Direct Rendering Infrastructure

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Translation arrow.svg
Este artigo resulta, no todo ou em parte, de uma tradução do artigo «Direct Rendering Infrastructure» na Wikipédia em inglês, na versão original. Você pode incluir conceitos culturais lusófonos de fontes em português com referências e inseri-las corretamente no texto ou no rodapé. Também pode continuar traduzindo ou colaborar em outras traduções. (Data da tradução: 15 de agosto de 2018)Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Existem dois drivers de hardware gráfico: um reside dentro do servidor de exibição X. Houve vários projetos deste driver. O atual divide-o em duas partes: DIX (Device-Independent X) e DDX (Device-Dependent X)
O Glamor irá simplificar o servidor X, e libGL-fglrx-glx poderia usar o libDRM do driver em código aberto radeon em vez do blob binário proprietário.
Os cálculos de renderização são terceirizados através do OpenGL para a GPU para ser feito em tempo real. O DRI regula o acesso e a contabilidade.

Direct Rendering Infrastructure (abreviado como DRI, Infraestrutura de Renderização Direta em inglês) é um framework para permitir acesso direto ao hardware gráfico no sistema de janelas X de maneira segura e eficiente.[1] O principal uso do DRI é fornecer aceleração de hardware para a implementação do OpenGL no Mesa. O DRI também foi adaptado para fornecer aceleração OpenGL em um console framebuffer sem um servidor de exibição em execução.[carece de fontes?]

A implementação do DRI está espalhada pelo servidor X e suas bibliotecas clientes associadas, o Mesa 3D e o subsistema de kernel Direct Rendering Manager.[1] Todo o seu código fonte é software livre.

Visão geral[editar | editar código-fonte]

Na arquitetura clássica do sistema de janelas X, o servidor X é o único processo com acesso exclusivo ao hardware gráfico e, portanto, aquele que faz a renderização real no framebuffer. Tudo o que os clientes X fazem é se comunicar com o servidor X para despachar comandos de renderização. Esses comandos são independentes do hardware, o que significa que o protocolo X11 fornece uma API que abstrai o dispositivo gráfico para que os clientes X não precisem saber ou se preocupar com as especificidades do hardware subjacente. Qualquer código específico de hardware reside dentro do Device Dependent X (DDX), a parte do servidor X que gerencia cada tipo de placa de vídeo ou adaptador gráfico e que também é chamada de driver de vídeo ou driver de gráficos.

A ascensão da renderização em 3D mostrou os limites dessa arquitetura. Os aplicativos gráficos 3D tendem a produzir grandes quantidades de comandos e dados, todos os quais devem ser despachados para o servidor X para renderização. Como a quantidade de comunicação entre processos (IPC) entre o cliente X e o servidor X aumentou, o desempenho de renderização 3D sofreu ao ponto de os desenvolvedores de drivers X concluírem que, para aproveitar as capacidades de hardware 3D das mais recentes placas gráficas, um nova arquitetura sem IPC era necessária. Os clientes X devem ter acesso direto ao hardware gráfico, em vez de depender de um processo de terceiros para fazer isso, salvando toda a sobrecarga do IPC. Essa abordagem é chamada de "renderização direta", em oposição à "renderização indireta" fornecida pela arquitetura X clássica. A Infraestrutura de Renderização Direta foi desenvolvida inicialmente para permitir que qualquer cliente X execute a renderização 3D usando essa abordagem de "renderização direta".

Nada impede que o DRI seja usado para implementar a renderização direta em 2D acelerada em um cliente X.[2] Simplesmente ninguém teve a necessidade de fazê-lo porque o desempenho de renderização indireta 2D foi bom o suficiente.

Adoção[editar | editar código-fonte]

Diversos drivers em código aberto que usam o DRI foram escritos, incluindo aqueles para ATI Mach64, ATI Rage128, ATI Radeon, 3dfx Voodoo3 a Voodoo5, Matrox G200 a G400, SiS série 300, Intel i810 a i965, S3 Savage, chipsets gráficos VIA UniChrome e nouveau para Nvidia. Alguns fornecedores de gráficos escreveram drivers em código fechado que usam o DRI, incluindo a ATI e Kyro.

As várias versões do DRI foram implementadas por vários sistemas operacionais, entre outras pelo núcleo Linux, FreeBSD, NetBSD, OpenBSD e OpenSolaris.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia tem o portal:

Referências

  1. a b «Mesa 3D and Direct Rendering Infrastructure wiki». Consultado em 15 de julho de 2014. 
  2. Høgsberg, Kristian (4 de setembro de 2008). «The DRI2 Extension - Version 2.0». X.Org. Consultado em 29 de maio de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Direct Rendering Infrastructure