Discriminação de orientação sexual

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A discriminação de orientação sexual (ou sexualismo ) é um tipo de discriminação baseada na orientação sexual e / ou comportamento sexual.

Viés sexual[editar | editar código-fonte]

Discriminação de orientação sexual é a discriminação contra uma pessoa ou grupo com base na sua orientação ou comportamento sexual. A discriminação de orientação sexual surge com frequência em ações de trabalho. [1]   Isto predispõe uma posição tendenciosa de pessoas heterossexuais, contra lésbicas, gays, transsexuais e bissexuais, entre outros. No entanto, também pode ser contra pessoas heterossexuais. Um termo relacionado é preconceito sexual, uma atitude negativa em relação a alguém por causa da sua orientação sexual. [2] Esse viés não é o mesmo que homofobia, mas é a discriminação contra; ou contra certas orientações sexuais. O conceito de heterossexismo sugere que a base para esse viés não é encontrada no indivíduo em si, mas possui uma base cultural ou biológica mais ampla que resulta em atitudes ponderadas a favor da heterossexualidade em relação a outras orientações sexuais. O heterossexismo é uma forma de violência estrutural.

Uma definição precedente do termo é: discriminação por orientação sexual é uma crença ou argumento de que uma orientação ou comportamento sexual é inerentemente superior a alguns ou a todos os outros. Usualmente sendo a heterossexualidade, o único modo considerado natural, normal ou moral de comportamento sexual, também usado para se referir aos efeitos desse instinto. A palavra heterosexismo também foi proposta para significar essencialmente a mesma coisa que essa forma de discriminação de orientação sexual. [3] Essa palavra foi sugerida como uma alternativa à homofobia, [4] em parte porque usa uma estrutura paralela ao sexismo ou racismo. A intenção do conceito de heterossexismo é o exame do viés cultural contra não-heterossexuais, em vez do viés individual, que é o foco da homofobia, bem como os efeitos adversos da heterossexualidade normativa nas pessoas que identificam heterossexuais. [5]

O termo pansexualismo, visto especialmente no campo da psicanálise do início do século XX, [6] foi baseado no uso do termo "sexualismo" para se referir à natureza sexual da humanidade. Os termos homossexualismo e bissexualismo também se baseavam nesse uso e eram comumente usados antes da adoção geral dos termos homossexualidade e bissexualidade . [7] [8]

Portugal[editar | editar código-fonte]

Socialmente, a discriminação de orientação sexual ainda existe em Portugal; embora tenha sido o oitavo país do mundo a realizar em todo território nacional casamentos civis entre pessoas do mesmo sexo. No início de 2010,[9] Portugal juntou-se aos Países Baixos, Bélgica, África do Sul, Espanha, Canadá, Noruega e Suécia.

Vêr também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Berry, John, "Sexual Orientation Discrimination in the Current State of the Law (2017)"
  2. Matlin, Margaret W., Ph.D., "The Psychology of Women", (2004)
  3. Corsini, Raymond J., The Dictionary of Psychology (2001), ISBN 1-58391-328-9
  4. Herek, Gregory M., Ph.D., "Beyond 'Homophobia': Thinking About Sexual Prejudice and Stigma in the Twenty-First Century." Sexuality Research & Social Policy (April, 2004)
  5. Jackson, S. (2006) Gender, sexuality and heterosexuality: the complexity (and limits) of heteronormativity. Feminist Theory, 7 ( 1). pp. 105-121. ISSN 1464-7001
  6. Malinowski, Bronislaw, Sex and Repression in Savage Society (1927)
  7. Kodaigaku - 'Bi-sexualism in Buddhist Literature', by Kodaigaku Kyōkai (Japan)
  8. 'For Sex Education, See Librarian: A Guide to Issues and Resources,' by Martha Cornog, Timothy Perper (1996)
  9. «O casamento de pessoas do mesmo sexo» (PDF) 

Referências[editar | editar código-fonte]

  • White, Chris, 'Escritos do século XIX sobre homossexualidade: um livro-fonte' - ISBN 0-415-15305-0
  • Wolman, Benjamin B., 'Enciclopédia Internacional de Psiquiatria, Psicologia, Psicanálise e Neurologia' (1977)
  • Fish, J. Heterosexismo em Saúde e Assistência Social. Basingstoke: Palgrave. (2006)
  • Jackson, S. (2006) Gênero, sexualidade e heterossexualidade: a complexidade (e limites) da heteronormatividade. Teoria feminista, 7 (1). 105-121. ISSN 1464-7001