Discussão:Bancada evangélica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Tabela de membros da Bancada[editar código-fonte]

Resolvi remover a tabela pois ela:

  • É muito extensa
  • Carece de wikificação (como ligs. internas), o que sugere que foi um copia e cola de outro site
  • Há a possibilidade de ser violação de direitos autorais, por exemplo, dessas fontes:

Caso tenham alguma crítica a fazer, me avisem. Holy Goo (discussão) 18h52min de 7 de junho de 2017 (UTC)

Encontrei uma tabela mais adequada, e usarei como fonte o DIAP [1]. Em seguida farei a wikificação. Holy Goo (discussão) 19h07min de 7 de junho de 2017 (UTC)

Bibliografia para aprofundar o artigo[editar código-fonte]

Fontes acadêmicas[editar código-fonte]

A seguir, uma seleção de fontes acadêmicas para aprofundar futuramente o artigo (que, atualmente, usa apenas notícias de jornal e revistas).

  • BAPTISTA, S. Pentecostais e neopentecostais na política brasileira: um estudo sobre cultura política, Estado e atores coletivos religiosos no Brasil. São Bernardo: Instituto Metodista Izabela Hendrix; Annablume, 2009. [Tese original: Cultura política brasileira, práticas pentecostais e neopentecostais: a presença da Assembléia de Deus e da Igreja Universal do Reino de Deus no Congresso Nacional (1999-2006), Universidade Metodista, 2007, [2].]
  • BONINO, J. M. Em busca de poder: evangélicos e participação política na América Latina. Rio de Janeiro: Novos Diálogos, 2011. 88 p. [3].
  • BURITY, J. A.; MACHADO, M. D. C. Os votos de Deus: evangélicos, política e eleições no Brasil. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2005.
  • FRESTON, P. Protestantismo e politica no Brasil: da constituinte ao impeachment. 1993. 307 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas, Campinas, SP. [4].
  • LACERDA, F. Evangelicals, Pentecostals and Political Representation in Brazilian Legislative Elections (1998-2010). Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 93, 2017. [5].
  • MACHADO, M. D. C. Política e religião: a participação dos evangélicos nas eleições. Rio de Janeiro: FGV, 2006. [6].
  • VITAL DA CUNHA, C.; LOPES, P. V. L. ; LUI, J. Religião e Política: medos sociais, extremismo religioso e as Eleições 2014. Rio de Janeiro: ISER, 2017. 196 p. [7].

Notícias e artigos de jornal[editar código-fonte]

  • CUNHA, J. F. A ascensão da cultura pentecostal nas periferias brasileiras e a influência dos evangélicos na política. Revista IHU, 5 abr. 2017. [8].
  • DUTRA, R. A esquerda e os evangélicos: o que aprender com a vitória de Crivella. El País, 7 nov. 2016. [9].
  • FACHIN, P. A religiosidade dos pobres e a esquerda. Os preconceitos intelectuais e a indisposição para aprender com o outro. Entrevista especial com Roberto Dutra Torres Junior. Revista IHU, 23 nov. 2016. [10].
  • LACERDA, F. As narrativas políticas e a ascensão evangélica. O Estado de S. Paulo, 5 dez. 2017. [11].
  • MACHADO, M. D. C.; BURITY, J. A Ascensão Política dos Pentecostais no Brasil na Avaliação de Líderes Religiosos. Dados, Rio de Janeiro, v. 57, n. 3, p. 601-631, Sept. 2014. [12].

Zorahia (discussão) 20h23min de 22 de março de 2018 (UTC)