Diretor executivo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Diretor executivo (AO 1945: director executivo) , diretor geral ou Chefe Executivo de Ofício (às vezes designado pelo estrangeirismo Chief Executive Officer, ou pela sigla CEO, em inglês) é o cargo que está no topo da hierarquia operacional de uma empresa. Ele possui a responsabilidade de executar as diretrizes propostas pelo Conselho de Administração, que por sua vez é composto por representantes dos acionistas da empresa.

Com a crescente globalização da economia e dos negócios, o termo vem sendo empregado também em países de língua não inglesa. Em Portugal o termo é utilizado informalmente sobretudo em empresas de grande dimensão, apesar da designação oficial do cargo ser outra, tal como Administrador-Delegado, Presidente da Comissão Executiva ou Presidente Executivo.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

O CEO é fiscalizado e recebe diretrizes do Conselho de Administração. Há casos em que o CEO seja igualmente o Presidente do Conselho de Administração. Por vezes, quando uma pessoa possui ambos os títulos - Presidente do Conselho de Administração e CEO - há uma outra pessoa com o título de Executivo-Chefe de Operações (COO).

No sistema jurídico português e nas organizações econômicas, considerando a forma tripartida das sociedades comerciais - Conselho Fiscal, Conselho de Administração e Assembleia Geral - o CEO corresponde ao PCA, Presidente do Conselho de Administração..

Em empresas multinacionais podem existir vários níveis de CEO abaixo do CEO de topo, como por exemplo:

  • Regional CEO
  • Country CEO
  • Branch CEO

Geralmente, um CEO pode ter vários diretores subordinados com responsabilidades específicas. Esses diretores adotam muitas vezes títulos em língua inglesa derivados da família chief xxx officer (CxO):

  • CAO – Chief Accounting Officer, Diretor de Contabilidade.;
  • CAO – Chief Administrative Officer, Diretor Administrativo;
  • CAO – Chief Analytics Officer, Diretor de Análise;
  • CAO – Chief Audit Executive, Diretor de Auditoria;
  • CBO – Chief Brand Officer, Diretor de Qualidade;
  • CCO – Chief Channel Officer, Diretor de Curso;
  • CCO – Chief Communication Officer, Diretor de Comunicação;
  • CCO – Chief Compliance Officer, Diretor de Conformidade;
  • CDO – Chief Data Officer, Diretor de Dados;
  • CFO – Chief Financial Officer, Diretor Financeiro;
  • CGO – Chief Governance Officer, Diretor de Governança;
  • CHRO – Chief Human Resources Officer, Diretor de Recursos Humanos;
  • CIO – Chief Information Officer, Diretor de Informação;
  • CINO – Chief Innovation Officer, Diretor de Inovação.
  • CISO – Chief Information Security Officer, Diretor de Segurança da Informação;
  • CKO – Chief Knowledge Officer, Diretor de Conhecimento;
  • CLO – Chief Learning Officer, Diretor de Aprendizagem;
  • CLO – Chief Legal Officer; Diretor Jurídico;
  • CMO – Chief Marketing Officer, Diretor de Marketing;
  • CMO – Chief Maintenance Officer, Diretor de Manutenção;
  • CNO – Chief Networking Officer, Diretor de Rede;
  • COO – Chief Operating Officer / Chief Operations Officer, Diretor de Operações;
  • CPO – Chief Purchasing Officer, Diretor de Compras;
  • CQO – Chief Quality Officer, Diretor de Qualidade
  • CRO – Chief Risk Officer / Chief Risk Management Officer, Diretor de Gerenciamento de Risco;
  • CSO – Chief Science Officer, Diretor de Ciências;
  • CSO – Chief Security Officer, Diretor de Segurança;
  • CSO – Chief Strategy Officer, Diretor de Estratégia;
  • CTO – Chief Technical Officer / Chief Technology Officer, Diretor de Tecnologia;
  • CVO – Chief Visionary Officer, Diretor Visionário.

Psicopatia[editar | editar código-fonte]

A publicação britânica The Week divulgou duas listas: uma com as profissões que mais possuem psicopatas e outra com as que possuem menos psicopatas. A posição de CEO ocupou o primeiro lugar da lista de profissões que possuem o maior número de psicopatas. O site da revista justifica o ranking da lista de profissões que possuem menos psicopatas. Segundo a publicação, essas atividades precisam de conexão humana e, por sua própria natureza, os psicopatas não seriam atraídos por elas.

Por outro lado, a maioria das funções que atraem mais psicopatas requerem capacidade de tomar decisões objetivas, sem usar os sentimentos. "Psicopatas seriam atraídos para esses papéis e iriam prosperar", afirma a The Week.

Papéis de um CEO de uma startup[editar | editar código-fonte]

Atração e retenção de talentos[editar | editar código-fonte]

Uma startup convive num cenário de muitos riscos e o início é sempre muito crítico. Uma das tarefas mais importantes no início de um empreendimento é juntar ótimos sócios e apresentar a ideia da empresa para que eles possam engajar-se com ela e, mais do que isso, sintam-se motivados a enfrentar os desafios que vierem. É muito comum que startups fiquem sem dinheiro e vão à falência, portanto, gasta-se muita energia para encontrar talentos dispostos a enfrentar todos os perigos envolvidos num negócio.

Visão clara de todas as áreas[editar | editar código-fonte]

Um CEO não pode se dar ao luxo de delegar todas as funções, principalmente no início de um negócio. Tudo precisa de um visto dele, da qualidade do produto ao financeiro, deve-se ter um controle do negócio e “olhando-o de cima” é possível identificar desvios de trajeto. O marketing é também muito crítico no início de um empreendimento, pois até que se defina o público-alvo certo de um empreendimento o CEO participa muito.

Dar (e receber) mentoria[editar | editar código-fonte]

Ser o CEO é a função mais complexa e crítica da empresa, e envolve muitas responsabilidades. A visão mais clara sobre o futuro da empresa exige que o CEO mentore seus subordinados em relação aos melhores rumos. E dada a complexidade das decisões a serem tomadas por ele, como precificação inicial do produto, é essencial um tipo de mentoria principalmente no início do negócio. Um CEO que já tenha passado pelas dificuldades do mesmo tipo de empreendimento ajuda demais, da uma visão de fora e principalmente estabelece réguas de cobrança sobre a performance do CEO mais novo.[1]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

http://epocanegocios.globo.com/Informacao/Acao/noticia/2013/10/10-profissoes-que-mais-e-menos-atraem-psicopatas.html