Discussão:Cativeiro Babilónico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Nomes alternativos do artigo[editar código-fonte]

Captividade Babilónica, Cativeiro Babilônico, Exílio da Babilónia, Exílio da Babilônia, Exílio Babilónico, Exílio Babilônico --Jaques O. Carvalho 16:21, 27 Agosto 2005 (UTC)

Considerações[editar código-fonte]

  • Captividade Babilónica é Muito Horrivel. Isso seria humor persa? hehehe
  • Cativeiro Babilónico / considero mais exacto. Nota: A expressão não se refere exclusivamente ao povo judeu.
  • Exílio da Babilónia é cómico e não muito rigoroso. Exílio [dos judeus] em Babilónia [Império Neo-babilónico] seria mais correcta.
  • Exílio Babilónico considero o mais exacto. Nota: A expressão não se refere exclusivamente ao povo judeu.

Ao dispor - Vidente 01:30, 15 Março 2006 (UTC)

Realmente, captividade babilónica é a tradução literal da en: Captivity, o que soa assaz horrível... Mas o que é estranho é que não consigo gostar de nenhuma das propostas... Cativeiro de Babilónia é também usado para se referir à Igreja Católica quando sediada em Avignon, e um dos manifestos de Lutero retoma esse título (só para dar dois exemplos)... Quanto a exílio soa-me imperfeito, porque o exílio, a meu ver, seria voluntário (e os judeus foram, quanto muito, deportados para Babilónia - tal como os habitantes do reino de Israel, as dez tribos perdidas, haviam sido antes deportados pelos assírios -, não se exilaram lá) --Andreas Herzog 01:49, 18 Março 2006 (UTC)

Cativeiro em Babilónia / Cativeiro Babilónico ou Exílio em Babilónia / Exílio Babilónico, me parece a melhor solução. O Exílio, pode ser voluntário ou forçado. O Exílio do Reino de Israel [Setentrional] e Exílio do Reino de Judá [Reino Meridional] são coisas distintas. Outras aplicações do mesmo termo - serão sempre consideradas como figurativas. Vidente 18:55, 18 Março 2006 (UTC)

Concordo com o Vidente. -- Nuno Tavares 19:00, 18 Março 2006 (UTC)
A literatura protestante sobre história e teologia de Israel usa as expressões exílio / cativeiro + babilónico / na Babilónia. -- Tintazul 10:50, 18 Maio 2006 (UTC)


J.A. IASD STA FÉ
A nota se refere a povo judeu e para concluir existem referencias como apoio:

exílio/ cativeiro dos judeus

Daniel estava sob o reinado dos medos e dos persas, um cumprimento direto das profecias anteriores de Daniel 2, 7 e 8.

No entanto, existia um grande problema para Daniel. Seu povo ainda estava no cativeiro, o templo ainda estava em ruínas, e sua nação não fora restaurada.

3. Existe a promessa profética Dan. 9:2

Apesar de todas as esperanças de grandeza nacional, a nação judaica fora levada ao cativeiro por um poder pagão. Sob uma perspectiva lógica, este deveria ter sido para sempre o fim dos judeus e da nação judaica. Porém, o Senhor não havia rompido definitivamente com Seu povo, e embora os profetas os houvessem advertido de juízo, condenação e destruição, eles também haviam dado aos judeus a grande esperança da redenção e restauração.

4. Que esperança Jer. 29:10-12 (veja também Jer. 25:11 e 12.)

De acordo com a promessa de Jeremias, Deus realmente reconduziu o povo para a terra quando disse que o faria. Isso está registrado mais claramente em II Crônicas 36:18-23.

Ainda faltavam alguns anos para o cumprimento dessas promessas quando se deram os eventos de Daniel 9. Os 70 anos, começando em 605 a.C. com a conquista de Jerusalém e o exílio de Daniel e outros cativos, estavam quase terminando. Mas nada estava acontecendo. Seu povo ainda estava no exílio, Jerusalém ainda estava em ruínas e o templo estava longe de ser reconstruído. Embora Daniel houvesse testemunhado o surgimento dos medo-persas, como predito, precisava acontecer mais, grandes eventos, que sob a perspectiva humana, pareceriam impossíveis.

captividade babilonica[editar código-fonte]

eu axo q esse assunto foi explanadu d maneira certa no começo,mas axu q o final foi muito resumex,axu q os detalhes deveriam ser expostos melhor,com datas e mais especificament em relaçao ás 2300 tardes e manhas!pq qd c lê parec q falta algo ,interminado,então axo q tbm podeeria ter uma visualizaçao d power point.apesar disso,axu q o assunto com o catolicismo ficou bem interessante!--200.177.5.217 00:35, 10 Agosto 2006 (UTC)jessyca lima,16 anos,adventista,21:35,08/08/06

Crença das Testemunhas de Jeová[editar código-fonte]

Solicito ao colega João Silva que não insista na remoção do texto sobre a doutrina oficial das Testemunhas de Jeová. Também não parece ser correcto adjectivar posição ímpar e única desta religião sobre o início e fim do Exílio judaico em Babilónia. Seja verdadeiro ou falso, o que a Wikipédia tem a fazer é apresentar informações. O subtópico alterado pelo colega apenas informa o que as Testemunhas divulgam e crêem. Mais informações sobre esta divergência poderão ser verificadas aqui.

Steelman MSG 17h21min de 5 de Dezembro de 2007 (UTC)

  • Pegue na doutrina oficial, adjectivada ou não, é coloque no respectivo artigo e não ande espalhando isso pela Wikipedia. Mas saiba que divulgar falsas informações destroi a sua credibilidade.
  • Não distorça novamente ou apage a citação ao livro de Carl Olof Jonsson, nas pág. 283-311 do seu livro Os Tempos dos Gentios Reconsiderados (Atlanta: Commentary Press, 1998, 3.ª edição). O autor apresenta diversos factos históricos que contrariam a sua crença no ano 607 a.C para a destruição de Jerusalém e seu Templo. Conforme relatado na Introdução do seu livro, o manuscrito original deste trabalho foi apresentado pela primeira vez à Corpo Governante das Testemunhas de Jeová em 1977. Foi feita uma contra argumentação do Corpo Governante em resposta as críticas documentadas de Carl Olof Jonsson, em 1981, que encontra-se no Apêndice ao Cap. 14 do livro Venha o Teu Reino.
  • A fonte verificavel acima apenas informa o que a religião das Testemunhas não querem acreditar. Mas são realmente livres para acreditarem no que quiserem.
* Por isso, coloque seus argumentos em Cronologia das Testemunhas de Jeová.
* Mais informações sobre esta divergência poderão ser verificadas aqui.

Atentamente, Joao C. Silva (discussão) 19h37min de 5 de Dezembro de 2007 (UTC)

Visto que o colega Joao C. Silva parece agora mais cordato depois da troca de mensagens colocadas aqui, passo a esclarecer o seguinte. Conforme poderá ver pelo histórico, na minha única intervenção neste artigo, efectuada em Janeiro, não retirei a referência ao livro que menciona. Fi-lo agora porque pensei que a toda a sua contestação não era relacionada com este livro mas sim com o simples facto de se mencionar a posição das Testemunhas,quanto ao ano de início do exílio judaio em Babilónia. Percebo agora que pretende manter esta referência. Quanto a isto, quero esclarecer que me parece impróprio incluir numa enciclopédia referências críticas a uma religião, clube, partido ou organizações similares, cuja fonte seja simplesmente uma opinião particular, um site na internet ou um blog. Isto levaria a incluir também opiniões favoráveis de fontes similares. Ainda assim, entendo que neste caso trata-se de um livro publicado que, apesar de não ter grande relevância, ainda assim justifica a sua inclusão no artigo. Portanto, vou incluir novamente a referência, excluindo no entanto o que é especulação. Por exemplo, a sua afirmação "foi feita uma contra argumentação do Corpo Governante" não pode, que eu saiba, ser provada com o sentido de ser uma resposta específica a este livro. Colocarei também a referência ao livro publicado pelas Testemunhas. Creio que, após esta minha intervenção, o texto será informativo.
Cumprimentos, Steelman MSG 20h46min de 5 de Dezembro de 2007 (UTC)

Datas alegadamente Históricas das TJ[editar código-fonte]

Observ.: Citação abaixo foi retirada na pág. do artigo para Discussão. Qual a razão? Existe clara tendência por parte de algumas Testemunhas desta wikipédia de fazer História na pt.wikipédia com datas inventadas por uma determinada religião, que usa as suas próprias publicações para apoiar os seus dogmas de fé. Como já é habitual ... algumas Testemunhas desta wikipédia vêm modificando, removendo ou apagam textos anteriores que lhes são desagradaveis ou desfavoráveis. Vejam o Histórico! É esforço claro de usar esta wikipédia para promover sua religião e sua teologia.

Texto retirado tendencioso[editar código-fonte]

Do ponto de vista histórico secular, as evidências parecem confirmar a cronologia neo-babilónica que fixa a destruição de Jerusalém em 587 a 586 AEC. No entanto, segundo a perspectiva das Testemunhas e conforme expresso nas suas publicações [1], pode existir a possibilidade de que o actual quadro da história babilónica possa ser enganoso ou errado.

As Testemunhas de Jeová, que acreditam na Bíblia como sendo a Palavra inspirada de Deus, consideram que ela pode ser usada como medida na avaliação da história e dos conceitos seculares. Assim, colocam a autoridade dela acima das opiniões dos historiadores, que, segundo elas, estão sujeitas a mudanças. Devido a isso, segundo a sua interpretação das Escrituras, as Testemunhas datam a destruição de Jerusalém cerca de vinte anos mais cedo, ou seja, em 607 AEC.

Essa interpretação é essencialmente baseada nas palavras do profeta Jeremias que predisse que os babilónios destruiriam Jerusalém, e transformariam a cidade e o país numa desolação. (Jeremias 25:8, 9). Em seguida o profeta acrescentou:

  • Jeremias 25:11 (NM) :"E toda esta terra terá de tornar-se um lugar devastado, um assombro, e estas nações terão de servir ao Rei de Babilônia por setenta anos."

Argumentam que Daniel teria confiado que a referência a 70 anos não seria simplesmente um número redondo mas uma cifra exacta visto que, conforme mencionado em Daniel 9:1, 2, o escritor bíblico cita a seguinte profecia de Jeremias:

  • Jeremias 29:10 (NM):"Assim disse Jeová: De acordo com o cumprimento de setenta anos em Babilônia, voltarei minha atenção para vós, e vou confirmar para convosco a minha boa palavra por trazer-vos de volta a este lugar."

Analise Critica[editar código-fonte]

Na edição de 16:14, 5 de Dezembro de 2007, Steelman escreve no sumário da edição "recolocando a perspectiva das Testemunhas (mesmo que considerada espatafúrdia, é a sua posição oficial)". Nota: O Steelman é um lider local das Testemunhas de Jeová de Portugal.

Na realidade, o Steelman deverá recolocar a sua "prespectiva" no artigo que criou para isso. Eu não considero-a "espatafúrdia", mas desprovida de quaisquer fontes históricas. Não conta o uso das publicações da religião por suspeita de parcialidade. Não espalhe isso como um facto histórico. Não promova falsidades nesta Wikipédia. Não reverta, não apage ou modifique texto exacto e documentado. Não use os administradores para eliminar os críticos e a sua argumentação. Não coloque na sua boca palavras que não disseram. Não distorça o que eles disseram. Use a Página de Discussão. Os argumentos que usa já foram derrubados pelos críticos que teimosamente ignora, mas entendo que tenha de defender seus dogmas até a morte. Mas não use a pt-wikipédia para promoção de sua religião. O ano 607 a.C. é uma DATA VITAL na sua doutrina escatologica. Esta permite sustentar a importância do ano 1914 na na sua doutrina, seja lá o que isso significa. Joao C. Silva (discussão) 12h11min de 27 de Dezembro de 2007 (UTC)

Distorção Textos Biblicos[editar código-fonte]

Como não basta a distorção deliberada de referências históricas para apoiar a sua teologia, faz ainda a distorção deliberada de textos biblicos para apoiar a sua teologia. Isso é considerado um gravíssimo pecado religioso. Isso é também apóstasia da Fé Cristã. Vamos analisar em seguida os textos:

Jeremias 25:11 (NM): "E toda esta terra terá de tornar-se um lugar devastado, um assombro, e estas nações terão de servir ao Rei de Babilónia por setenta anos."

  • Quem é "esta terra terá de tornar-se um lugar devastado"?
  • Quem são "estas nações terão de servir ao Rei de Babilónia por setenta anos"?
  • O que significa "terão de servir ao Rei de Babilónia"?
  • O que significa "servir ao Rei de Babilónia por setenta anos"?
  • O que significa "servir ... Babilónia por setenta anos"?

Jeremias 29:10 (NM): "Assim disse Jeová: De acordo com o cumprimento de setenta anos em Babilónia, voltarei minha atenção para vós, e vou confirmar para convosco a minha boa palavra por trazer-vos de volta a este lugar."

  • A expressão "para Babilónia" ou "em Babilónia", significa cidade de Babilónia ou Império Neo-babilónico?
  • 70 anos literais de Exílio dos judeus, depois seriam libertos e retornariam a Judá. Tem apoio de fontes históricas?
  • 70 anos literais de domínio do Imperio Neo-babilónico. Tem apoio de fontes históricas?

Joao C. Silva (discussão) 12h28min de 27 de Dezembro de 2007 (UTC)

  1. Venha o Teu Reino, publicado em 1981 pela Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados, no Apêndice ao capítulo 14, pág. 186-190

Parcial[editar código-fonte]

Marquei como parcial, muito peso a TJ, as datas não parecem corretas.Jo Loribd 19h05min de 9 de novembro de 2016 (UTC)