Discussão:Democracia direta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Governo[editar código-fonte]

Eu retirei a lkkkkk governo, porque limita o âmbito possível da democracia direta. Pessoas podem se organizar desta forma em uma associação de bairro, em uma empresa, em um sindicato... Mr.Rocks 11:11, 26 Mai 2005 (UTC)

Adicionei novidades no artigo.[editar código-fonte]

Coloquei uma seção sobre argumentos a favor e contra a democracia direta, porque achei que o artigo estava simples demais.Como a parte que eu adicionei está em português brasileiro, peço que os programadores portugueses corrijam uma eventual diferença entre o português do Brasil e o de Portugal, para assim facilitar a leitura para os leitores de Portugal, Gana e outros faladores de nossa lingua de outros países.


Orçamento Participativo[editar código-fonte]

Orçamento Participativo sugere, não manda. Portanto não é democracia direta, e sim consulta popular. Mr.Rocks 07:38, 31 Março 2006 (UTC)

Pode ser que você tenha razão, sob certo ângulo técnico. Mas nesse aspecto as coisas se misturam numa área cinzenta. Por exemplo, os referendos em Portugal podem ser, ao mesmo tempo, considerados como exercício de "democracia direta" (quando o quorum for igual ou superior a 50% dos eleitores) ou "consultivo" - como foi o último referendo de 2007 sobre o abôrto (43% de participação) - que ficou aquém de ser "vinculativo"; mas produziu efeitos práticos ("consultivos") na legislação. 201.83.41.190 (discussão) 18h15min de 28 de Novembro de 2007 (UTC)

...

Democracia Direta segundo a doutrina da Democracia Pura[editar código-fonte]

Consoante o professor Vasconcelos, a democracia direta é uma das modalidades de democracia pura em que os cidadãos atuam diretamente, decidindo sobre os assuntos ou escolhendo candidatos ao governo. Acompanhando os estudos desse mestre, a democracia direta pode se realizar pelo método do SIM e do NÃO, procedimento no qual os cidadãos decidem sobre um assunto, simplesmente respondendo a uma questão monossilabicamente. Esse método não é recomendado pelo mencionado autor, que o considera primitivo e irracional, com amplas tendências de o povo ser manipulado pelos detentores dos poderes. Trata-se de um dispositivo usado nos plebiscitos e referendos no regime de democracia representativa, com resultados duvidosos. De fato, torna-se facil e perigoso instrumento nas mãos de lideres politicos para alcançarem objetivos pessoais e divergentes dos interesses das comunidades, comprometendo o povo uma vez que alegam obedecer a vontade popular.Esse tipo de procedimento se verificou na transformação de republicas em reinados pelos ambiciosos Napoleão e seu sobrinho, o Luis, na França no século XIX e na consolidação da ditadura de Salazar em Portugal, em 1933. Conforme sugere o professor Vasconcelos, o mais correto é a sua concretização pelo método da pontuação, o qual requer detalhamento do assunto ou dos candidatos em ângulos positivos e negativos, seguindo os propósitos dos filósofos Pitagoras e Platão, quando pleitearam que a manifestação popular deveria ser de natureza matemática. Na verdade, é um processo que conduz cada cidadão a um raciocinio lógico, induzindo-o a um aprofundamento do assunto. Elimina, inclusive,aqueles casos em que os cidadãos enveredam por aprovar obras ou beneficios sem a contrapartida dos recursos financeiros ou da disponibilidade real, porquanto a escassez das fontes pesaria como item negativo na tabela de pontuação. Bibliografia: Democracia Pura, J. Vasconcelos, Editora Nobel--189.18.216.94 (discussão) 17h46min de 13 de setembro de 2009 (UTC)[Responder]

....

Não se compreende que não se reveja o que se escreve antes de se publicar. A página está cheia de erros de toda a espécie, quase todos facilmente evitáveis. A Discussão também, mas aqui não é tão importante. 03h36min de 9 de setembro de 2010 (UTC)

Caixa 'formas básicas de governo'[editar código-fonte]

Gostaria de chamar a atenção para essa caixa, que tenta explicar política em eixos que não tem base nenhuma na ciência política, e servem mais para desinformar do que o contrário. JoaquimCebuano (discussão)