Dionísio Santos Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde setembro de 2012). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Dionísio Santos Silva
Nascimento 1844
Porto
Morte 1920 (76 anos)
Cidadania Portugal
Ocupação comerciante

Dionísio dos Santos Silva (Porto, 1844Porto, 1920) foi um comerciante, ativista republicano e político português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

De origem modesta, iniciou a sua vida como operário chapeleiro, ofício que levou por diante até se tornar proprietário da Chapelaria Portuense, instalada na Rua de Santo António (hoje Rua de 31 de Janeiro), no Porto.

Participante ativo na greve dos chapeleiros de 1877, tornou-se ativista da esquerda monárquica, tendo sido um militante influente do Partido Progressista, no Porto. Entretanto foi também iniciado na Maçonaria.

Eleito, aos 27 anos, presidente da Junta da Paróquia de Santo Ildefonso, dedicou atenção à instrução popular e à assistência social. Após o Ultimato britânico de 1890, colaborou na Revolta de 31 de Janeiro de 1891 e acabou por aderir ao Partido Republicano. Foi então que fundou A República Portugueza, jornal de que foi administrador e onde colaboraram Teófilo Braga, Latino Coelho, António José de Almeida e Basílio Teles, entre outros. Ao mesmo tempo foi sócio da tipografia Empresa Literária.

Em 1891 a Chapelaria Portuense vai à falência, sendo obrigado a socorrer-se do apoio do filho Eduardo, o único varão que, quando o pai foi preso, tinha apenas 11 anos. Em 1907 funda o Centro Republicano Rodrigues de Freitas. Recompõe a vida como sócio-gerente do Teatro Circo Águia d'Ouro.

Com o advento da Primeira República assumiu funções políticas como Administrador do concelho de Vila Nova de Gaia e de Santo Tirso e tornou-se co-proprietário do diário republicano "O Norte".

Família[editar | editar código-fonte]

Casou com Ana Teixeira, falecida a 1 de Junho de 1894, de quem teve um filho e quatro filhas: Eduardo Santos Silva, Emília dos Santos Silva, casada com Mem Tinoco Verdial, filho de Miguel Henriques Verdial e de sua mulher ... Tinoco, com geração, Elvira dos Santos Silva, casada com António Taveira da Costa, com geração, Etelvina dos Santos Silva, casada com ... Dubernet, com geração feminina, e Evangelina dos Santos Silva, casada com António Cerveira Pinto, com geração.