Discussão:Esperanto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Texto de cabeçalho[editar código-fonte]

História do Esperanto[editar código-fonte]

O texto é de autoria de Adonis Saliba, mas em nenhum momento há menção a autoria do texto ou se o mesmo poderia ser utilizado. Samuel Costa 03:55, 16 Out 2004 (UTC)

O espírito do esperanto é a sua divulgação, neste caso todos os textos que conheço sobre o assunto sempre foram feitos com o intuito de serem distribuídos e divulgados. Adonis Saliba é um dos grandes incentivadores nacionais da língua e autor de inúmeros textos a seu respeito. Tenho certeza de que a autorizará sua cópia. Neto 00:49, 18 Out 2004 (UTC)

Aqui não há certezas de nada. Se o autor não deu, depois de informado, a sua autorização, o texto não pode estar na wikipédia. Manuel Anastácio 00:44, 9 Dez 2004 (UTC)

Em um tema tão importante, cabe buscar uma fonte autorizada ou utilizar um artigo com diversas referências. Como não sabemos a fonte do texto, também não temos como exigir autorização. Tentarei entrar em contato com o Adonis Saliba. VivaVorto 03:42, 9 Dez 2004 (UTC)

Além da necessidade de explicação da história da língua, se mostra necessário a contextualização da atual situação da língua, como quantas pessoas falam, se existem academias para a língua, e qual o futuro dela quando o inglês que também é muito simples devasta a idéia do europanto e de tantos outros "antos". Alemaum 04:46, 10 Junho 2006 (UTC)

Adicionei algumas novas seções, se alguem souber mais sobre a cultura, o uso, e os idiotismos do esperanto, por favor colaborem, vou tentar adicionar algo sobre a história da língua. Sobre o texto do Adonis Saliba, concordo que ele não deve se importar com a adição do conteudo escrito por ele, mas não acho que ele deva estar aqui sem a permição explicita dele. Sobre a gramática do esperanto, estou desenvolvendo outro artigo, mas ainda não está pronto, ajuda é bem vinda!! Marcel Kappes 16:49, 8 Julho 2006 (UTC)

Eu, Adonis Saliba, autorizo a utilização dos meus textos sobre o Esperanto no Wikipedia. Sinto-me honrado com a devida referência, mas ela também não é necessária caso julgarem melhor a discrição. Grato.

Predefinições[editar código-fonte]

Olá. Fiz uma pequena modificação na posição das predefinições, já que acredito que a primeira a aparecer deve ser a infobox, pois é especifica do artigo. Obrigado. --D. P. Campos 06:17, 16 Julho 2006 (UTC)

Inicial minúscula[editar código-fonte]

Pessoal, gostaria de lembrar que na língua portuguesa os nomes de línguas são escritos com letra inicial minúscula, salvo quando começam um período. Mesmo que o nome esperanto venha de "Doktoro Esperanto" (substantivo próprio), e que na própria língua refira-se a ela com inicial maiúscula, o trato gramatical em português é o mesmo reservado às outras línguas. Escrevamos, pois, "esperanto". (Quem tiver o Dicionário Aurélio - Século XXI pode conferir o trato nos vocábulos "esperantista", "ido", "interlingüística" e na expressão "língua artificial".) Raonisousa 06:45, 6 Agosto 2006 (UTC)

Não é verdade. Em Portugal, costuma-se escrever o nome de línguas em letra maiúscula. 161.24.19.82 14:35, 1 Junho 2007 (UTC)
Não é verdade mesmo! Em Portugal o nome de línguas é *sempre* (sem excepção) grafado com letra inicial minúscula!! Quem escreveu o comentário anterior ou não é português ou é semi-analfabeto!
Concordo com Raonisousa: a grafia dos nomes de idiomas com maiúsculas é anglicismo. Além disso, escrever esperanto com minúscula não é demérito algum para a língua - e a agenda - do idioma universal... Frizero14h05min de 24 de Novembro de 2007 (UTC)

As grafias das línguas portuguesas lusitana e brasileira são diversas. Com a entrada em vigor do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa é que haverá a unificação da nossa ortografia. Em Portugal se escreve a inicial de idioma, nacionalidade, dias da semana e meses com letra maiúscula e, no Brasil, com minúscula. Com o Acordo Ortográfico, passaremos todos a escrever a inicial com a letra minúscula, a não ser que seja início de frase. Nota: não é verdade! Em Portugal apenas os nomes de países, dias da semana e meses são grafados com inicial maiúscula. Nacionalidades e nome de línguas são (e sempre foram) grafados com inicial minúscula!

Pessoal, se algumas pessoas escrevem "Esperanto" é porque, em esperanto, "Esperanto" significa "quem tem esperança". Fazemos isso pra evitar confusões (pelo menos é assim em Esperanto: línguas, como português, inglês, espanhol - ou seja: as que usam adjetivos pátrios - sempre com letra minúscula; mas Esperanto, Volapuko e outras, que já são substantivos próprios, com letra maiúscula). Danielqsc (discussão) 12h58min de 19 de fevereiro de 2014 (UTC)

Homo, ne diru stultaĵojn: La vorton "esperanto" oni ja ĝuste skribas tutminuskle kaj portugallingve kaj esperantlingve — pro la sama kialo: Lingvnomojn oni ne majuskligas, en ambaŭ ortografioj. Ja ekzistas inventemuloj en ambaŭ lingvaj komunumoj, ja eble tiuj kelkiam pravas, sed ne argumentu ke «oni» tiel faras. Cetere, eĉ se tiu estus la ĝenerala kutimo aŭ regulo en esperanto, neniel tio pravigus transprenon de ĝi en portugallingvan tekston, same kiel oni ne majuskligas la inicialon de en pruntitaj germanlingvaj vortoj. -- Tuválkin 22h22min de 21 de fevereiro de 2014 (UTC)

falantes nativos de Esperanto[editar código-fonte]

Nativos: aprox. 1000-2000;
fluentes: est. 100 000 a 2 milhões

Gostaria de saber o fonte oficial desta informação Hennes 20:49, 20 Agosto 2006 (UTC)

Eu imagino que quem a colocou não tenha se preocupado em consultar a fidedignidade da fonte... Raonisousa 18:21, 22 Agosto 2006 (UTC)

Parágrafo estranho[editar código-fonte]

«Algumas pessoas acusam-no quanto a ser um “idioma universal” por não apresentar cultura, literatura, falantes nativos e por outras razões, como a gramática só servir para povos falantes de línguas indo-européias, além de não apresentar utilidade.»

Esse parágrafo está um tanto mal feito, o que vocês acham? Para quem tá lendo rápido, parece dar a entender que é verdade que ele não tem cultura, literatura… e não tem utilidade.

Dei uma reformulada, mas provavelmente o parágrafo acabou por ficar redundante com o resto do texto. Raoni Sousa 15:54, 24 Agosto 2006 (UTC)

Excluir seções[editar código-fonte]

Proponho excluir as seções "Exemplos de gramática" e "Particularidades". Elas simplesmente estão sobrando no artigo e não têm lá um formato muito enciclopédico. --Raoni Sousa 23:42, 2 Outubro 2006 (UTC)

Artigo em destaque[editar código-fonte]

eu acho que esse artigo merece destaque. no meu ver é o mais completo artigo sobre esperanto, entre varios que já estão em destaque.

ginásio!?[editar código-fonte]

O artigo está geralmente bem escrito, mas há uma particularidade na versão brasileira que é incompreensível para 90% dos portugueses. A palavra "ginásio" significa em pt-pt e talvez em todo o resto do mundo um lugar onde se faz desporto (esporte). Ao contrário de outras palavras, que os portugueses vão conhecendo, não é do conhecimento geral que ginásio signifique escola.JoséFernandes 15h38min de 10 de Julho de 2007 (UTC)

Alterei a referência ao ginásio, visto que nem a wikipedia explica o que é. Acho que é alguma coisa entre a escola primário e a universidade, por isso pus "durante a adolescência", que compreensível para todos.JF 10h46min de 24 de Outubro de 2007 (UTC)

Ginásio é o período escolar que se cursa mais ou menos dos 11 aos 15 anos de idade. Em esperanto mesmo existe a palavra com esse sentido: gimnazio. (inclusive Zamenhof verteu, se bem me lembro, do iídiche uma obra com o título "La gimnazio", sobre a dificuldade de pôr um menino judeu numa escola) De qualquer forma, acho mais profícuo deixar assim, "durante a adolescência". --Raoni Sousa (discussão) 21h49min de 21 de Dezembro de 2007 (UTC)

rapport grin[editar código-fonte]

http://fr.wikipedia.org/wiki/Rapport_Grin

http://cisad.adc.education.fr/hcee/documents/rapport_Grin.pdf


mi bezonas tradukton per artikolo[editar código-fonte]

l’Institut de pédagogie cybernétique de Paderborn (Allemagne) a comparé les durées d’apprentissage de plusieurs groupes d’élèves francophones, de niveau baccalauréat, pour atteindre un niveau dit ‘standard’ et comparable dans quatre langues différentes : l’espéranto, l’anglais, l’allemand et l’italien. Les résultats sont les suivants : pour atteindre ce niveau, 2000 heures d’études de l’allemand produisaient un niveau linguistique équivalent à 1500 heures d’étude l’anglais, 1000 heures d’étude de l’italien et… 150 heures d’étude de l’espéranto.


The Institute of Cybernetic Pedagogy at Paderborn (Germany) has compared the learning times of several groups of Francophone students, at a high-school level, to obtain a comparable 'standard' level in four different languages: Esperanto, English, German, and Italian. The results are as follows: to obtain this level, 2000 hours of study of German produce a language level equivalent to 1500 hours of studying English, 1000 hours of studying Italian, and ... 150 hours of studying Esperanto

Fusão Esperantujo; Esperanto

Revertido[editar código-fonte]

Reverti isto. Motivos:

  1. «esperanto é composto por apenas 15.000 termos».
    • Mau formato.
    • Sem fontes.
    • Pouco significativo linguisticamente (língua não é léxico).
    • O número de «termos» que «compõem» o esperanto é virtualmente infinito (kunmetaĵojn!!) e mesmo se se pretende enumerar apenas radicais 15 mil é pouco.
  1. «Calcula-se que 100.000 pessoas falem esperanto no mundo.»
    • Mau formato.
    • Sem fontes.
    • «Calcula-se» esse valor e o seu décuplo e o seu décimo, depende dos critérios, metodologias para os aferir, e do rigor com que se aplicam. Poderia/Deveria haver uma secção apenas sobre o número de falantes, há material publicado que chegue.
    • Torre de Babel? Credo.
    • *"alsanulejo" deveria ser "malsanulejo" (que significa enfermaria, e não hospital, na terminologia específica, já agora). O exemplo que está (komput+il+o) chega bem.

-- Tuválkin 07h32min de 7 de julho de 2012 (UTC)

"Esperanto" ou "Língua esperanto"[editar código-fonte]

Em 9 de dezembro de 2014, essa página foi movida para o título "Língua esperanto". A argumentação no sumário de edição foi a seguinte: Citação: Sampayu escreveu: «Para seguir o mesmo padrão de todos os artigos a respeito de línguas naturais (vide p.ex. língua inglesa, língua alemã, língua francesa, língua irlandesa...». Ocorre que o Esperanto não é uma língua natural e por isso o padrão das línguas naturais não necessariamente se aplica aqui. Esse padrão faz todo o sentido em "língua inglesa", pois "inglês" pode não se referir à língua, mas ao povo inglês, por exemplo. Não é o caso do Esperanto, pois seu nome não se confunde com o gentílico de algum país, com o nome de um povo ou coisa do tipo. É essa a forma mais utilizada para designar a língua. Por isso, desfiz a movimentação da página, que volta a se chamar "Esperanto". CasteloBrancomsg 00h40min de 8 de fevereiro de 2015 (UTC)

Concordo, embora a “naturalidade” não seja o motivo. A língua klíngon (não apenas artificial mas até ficcional!) sofre do mesmo problema de ambiguidade, já o latim ou o sânscrito, bem naturais, não têm nomes ambíguos que se confundam com gentílicos… -- Tuválkin 04h20min de 8 de fevereiro de 2015 (UTC)
Tens razão, Tuválkin. CasteloBrancomsg 14h23min de 8 de fevereiro de 2015 (UTC)