família baiana de recursos, seu pai era catedrático da Escola de Medicina de Salvador, entrou no exército como praça, em 2 de fevereiro de 1865, quando estudante da Escola Central, do Rio de Janeiro, devido à guerra do Paraguai, de onde retornou, em 5 de fevereiro de 1870, como tenente. Serviu inicialmente na artilharia e, a seguir, na infantaria, em batalhão baiano. No exército, reformou-se como general-de-brigada.

Escreveu o livro "Reminiscências da Guerra do Paraguai", no qual revisava as provas quando morreu em Paris, onde se encontrava a serviço. O livro foi editado, na França, e meados de 1910, com reedição em 1929, e terceira apresentação, em 1948, pela biblioteca do Exército.

No governo de Prudente de Morais foi ministro das Relações Exteriores (1 de setembro de 1896 a 15 de novembro de 1898), da Guerra (23 de novembro de 1896 a 4 de janeiro de 1897) e da Indústria, Viação e Obras Públicas (1 de outubro a 13 de novembro de 1897).

O município catarinense de Dionísio Cerqueira é assim denominado em sua homenagem, pois pacificou os limites geográficos das fronteiras entre Brasil e Argentina, no tratado arbitrado por Grover Cleveland, o qual ficou conhecido como a Questão de Palmas.

Casou-se com Antonietta Braga Torres, nascida em Sobral, filha do Brigadeiro Francisco Xavier Torres Junior com que teve a filha Dionísia e a neta: Maria Antonietta. Cunhado do senador Joaquim Antônio da Cruz, e do escritor Domingos Olímpio, que o assessorou na missão acima com quem colaborou no periódico "Os Annaes", que era editado até o início do século XX, no Rio de Janeiro. Tio de Eurico Cruz e, por afinidade, do senador Benjamim Liberato Barroso. Tio-avô de Benjamin Eurico Cruz.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Carlos Augusto de Carvalho
Ministro das Relações Exteriores
1896 — 1898
Sucedido por
Olinto de Magalhães
Precedido por
Bernardo Vasques
Ministro da Guerra do Brasil
1896 — 1897
Sucedido por
Francisco de Paula Argolo
Precedido por
Joaquim Duarte Murtinho
Ministro da Indústria, Viação e Obras Públicas
1897
Sucedido por
Sebastião Eurico Gonçalves de Lacerda