Diretiva da União Europeia sobre o Direito de Autor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cartaz de protesto contra o Artigo 13º da Diretiva na Avenida da República, em Lisboa

A Directiva sobre direitos de autor no Mercado Único Digital 2016/0280(COD), também conhecida como Directiva da União Europeia sobre Direito de Autor,[1] é uma proposta de directiva da União Europeia que pretende harmonizar alguns pontos da Lei dos Direitos de Autor da União Europeia, avançando em direcção a um Mercado Único Digital.[2][3] A 20 de Junho de 2018 a proposta foi aprovada pela Comissão dos Assuntos Jurídicos do Parlamento Europeu, sendo necessária votação posterior por todo o Parlamento Europeu antes de tornar-se uma directiva.[4] A 5 de Julho de 2018 uma votação sobre a directiva foi adiada para 12 de setembro de 2018, devido à maioria do Parlamento favorecer a ocorrência de mais discussão, e apresentação de potenciais emendas, antes dessa votação ter lugar.

O Conselho Europeu descreve como suas principais metas como a protecção da Imprensa, reduzindo a discrepância entre os lucros conseguidos pelas plataformas de Internet e os criadores de conteúdo, incentivando a colaboração entre estes dois grupos, e a criação de excepções aos direitos de autor para mineração de dados e texto.[5] As propostas específicas da directiva incluem dar aos editores da Imprensa direito de autor directamente sobre o uso das suas publicações por plataformas da Internet tais como agregadores de notícias online (Artigo 11), exigindo que os sites que hospedem sobretudo conteúdo gerado pelos utilizadores tomem medidas "eficazes e proporcionais" para evitar a colocação não autorizada de conteúdo protegido por direito de autor, ou serem responsabilizados pelas acções dos seus utilizadores (Artigo 13).

Os Artigos 11 e 13 têm atraído a crítica generalizada tanto por Europeus, como por Americanos. O Artigo 11 tem sido criticado como um "imposto sobre as ligações", exigindo que  os sites "obtenham uma licença antes de poderem ligar às notícias"; o Artigo 13 tem sido visto como uma "proibição de memes", com base no facto das tecnologias empregadas para fazer correspondências de conteúdo não conseguirem identificar excepções ao direito de autor legalmente previstas, como a paródia. Os apoiantes da directiva, em grande parte grupos de mídia, editores e criadores de conteúdo, rejeitam esses argumentos, afirmando que uma campanha de desinformação e astroturfing está sendo realizada por grandes plataformas da Internet que beneficiam do status quo, como a Google.[6][7][8]

Em novembro de 2018, a Google começou a fazer campanha contra a proposta abertamente, ameaçando fechar o YouTube na União Europeia, a menos que concessões sejam feitas.[9]

História[editar | editar código-fonte]

Processo legislativo[editar | editar código-fonte]

A primeira directiva sobre direitos de autor foi adoptada em Abril de 2001.[10] A proposta agora em discussão foi inicialmente lançada a 14 de Setembro de 2016, pela Comissão Europeia,[11] a qual é responsável pela iniciativa legislativa na União Europeia, após o Parlamento Europeu ter pedido uma proposta do género, com um relatório de sua própria iniciativa, o denominado Relatório Reda.[12] A reforma do direito de autor na UE  foi empurrado por uma meta da CE em 2012[13] e consulta em 2013;[14] pela candidatura de Juncker,[15] a apelação de Kroes,[16] e pela confirmação de Oettinger,[17] e por uma agenda digital intergrupos em 2014;[18] e por comunicações da CE em 2015.[19][20]

O COREPER do Conselho da União Europeia de 25 de Maio de 2018 aprovou um texto que será enviado para as negociações trilaterais formais com o Parlamento Europeu,[21] visando chegar a um texto final, sem o apoio da Alemanha, Finlândia, Holanda, Eslovénia, Bélgica, e Hungria.[22]

A 20 de Junho de 2018 a Comissão dos Assuntos Jurídicos do Parlamento Europeu finalizou as emendas à directiva, e apresentou-as ao Parlamento para negociação.[23] No entanto, na votação de 5 de Julho de 2018 os Eurodeputados decidiram não avançar para a fase de negociação, e em vez disso reabrir a directiva para debate em Setembro de 2018.[24][25] 318 Eurodeputados votaram por reabrir o debate, 278 para enviar a directiva para as negociações trilaterais, e 31 abstiveram-se.[26]

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Artigo 3[editar | editar código-fonte]

O Artigo 3 propõe uma excepção ao direito de autor para a  mineração de dados e texto (TDM) para fins de investigação científica.[27] A versão do COREPER versão tem uma extensão obrigatória e outra opcional.

Dependendo do Artigo reconhecer ou não o estatuto de domínio público sobre factos e informações, a excepção TDM exceção pode aumentar ou diminuir as restrições em relação ao actual status quo.[28]

Artigo 4[editar | editar código-fonte]

O Artigo 4 propõe uma excepção obrigatória para o uso de obras protegidas por direito de autor, como parte de "actividades de ensino digitais e transfronteiriças". Este artigo, uma vez implementado, esclarecerá que os estabelecimentos de ensino podem fazer uso não-comercial de obras protegidas para fins ilustrativos.[carece de fontes?]

Houve preocupações por parte do sector educacional sobre a excepção proposta no Artigo 4 ser muito limitante. O sector propõe, por exemplo, a ampliação do escopo dos "estabelecimentos de ensino" por forma a incluir instituições ligadas ao património cultural. A parte mais debatida do artigo é a 4(2), segundo a qual a excepção não se aplica caso existam "licenças adequadas" disponíveis no mercado.[29]

A versão do COREPER foi alterada por forma a reflectir os  argumentos do sector da educação, mas ainda inclui o controverso artigo 4(2).[carece de fontes?]

Artigo 11[editar | editar código-fonte]

O Artigo 11 expande a Directiva de Direito de Autor de 2001 por forma a conceder aos editores direitos de autor directos sobre o "uso on-line das suas publicações por prestadores de serviços da sociedade". Segundo a actual legislação da UE, as editoras estão dependentes da atribuição de direitos de autor pelos criadores e autores, estando obrigadas a provar essa propriedade para cada obra individual.[30]

A proposta anexa várias novas condições para esse direito, incluindo a expiração ao fim de um ano, e isenções para copiar uma parte "não substancial" de uma obra, ou para copiá-la no decurso de pesquisa académica ou científica. Esta proposta é derivada do direito de autor complementar para editores de Imprensa, introduzido na Alemanha em 2013. Os editores de Imprensa, "cujo propósito é informar o público em geral e que são actualizados periodicamente ou regularmente", são distinguidos dos editores académicos e científicos (Considerando 33).

No seu memorandum explicativo, o Conselho descreve a aplicação dos direitos existentes para uso online de jornais e revistas como "complexa e ineficiente", dando especial atenção à utilização de artigos de notícias por "agregadores de notícias ou serviços de monitoramento de mídia" para fins comerciais, e os problemas enfrentados por editores da Imprensa com o licenciamento de seu trabalho para esses serviços. Um estudo encomendado pela Comissão Europeia, que analisou a implementação de leis semelhantes na Alemanha e em Espanha (neste último país resultando, notavelmente, na descontinuação do Google Notícias no território), revelou que os jornais, na verdade, beneficiaram do aumento da exposição, e consequente receita gerada pelo tráfego em anúncios, que as plataformas de agregação de notícias atraiam para os seus artigos online, notando que "os casos alemão e espanhol mostram que a lei pode criar um direito", mas que "as forças do mercado tem valorizado este direito a um preço zero."[31][32][33]

A versão da directiva votada pelo JURI continha isenções explícitas para o acto de colocar hiperligações, e o "uso legítimo privado e não comercial das publicações da Imprensa por utilizadores individuais".[34]

Artigo 12a[editar | editar código-fonte]

Segundo o texto proposto para o artigo 12a, "Protecção dos organizadores de eventos desportivos", os Estados Membros devem prover os organizadores de eventos desportivos com os direitos providenciados pelo Artigo 2 (reprodução), e pelo Artigo 3 (2) (disponibilizar) da Directiva 2001/29/EC e do Artigo 7 (fixação) da Directiva 2006/115/EC. Em linguagem corrente, isto significa que ninguém, excepto o organizador de um evento desportivo, deve ter o direito de disponibilizar (publicar, partilhar, apresentar), reproduzir ou gravar esse mesmo evento.[35]

Este novo direito torna uma violação de direito de autor a captação de imagens através de telemóvel ou máquina fotográfica pessoal, que passa a ser exclusivo dos clubes, ligas e outros organizadores de qualquer evento desportivo no espaço europeu.[35]

Em conjunto com o artigo 13, o artigo 12a pode implicar a proibição da colocação de qualquer imagem ou vídeo executados por fãs e adeptos de qualquer evento desportivo, e qualquer pessoa em geral que não esteja autorizada para o efeito pelos organizadores, em fornecedores de serviços de partilha de conteúdo on-line como o Youtube, Facebook ou o Instagram.[35]

Artigo 13[editar | editar código-fonte]

O Artigo 13 remove a excepção de "mero condutor" da violação de direito de autor para "fornecedores de serviços de partilha de conteúdo on-line" com fins lucrativos, adicionando em seguida uma isenção de responsabilidade para aqueles que implementem "medidas eficazes e proporcionais" para "prevenir a disponibilização [sem licença] de obras específicas identificadas pelos titulares dos direitos de autor", que ajam com "celeridade" para os remover, e que demonstrem ter feito os "melhores esforços" para "impedir a sua disponibilização futura". O artigo estende quaisquer licenças concedidas para hospedeiros de conteúdo aos seus utilizadores, desde que esses utilizadores não estejam agindo "numa base comercial".

O artigo direciona os estados membros a levar em conta o tamanho do fornecedor, a quantidade de conteúdo carregado, e a eficácia das medidas impostas "à luz da evolução tecnológica". Exige também um processo de apelação, e requer que os hospedeiros de conteúdo compartilhem "informações sobre o uso de conteúdo" com os seus proprietários, cuja falta foi um ponto de discórdia no passado.[36]

O Artigo 13 tem enfrentado críticas generalizadas sobre a possibilidade de poder criar um efeito de arrefecimento sobre a expressão online. Embora o artigo exija apenas "os melhores esforços" por parte dos fornecedores, é amplamente aceite, tanto por críticos como por defensores, que para atender as exigências de prevenção de futuras disponibilizações de conteúdo removido, as maiores empresas terão de implementar a tecnologia de correspondência de conteúdo semelhante ao sistema de "Content ID" do YouTube.[37] Os críticos destacam o problema dos falsos positivos dentro desse tipo de sistemas, e a sua incapacidade em lidar com as limitações ao direito de autor, tais como as excepções legalmente previstas - levando, segundo alegam, a um "banimento dos memes". Apoiantes e terceiras partes assinalam que o YouTube tem utilizado o Content ID há mais de uma década, ainda assim continua a ser um sucesso de hospedagem para conteúdo de todos os tipos.[38]

Os críticos deste artigo sugerem ainda que todos os provedores de conteúdo serão forçados a usar o filtros de conteúdo caros, que somente as grandes empresas de tecnologia dos Estados Unidos têm recursos para desenvolver,[39] e que terceirizar a tarefa tem implicações ao nível da privacidade.[40]

Cobertura[editar | editar código-fonte]

As disposições do Artigo 13 afectam sites comerciais de hospedagem de conteúdos que "armazenem e dêm acesso público a uma grande quantidade de obras ou outros materiais carregados pelos seus utilizadores, que [os sites] possam organizar e promover com fins lucrativos". A proposta explicita que isto não inclui serviços privados de armazenamento na nuvem, enciclopédias sem fins lucrativos (como a Wikipédia), repositórios educacionais ou científicos, e uma variedade de outros casos.

As disposições deste artigo não se aplicam de forma igual a todos os sites de hospedagem comercial. A proposta explica que das "[micro e pequenas empresas] deve apenas ser esperada a remoção expedita de obras especificamente não autorizadas após notificação dos titulares dos direitos de autor", e que "diferentes medidas podem ser adequadas e proporcionais consoante o tipo de conteúdo".

Artigo 15[editar | editar código-fonte]

O Artigo 15 tem como objectivo permitir que os autores aumentem a sua remuneração em alguns casos em que esta é desproporcionalmente baixa. Os artigos 14 a 16 da proposta, embora mais fracos que os sistemas actualmente existentes em muitos estados membros, iria melhorar a posição negocial dos autores e artistas.

Associações de autores propuseram um "mecanismo de reversão de direitos" que permitiria a cancelar um acordo de transferência de direito de autor que provasse ser desvantajoso.[41][42]

Outros artigos[editar | editar código-fonte]

Outras partes da proposta tentam esclarecer o estatuto jurídico de certas atividades comuns das bibliotecas e das obras órfãs.[43]

As emendas aprovadas por alguns comités do Parlamento Europeu dizem respeito a problemas relacionados ao domínio público e à liberdade de panorama.[44]

Posicionamentos[editar | editar código-fonte]

A favor[editar | editar código-fonte]

A directiva é apoiada por editores, gravadoras, jornais, e artistas. Uma campanha organizada pelo Agrupamento Europeu das Sociedades de Autores e Compositores recolheu mais de 32 mil assinaturas de criadores, incluindo David Guetta, Ennio Morricone, Jean-Michel Jarre, e a banda Air.[45] Entre os apoiantes também se contam os músicos Paul McCartney e James Blunt,[46] o autor Philip Pullman (enquanto chefe da Sociedade de Autores),[47] a Independent Music Companies Association,[48] e o editor alemão Axel Springer.[49]

O apoio no Parlamento Europeu é liderado pelo eurodeputado Axel Voss, relator da directiva, e pelo Grupo do Partido Popular Europeu ao qual pertence.[50] Voss rejeita os argumentos dos que criticam a directiva, descrevendo em particular as referências a censura como "injustificadas, excessivas, objetivamente erradas e desonestas", assinalando que a tecnologia de filtragem de conteúdo tem sido usada no YouTube há uma década, sem nunca ter gerado uma "campanha anti-censura",[51] acusando o "grandes plataformas da [Internet]" de montarem uma "campanha de notícias falsas".[52] O eurodeputado Tom Watson, vice-presidente do Partido Trabalhista do Reino Unido, disse que "temos que garantir aos trabalhadores ...todo o fruto do seu trabalho. A Google está tentando impedir que aconteça".

A Google é uma dos patrocinadoras da Electronic Frontier Foundation, outro líder opositor,[53] e tem sido vista pedindo aos seus parceiros quem façam lobby contra a reforma.[54]

Jornais que apoiam abertamente a directiva rotulam pejorativamente alguns desses opositores como "os maiores e mais ricas empresas do mundo". O Financial Times afirmou em editorial que "o YouTube controla 60 por cento de todo o negócio de streaming áudio, mas paga somente 11 por cento das receitas de que os artistas recebem".[55] Outros jornais focam no Artigo 11, argumentando que a reforma é uma batalha entre o pluralismo dos meios de comunicação europeus, e os monopólios dos gigantes da Internet estrangeiros.[56][57] De modo geral há um acordo entre a as fontes da Imprensa mainstream de que as plataformas de Internet estão fazendo lobby contra o projecto de lei para defender os seus próprios interesses financeiros.[58]

Um grupo de nove das principais editoras da Imprensa europeia, incluindo Agence France-Presse, a Associação de Imprensa, e a Aliança Europeia de Agências de Notícias publicou uma carta apoiando fortemente a proposta, descrevendo-a como "uma proposta chave para a indústria de mídia, o acesso futuro às notícias pelo consumidor, e, finalmente, uma democracia saudável". Na carta, citam o apoio estatal existente a meios de comunicação em dificuldades, argumentando que este deveria ser ai invés providenciado pelos "gigantes da Internet", que têm "sugado" as receitas de publicidade.[59]

Oposição[editar | editar código-fonte]

Protesto contra a reforma europeia do direito de autor, em especial os artigos 11 e 13, na Praça Luís de Camões, em Lisboa, Julho de 2018

Os Artigos 11 e 13 da Directiva têm enfrentado críticas generalizadas.[60][61] Mais de 200 académicos de mais de 25 centros de pesquisa, e por autores, jornalistas, editores,[62][63] estudiosos de leis,[64][65][66] especialistas em Internet,[67] instituições culturais,[68] utilizadores, organizações de direitos civis,[69][70] legisladores[71] e estudos europeus.

A Google, proprietária do YouTube, tem se oposto à directiva, desde a sua primeira criação em 2016, quando argumentaram que as propostas "transformariam a Internet num lugar onde tudo o que seria carregado para a web deveria ser aprovado por advogados".[72] Em 2018 a empresa incentivou editores de notícias na sua Digital News Initiative, os membros das qual são elegíveis para subvenções a partir de um fundo de €150m, a fazer lobby junto dos eurodeputados sobre as propostas.[54]

O Facebook opõe-se igualmente, argumentando que a proposta "pode ter consequências graves e não intencionais para uma Internet aberta e criativa".[73]

Os activistas criticam o Artigo 11 como um "imposto sobre a ligação", exigindo que os editores de websites "obtenham uma licença antes de ligar para as notícias",[74] e o Artigo 13 como uma "proibição de memes", na base de que a tecnologia empregada na correspondência de conteúdo por forma a atender os requisitos da proposta não permite identificar excepções legais ao direito de autor, como a  paródia.

Outros activistas, como a coligação Copyright for Creativity, reivindicam que a duração do direito de autor é excessivamente longa, e que as propostas estão desactualizadas, não criam qualquer harmonização, senso uma implementação e aplicação das regras disfuncional.[75]

O banner de bloqueio na Wikipédia em italiano. Outras Wikipédias bloqueadas apresentavam mensagens semelhantes.

A crítica vinda da Academia tem, em vez disso, destacado a preocupação sobre a eficácia do impacto do Artigo 11 sobre o número de leitores das publicações on-line, e no Artigo 13 as obrigações aos fornecedores de serviços que irão "beneficiar os grandes jogadores". Entre os que têm se manifestado publicamente contra a lei estão o comediante Stephen Fry; o autor Neil Gaiman;[76] Tim Berners-Lee, criador da World Wide Web; Vint Cerf, co-inventor do TCP/IP; e Jimmy Wales, co-fundador da Wikipédia; os quais levantam questões sobre os custos e a eficácia de upload de filtros, e os efeitos negativos sobre a liberdade de expressão online.[77] A Human Rights Watch e os Repórteres Sem Fronteiras estão entre os signatários de uma carta aberta opondo-se ao Artigo 13.[78]Scholarly Publishing and Academic Resources Coalition Europe apelou à remoção do Artigo 11, argumentando que iria "tornar as duas últimas décadas de notícias menos acessíveis a pesquisadores e ao público, levando a uma distorção do conhecimento público e da memória dos eventos passados"; e, case seja estendido à publicação académica, seria "efectivamente pedir aos leitores que paguem aos editores para poderem ter acesso a obras das quais autores, instituições ou instituições financiadoras de pesquisa já haviam pago aos editores, para que providenciassem esse conteúdo livremente acessível a todos em 'acesso aberto'".[79][80]

O banner na Wikipédia em inglês, visto a partir de um endereço de IP alemão.

Uma petição na Change.org reunira mais de 950 mil assinaturas a 2 de Setembro de 2018. Poucos dias antes da votação parlamentar, a Wikipédia iniciou uma campanha contra a directiva.[81]

Reportagens que criticam a proposta largamente têm sido publicadas por jornais de grande circulação na Áustria,[82] França,[83] Alemanha,[84][85] Irlanda,[86] Itália,[87][88] Polónia,[89] Espanha[90] e Eslováquia.[91]

145 organizações das áreas de recursos humanos e de direitos digitais, liberdade de imprensa, editoras, bibliotecas, instituições de ensino, desenvolvedores de software e provedores de serviço de Internet assinaram uma carta a 26 de abril de 2018, opondo-se à proposta de legislação.[92] Alguns dos que se opõem incluem a Electronic Frontier Foundation, Creative Commons, European Digital Rights, a Sociedade Max Planck, vários capítulos Wikimedia, e a Fundação Wikimedia (a organização-mãe da Wikipédia).[93] A Wikipédia em italiano,[94][95][96] depois seguida por outras, incluindo as em espanhol,[97] estónio, letão, polonês, francês e português,[98] fecharam as suas páginas aos leitores entre 3 e 5 de Julho. A Wikipédia em inglês colocou um banner pedindo aos leitores europeus que contactassem os seus representantes no Parlamento Europeu.

Os eurodeputados que se opõem a mudanças incluem Julia Reda, Heidi Hautala, e Dan Dalton.[99][100] Julia Reda descreve os esforços nos bastidores desta lei como as grandes companhias de mídia tentando forçar "plataformas e motores de busca a usar os seus snippets, e pagar por eles".[101] Os partidos que se opõem a legislação incluem o Partido Verde Europeu.[102]

Publicação Académica[editar | editar código-fonte]

A proposta é apoiada de modo geral pelas editoras académicas, incluindo a International Association of Scientific, Technical, and Medical Publishers.[103] Este grupo tem, no entanto, criticado a proposta de exclusão de editores científicos das disposições constantes no Artigo 11, descrevendo a exclusão como "injustificada e potencialmente discriminatória".[104]

O Conselho Europeu para Doutorandos e Jovens Investigadores opõe-se à proposta, com base na isenção prevista no Artigo 13 para grupos não-comerciais não abranger todos os repositórios científicos, citando o projecto Horizonte 2020 como um exemplo de trabalho comercial no sector. Concordam também de modo geral com as afirmações dos outros oponentes.[105] O Scholarly Publishing and Academic Resources Coalition, um grupo activista pelo acesso aberto, opõe-se à proposta por princípio.

Direitos Humanos[editar | editar código-fonte]

O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos levantou a questão da proposta ser incompatível com o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos de 1966. Em carta pública datada de 13 de Junho de 2018, o relator especial David Kaye argumentou que a relutância da proposta em concretizar com precisão as obrigações exigidas às entidades hospedeiras de conteúdo criou uma "significativa incerteza jurídica" incompatível com as exigências do pacto de que quaisquer restrições à liberdade de expressão sejam "previstas na lei", concluindo que isto poderia levar a uma pressão sobre os provedores de conteúdo partilhado para que errem por excesso de zelo. Kaye também criticou a ausência de "revisão judicial preliminar" inerente ao sistema, e natureza igualmente extrajudicial do processo de apelação.[106]

A carta também levantou preocupações sobre a falta de protecção para grupos sem fins lucrativos, embora tais grupos tenham sido excluídos das disposições presentes na proposta antes de sua publicação. A UE foi convidada a responder no prazo de 60 dias.

Youtubers[editar | editar código-fonte]

A 26 de Novembro de 2018 o youtuber português Paulo Borges, mais conhecido como Wuant, publicou um vídeo avisando sobre os potenciais perigos dos Artigos 13º e 11º para a actividade dos youtubers, sendo rapidamente ecoado por outros youtubers de grande visibilidade, entre os quais o luso-brasileiro Felipe Neto.[107] A mensagem causou grande repercussão nas redes sociais, motivando uma carta aberta aos youtubers em defesa da proposta assinada pela representante da Comissão Europeia em Portugal, Sofia Colares Alves,[108] carta essa rapidamente contestada por vários youtubers, como Wuant e Felipe Neto.

Referências

  1. «EU's controversial copyright plan rejected». BBC News (em inglês). 5 de julho de 2018. Consultado em 5 de julho de 2018 
  2. «The EU copyright legislation» 
  3. «Everything you need to know about Europe's new meme-ending war» 
  4. «Controversial Copyright Directive Approved by EU Legal Affairs Committee». euronews 
  5. «Copyright rules for the digital environment: Council agrees its position – Consilium» 
  6. «MYTHBUSTER». publishersright.eu (em inglês) 
  7. «UK Music chief slams Google as "corporate vultures" as figures show Google's €31m EU lobbying bid». UK Music. Consultado em 4 de julho de 2018 
  8. «Google funds website that spams for its causes» (em inglês). ISSN 0140-0460 
  9. «#SaveYourInternet - Article 13». Youtube. Consultado em 23 de novembro de 2018 
  10. «Commission welcomes adoption of the Directive on copyright in the information society by the Council» 
  11. «Proposal for a Directive of the European Parliament and of the Council on copyright in the Digital Single Market» 
  12. «European Parliament resolution of 9 July 2015 on the implementation of Directive 2001/29/EC of the European Parliament and of the Council of 22 May 2001 on the harmonisation of certain aspects of copyright and related rights in the information society (2014/2256(INI))» 
  13. «Battle on EU copyright law re-opened by Commission» 
  14. «Report on the responses to the Public Consultation on the Review of the EU Copyright Rules» (PDF) 
  15. «My priorities | Jean-Claude Juncker» 
  16. «European Commission – Press release – Our single market is crying out for copyright reform» 
  17. «Oettinger: convincing if not enthusiastic» 
  18. «European Parliament agrees on new intergroups» 
  19. «Communication from the Commission to the European Parliament, the Council, the European Economic and Social Committee and the Committee of the Regions – A Digital Single Market Strategy for Europe». eur-lex.europa.eu. COM/2015/0192 
  20. «Communication from the Commission to the European Parliament, the Council, the European Economic and Social Committee and the Committee of the Regions – Towards a modern, more European copyright framework». eur-lex.europa.eu. COM/2015/0626 
  21. «Proposal for a directive on copyright in the Digital Single Market» (PDF) 
  22. «EU Council agrees Copyright Directive position» 
  23. «Copyright rules for the digital environment: Council agrees its position» 
  24. «YouTube and Facebook escape billions in copyright payouts after EU vote». The Guardian (em inglês) 
  25. «MEPs reject EU copyright reforms in victory for internet giants» (em inglês) 
  26. «EU-Parlament bremst Urheberrechtsreform aus». Der Spiegel (em alemão) 
  27. «Copyright Reform: Help Us Ensure an Effective TDM Exception! – LIBER» 
  28. «24 organisations urge Rapporteur Axel Voss MEP to strike a more ambitious deal on TDM – European Alliance for Research Excellence» 
  29. «Educators ask for a better copyright» (em inglês) 
  30. «Strengthening the Position of Press Publishers and Authors and Performers in the Copyright Directive – Think Tank» 
  31. «Online News Aggregation and Neighbouring Rights for News Publishers» (PDF). Ref. Ares(2017)6256585 
  32. «Google News Spain to close in response to story links 'tax'». the Guardian (em inglês) 
  33. «European MEPs vote to reopen copyright debate over 'censorship' controversy» 
  34. «What's at stake in the July 5 #SaveYourInternet vote: The text, explained» (em inglês) 
  35. a b c Reda, Julia. «EU copyright reform will spell disaster for sports fans». Julia Reda (em inglês) 
  36. «Royalty Dispute Stops Music Videos in Germany» (em inglês) 
  37. «'Disastrous' copyright bill vote approved» 
  38. «Censorship Machines are 'Destroying The Internet' As We Speak?» (em inglês) 
  39. Maack, Már Másson (19 de junho de 2018). «The EU's disastrous Copyright Reform, explained by its lovers and haters». The Next Web. Consultado em 21 de junho de 2018 
  40. «'Notice and staydown' and social media: amending Article 13 of the Proposed Directive on Copyright». International Review of Law, Computers & Technology. doi:10.1080/13600869.2018.1475906 
  41. «Music creators call for EU-wide rights reversion mechanism». BASCA 
  42. «Our Views on the European Commission's Draft Legislation to Modernise the European Copyright Framework and Proposed Amendments» (PDF) 
  43. «European Parliament votes to improve access to digitised cultural heritage». Europeana 
  44. «Synopsis report on the 'panorama exception'» (PDF) 
  45. «David Guetta and all three major labels are among industry giants pushing for copyright reform | TIO» 
  46. «Paul McCartney, James Blunt Back New European Copyright Law». The Hollywood Reporter (em inglês). 4 de julho de 2018. Consultado em 4 de julho de 2018 
  47. «The Society of Authors' Response to the Intellectual Property Office's Calls for Views on the European Commission's Draft Legislation to Modernise the European Copyright Framework» (PDF). Society of Authors 
  48. «Copyright: say NO to scaremongering and YES to creators getting paid» (em inglês). Independent Music Companies Association. Consultado em 3 de julho de 2018 
  49. «Tensions heighten ahead of crunch EU copyright reform vote». www.theparliamentmagazine.eu (em inglês) 
  50. «Axel Voss appointed new Rapporteur for Copyright Directive» (em inglês) 
  51. Voss, Axel (18 de junho de 2018). «Europäisches Urheberrecht». www.axel-voss-europa.de (em alemão). Consultado em 5 de julho de 2018 
  52. «Copyright directive: statement by Axel VOSS (EPP,DE), rapporteur» 
  53. «JURI's out, Euro copyright votes in: Whoa, did the EU just 'break the internet'?» (em inglês) [precisa-se de fonte melhor?]
  54. a b «Google criticised for push against EU copyright reform» (em inglês). Financial Times. 26 de junho de 2018. Consultado em 4 de julho de 2018 
  55. «The case for reforming the rules of copyright» (em inglês) 
  56. «Médias. Défendre le pluralisme en Europe contre les géants du Net !» (em francês) 
  57. «L'Europe doit défendre les médias contre la loi des Gafa» (em francês) 
  58. «YouTube and Facebook escape billions in copyright payouts after EU vote». the Guardian (em inglês) 
    «MEPs reject EU copyright reforms in victory for internet giants» (em inglês) 
    «Google searches for way round EU copyright» (em inglês). ISSN 0956-1382 
    «Tech Companies Win Reprieve as EU Parliament Delays Copyright Law» (em inglês). ISSN 0099-9660 
    «Tech Giants Are Stronger Than Paul McCartney» (em inglês) 
  59. «Letter by 9 news agencies» (PDF) 
  60. «A Brief Exegesis of the Proposed Copyright Directive» 
  61. «The EU's Copyright Proposal is Extremely Bad News for Everyone, Even (Especially!) Wikipedia» 
  62. «Our Op-ed as published in EurActiv: Small publishers: Take 'neighbouring right' out of EU copyright reform». mediapublishers.eu 
  63. «The Link Tax: An Editor's story – Copybuzz». copybuzz.com 
  64. «EU Copyright Reform» 
  65. «Open letter by 40 scholars to the European Commission» (PDF) 
  66. «Letter by 169 academics» 
  67. «70+ Internet Luminaries Ring the Alarm on EU Copyright Filtering Proposal» 
  68. «Copyright Reform: Open Letter from European Research Centres» (PDF) 
  69. «Letter by 145 civil society organisations» (PDF) 
  70. «Article 13 Open letter – Monitoring and Filtering of Internet Content is Unacceptable»  (An open letter by Liberties, EDRi, 57 human rights and digital rights organisations).
  71. «More than a hundred MEPs oppose new publishers right – DAI». digitalagendaintergroup.eu 
  72. «European copyright: there's a better way» (em inglês) 
  73. «European Parliament votes against 'publisher's right' copyright law changes as Facebook warns of 'unintended consequences'» (em inglês) 
  74. «The Copyright Manifesto» 
  75. «Paul McCartney joins crowded fight over online rules» 
  76. «Protests over Brussels copyright reform» 
  77. «Over 50 Human Rights & Media Freedom NGOs ask EU to Delete Censorship Filter & to Stop © Madness – Copybuzz». copybuzz.com (em inglês) 
  78. «"Copyright in the Digital Single Market" briefing» (PDF) 
  79. «Copyright Reform: Open Letter from European Research Centres» (PDF). CREATe 
  80. «ENPA reacts to Wikipedia hostile campaign against Copyright» 
  81. «EU-Pläne für Uploadfilter könnten Todesstoß für Memes bedeuten – derStandard.at». DER STANDARD 
  82. «Un projet de loi européen pourrait menacer les mèmes sur Internet» 
  83. «Upload-Filter: Liebe Leserin, lieber Leser,» 
  84. «EU-Ausschuss stimmt für Leistungsschutz und Uploadfilter» 
  85. «EU's attempt at internet copyright reform is a ridiculous own goal» 
  86. «Ombre (più che luci) della riforma europea del copyright» (em italiano) 
  87. «Europa, stretta sul copyright: arriva la tassa sui link (e meme a rischio)» (em italiano) 
  88. «Będzie cenzura internetu? Ekspertka: To może uderzyć nawet w przeglądy prasy i portale typu Wykop» (em polaco) 
  89. «Editorial | A digital agreement». ISSN 1134-6582 
  90. «Bruselská smernica môže uškodiť otvorenému a slobodnému internetu» (em eslovaco) 
  91. «Directive on copyright in the Digital Single Market 'destined to become a nightmare'». Index on Censorship 
  92. «How the EU copyright proposal will hurt the web and Wikipedia». wikimedia.org 
  93. «Italy Wikipedia shuts down in protest at EU copyright law» 
  94. «Italian, Spanish and Polish Wikipedia pages shut down ahead of controversial copyright law» 
  95. «Polish Wikipedia shuts down in protest at EU copyright law» 
  96. «Wikipedia en español cierra de forma temporal en protesta por la propuesta de copyright de la UE» (em espanhol) 
  97. «Eesti Vikipeedia pani protesti märgiks oma lehekülje kinni» (em estónio) 
  98. «MEPs rally against planned EU copyright reform». theparliamentmagazine.eu 
  99. «Tensions heighten ahead of crunch EU copyright reform vote» 
  100. «Julia Reda discusses the current Proposal for a Directive on copyright in the Digital Single Market – Kluwer Copyright Blog». Kluwer Copyright Blog 
  101. «Legal affairs committee approves controversial EU copyright proposals». theparliamentmagazine.eu 
  102. «EU copyright reforms draw fire from scientists». Nature. 556. doi:10.1038/d41586-018-03837-7 
  103. «STM response to Directive on Copyright in the Digital Single Market» (PDF) 
  104. «Eurodoc Open Letter to European Parliament on Copyright Directive» (PDF). Eurodoc 
  105. «European Union draft directive on copyright in the digital single market» (PDF). OL OTH 41/2018 
  106. Brandão, Mário Rui André, João Ribeiro, Rita Pinto, Marco (28 de novembro de 2018). «Fazemos 'like' no vídeo do Wuant». Shifter 
  107. Group, Global Media (29 de novembro de 2018). «″Não, a internet não vai desaparecer.″ Como a Comissão Europeia respondeu aos youtubers». TSF Rádio Notícias