Direitos humanos na China

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Protestos e dissidência
Manifestação em Hong Kong pelo 30º aniversário do protesto na Praça da Paz Celestial em 1989.
Manifestação em Hong Kong após a morte de Liu Xiaobo, ganhador do Prêmio Nobel da Paz que havia sido preso pelo governo.[1]
Tibetanos radicados na Índia queimam uma bandeira chinesa em protesto

Os direitos humanos na China são um tema altamente contestado, e são revistos periodicamente pelo Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas (UNHRC),[2] sobre o qual o governo da República Popular da China e vários governos estrangeiros e organizações de direitos humanos discordaram com frequência. As autoridades da República Popular da China, seus apoiantes e outros proponentes afirmam que as políticas existentes e as medidas de fiscalização são suficientes para a proteção contra os abusos dos direitos humanos. Pelo contrário, outros países, e suas autoridades (como o Departamento de Estado dos Estados Unidos, o Ministério de Relações Exteriores do Canadá, entre outros), organizações não-governamentais (ONGs), tais como a Direitos Humanos na China (HRIC, baseada em Nova Iorque) e a Anistia Internacional, e cidadãos, advogados e dissidentes dentro do país, afirmam que as autoridades na China continental sancionam ou organizam regularmente tais abusos.

ONGs como a Anistia Internacional e a Human Rights Watch, bem como instituições governamentais estrangeiras, como o Departamento de Estado dos Estados Unidos, apresentam regularmente evidências de que a República da China viola as liberdades de expressão, movimento e religião de seus cidadãos e de outras pessoas de sua jurisdição. As autoridades da República Popular da China afirmam definir os direitos humanos de maneira diferente, de modo a incluir os direitos econômicos e sociais, bem como os direitos políticos, tudo em relação à "cultura nacional" e ao nível de desenvolvimento do país.[3] As autoridades da República Popular da China, referindo-se a essa definição, afirmam que os direitos humanos estão sendo melhorados.[4]

De acordo com o relatório da Anistia Internacional de 2016/2017, o governo continuou a redigir e promulgar uma série de novas leis de segurança nacional que apresentavam sérias ameaças à proteção dos direitos humanos. A repressão nacional contra advogados e ativistas de direitos humanos continuou durante todo o ano. Ativistas e defensores dos direitos humanos continuaram a ser sistematicamente submetidos a monitoramento, assédio, intimidação, prisão e detenção. O relatório continua afirmando que a polícia deteve números crescentes de defensores dos direitos humanos fora dos centros de detenção formais, às vezes sem acesso a advogado por longos períodos, expondo os detentos ao risco de tortura e outros maus-tratos. Livreiros, editores, ativistas e um jornalista desaparecidos nos países vizinhos em 2015 e 2016 compareceram à detenção na China, causando preocupações sobre as agências de aplicação da lei da China que atuam fora de sua jurisdição.[5]

O governo chinês responde às críticas afirmando que a noção de direitos humanos deve levar em conta o atual nível de desenvolvimento econômico e a situação geopolítica, além de se concentrar mais sobre os direitos do povo à subsistência e desenvolvimento.[6] O aumento da alfabetização, da expectativa de vida e do padrão de vida dos chineses médios nas últimas três décadas é visto pelo governo como um progresso tangível em matéria de direitos humanos.[7] Os esforços na última década para combater desastres naturais, como as constantes enchentes do rio Yangtzé e acidentes de trabalho também são retratados pelo governo como um progresso em matéria de direitos humanos para um país em desenvolvimento.[6]

Repressão[editar | editar código-fonte]

Desde as reformas legais dos finais dos anos 70 e 80, o Partido Comunista Chinês tem vindo oficialmente a adoptar a linguagem do Estado de direito e a estabelecer um sistema judicial moderno. No processo, promulgou milhares de novas leis e regulamentos, e começou a formar mais profissionais do direito, que em seguida reprime.[8] O conceito de "Estado de direito" foi enfatizado na constituição, e o partido no poder empreendeu campanhas para promover a ideia de que os cidadãos têm protecção ao abrigo da lei. [8]

O advogado Gao Zhisheng sujeito a desaparecimento forçado. Nenhuma informação sobre o seu paradeiro é conhecida desde Agosto de 2017. [9]

Ao mesmo tempo, porém, existe uma contradição fundamental na própria constituição, na qual o Partido Comunista insiste que a sua autoridade se sobrepõe à da lei.[10] Os advogados chineses continuam a enfrentar enormes obstáculos na defesa dos cidadãos cujos direitos foram violados e dos suspeitos de crimes comuns. Os advogados enfrentam frequentemente violência, intimidação, ameaças, vigilância, assédio, detenção arbitrária, acusação e suspensão ou expulsão da ordem pública por exercerem a sua profissão. Os advogados são frequentemente incapazes de procurar reparação por estas ameaças e ataques, uma vez que as autoridades responsáveis pela aplicação da lei se recusam a investigar os abusos.[8]

A Constituição da República Popular da China (RPC) afirma que os "direitos fundamentais" dos cidadãos incluem a liberdade de expressão, a liberdade de imprensa, o direito a um julgamento justo e à liberdade de religião, o sufrágio universal e os direitos de propriedade.[11] No entanto, estas disposições não conferem aos chineses proteção significativa, na prática, contra procedimentos penais ou extrajudiciais do Estado.[12][13][14][10]O artigo primeiro da Constituição esclarece: "O sistema socialista é o sistema básico da República Popular da china. É proibida a sabotagem do sistema socialista por qualquer organização ou indivíduo."[11]

A República Popular da China é classificada pela Freedom House como "não livre".[15] A Human Rights Watch aponta-lhe graves e constantes violações dos direitos humanos.[16] A Amnistia Internacional aponta também numerosas violações desses direitos.[17] Apesar do seu histórico controverso,[18][19][20] a China faz parte, desde Outubro de 2010, do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, a par do Paquistão, Cuba e a Federação Russa.[21][22]

Para o governo chinês, os direitos humanos na China só fazem sentido se desenvolvidos de acordo com as "características chinesas", uma frase chave constantemente repetida na propaganda governamental.[23] Assim, existe um desenvolvimento político com "características chinesas", um sistema partidário com "características chinesas", um sistema judicial com "características chinesas" e assim por diante. [6]

A Fevereiro de 2021, o ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, discursando no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, defendeu as suas visões de direitos humanos, com a prosperidade económica e a segurança no topo das prioridades. O porta-voz do ministério, Wang Wenbin, esclareceu nesse mesmo dia: a China quer que o Conselho "rejeite a interferência nos assuntos internos de outros países e dois pesos e duas medidas sob o pretexto dos direitos humanos". Ainda de acordo com Wang Wenbin, a repetida reeleição da China para o Conselho comprova o reconhecimento, pela comunidade internacional, da causa dos direitos humanos da China. A formulaçao chinesa é atrativa para um grande número de países - em especial outros governos de inclinação autoritária.[24] A credibilidade daquele organismo das Nações Unidas tem sido bastante abalada após terem sido eleitos para o Conselho alguns dos países do mundo mais desrespeitadores dos direitos humanos, incluindo a Russia. [25] Na análise da jornalista Shannon Tiezzi, a China tenta refazer o próprio conceito de direitos humanos para melhor se adequar ao Partido Comunista Chinês, o que levanta a questão de como o Conselho irá funcionar no futuro. Irá adoptar gradualmente a nova definição de direitos humanos da China?[24]

Liberdades políticas[editar | editar código-fonte]

O governo chinês é intolerante em relação a pontos de vista dissidentes. Ativistas são regularmente detidos e encarcerados, muitas vezes por longos períodos de tempo e sem julgamento. A tortura e trabalhos forçados são comuns. A liberdade de reunião e associação é muito limitada.[16][26][15][19][20]

2 de Junho de 1989: protestos na Praça Tiananmen. Na Wikimedia Commons, a foto é acompanhada por um "aviso legal" em língua chinesa: "Esta imagem é uma representação escandalosa do comunismo e do governo chinês. Esta imagem é proibida na China Continental porque viola as leis relevantes (...)"

Os mais recentes movimentos de massas a favor da liberdade política foram sangrentamente reprimidos; durante o massacre de Tiananmen em 1989, as estimativas do número de mortos variaram entre duzentos e dez mil, consoante as fontes indicadas.[27][28][29]

Eleições na China rural[editar | editar código-fonte]

No sistema eleitoral chinês os congressos populares locais são diretamente eleitos, e todos os níveis de congressos populares, desde os níveis superiores aos nacionais, são depois indirectamente eleitos pelos congressos populares de nível inferior. O Presidente da China e o Conselho de Estado são eleitos pelo Congresso Nacional do Povo.

Na China existem também outros partidos políticos autorizados,em número de oito, conhecidos como "partidos democráticos", que porém não são nem partidos exteriores ao poder nem partidos da oposição.[30]

Contudo, a partir de 1979, já aldeões em Guang Xi tinham criado uma organização de aldeia autónoma e realizado eleições, que foram formalmente introduzidas em 1987 com a promulgação da Lei Orgânica Provisória de Comitês de Aldeias. As cerca de 650 mil aldeias na China (em 2004) tinham um tamanho médio de 380 famílias aproximadamente. Cada aldeia possui habitualmente uma filial do PCC, um Comité de Aldeia e uma Assembleia de Representantes da Vila. As três organizações constituem geralmente a estrutura do poder político da aldeia. Idealmente, o comité da aldeia deveria ter poder administrativo, com a assembleia dos representantes da aldeia a exercer poderes legislativos e de supervisão. Por lei, a filial do partido constitui o coração da estrutura de poder da aldeia, e é aceite na maior parte das aldeias que o líder é o secretário do partido e não o chefe eleito da aldeia. [31]

De acordo com o Artigo 111 da Constituição da República Popular da China (1982), o comité da aldeia é constituído como uma organização popular de base autónoma e os seus membros devem ser eleitos através de eleições regulares e justas. O comité da aldeia é responsável pela gestão dos assuntos da aldeia. [31]

Tais experiências de democracia direta tiveram resultados díspares. Vários problemas surgiram, incluindo a corrupção eleitoral, a intensificação das lutas entre clãs, o fracasso em completar as eleições, a eleição de criminosos ou líderes de curta visão, o domínio de figuras autoritárias sobre os cidadãos através do clientelismo, a distribuição injusta da propriedade colectiva em favor dos ricos, e a exclusão das mulheres. Os detentores do poder perseguem os seus próprios objetivos; além disso, não houve até agora extensão das eleições para além das aldeias.[32]

Mas, aponta Baogang He, há casos de democracia estabelecida, envolvendo um grande avanço em termos de eleições justas e livres, com chefes de aldeia eleitos controlando os assuntos da aldeia, e secretários do partido sendo eleitos por todos os aldeões, ou pelos membros do partido. Os chefes de aldeia seguem regras democráticas e aprendem a utilizar meios democráticos para resolver problemas sociais cada vez mais frequentemente. Existe uma cidadania activa e uma ampla participação no processo político, embora não se possa considerar democracia plena, porque ainda está enraizada em estruturas autoritárias.[33]


Direitos de camponeses[editar | editar código-fonte]

Com a reforma econômica chinesa, dezenas de milhões de trabalhadores rurais do país que se mudaram para as grandes cidades[34] foram tratados como pessoas de segunda classe por um sistema obsoleto de registro domésticos, chamado hukou, que controla os benefícios governamentais.[35]

O sistema de direitos de propriedade é fraco e ocorrem desapropriações abusivas de terras de camponeses.[34] Em 2003/2004, um agricultor médio tinha de pagar três vezes mais impostos, embora o seu rendimento tenha sido de apenas um sexto do de um morador urbano médio.[35] Desde então, uma série de impostos rurais têm sido reduzidos ou suprimidos e outros serviços sociais prestados às populações rurais.[36][37]

Censura[editar | editar código-fonte]

A censura do discurso político e da informação, inclusive na internet,[38] é aberta e usada rotineiramente para silenciar as críticas ao governo e ao Partido Comunista Chinês.[39][40] Em 2020, a organização Repórteres sem Fronteiras classificou a China na 177ª posição (entre 180 estados) em seu relatório anual do "Índice de Liberdade de Imprensa".[41]

O governo reprime as manifestações de organizações e crenças que considera uma potencial ameaça para o controle da "estabilidade social", como foi o caso do Protesto na Praça da Paz Celestial em 1989. O Partido Comunista tem tido pouco sucesso em controlar a informação: um poderoso sistema de controle de mídia enfrenta o avanço muito forte do mercado e de cidadãos cada vez mais educados, além de mudanças culturais que estão tornando o país mais aberto, especialmente em relação a questões ambientais.[42][43]

Embora a constituição de 1982 garanta liberdade de expressão, o governo chinês frequentemente usa as cláusulas de "subversão do poder do Estado " e "proteção dos segredos de Estado em seu sistema jurídico para prender aqueles que criticam o governo. Outro crime usado para prender críticos é denominado "brigar e provocar problemas". Durante os Jogos Olímpicos de 2008, o governo prometeu emitir licenças autorizando as pessoas a protestar em "parques de protesto" especificamente designados em Pequim. No entanto, a maioria dos pedidos foi retira da, suspensa ou vetada, e a polícia deteve algumas das pessoas que se inscreveram. [44] [45] [46] [47] [48]

As referências a certos eventos polêmicos e movimentos políticos, bem como o acesso a páginas da web consideradas pelas autoridades do governo chinês como "perigosas" ou "ameaçadoras à segurança do Estado", são bloqueadas na Internet na China. O conteúdo contestado ou crítico às autoridades da China está ausente de muitas publicações e está sujeito ao controle do Partido Comunista chinês na China continental. As leis da República Popular da China proíbem a defesa da separação de qualquer parte de seu território reivindicado da China continental, ou a contestação pública do domínio do Partido Comunista Chinês obre o governo da China. Um protesto não autorizado durante as Olimpíadas por sete ativistas estrangeiros no Museu das Nacionalidades da China, protestando por um Tibete livre e bloqueando a entrada, foi liberado, mas os manifestantes foram deportados. [49] [50] [51]

Mecanismos de busca estrangeiros na Internet, incluindo Microsoft Bing, Yahoo! e o Google China foram criticados por auxiliar essas práticas. O Yahoo!, em particular, afirmou que não protegerá a privacidade e a confidencialidade de seus clientes chineses das autoridades. Em 2005, depois do Yahoo! A China forneceu seus e-mails pessoais e endereços de IP ao governo chinês. O repórter Shi Tao foi condenado a dez anos de prisão por divulgar um documento interno do Partido Comunista a um site de democracia chinesa no exterior.  O presidente do Skype, Josh Silverman, disse que era "conhecimento comum" que se "estabeleceram procedimentos para bloquear mensagens instantâneas contendo certas palavras consideradas ofensivas pelas autoridades chinesas". Em junho de 2020, a União Europeia exigiu a libertação imediata de Yu Wensheng, que depois de dois anos detido, foi condenado sob a acusação de “incitar a subversão do poder do Estado”, por ter escrito uma carta aberta exigindo reformas constitucionais.  O blogueiro chinês e ativista de direitos humanos Wu Gan foi condenado a 8 anos de prisão em dezembro de 2017. [52] [53] [54] [55]

Em 24 de julho de 2020, o Partido Comunista Chinês expulsou um magnata da propriedade honesto e influente, Ren Zhiqiang, que denunciou o líder autoritário do país, o secretário-geral do PCC, Xi Jinping. Ele desapareceu em março após criticar Xi, e posteriormente seu caso foi encaminhado ao sistema judiciário para investigação criminal. Em 29 de julho de 2020, o governo chinês começou a aplicar a nova Lei de Segurança Nacional para suprimir o discurso pacífico, restringir a liberdade acadêmica e gerar um efeito inibidor sobre as liberdades fundamentais em Hong Kong. Em 11 de agosto de 2020, a Human Rights Watch exigiu que as autoridades chinesas, com base na lei de segurança, libertassem imediatamente os 10 apoiadores e ativistas da democracia presos em 10 de agosto e retirassem todas as vagas acusações de “segurança nacional” impostas a eles. Em junho de 2020, Cai Xia , um professor aposentado da Escola Central do Partido , criticou Xi Jinping, o secretário-geral do PCC, o chamou de "chefe da máfia" e o Partido Comunista de "zumbi político". Em um áudio de 20 minutos em sites de redes sociais, ela disse que todos são escravos de Xi e que não há direitos humanos e estado de direito. Ela sugeriu que Xi se aposentasse. Em 17 de agosto de 2020, Cai Xia foi expulsa da Escola Central do Partido do Partido Comunista e sua aposentadoria foi cancelada. [56] [57] [58] [59] [60]

Censura Durante a Pandemia Covid-19[editar | editar código-fonte]

Durante a crise do Coronavírus de 2020, a China supostamente suprimiu a notícia do vírus e também tentou minimizar e subestimar as mortes. Há relatos de detenções, agressões, torturas e desaparecimentos de denunciantes, incluindo ativistas, médicos, advogados, estudantes e empresários que criaram e enviaram vídeos de hospitais sobrecarregados e alto número de mortes. A jornalista independente Zhang Zhan foi sentenciada a quatro anos de prisão por "provocar brigas e causar problemas", uma acusação que recebeu depois de voar para Wuhan após o surto de COVID-19 para compartilhar suas descobertas com outras pessoas.[61][62]

Alguns desses denunciantes foram: (a) Li Werlang, um médico chinês que trabalhava no Hospital Central de Wuhan e emitiu avisos de emergência para outros hospitais e médicos sobre a nova doença. Ele foi preso e acusado de "fazer comentários falsos" que "perturbaram gravemente a ordem social"; [63] (b) Fang Bin, um empresário chinês, jornalista cidadão e denunciante que transmitiu imagens de Wuhan durante a crise do Coronavírus. Ele está desaparecido desde 9 de fevereiro de 2020. [64] (c) Chen Qiushi, um advogado, ativista e jornalista cidadão chinês que cobriu os protestos de 2019-20 em Hong Kong e a pandemia COVID-19 e está desaparecido desde 6 de fevereiro de 2020. [65] (d) Li Zehua, um jornalista cidadão chinês, rapper e YouTuber que estava tentando localizar o advogado e jornalista cidadão desaparecido ChenQiushi. Ele está desaparecido desde 26 de fevereiro de 2020. [66] (e) Chen Mei e Cai Wei, ativistas que compartilhavam artigos censurados sobre o surto de coronavírus em um arquivo online, não podiam ser contatados desde 19 de abril de 2020; [67] (f) A Dra. Li-Meng Yan, uma virologista e denunciante de Hong Kong, teve que fugir para os Estados Unidos, depois que encontrou um acobertamento em grande escala da pandemia pelas autoridades chinesas. Ela disse que se contasse sua história sobre o encobrimento na China, "desaparecerá e será morta".[68]

Prisões, execuções e desaparecimentos[editar | editar código-fonte]

Segundo a Amnistia Internacional, a China executa mais pessoas do que qualquer outro país no mundo, muito embora o número de execuções seja um segredo de estado. [69] O país tem a segunda maior população carcerária do planeta (atrás apenas dos Estados Unidos), com 1 701 344 presos em todo o território chinês.[70]

Vários governos estrangeiros e ONGs rotineiramente criticam a RPC, alegando violações generalizadas dos direitos civis, incluindo a utilização sistemática de detenção de ativistas políticos prolongada sem julgamento justo, confissões forçadas, tortura, maus-tratos de prisioneiros, além de restrições à liberdade de expressão, de reunião, associação, de religião e aos direitos trabalhistas.[71]

Sob a designação de "Vigilância Residencial num Local Designado" as autoridades da República Popular da China detêm indivíduos acusados de pôr em perigo a segurança do Estado.[72] A detenção é normalmente realizada em instalações especiais geridas pelos Departamentos de Segurança Pública ou Estatal da China, muitas vezes eufemisticamente chamadas de "centros de formação", ou mesmo em hotéis que foram convertidos em prisões negras, ou seja centros de detençao ilegal. As leis que regulam estas prisões contêm excepções que permitem ao Estado não informar os familiares dos detidos sobre o seu encarceramento, negando ao mesmo tempo o acesso dos detidos a um advogado.[73] À primeira vista, a medida parecia ser uma forma mais suave de detenção, como a prisão domiciliária; mas na prática a medida permite o que um jornalista chama "o desaparecimento" de suspeitos em detenção secreta" [74] .

A medida tem sido grandemente utilizada desde 2015 contra advogados de direitos humanos, praticantes de Falun Gong e dezenas de outros acusados de crimes políticos, incluindo estrangeiros.[75][76]

Colheita de orgãos de prisioneiros e dissidentes[editar | editar código-fonte]

Transplantes anuais de fígado realizados no Centro de Transplante de Órgãos do Hospital Changzheng de Shangai, de 1996 a 2004.

Em 2006 surgiram alegações de que os órgãos vitais dos praticantes de Falun Gong lhes tinham sido retirados sem consentimento para abastecer a indústria de turismo de órgãos da China. [77][78] Em 2008, dois relatores especiais das Nações Unidas reiteraram os seus pedidos para que "o governo chinês explicasse cabalmente a alegação de retirada de órgãos vitais dos praticantes de Falun Gong e a fonte de órgãos para o súbito aumento de transplantes de órgãos que se tem verificado na China desde o ano 2000".[79][80]

Em 22 de Junho de 2016, o ex-Secretário de Estado canadiano e Procurador David Kilgour, juntamente com o advogado de direitos humanos David Matas e o analista e jornalista Ethan Gutmann, publicaram o relatório de investigação conjunta Bloody Harvest / The Slaughter - An Update [81] (Colheita Sangrenta/O Abate - Uma Actualização). O relatório de 680 páginas é uma análise forense de mais de 2300 documentos chineses e informações de websites. De acordo com o relatório, entre 60.000 e 100.000 transplantes de órgãos tiveram lugar em 712 centros de transplante de fígado e rins em toda a China entre 2000 e 2016, de modo que até à data foram realizados aproximadamente 1,5 milhões de transplantes de órgãos, sem que a China tivesse um sistema de doação de órgãos funcional.[82][83]

A conclusão final do relatório de Kilgour, Matas e Gutmann é que o Partido Comunista Chinês envolveu o próprio Estado no assassinato em massa de inocentes, principalmente praticantes do Falun Gong, mas também muçulmanos Uyghurs, tibetanos, e cristãos, a fim de obter órgãos para transplantes. O relatório anota que existe uma substancial discrepância entre o número de transplantes e o número das suas fontes que o Governo da China tem identificado : prisioneiros condenados à morte e dadores voluntários. [81]

Perseguição religiosa[editar | editar código-fonte]

Os guardas do Campo de Trabalho Longshan, na cidade de Shenyang, torturaram a praticante de Falun Gong Gao Rongrong, de 36 anos, com bastões eléctricos durante horas. Segundo a Amnistia Internacional, Gao Rongrong morreu sob custódia policial em 16 de Junho de 2005. [84][85]

Cristianismo[editar | editar código-fonte]

O governo da RPC tenta manter um controlo apertado sobre todas as religiões, pelo que as únicas Igrejas cristãs legais (Three-Self Patriotic Movement e Chinese Patriotic Catholic Association) são as que estão sob o controlo do Partido Comunista da China. As Igrejas que não são controladas pelo governo são encerradas, e os seus membros são presos. Gong Shengliang, chefe da Igreja do Sul da China, foi condenado à morte em 2001; a sentença foi comutada para uma pena de prisão. A Amnistia Internacional relata que foi torturado. Segundo um grupo cristão, em 2004 cerca de 300 cristãos apanhados a frequentar igrejas não registadas estavam presos.[86]

Falun Gong[editar | editar código-fonte]

A 20 de Julho de 1999, o Partido Comunista iniciou uma campanha de repressão e propaganda a nível nacional destinada a erradicar a prática do Falun Gong, e em Outubro de 1999 declarou o movimento espiritual uma "organização herege" que ameaçava a estabilidade social. Os praticantes de Falun Gong na China estão alegadamente sujeitos a uma vasta gama de abusos dos direitos humanos: estima-se que centenas de milhares tenham sido presos extrajudicialmente,[71]e os praticantes detidos estão sujeitos a trabalhos forçados, abuso psiquiátrico, tortura, e outros métodos coercivos de reforma do pensamento às mãos das autoridades chinesas. [87]A partir de 2009, grupos de direitos humanos estimaram que pelo menos 2.000 praticantes de Falun Gong tinham morrido em resultado de abusos sob custódia. [88] Um escritor estima que dezenas de milhares podem ter sido mortos para abastecer a indústria de transplante de órgãos da China. [89]

Budismo Tibetano[editar | editar código-fonte]

O Dalai Lama é uma figura altamente influente no budismo tibetano, que tradicionalmente viveu no Tibete. Gedhun Choekyi Nyima, juntamente com a sua família, foi levado sob custódia pelo governo chinês pouco depois de ter sido identificado como o 11º Panchen Lama pelo 14º (e actual) Dalai Lama, Tenzin Gyatso. [90][91] No seu lugar, o governo chinês nomeou Gyaincain Norbu para agir como o Panchen Lama, embora Norbu não seja reconhecido como o Panchen Lama no Tibete ou noutros lugares além da China. [92] Nyima não tem sido visto em público desde que foi levado sob custódia, embora o governo chinês afirme que ele está vivo e bem, mas que "não deseja ser perturbado". [93]

Por causa do controle governamental chinês sobre a área tibetana, o atual Dalai Lama reside em Dharamshala, Himachal Pradesh, na República da Índia. Em um regulamento promulgado em 3 de agosto de 2007, o governo chinês declarou que após 1 de setembro de 2007, "[nenhum] Buda vivo [pode ser reencarnado] sem a aprovação do governo, desde a dinastia Qing, quando o sistema de Buda vivo foi estabelecido." O Panchen Lama nomeado pelo governo da China é rotulado de falso por aqueles que consideram o esforço do governo chinês para controlar a religião organizada como contraditório à Declaração Universal dos Direitos Humanos e outros princípios éticos. Exemplos de controles políticos exercidos sobre a religião em 1998 incluem:  cotas sobre o número de monges para reduzir a população espiritual; denúncia forçada do Dalai Lama como líder espiritual; a expulsão de monges não aprovados de mosteiros; recitação forçada de textos patrióticos em apoio à China; restrição do estudo religioso antes dos 18 anos. Monges que comemoravam a recepção da Medalha de Ouro do Congresso dos Estados Unidos pelo Dalai Lama foram detidos pela República Popular da China. Em novembro de 2012, o Comissário dos Direitos Humanos das Nações Unidas instou a China a abordar as alegações de violações dos direitos no Tibete; as violações levaram a uma escalada alarmante de formas "desesperadas" de protesto na região, incluindo autoimolações, como evidencia o relatório da Anistia Internacional relatando violações na Região Autónoma Uigur de Xinjiang e em áreas povoadas no Tibete. [94] [95] [96] [97] [98] [99]

Islão[editar | editar código-fonte]

Desde 2014, os Uigures em Xinjiang têm sido afectados por controlos e restrições extensivos que o governo chinês tem imposto às suas vidas religiosas, culturais, económicas e sociais.[100]

Sistema de Crédito Social[editar | editar código-fonte]

O Sistema de Crédito Social (ou, numa outra tradução possível, Sistema de Confiança Social) é uma lista negra nacional a ser desenvolvida pelo governo da República Popular da China, sob a administração do Secretário Geral do PCC, Xi Jinping. [101][102][103][104] Foi introduzido formalmente pelo então Premier chinês, Wen Jiabao, a 20 de Outubro de 2011, durante uma das reuniões do Conselho de Estado. [105] Em 2018, os esforços de inplementação foram centralizados sob o Banco Popular da China, com a participação de oito empresas privadas.[106] [107] Em 2020, pretendia-se uniformizar a avaliação da reputação económica e social dos cidadãos e empresas, ou seja "Crédito Social". [108][109][110]

Câmaras de vigilância na Praça Tiananmen (2009). Em 2021, um estudo da Comparitech concluiu que 16 das 20 cidades mais monitorizadas do mundo estão na China.[111]

A iniciativa do crédito social exige o estabelecimento dum sistema de registo unificado para indivíduos, empresas e governo, rastreados e avaliados quanto à fiabilidade.[112][113][114]

Os relatórios iniciais sugeriam que o sistema utilizava a pontuação numérica como mecanismo de recompensa e punição; relatórios [114]mais recentes sugerem que existem de fato múltiplas e diferentes formas do sistema de crédito social a ser experimentadas. [115][116] O sistema de crédito social está estreitamente relacionado com os sistemas de vigilância de massa da China, tais como a Skynet [117] que incorpora um sistema de reconhecimento facial, tecnologia de análise de megadados, Inteligência Artificial e o Projecto Maven.[118] [102][119][120]

O governo chinês afirma que o sistema é uma forma desejável de medir e reforçar a "confiança" a nível nacional e de construir uma cultura de "sinceridade". Assim, "forjará um ambiente de opinião pública onde a manutenção da confiança é gloriosa. Irá reforçar a sinceridade nos assuntos governamentais, a sinceridade comercial, a sinceridade social e a construção da credibilidade judicial ". [107]

À data de 2019, existiam múltiplos sistemas de "crédito social" na China Continental. Estudiosos descrevem quatro tipos diferentes de sistemas: o sistema judicial (um sistema de lista negra para indivíduos e organizações desacreditadas), sistema de crédito social municipal, sistema de crédito financeiro do Banco Popular da China (PBOC), e um sistema de classificação de crédito comercial.[121]

Já em 2018, tinham sido impostas algumas restrições aos cidadãos, que os meios de comunicação social estatais descreveram como o primeiro passo para a criação de um sistema de crédito social a nível nacional.[122][123][124] A partir de Novembro de 2019, para além do comportamento financeiro desonesto e fraudulento, outros comportamentos que algumas cidades listaram oficialmente como factores negativos de classificação de crédito incluem tocar música alta ou comer durante o trânsito,[125] violar as regras de trânsito,[126] falhar na classificação correta do lixo doméstico,[127] fumar em locais proibidos, etc [128]; por outro lado, os comportamentos listados como factores positivos de classificação de crédito inclui a doação de sangue, doação para caridade, voluntariado para serviços comunitários, elogios aos esforços do governo nas redes sociais, e assim por diante.[129][130]

Os critérios do sistema de crédito social podem variar muito de cidade para cidade. À data de 2021, nada indica que um sistema único abranja já todo o território. Vários diferentes sistemas interpretam a seu modo as orientações e opiniões nacionais gerais, existindo assim uma gama de infrações dependentes dos locais, que podem colocar alguém numa lista negra, depois partilhada com a administração nacional. [131]

Aqueles que atingem um nível de crédito social demasiado baixo devem esperar restrições na vida quotidiana, por exemplo no acesso aos serviços sociais, na procura de emprego e formação. As carreiras no governo e em organizações relacionadas com o governo podem ser dificultadas. Podem ser impedidos de viajar, ter baixa velocidade de Internet, ser excluídos de concursos públicos e ter impostos mais elevados a pagar. [132] Pelo contrario, os cidadãos chineses com uma classificação positiva terão um acesso mais rápido ao crédito ao consumo e receberão um tratamento preferencial em diversos serviços.[132] Como os documentos governamentais afirmam, o Sistema de Crédito Social "permitirá que os dignos de confiança vagueiem por todo a parte debaixo dos céus, dificultando ao mesmo tempo que os desacreditados dêem um único passo".[132]

O sistema é alvo de muitas críticas. Rachel Botsman, que contudo anota o facto de que sistemas de pontuação pessoal estão presentes no Ocidente há décadas, pensa que o Sistema de Crédito Pessoal chinês é o encontro do mundo do 1984 de George Orwell com os cães de Pavlov.[107]

Regiões administrativas especiais[editar | editar código-fonte]

As regiões administrativas especiais (RAE) - Macau e Hong Kong - da República Popular da China são um tipo de divisões administrativas a nível provincial da República Popular da China directamente sob o Governo Popular Central. Apesar da relativa autonomia, sempre decrescente, que o Governo Popular Central concede às regiões administrativas especiais, o Congresso Nacional do Povo pode redigir unilateralmente leis em segredo para as regiões administrativas especiais, que não são divulgadas publicamente até serem aprovadas.[133][134]

Hong Kong[editar | editar código-fonte]

O Congresso Nacional Popular da República Popular da China aprovou por unanimidade a Lei de Segurança Nacional de Hong Kong, em 30 de Junho de 2020. Contornando a legislatura da RAE, a lei foi simplesmente acrescentada ao Apêndice III da Lei Básica de Hong Kong, que enumera as leis da República Popular da China que se aplicam na Zona Administrativa Especial.[135] Os crimes estão listados em quatro áreas: secessão , subversão , terrorismo , conluio, que podem ser punidos com uma pena mínima de três anos até à prisão perpétua.[136]

Macau[editar | editar código-fonte]

Em 9 de Julho de 2021, em Macau, 21 candidatos ao Parlamento local foram impedidos de participar nas eleições. A Comissão eleitoral do território afirmou que os candidatos devem defender “a liderança do Partido Comunista Chinês”, sob pena de serem excluídos. A Comissão de Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa (CAEAL) invocou também a Constituição chinesa, que estipula que “a liderança do Partido Comunista da China é a essência do socialismo com características chinesas”.[137][138]

Sistema Hukou[editar | editar código-fonte]

O Partido Comunista chegou ao poder no final dos anos 1940 e instituiu uma economia planificado. Em 1958, Mao Zedong, o presidente do Partido Comunista Chinês, adotou um sistema de autorização de residência definindo onde as pessoas podiam trabalhar e classificou os trabalhadores como rurais ou urbanos.  Nesse sistema, um trabalhador que pretendesse se deslocar do campo para uma área urbana para exercer um trabalho não agrícola teria que solicitar permissão para fazê-lo por meio das instituições burocráticas competentes. Há incerteza, no entanto, quanto ao grau de estrito cumprimento do sistema. Pessoas que trabalharam fora da região em que foram registradas não se qualificariam para rações de grãos, moradia fornecida pelo empregador ou assistência médica. [139] [140] [141]

Havia controles sobre a educação, emprego, casamento e outras áreas da vida. Uma razão que foi citada para a instituição deste sistema foi o desejo de prevenir o possível caos que seria causado pela previsível urbanização em grande escala. Como parte de um país, de dois sistemas políticos que foi proposta por Deng Xiaoping e aceite pelos governos britânico e português, as regiões administrativas especiais (RAE) de Hong Kong e Macau mantiveram um controle fronteiriço e políticas de imigração separadas com o resto da China. Os cidadãos chineses tiveram de obter permissão do governo antes de serem autorizados a viajar para Hong Kong ou Macau, mas este requisito foi oficialmente abolido para cada região administrativa especial após a respetiva transferência das áreas ao total controle do partido comunista chinês. Desde então, as restrições impostas pelos governos dessas regiões têm sido os principais fatores que limitam as viagens. [142]

Em 2000, o jornal “The Washington Times” relatou que embora os trabalhadores migrantes desempenhem um papel importante na disseminação da riqueza nas aldeias chinesas, eles são tratados como cidadãos de segunda classe por um sistema que é tão discriminatório que foi comparado ao apartheid '. Anita Chan também postula que o sistema de registro familiar e de autorização de residência temporária da República Popular da China criou uma situação análoga ao sistema de cadernetas que foi implementado na África do Sul para controlar o fornecimento e as ações de trabalhadores baratos de grupos étnicos desfavorecidos, bem como para controlar a qualidade e a quantidade de tais trabalhadores. Em 2000, o Centro Tibetano para Direitos Humanos e Democracia alegou que as pessoas descendentes de Han no Tibete têm muito mais facilidade para obter as autorizações necessárias para viver em áreas urbanas do que os tibetanos étnicos.  A abolição desta política foi proposta em 11 províncias, principalmente ao longo da costa oriental desenvolvida. Após um incidente amplamente divulgado em 2003, quando um migrante com formação universitária morreu na província de Guangdong, a lei foi alterada a fim de eliminar a possibilidade de prisão sumária para trabalhadores migrantes. O conferencista de direito de Pequim que expôs o incidente disse que isso significou o fim do sistema hukou: ele acreditava que na maioria das cidades menores, o sistema havia sido abandonado e "quase perdeu sua função" em grandes cidades como Pequim e Xangai. [143] [144] [145] [146]

Repressão em territórios estrangeiros[editar | editar código-fonte]

O presidente Xi Jinping advertiu num discurso ao NPC, em 2018, que está pronto a "travar batalhas sangrentas" contra os inimigos da China. Nessa altura, a legislatura suprimiu os limites do mandato da presidência.[147]

O governo da China vigia, persegue, pressiona e ataca, por vezes físicamente, os dissidentes de origem chinesa no mundo inteiro e tambèm por vezes cidadãos de outras nacionalidades, como no caso de Gui Minhai, um sueco, raptado na Tailândia e levado para a China em Outubro de 2015.[148][149]Aí, numa "confissão" provavelmente forçada, pediu para ser tratado como cidadão chinês, e que as autoridades suecas não se envolvessem no seu caso. Em 2019, a filha de Minhai, foi avisada por dois homens de negócios ligados à China para parar de defender publicamente o caso do seu pai, se alguma vez o quisesse ver novamente. Esta ameaça foi feita durante uma reunião em Estocolmo, organizada pela embaixadora sueca na China, Anna Lindstedt, que perdeu o seu emprego [150]como embaixadora em resultado da reunião. Minhai foi condenado em Fevereiro de 2020, por um tribunal em Ningbo, a 10 anos de prisão por "fornecer ilegalmente informações ao estrangeiro".[149][151][152]

Gui Minhai foi um das cinco editores e livreiros de Hong Kong que subitamente desapareceram em 2015 após a publicação de livros críticos em relação ao governo chinês. Após a sua desaparição na Tailândia, reapareceu nos meios de comunicação estatais chineses em 2016, fazendo uma confissão, aparentemente forçada. de um atropelamento e fuga vários anos antes .Libertado em 2017, foi novamente detido em Janeiro de 2018.[151]

A campanha no estrangeiro contra o Falun Gong e outros ditos adversários da China é descrita em documentos emitidos pelo Gabinete de Assuntos Chineses Ultramarinos da China (State Council’s Overseas Chinese Affairs Office - OCAO). Num relatório de uma reunião de directores da OCAO de 2007 a nível nacional, provincial e municipal, este gabinete declarou que "coordena o lançamento de lutas anti-Falun Gong no estrangeiro". O OCAO exorta os cidadãos chineses no estrangeiro a participar na "implementação e execução resolutas da linha do Partido, dos princípios orientadores do Partido, e das políticas do Partido", e a "expandir agressivamente a luta" contra o Falun Gong, separatistas étnicos, e ativistas independentes de Taiwan no estrangeiro [153]. Outros órgãos do partido e do Estado que se acredita estarem envolvidos na campanha no estrangeiro incluem o Exército de Libertação do Povo, entre outros.[154]

A Human Rights Watch afirma que a China tenta restringir a liberdade académica no estrangeiro. Em Fevereiro de 2020, o consulado chinês em Toronto, Canadá, disse aos estudantes da Universidade McMaster que deviam notificar o consulado dos académicos presentes num evento sobre a repressão em Xinjiang. Em várias universidades na Austrália, em Agosto, estudantes pró-Pequim tentaram silenciar pela força outros estudantes que se manifestavam pacificamente em apoio do movimento democrático de Hong Kong; houve incidentes semelhantes na Europa, Nova Zelândia, e nos EUA. [155]

Em 2020, o Canadian Security Intelligence Service (CSIS) afirmou publicamente no The Globe and Mail que a China está a usar ameaças e intimidação contra membros da comunidade chinesa do Canadá, e suas famílias na China, táticas usadas na Operation Fox Hunt (Operação Caça à Raposa) lançada por Xi Jinping em 2014. O CSIS disse que "essas táticas também podem ser usadas como cobertura para silenciar dissidentes, pressionando oponentes políticos e instilando um medo geral do poder do Estado, não importa onde a pessoa esteja localizada". [156]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «The Nobel Peace Prize 2010 - Prize Announcement». nobelprize.org. 8 de outubro de 2010 
  2. "OHCHR | China Homepage". www.ohchr.org. em 23 de novembro de 2018.
  3. "Human rights can be manifested differently". China Daily. 12 de dezembro de 2005. Arquivado do original em 9 de dezembro de 2007.
  4. "Progress in China's Human Rights Cause in 1996". Março de 1997.
  5. «Everything you need to know about human rights in China». www.amnesty.org (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2021 
  6. a b c «China's Progress in Human Rights in 2004 (2005)». The Central People's Government of the People's Republic of China (Arq. em WayBack Machine). 3 de julho de 2014 
  7. «"China's reform and opening-up promotes human rights, says premier"». Embassy of the People's Republic of China in the United States. 11 de dezembro de 2003. Consultado em 28 de abril de 2006 
  8. a b c «Walking on Thin Ice» (em inglês). Human Rights Watch. 28 de abril de 2008 
  9. «China: Further information: Disappeared activist at risk of torture: Gao Zhisheng» (em inglês). Amnistia Internacional. 15 de Abril de 2019 
  10. a b Pils, Eva (2006). «Asking the Tiger for His Skin: Rights Activism in China». Fordham International Law Journal, Volume 30, Issue 4 (2006). 
  11. a b Imprensa Oficial da Região Administrativa de Macau (ed.). «Constituição da República Popular da China». Consultado em 14 de julho de 2009 
  12. «World Report 2009». Human Rights Watch. Consultado em 14 de julho de 2009 
  13. Will the Boat Sink the Water?: The Life of China's Peasants / Chen Guidi and Wu Chuntao (2006) ISBN 1-58648-358-7
  14. Empire of Lies: The Truth About China in the Twenty-First Century / Guy Sorman (2008) ISBN 1-59403-216-5
  15. a b «China» (em inglês). Freedom House. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  16. a b «World Report 2020: Rights Trends in China». Human Rights Watch. 2020 
  17. «China». https://www.amnesty.org/es/countries/asia-and-the-pacific/china/ (em espanhol). Amnistia Internacional. 2019. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  18. «Everything you need to know about human rights in China» (em inglês). Amnesty International. 2019 
  19. a b Davidson, Helen (13 de janeiro de 2021). «China in darkest period for human rights since Tiananmen, says rights group» (em inglês). The Guardian 
  20. a b «China undermining human rights by locking up rights lawyers, UN independent expert says» (em inglês). UN News. 16 de Dezembro de 2020 
  21. «Russia, China, Cuba set to join U.N.'s top human rights body on January 1st» (em inglês). UN Watch. 30 de Dezembro de 2020 
  22. «China, Cuba e Rússia são eleitas para Conselho de Direitos Humanos da ONU : Acusados frequentemente de violar direitos humanos, países são beneficiados pela ausência ou baixa concorrência em suas regiões. Arábia Saudita não conquista assento.». Deutsche Welle. 14 de Outubro de 2020 
  23. Gao, Charlotte (12 de Dezembro de 2017). «China Promotes Human Rights 'With Chinese Characteristics'» (em inglês). The Diplomat 
  24. a b Tiezzi, Shannon (23 de Fevereiro de 2021). «Can China Change the Definition of Human Rights?» (em inglês). The Diplomat 
  25. Wintour, Patrick (13 de outubro de 2020). «Saudi Arabia fails to join UN human rights council but Russia and China elected» (em inglês). The Guardian 
  26. «Everything you need to know about human rights in China» (em inglês). Amnistia Internacional. 2020 
  27. «Twentieth Century Atlas - Death Tolls». users.erols.com. Consultado em 20 de julho de 2021 
  28. Cheng, Kris (21 de dezembro de 2017). «Declassified: Chinese official said at least 10,000 civilians died in 1989 Tiananmen massacre, documents show». Hong Kong Free Press (em inglês) 
  29. Lusher, Adam (24 de dezembro de 2017). «At least 10,000 people died in Tiananmen Square massacre, secret British cable alleges». The Independent (em inglês) 
  30. «People's Daily Online Democratic Parties». People's Daily Online. Consultado em 24 de julho de 2021 
  31. a b He, Baogang (2007). Rural democracy in China. [S.l.]: Palgrave Macmillan. pp. 1–3 
  32. He 2007, p. 4.
  33. He 2007, p. 214, 215.
  34. a b Wingfield, Rupert (7 de março de 2006). «China's rural millions left behind». BBC News. Consultado em 14 de julho de 2009 
  35. a b Luard, Tim (10 de novembro de 2005). «China rethinks peasant apartheid». BBC News. Consultado em 14 de julho de 2009 
  36. Ni, Ching-Ching (30 de dezembro de 2005). «Articles». Los Angeles Times. articles.latimes.com. Consultado em 27 de abril de 2010 
  37. «China ends school fees for 150m». BBC News. 13 de dezembro de 2006. Consultado em 27 de abril de 2010 
  38. Human Rights in China, ed. (2004). «Media Control in China». Nova York. Arquivado do original em 22 de outubro de 2008 
  39. «Freedom House: Freedom on the Net Report: China» (PDF). Arquivado do original (PDF) em 26 de junho de 2011 
  40. «In Rare Defiance, Chinese Journalists Protest Against Party Censors». International Business Times. 4 de janeiro de 2013. Consultado em 4 de janeiro de 2013 
  41. «China : O controle da informação ainda endurecido | Reporters sans frontières». RSF. Consultado em 2 de abril de 2021 
  42. «1998 US Embassy Beijing report "The Fading of Environmental Secrecy"». Consultado em 4 de fevereiro de 2007. Arquivado do original em 8 de agosto de 2008 
  43. «1997 US Embassy Beijing report "Environmental NGOs in China: Green is Good, But Don't Openly Oppose the Party"». Consultado em 12 de Novembro de 2010. Arquivado do original em 27 de setembro de 2007 
  44. «CONSTITUTION OF THE PEOPLE'S REPUBLIC OF CHINA». en.people.cn. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  45. «China jails rights activist outspoken on Tibet». Reuters (em inglês). 3 de abril de 2008. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  46. «China 'to allow Olympic protests'» (em inglês). 23 de julho de 2008. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  47. «China 'yet to approve protests'» (em inglês). 18 de agosto de 2008. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  48. Jacobs, Andrew (20 de agosto de 2008). «Too Old and Frail to Re-educate? Not in China». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  49. «8 Tibet Activists Detained near Olympics Venue». web.archive.org. 15 de setembro de 2010. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  50. «Olympics protester returns to UK» (em inglês). 15 de agosto de 2008. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  51. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 23 de abril de 2011. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  52. «Plugged in: - Feb. 16, 2006». money.cnn.com. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  53. «China: Internet Companies Aid Censorship». Human Rights Watch (em inglês). 10 de agosto de 2006. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  54. «China 'spying on Skype messages'» (em inglês). 3 de outubro de 2008. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  55. France-Presse, Agence (20 de junho de 2020). «EU demands release of Chinese human rights lawyer jailed for four years». the Guardian (em inglês). Consultado em 11 de novembro de 2021 
  56. Hernández, Javier C. (24 de julho de 2020). «A Chinese Tycoon Denounced Xi Jinping. Now He Faces Prosecution». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  57. «China: New Hong Kong Law a Roadmap for Repression». Human Rights Watch (em inglês). 29 de julho de 2020. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  58. «China/Hong Kong: Mass Arrests Under Security Law». Human Rights Watch (em inglês). 11 de agosto de 2020. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  59. «前中共中央党校教授蔡霞:换人 中国才有希望». RFI - 法国国际广播电台 (em chinês). 3 de junho de 2020. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  60. «中央党校(国家行政学院) 严肃处理退休教师蔡霞严重违纪问题». web.archive.org. 17 de agosto de 2020. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  61. «China: Free Covid-19 Activists, 'Citizen Journalists'». Human Rights Watch (em inglês). 27 de abril de 2020. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  62. «Fear that Chinese citizen journalist Zhang Zhan could be "tortured in prison" for reporting on COVID». www.cbsnews.com (em inglês). Consultado em 11 de novembro de 2021 
  63. Twitter; Instagram; Email; Facebook (6 de fevereiro de 2020). «A doctor was arrested for warning China about the coronavirus. Then he died of it». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 11 de novembro de 2021 
  64. «China: Free Covid-19 Activists, 'Citizen Journalists'». Human Rights Watch (em inglês). 27 de abril de 2020. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  65. «China: Free Covid-19 Activists, 'Citizen Journalists'». Human Rights Watch (em inglês). 27 de abril de 2020. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  66. «Chinese journalist Li Zehua missing in Wuhan since late February». Committee to Protect Journalists (em inglês). 15 de abril de 2020. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  67. «China police detain three linked to censored coronavirus archive». Reuters (em inglês). 27 de abril de 2020. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  68. Chakraborty, Barnini (9 de julho de 2020). «EXCLUSIVE: Chinese virologist accuses Beijing of coronavirus cover-up, flees Hong Kong: 'I know how they treat whistleblowers'». Fox News (em inglês). Consultado em 11 de novembro de 2021 
  69. «Canadian's death sentence in China 'horrific', family says - BBC News». BBC News. 15 de janeiro de 2019 
  70. Folha de S. Paulo, ed. (5 de junho de 2014). «Brasil passa a Rússia e tem a terceira maior população carcerária do mundo» 
  71. a b «The Politburo's Predicament: Confronting the Limitations of Chinese Communist Party Repression» (PDF). Freedom House (Arq. em WAyBack Machine). Janeiro de 2015 
  72. Wang, Yaqiu (3 de agosto de 2015). «What You Need to Know About China's 'Residential Surveillance at a Designated Place'» (em inglês). China Change 
  73. Caster, Michael (ed.) (2019). The Peoples Republic of the Disappeared: Stories from Inside China's System for Enforced Disappearances. [S.l.]: Safeguard Defenders. p. 11 
  74. «ChinaAid: New York Times: In China, the Brutality of 'House Arrest'». China Aid. 25 de Novembro de 2017 
  75. Lynch, Elizabeth M (4 de Março de 2019). «Meng, Kovrig & Spavor – Same Same But Different» (em inglês). China Law & Policy 
  76. «China: Abuse of 'residential surveillance' to detain defenders and lawyers continues» (em inglês). ISHR -International Service for Human Rights. 30 de Novembro de 2015 
  77. Matas, David; Kilgour, David (31 de Janeiro de 2007). «An Independent Investigation into Allegations of Organ Harvesting of Falun Gong Practitioners in China». organharvestinvestigation.net. Consultado em 16 de junho de 2021 
  78. Gutmann, Ethan (24 de Novembro de 2008). «China's Gruesome Organ Harvest – The whole world isn't watching». Ethan-gutmann.com 
  79. «China. Continuam a ser transplantados os órgãos de condenados à morte». RTP. 14 de Novembro de 2019 
  80. «United Nations Human Rights Special Rapporteurs Reiterate Findings on China's Organ Harvesting from Falun Gong Practitioners - The Information Daily.com». The Information Daily (Arq. em WAyBack Machine). 12 de maio de 2015 
  81. a b Kilgour, David (e outros) (22 de Junho de 2016). «Bloody Harvest / The Slaughter - An Update» (PDF) 
  82. Samuels, Gabriel (12 de julho de 2016). «China 'carrying out over 60,000 illegal organ transplants annually'» (em inglês). The Independent 
  83. Palin, Megan (27 de junho de 2016). «'A bloody harvest': Thousands of people slaughtered for their organs, new report reveals. -THOUSANDS of innocent people are being executed in secret so their body parts can be harvested, a disturbing report has revealed.». News.com.Au 
  84. «Clearwisdom.net - Photo Archive». photo.minghui.org. Consultado em 23 de junho de 2021 
  85. «China: People's Republic of China - Abolishing "Re-education through Labour". Appeal cases» (em inglês). Amnistia Internacional. 27 de Junho de 2005 
  86. McGeown, Kate (9 de Novembro de 2004). «China's Christians suffer for their faith». BBC. China's Christians suffer for their faith (em inglês) 
  87. «2008 Annual Report | Congressional-Executive Commission on China». Congressional-Executive Commission on China. 2008 
  88. Jacobs, Andrew (28 de Abril de 2009). «China Still Presses Crusade Against Falun Gong (Published 2009)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  89. Nordlinger, Jay (25 de Agosto de 2014). «Face The Slaughter». National Review (Arq. em WayBack Machine) 
  90. «Panchen Lama». www.pbs.org. 1996 
  91. «Dalai Lama cites 'reliable source' as saying Panchen Lama alive, speaks well for the Chinese appointed counter». Tibetan Review (em inglês). 27 de abril de 2018 
  92. «Tibet's missing spiritual guide». BBC (em inglês). 16 de maio de 2005 
  93. Reuters (6 de setembro de 2015). «China says Panchen Lama 'living a normal life' 20 years after disappearance» (em inglês). The Guardian 
  94. Lim, Benjamin Kang (24 de abril de 2006). «World's youngest political prisoner turns 17» (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  95. Lim, Benjamin Kang (24 de abril de 2006). «World's youngest political prisoner turns 17» (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  96. Faison, Seth (18 de novembro de 1998). «Icy Wind From Beijing Chills the Monks of Tibet». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  97. Un News Centre. "China must urgently address rights violations in Tibet – UN senior official". United Nations.
  98. «China must urgently address rights violations in Tibet – UN senior official». UN News (em inglês). 2 de novembro de 2012. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  99. «China 2020 Archives». Amnesty International (em inglês). Consultado em 11 de novembro de 2021 
  100. Kuo, Lily (25 de julho de 2018). «China: one in five arrests take place in 'police state' Xinjiang» (em inglês). The Guardian 
  101. «State Administration Of Taxation». web.archive.org. State Administration of Taxation of The People's Republic of China. 27 de dezembro de 2015 
  102. a b Marr, Bernard (21 de Janeiro de 2019). «Chinese Social Credit Score: Utopian Big Data Bliss Or Black Mirror On Steroids?». Forbes (em inglês) 
  103. «Establishment of a Social Credit System». China Law Translate (em inglês). 27 de abril de 2015 
  104. «国务院关于印发社会信用体系建设规划纲要(2014—2020年)的通知_政府信息公开专栏». www.gov.cn. Consultado em 4 de julho de 2021 
  105. Lee, Amanda (9 de agosto de 2020). «What is China's social credit system and why is it controversial?» (em inglês). South China Morning Post 
  106. Zhong, Yuhao (e outro) (Agosto de 2019). «The Second Symposium on Applications of Contextual Integrity : Capítulo Rethinking the Social Credit System: A Long Road to Establishing Trust in Chinese Society» (PDF). PrivaCI. pp. 28–29 
  107. a b c Botsman, Rachel (2017). «Cap. 7: Rated: Would Your Life Get a Good Trust Score?». Who Can You Trust? How Technology Brought us Together and Why It Might Drive Us Apart. [S.l.]: Publicaffairs 
  108. Hatton, Celia (26 de outubro de 2015). «China 'social credit': Beijing sets up huge system». BBC News (em inglês) 
  109. Chin, Josh (e outro) (28 de novembro de 2016). «China's New Tool for Social Control: A Credit Rating for Everything». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660 
  110. Mistreanu, Simina (3 de Abril de 2018). «China is implementing a massive plan to rank its citizens, and many of them want in.» (em inglês). Foreign Policy 
  111. Bischoff, Paul (17 de Maio de 2021). «Surveillance Camera Statistics: Which City has the Most CCTV Cameras?». Comparitech (em inglês) 
  112. Nast, Condé. «The complicated truth about China's social credit system». Wired (UK) (em inglês). ISSN 1357-0978 
  113. Cheng, Evelyn (4 de setembro de 2019). «China is building a 'comprehensive system' for tracking companies' activities, report says» (em inglês). CNBC 
  114. a b https://www.washingtontimes.com, The Washington Times (9 de Dezembro de 2019). «Social Credit System, China mass surveillance tool, designed to enforce political control» (em inglês). The Washington Times 
  115. Ahmed, Shazeda (1 de Maio de 2019). «The Messy Truth About Social Credit». Logic Magazine 
  116. Liu, Chuncheng (2019). «Multiple Social Credit Systems in China». Economic Sociology: The European Electronic Newsletter. 21 (1): 21–22. SSRN 3423057. (em inglês) 
  117. Shen, Xinmei (4 de outubro de 2018). «"Skynet", China's massive video surveillance network». South China Morning Post (em inglês) 
  118. Lakshmanan, Ravie (30 de setembro de 2019). «China's new 500-megapixel 'super camera' can instantly recognize you in a crowd». TNW (The Next Web) (em inglês) 
  119. Chandler, Clay (27 de Março de 2019). «How China's Surveillance State Reflects 'Black Mirror'». Fortune (em inglês) 
  120. Campbell, Charlie (2019). «How China Is Using Big Data to Create a Social Credit Score». Time (em inglês) 
  121. Liu, Chuncheng (2019). «Multiple Social Credit Systems in China». SSRN. Economic Sociology: The European Electronic Newsletter 21 (1) (em inglês): 22-32 
  122. Ma, Alexandra (e outra) (9 de Maio de 2021). «China's 'social credit' system ranks citizens and punishes them with throttled internet speeds and flight bans if the Communist Party deems them untrustworthy» (em inglês). Business Insider 
  123. Chan, Tara Francis (21 de Maio de 2018). «China's social credit system has blocked people from taking 11 million flights and 4 million train trips» (em inglês). Business Insider 
  124. Botsman, Rachel (21 de Outubro de 2017). «Big data meets Big Brother as China moves to rate its citizens». Wired UK (em inglês). ISSN 1357-0978 
  125. «《北京市轨道交通乘客守则》今起实施 车厢内禁止进食--时政--人民网». politics.people.com.cn. Consultado em 2 de julho de 2021 
  126. «不开玩笑!11月1日起,行人闯红灯和这些违法行为将纳入征信体系_深圳新闻网». www.sznews.com. Consultado em 2 de julho de 2021 
  127. Huang, Echo (8 de Janeiro de 2018). «Garbage-sorting violators in China now risk being punished with a junk credit rating». Quartz (em inglês) 
  128. Lilly, Sarah (17 de dezembro de 2018). «15 "Bad Behaviors" China Is Targeting with Its Social Credit System (And Why It Won't Work)» (em inglês). Foundation for Economic Education 
  129. Karsten, Jack (e outro) (18 de junho de 2018). «China's social credit system spreads to more daily transactions» (em inglês). Brookings 
  130. https://www.cbc.ca/radio/thecurrent/the-current-for-march-7-2019-1.5046443/how-china-s-social-credit-system-blocked-millions-of-people-from-travelling-1.5046445
  131. Davidson, Helen (9 de março de 2021). «Compulsory romance lessons among proposals at China's political conference» (em inglês). The Guardian 
  132. a b c Botsman, Rachel (2017). «Cap. 7: Rated: Would your life get a good trust score?». Who Can You Trust? How Technology Brought us Together and Why It Might Drive Us Apart -. [S.l.]: Publicaffairs 
  133. Regan, Helen (30 de Junho de 2020). «China passes sweeping Hong Kong national security law». CNN 
  134. Kuo, Lily (30 de junho de 2020). «China passes controversial Hong Kong national security law». The Guardian (em inglês) 
  135. Cheshire, Tom (1 de julho de 2020). «Hong Kong: What's in China's new security law and why has it shocked the world? | World News | Sky News». Sky News (Arq. em WAyBack Machine) 
  136. «Life in prison for anyone who violates new Hong Kong security law imposed by China | World News | Sky News». Sky News (Arq. em WayBack Machine). 1 de julho de 2020 
  137. «Em Macau todos podem ser candidatos desde que defendam o Partido Comunista». Público. 13 de Julho de 2021 
  138. Pinto, Hugo (19 de Julho de 2021). «Assim se vê a força do PCC». Publico 
  139. «China reviews 'apartheid' for 900m peasants - Asia, World - The Independent». web.archive.org. 22 de setembro de 2010. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  140. Asthana, Anand N. (fevereiro de 1999). «Pines, David, Efraim Sadka and Itzhak Zilcha (eds.) (1998). Topics in Public Economics». Kyklos (1): 122–123. ISSN 0023-5962. doi:10.1111/j.1467-6435.1999.tb02817.x. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  141. Cheng, T.; Selden, M. (1994). «The Origins and Social Consequences of China's Hukou System». doi:10.1017/S0305741000043083. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  142. Cheng, Tiejun; Selden, Mark (setembro de 1994). «The Origins and Social Consequences of China's Hukou System*». The China Quarterly (em inglês): 644–668. ISSN 1468-2648. doi:10.1017/S0305741000043083. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  143. Macleod, Calum and Macleod, Lijia China's migrants bear brunt of bias, The Washington Times, 14 July 2000.
  144. Chan, Anita (2001). China's workers under assault : the exploitation of labor in a globalizing economy. Armonk, N.Y.: M.E. Sharpe. OCLC 52860792 
  145. «Restrictions on Freedom of Movement and Residence - Discrimination in Housing - Racial Discrimination in Tibet (2000) - Publications - TCHRD». web.archive.org. 2 de setembro de 2010. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  146. «China rethinks peasant 'apartheid'» (em inglês). 10 de novembro de 2005. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  147. Haas, Benjamin (20 de março de 2018). «Xi Jinping warns he is ready to 'fight bloody battles' against China's enemies» (em inglês). The Guardian 
  148. Holmes, Oliver (e outro) (8 de dezembro de 2015). «Gui Minhai: the strange disappearance of a publisher who riled China's elite» (em inglês). The Guardian 
  149. a b World Report 2021 : Events of 2020. [S.l.]: Human Rights Watch. 2021. p. 169 
  150. AFP (10 de julho de 2020). «Sweden ex-envoy cleared in Gui Minhai detained bookseller case». Hong Kong Free Press (em inglês) 
  151. a b «China: Bookseller handed outrageous 10-year sentence must be released». Amnesty International. 25 de Fevereiro de 2020 
  152. «Gui Minhai - imprisoned, humiliated and discredited». www.expressen.se (em sueco). 26 de Setembro de 2018 
  153. «Congressional-Executive Commission on China -Annual Report 2008» (PDF). web.archive.org. Congressional-Executive Commission on China (EUA) - Arq. em WayBack Machine. 12 de dezembro de 2012. pp. 92–93 
  154. Newman, Alex (16 de junho de 2013). «China's Growing Spy Threat». The Diplomat 
  155. «World Report 2020: Rights Trends in China». Human Rights Watch. 2020 
  156. Fife, Robert; Chase, Steven (10 de novembro de 2020). «CSIS warns China's Operation Fox Hunt is targeting Canada's Chinese community». The Globe and Mail (em inglês) 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Amnesty International (2021) - Amnesty International Report 2020/21
  • Botsman, Rachel (2017) - Who Can You Trust? How Technology Brought us Together and Why It Might Drive Us Apart - Publicaffairs
  • Caster, Michael (editor) - (2019) - The Peoples Republic of the Disappeared: Stories from Inside China's System for Enforced Disappearances - Safeguard Defenders
  • Freedom House (2021) - Freedom in the World 2020 -The Annual Survey of Political Rights & Civil Liberties - The Rowman & Littlefield Publishing Group, Inc.
  • Gutmann, Ethan (2014) - The slaughter : mass killings, organ harvesting, and China's secret solution to its dissident problem -Prometheus Books
  • He, Baogang (2007) - Rural democracy in China: The Role of Village Elections - Palgrave Macmillan
  • Human Rights Watch (2021) - World Report 2021 : Events of 2020
  • Kilgour, David (e outros) -(2016). Bloody Harvest / The Slaughter - An Update
  • Ringen, Stein (2016) - The Perfect Dictatorship China in the 21st Century - Hong Kong University Press
  • Safeguard Defenders (2021) - Locked Up: Inside China’s RSDL Secret Jails - Safeguard Defenders
  • Sorman, Guy (2008) - Empire of Lies: The Truth About China in the Twenty-First Century -Encounter Books
  • Strittmatter., Kai (2020) -We Have Been Harmonized -Life in China's Surveillance State- Harper Collins

Ligações externas[editar | editar código-fonte]