Discussão:Fernando Haddad

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Remoção de conteúdo falso[editar código-fonte]

O artigo dizia que o ProUni foi criado durante o mandato de Haddad como Ministro da Educação, sem citações. Removi a fonte por não ser verdade: O programa já havia sido criado na PL 3582/2004. Entendo o motivo da confusão, pois só foi passada uma lei para apoiar o ProUni em 2005: A lei 11.096. No entanto, continuava sendo falsa a afirmação do modo como foi fraseada no artigo. YuriNikolai (discussão) 04h01min de 22 de outubro de 2018 (UTC)

Olá. Não sei se o que você fez está realmente correto. Olhe, por favor, a página do PROUNI. Lá está escrito que o programa foi instituído em 2004, mas "foi criado pela Lei nº 11.096, de 13 de janeiro de 2005". Ou seja, a página do Fernando Haddad estava de acordo com a página do PROUNI antes da sua edição. Aparentemente, um programa de governo é considerado criado quando é finalmente aprovado e colocado em prática; antes disso, é instituído, proposto, etc.--Hilder Vitor Lima Pereira (discussão) 08h00min de 22 de outubro de 2018 (UTC)
Lp.victor Olá, grato pela resposta. No entanto, não é possível usar outra página da Wikipédia como base para afirmações. E o próprio artigo é suspeito ao usar o termo "criado" após "instituído", quando na verdade deveria ser o contrário. O próprio texto da lei, disponibilizado como fonte no artigo do PROUNI (e no meu comentário acima), usa as palavras "instituido" e não criado para descrever o que aconteceu em 2005. Logo, "criado" não é a proposta, e "instituido" não é o primeiro passo. Assim, o artigo do PROUNI também está errado. Vou realizar as correções necessárias, obrigado pelo aviso :) YuriNikolai (discussão) 02h48min de 23 de outubro de 2018 (UTC)
Sei que não se pode simplesmente usar um verbete como fonte para justificar o que se escreve num outro, e não foi isso que sugeri. O verbete do PROUNI estava bem fundamentado, com fontes confiáveis sendo citadas, então me pareceu razoável lhe pedir para lê-lo. Quanto ao uso da palavra instituído, concordo com o senhor, já que é o termo utilizado no próprio texto da lei. No entanto, dizer que o PROUNI foi criado em 2004 ainda não me parece preciso. Acredito que muitos pensarão, ao ler isso, que a partir de 2004, já era possível se beneficiar do PROUNI (utilizá-lo como estudante), quando na verdade, em 2004, o projeto foi formalmente proposto como lei, mas ainda não podia ser utilizado pelos estudantes, visto que ainda não havia sido aprovado. Mas essa é uma discussão mais propícia para a página do PROUNI. Ademais, acho que simplesmente remover qualquer menção ao PROUNI da introdução deste verbete não é justo, já que é um dos projetos principais do Fernando Haddad. Por isso, fiz uma alteração na introdução e adicionei novamente o projeto, mas sem dizer que ele foi criado em 2005, para não prolongar as discussões aqui. --Hilder Vitor Lima Pereira (discussão) 07h17min de 23 de outubro de 2018 (UTC)
Com licença, mas não é possível simplesmente continuar dizendo que o programa foi criado durante sua gestão, apenas removendo o ano, já que a criação foi anterior. O projeto não é de haddad, ele apenas o abraçou e expandiu ele. Em boa-fé, manterei as menções à contribuição de Haddad ao ProUni, mas vou refrasear para deixar claro que o programa já existia. YuriNikolai (discussão) 18h40min de 26 de outubro de 2018 (UTC)
Essa discussão está se estendendo mais do que eu tinha previsto... Qual é a sua tese? Que não foi o Haddad quem propôs esse projeto? Segundo reportagens nas referências da própria página, ele criou esse projeto quando ainda era secretário-executivo do MEC. Depois, enquanto Haddad ainda ocupava o mesmo cargo, o projeto foi criado como medida provisória, dependendo então da aprovação do então presidente Lula. No ano seguinte, 2005, quando Haddad se tornou ministro da educação, o projeto foi institucionalizado ainda em janeiro, tornando-se "lei de fato". Ou seja, isso tudo me leva a concluir que é justo dizer que Haddad criou o programa e que este foi então institucionalizado durante o seu mandato como ministro da educação. Se o senhor discorda disso, por favor, mostre-me onde estou enganado. Isso me deixaria muito contente. Ademais, da forma está escrito agora, parece que ele não teve relação com a criação do projeto, que este foi criado pelo ministro da educação antecessor e que Haddad simplesmente assinou o projeto em 2005. Então, devemos ser honestos, se concluirmos que ele teve participação na criação, reescreverei essa parte da introdução. Hilder Vitor Lima Pereira (discussão) 13h26min de 27 de outubro de 2018 (UTC)
Como não houve mais respostas nessa discussão, fiz a edição como havia previsto. Hilder Vitor Lima Pereira (discussão) 08h44min de 30 de outubro de 2018 (UTC)

Ajuda[editar código-fonte]

Gostaria de solicitar aos colegas que me ajudassem a resolver este tipo de erros gramaticais, ortográficos e estruturais que estão presentes neste artigo. Obrigado.—Pórokhov Порох 21h31min de 19 de novembro de 2018 (UTC)

Acusação de calúnia[editar código-fonte]

Calúnia sem má fé é o quê? Calúnia foi quem botou uma sessão com esse nome nessa página. Que absurdo é esse, tem alguém aqui querendo argumentar a favor desse tipo de coisa, ou é só alteração de usuário anônimo mesmo? Ainda bloquearam a página após essa pixação e mantiveram a pixação. Vocês estão de brincadeira né? Ainda editam a página como se nada estivesse errado... Nenhum dos artigos citados usa a palavra calúnia. Que tipo de falsificação é essa que vocês estão usando a wikipedia pra fazer? Não é possível que vocês não vejam que isso é o fim de uma fonte confiável de informação! Eu estou surpreso de encontrar conteúdo desse naipe aqui. Rbertoche (discussão) 21h18min de 6 de janeiro de 2019 (UTC)

Quem colocou a seção lá fui eu. Argumento sim: Haddad foi condenado a pagar 200 mil reais a um promotor, a fonte está devidamente lá. —Pórokhov Порох 21h43min de 6 de janeiro de 2019 (UTC)
Quem ainda acredita na carta magna sabe que só existe presunção de culpa após processo transitado em julgado, por isso eu corrigi removendo todos os juízos de valores. Não se pode copiar cegamente páginas de notícias como se as mesmas fossem isentas de opinião e necessariamente corretas ou enciclopédicas, quer dizer, não é porque o jornal acha que é fake news que isso é um fato mesmo.Não comentei na descrição da edição: A parte que dizia "sem se desculpar por ter endossado a falsa imputação de crime" foi removida por se tratar de uma afirmação que não carrega nenhuma semântica fora da esfera dos juízos de valores, afinal a página da wiki não serve pra dizer o que a pessoa não fez mas supostamente deveria ter feito — Rbertoche (discussão) 03h51min de 7 de janeiro de 2019 (UTC)
Leitura importante pra ilustrar o assunto das calúnias, em especial a parte da introdução que fala da necessidade de a mesma ser feita com má-fé.—Rbertoche (discussão) 03h58min de 7 de janeiro de 2019 (UTC)
Ótimo, muito obrigado pelas modificações. Rbertoche.—Pórokhov Порох 16h04min de 7 de janeiro de 2019 (UTC)
Fico feliz que tenha achado ótimo!—Rbertoche (discussão) 18h29min de 7 de janeiro de 2019 (UTC)