Discussão:Forró

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Ouvi relatos de turistas e viajantes d q a formação instrumental do Forró (zabumba, triangulo e sanfona) é a mesma de algumas manifestações musicais do folclore português. Talvez regional. Tupi

Seria interessante a inclusão de links sobre autores e interpretes de forró, como Jackson do pandeiro, Trio Nordestino etc. fica a sugestão

Termo[editar código-fonte]

Retirei a menção a uma falsa origem africana do termo, não sustentada por nenhuma literatura de respeito. Existem mais que suficientes provas da origem ibérica do termo, que também é a matriz principal do ritmo e da dança. O Brasil tem de ter orgulho de todos os aportes que recebeu (europeu, indígena, africano etc.), mas não é aconselhável tornar africano algo que não é por pura "simpatia". Dantadd (α—ω) 03h20min de 25 de janeiro de 2012 (UTC)

Etimologia[editar código-fonte]

Melhor não indicar a etimologia no parágrafo introdutório, já que é incerta. --Chronon (discussão) 02h44min de 20 de junho de 2012 (UTC)

Conde de Farrobo e o forró[editar código-fonte]

A menção que fiz ao Conde de Farrobo, como curiosa origem do termo, é tão válida e digna de menção como qualquer outra devidamente documentada. Foi retirada com a justificação "explicação sem pé nem cabeça" por Dantadd, apesar da referência e da publicação em imprensa jornalística. Solicito moderação na censura por simples antipatia. comentário não assinado de Cimbalino (discussão • contrib) (data/hora não informada)

Caro Cimbalino, exponho aqui os motivos da retirada da sua contribuição:
  1. As fontes que apresentou não são fiáveis.
  2. Além de não serem fiáveis, não apresentam nenhuma ligação entre as palavras "forró" e "forrobodó" e o Conde de Farrobo, isto foi uma dedução sua. Portanto, é pesquisa inédita.
  3. Nenhuma obra lexicográfica sobre as palavra "forró" e "forrobodó" faz qualquer menção do Conde de Farrobo.
  4. Nenhuma obra lexicográfica sobre a palavra "farra" faz qualquer menção ao Conde de Farrobo. Antenor Nascentes. respeitado filólogo, sustenta que "farra" é um termo de origem lunfarda.
Espero que entenda. Assim que apresentar obras de referência que possam apoiar sua tese, poderemos adicionar a informação ao verbete. Dantadd (α—ω) 14h11min de 21 de janeiro de 2014 (UTC)
Caro Dantadd, obrigado pela sua intervenção, no entanto devo reiterar o meu contributo com as seguintes considerações:
  1. As fontes que apresento são dignas de ser no mínimo consultadas, creio que não terá tido tempo para ver o documentário que referi na sua totalidade.
  2. Adicionei o autor Aquilino Ribeiro, que creio ser digno de crédito.
  3. Retirei a menção ao vocábulo "farra", por ser apenas uma opinião e não ter documentação que suporte tal.
comentário não assinado de Cimbalino (discussão • contrib) (data/hora não informada)
Caro Cimbalino, não esqueça de assinar com quatro tiles suas intervenções nas páginas de discussão. Infelizmente, repito, não há nenhuma obra lexicográfica que traga qualquer relação entre o Conde de Farrobo e as palavra "forró" ou "forrobodó". Portanto, as histórias - verdadeiras ou não - sobre o Conde de Farrobo não cabem aqui. Inclusive, nenhuma das fontes que citou, que não são de autoridade lexicográfica, cita sequer uma vez as palavras "forró" ou "forrobodó". Portanto, até o momento não é possível adicionar tal dado pois se trata de pura pesquisa inédita.
Até que encontre uma fonte lexicográfica que ligue o Conde de Farrobo aos vocábulos "forró" ou ao "forrobodó", tudo não passa de suposições que não cabem na Wikipédia. Se quiser pode escrever suas teorias num blog. Dantadd (α—ω) 17h28min de 21 de janeiro de 2014 (UTC)
Caro Dantadd, obrigado novamente pela sua intervenção.
  1. Poderá também V. Excelência eliminar todas as intervenções teóricas? Por exemplo, as que fazem alusão ao "For All"? Não existe autoridade lexicográfica que as sustente.
  2. Aquilino Ribeiro é sem dúvida autoridade no que toca à nossa língua e o uso que o escritor fazia do vocábulo "farrobodó", não pode de forma alguma ser ignorado, nem muito menos ser alvo de censura inquisitória por parte de quem não deu até ao momento prova de ser autoridade sancionadora.
  3. Agradeço a sugestão, mas deixo a escrita num blog para vossa excelência.
{{Cimbalino (discussão) 21h29min de 21 de janeiro de 2014 (UTC)|Cimbalino}}

Cimbalino, dispenso as ironias e afins. Podemos discutir melhor sem elas. Quanto ao "for all", como poderá ler, está bastante claro que trata-se de etimologia popular bastante difundida e este detalhe está lá bem explicado. Escritor não é lexicógrafo e, repito mais uma vez: não foi apresentada nenhuma fonte lexicográfica que ligue o Conde de Farrobo aos vocábulos "forró" e "forrobodó". Por enquanto há relatos sobre a vida nababesca do conde e nada mais. Onde é que está dito que as palavras "forró" ou "forrobodó" tem alguma ligação com o conde? Aponte-me onde, por favor. Dantadd (α—ω) 00h05min de 22 de janeiro de 2014 (UTC)

Dantadd, o tom do seu anterior discurso carecia da dispensa que me comenta; é de bom grado que aceito o seu recuo. O uso dos vocábulos "farrobodó" e "forrobodó" é patente nos documentos que indiquei anteriormente e que tomou a liberdade de suprimir sem certamente os consultar devidamente, tratando-se portanto de matéria que deveria ser aqui exposta. Aquilino Ribeiro pode não ter sido lexicógrafo, no entanto este escritor, figura ímpar da literatura portuguesa e que é apenas uma das referências que facultei, faz uso do termo "farrobodó" e a sua insistência na desassociação dos dois vocábulos é incompreensível. As fábulas populares são permitidas a título de curiosidade, mas uma hipótese suportada por peças de investigação jornalística, documentários de referência e um escritor cuja lexicografia é excepcionalmente rica e sobejamente reconhecida, não podem ser expostos como possibilidade?

[[Usuário(a):Cimbalino (discussão) 09h04min de 22 de janeiro de 2014 (UTC)|Cimbalino]]

Não, Cimbalino, não há nada patente nas fontes que coloca. Não há nenhuma ligação comprovada entre "forró" e "Conde de Farrobo", portanto, não cabe aqui qualquer menção à referida personagem. Quando você conseguir uma fonte fiável que diga que o vocábulo "forró" pode ter origem nas festas do "Conde de Farrobo" poderá colocar no verbete tal dado. Pode ser até mesmo uma hipótese pouco provável ou um devaneio, mas tem de haver uma fonte que EXPLICITAMENTE estabeleça uma correlação entre "forró" e "Conde de Farrobo". Por enquanto, são deduções suas e, como já disse, são pesquisa inédita. Espero que tenha ficado claro a questão. Dantadd (α—ω) 14h33min de 22 de janeiro de 2014 (UTC)
Não, Dantadd, nas fontes que coloquei existe uma ligação comprovada entre "forrobodó" e "farrobodó". O termo "forró" é sinónimo de "forrobodó" e "farrobodó" é alusivo ao "Conde de Farrobo", portanto, cabe aqui menção à referida personagem, quanto mais não seja, a titulo de ilustração para o facto. As fontes que EXPLICITAMENTE estabelecem uma correlação entre "farrobodó", ou seja, "forró" e "Conde de Farrobo" estão referenciadas. Espero que tenha ficado clara (no feminino por favor) a questão. [[Usuário:Cimbalino (discussão) 14h59min de 22 de janeiro de 2014 (UTC)|cimbalino]] (α—ω) 14h33min de 22 de janeiro de 2014 (UTC)
Caro Cimbalino, esta é pela última vez: a Wikipédia não aceita pesquisa inédita. A ligação entre "forró" e "Conde de Farrobo" é uma dedução sua, você está criando essa relação na sua cabeça. Não há NENHUMA fonte que ligue "forró" a "Conde de Farrobo". Quando encontrar uma fonte que faça EXPLICITAMENTE a ligação entre o vocábulo "forró" e a personagem "Conde de Farrobo" poderá inserir a informação. Até lá não passa de uma hipótese que você está formulando a partir de deduções, o que constitui pesquisa inédita. Dantadd (α—ω) 15h22min de 22 de janeiro de 2014 (UTC)

Em virtude de o usuário Dantadd insistir na sua recusa, solicito que o artigo seja revertido para a versão existente às 15h03min de 22 de janeiro de 2014. comentário não assinado de Cimbalino (discussão • contrib) (data/hora não informada)

Este é o artigo "forró". Não existe nenhuma obra que ateste a ligação entre o conde citado ou mesmo a palavra "farrobodó". Nós não podemos fazer deduções torturando fontes. Isto é pesquisa inédita. Dantadd (α—ω) 00h50min de 23 de janeiro de 2014 (UTC)

Mediação[editar código-fonte]

Protegi a página por três dias para que façamos a discussão aqui e não nos sumários (olha que bonito o resultado do conflito). Vamos ver se eu consigo ajudar.

  • A fonte [1] me traz o seguinte texto:Citação:

O Conde de Farrobo e o desenvolvimento da sociedade portuguesa
A primeira metade do século XIX português revisitada a partir da biografia de Joaquim Pedro Quintela do Farrobo (1801-1869), conde de Farrobo. As invasões francesas, a corte no Brasil, a revolução liberal, o regresso de D. João VI, a guerra civil, os negócios e as artes e tudo o mais em que o conde de Farrobo andou envolvido, ou em que foi envolvido. Da inauguração do privado teatro das Laranjeiras ao apoio à fundação da assembleia filarmónica criada por Domingos Bomtempo, passando pela gestão do São Carlos, tudo tem a marca de Farrobo. Tal como os grandes negócios da primeira iluminação pública a gás, a construção do troço de via-férrea Lisboa – Espanha, a fábrica de vidros da Marinha Grande e, sobretudo, o negócio do monopólio dos tabacos que iria causar a sua ruína. Um grande fresco do século XIX através de um personagem singular e completamente esquecido.

. Não vi menção ao "forró" ali. A fonte seguinte, [2], sofre do mesmo problema. Sugiro a leitura de WP:FRANK. Até o momento, concordo com o Dantadd.

  • Apesar de concordar com ele no conteúdo, discordo do Dantadd na forma: ficar cutucando o outro editor nos sumários ("sem sandices por aqui, pfv" e "retirando trecho sem pé nem cabeça") não ajuda em nada na discussão. Uso de maiúsculas pelos dois também é péssimo: diz um "não há NADA que ligue forró a Conde de Farrobo" e volta o outro "Desfeita a edição 37979319 de Dantadd EXISTE uma COMPROVADA relação entre os termos "farrobodó" (alusivo ao conde de Farrobo) e "forrobodó" que não pode nem deve ser censurada."... Advirto formalmente os dois para que parem com isso: somos adultos e estamos aqui com o mesmo objetivo.

Enfim, organizem a discussão aqui de forma civilizada, por favor. José Luiz disc 01h27min de 23 de janeiro de 2014 (UTC)

Pelo que mostra o José Luiz, quem tem razão aqui é o Dantadd. --Fulviusbsas (discussão) 03h30min de 23 de janeiro de 2014 (UTC)
Caros, em primeiro lugar as minhas mais sinceras desculpas pelo conflito que aqui foi gerado muito em parte por minha própria culpa; não deveria ter dado resposta às provocações ("sem sandices por aqui, pfv" e "retirando trecho sem pé nem cabeça") de que foram alvo as contribuições que fiz. Posto isto reitero algumas das razões pelas quais insisto na publicação do conteúdo proposto:
  1. O usuário removeu uma contribuição que não é alusiva ao Conde de Farrobo e que apenas indica que "Farrobodó" e "Forrobodó" são palavras sinónimas e que transcrevo: (Os termos "farrobodó" e "forrobodó" são sinónimos (Dicionário de sinónimos / compilação da Tertúlia Edípica. - Porto : Porto Editora,1977 e http://aulete.uol.com.br/farrobodó) , ambos existentes no vocabulário da língua portuguesa e conforme atesta por exemplo Aquilino Ribeiro, reconhecido e galardoado escritor pela sua excepcional riqueza lexicológica, na obra "Constantino de Bragança: VII Vizo-Rei da India", onde diz textualmente: "E o vizo-Rei entrou no paço, atordoado com o intenso "farrobodó" misto de círio de Nazaré e cortejo de rajá".)
  2. A fonte [3] menciona o seguinte: "Os principais cantores de ópera europeus da época atuaram no seu Teatro Thalia, anexo ao palácio, onde invariavelmente terminavam todas as festas, nas quais a família real marcava presença, em especial o rei D. Fernando e a sua filha Maria Ana. Foi com estas festas opulentas que, reza a lenda, lembrada por Marina Tavares Dias, Quintela estoirou uma fortuna que demorara dez gerações a criar. Foi por causa delas que surgiu também a expressão popular "farrobodó".]
  3. A fonte [4] deve ser consultada devidamente, não é a sinopse do documentário que faz relação entre "farrobodó" e "Conde de Farrobo". O documentário está disponível na integra no youtube para consulta (v=rqCYaq55nRM).
  4. O minuto 28 do "Documentário biográfico do Conde do Farrobo" diz textualmente o seguinte: “O farrobodó propriamente dito, tem inicio em meados da década de 30 do século XIX. Farrobodó e não forrobodó como se diz atualmente, vem de Farrobo e do fausto das suas festas, saraus e demais peripécias que forma muito comentadas em Lisboa, na época que se seguiu a Joaquim Pedro ter sido feito Conde do Farrobo”.

Posto o supracitado creio poder demonstrar de que não se trata de uma tesa de minha autoria. Espero que este contributo possa ser um pouco mais elucidativo. Obrigado a todos. [[Usuário:Cimbalino (discussão) 09h59min de 23 de janeiro de 2014 (UTC)|Cimbalino]]

De minha parte peço desculpas pelos momentos em que não agi de forma correta. Não deveria ter emitido opiniões pessoais que em nada contribuem. De todo o modo, como podem verificar, tentei amigavelmente aqui na discussão explicar ao usuário Cimbalino que por mais que a história que ele quer inserir no texto seja curiosa, não há qualquer ligação comprovada entre ela e o "forró". É evidente que o colega Cimbalino está construindo o Frankestein, fazendo deduções e correlações que as fontes não fizeram. Ademais, documentários de televisão não são fonte fiável. Frequentemente entrevistam "estudiosos" que disparam várias hipóteses sem qualquer fundamento. Quantas vezes eu não vi na televisão pessoas dizerem que a palavra "sincero" vem da expressão latina sine cera (sem cera), o que é um completo disparate. No que tange à origem das palavras, devemos nos apoiar em quem entende do assunto, que são filólogos e lexicógrafos. Se houver obra lexicográfica que traga a relação entre "Conde de Farrobo" e "forró", serei o primeiro a introduzir o dado aqui. Usar "contos e causos" e teorias (mesmo que feitas por pessoas de cultura, como escritores ou historiadores) não é possível. Portanto, até que uma fonte lexicográfica aponte explicitamente a relação mencionada (Farrobo -> forró), tal processo dedutivo não cabe no artigo, por mais bem intencionado que seja. Dantadd (α—ω) 15h18min de 23 de janeiro de 2014 (UTC)
Caro Dantadd, desculpas aceites; o episódio está esquecido.
  1. A relação que pretende (Farrobo -> forró) é no mínimo arrojada, já que "forró" é uma abreviação de forrobodó. Sugiro que a relação seja alargada a ambos os termos: forrobodó e forró.
  2. Já no tocante à curiosidade histórica, a estória que tem como base o "for all" é uma lenda popular, um caso provado ser falso e no entanto foi adicionada ao artigo para que os leitores a possam ter presente. Se a ligação ao "conde de Farrobo" fosse porventura refutada e provada falsa, poderia então ser publicada? O documento corroborado por professores catedráticos tais como o Dr. Luis Silveira - Professor e Pró-Reitor da Universidade Nova de Lisboa ou a Drª Maria José Borges - Professora do Conservatório Nacional é, segundo o que depreendo das suas palavras equiparável a, e passo a citá-lo: "um completo disparate" por parte de "estudiosos".
  3. As palavras "farrobodó" e "forrobodó" são efetivamente sinónimas e este facto é sustentado por importante e relevante obra lexicográfica, mesmo assim, às 23h40min de 22 de janeiro de 2014‎ eliminou esse trecho do artigo sem apresentar justificação, o que não contribui para um nutrido crescimento do mesmo e atesta talvez alguma impulsividade quiçá? Perdoe-me se me equivoco.

Reitero que o exposto não é tese minha. [[Usuário:Cimbalino (discussão) 16h09min de 23 de janeiro de 2014 (UTC)|Cimbalino]]

  • Parece-me que a fonte apareceu (não entendi por que documentário seria mais ou menos fiável que um livro) e foi citada textualmente. Agora pondero que não devemos colocar um peso indevido na história. Sugiro que seja feita uma citação, mais concisa e sem abrir uma seção nova, no mesmo estilo do "for all", justamente citando a implausibilidade da história ou de sua mera característica curiosa e popular. O leitor ganha ao procurar a wiki e aprender não só qual a versão mais aceita pelos estudiosos (a do Bechara), mas também que outras são ou fantasiosas ou, pelo menos, disputadas. Isso é sermos imparciais a meu ver. O que acham? José Luiz disc 20h48min de 23 de janeiro de 2014 (UTC)
Caro Jribeiro, estou de acordo com a sua sugestão e concordo com as considerações sobre nivelamento do peso / relevância. Se outros acharem igualmente por bem, parece-me ser uma boa forma de nutrir o artigo. [[usuário:Cimbalino (discussão) 22h53min de 23 de janeiro de 2014 (UTC)|cimbalino]].
José Luiz, um documentário televisivo é uma fonte não fiável. Se o programa de TV for de bom nível, não será nada difícil encontrar fontes na literatura adequada para o que foi dito no vídeo. Tratando-se de etimologia, a literatura adequada são obras feitas por lexicógrafos. E mais, a ligação entre "farrobodó" e "forró" não está em lugar nenhum. Nem mesmo no vídeo indicado. Lembremos, sempre, que este é o artigo "forró".
Podemos inserir que "forrobodó" e "farrobodó" são considerados sinônimos pelo Dicionário Aulete, mas não podemos ir além disso. Não há nenhuma obra lexicográfica - até o momento - que ateste que forrobodó é variante de farrobodó ou vice-versa. Já a citação do Conde de Farrobo neste artigo (forró) é completamente despropositada, pois não se apoia em obra nenhuma. Infelizmente, o vocábulo forró tem origens obscuras e nenhuma obra traz uma origem segura. Todavia, digo novamente, o Conde de Farrobo em nenhum lugar (obra fiável ou não) tem relação com o forró. Dantadd (α—ω) 23h22min de 23 de janeiro de 2014 (UTC)
Caro Dantadd, não se trata de um programa de TV, mas sim de um documentário que um canal de televisão público exibiu em determinado momento. O documentário existe para além das emissões televisivas. O documentário é corroborado por professores catedráticos de excelente nível. A ligação entre "farrobodó" e "forrobodó" está e é referida no próprio documentário. Para além do dicionário Aulete, o Dicionário da Porto Editora (trata-se de um dicionário equiparável ao Aurélio em Portugal) em edição já antiga menciona os sinónimos "farrobodó" e "forrobodó". O reconhecido escritor e lexicógrafo nascido no século XIX Aquilino Ribeiro, usa por diversas vezes o termo "farrobodó". Nunca encontraremos uma obra que relacione o conde com forró, pois o termo forró é uma redução de "forrobodó" e este sim é sinónimo de "farrobodó" como muito bem indicou. Ora assim sendo, "forró" é sinónimo de "forrobodó" e este de "farrobodó" que como o documento citado indica é alegórico das festas do conde de Farrobo. Continuo a apoiar o conceito de imparcialidade para o artigo proposto pelo usuário Jribeiro. [[usuário:188.81.82.155 (discussão) 00h16min de 24 de janeiro de 2014 (UTC)|cimbalino]]

Cimbalino, não estou desmerecendo o documentário, muito menos os seus participantes. Estou dizendo que se a informação é fruto de estudo científico, há de haver obrigatoriamente uma obra publicada que a traga. Quanto aos outros saltos dedutivos que você fez (forrobodó -> farrobodó -> forró -> forrobodó), se forem de fato válidos, estarão explicitamente tratados em obra lexicográfica. Por enquanto, é apenas uma dedução sua. Eu mesmo deduzo diferente, mas minha dedução não cabe aqui. Se quer saber minha dedução/opinião, é esta: a palavra "forrobodó"/"forbodó" já existia desde quando a língua que falamos era ainda o galego-português. Na época do conde de Farrobo, por aproximação fonética, criou-se o trocadilho "farrobodó" calcado em "forrobodó" para denominar as festas promovidas ou frequentadas pelo conde. Todavia, àquela altura, o vocábulo forrobodó já tinha vida própria no nordeste do Brasil, onde surgiu o ritmo e dança que depois viria a se chamar "forró". Portanto, embora "farrobodó" e "forró" tenham origem no vocábulo "forrobodó", a sua gênese deu-se em tempos diferentes com um oceano de distância. Dito isto, não há qualquer ligação direta entre "farrobodó" e "forró", os termos apenas descendem da mesma palavra. Esta é minha tese, mas ela não cabe no artigo porque eu não sou lexicógrafo nem publiquei obras de referência. O mesmo vale para a sua dedução. Podemos debater e discutir nossas deduções e isso me dá gosto, mas colocá-las no artigo não é possível. Dantadd (α—ω) 00h39min de 24 de janeiro de 2014 (UTC)

Caro Dantadd, rogo que me desculpe; pelo teor das suas palavras depreendi que tanto os participantes como o próprio documentário eram algo "não fiável" feito por "estudiosos" e por conseguinte não mereceriam ser creditados. Relativamente às deduções que faz, devo lhe dizer que são muito semelhantes às minhas em praticamente toda a linha de pensamento, mas como muito bem expõe, não é isso o que se pretende neste lugar. O cerne da questão é outro, existem outras obras documentais e lexicográficas que fazem referencia e equivalência ao "farrobodó" e "farrobodó", que associam o conde de farrobo ao vernáculo "farrobodó" e essa informação, válida e corroborada conforme evidenciam as referências, não pode ser negada aos leitores da wikipedia, sob pena de estarmos a fazer um papel inquisitório, usando de um lápis-lazúli que ora censura, ora atavia a bel-prazer. Concordo portanto com o usuário Jribeiro na divulgação da informação de uma forma serena e equilibrada, tal como o exemplo do "for all". A omissão empobrecerá o artigo, a inclusão favorecerá a leitura e enriquecerá o leitor. [[usuário:Cimbalino (discussão) 08h53min de 24 de janeiro de 2014 (UTC)|cimbalino]]
A edição de concórdia que proponho é dizer que "forró" é provável redução de "forrobodó", palavra que tem como variante o termo "farrobodó". Até aí vão as fontes lexicográficas que temos, nomeadamente o citado Dicionário Aulete. Qualquer menção que faça ligação indireta de "forró" com "Conde de Farrobo" é pesquisa inédita, pois nenhuma (nenhuma mesmo) fonte estabelece essa relação, nem mesmo como possível pseudoetimologia. Dantadd (α—ω) 14h27min de 24 de janeiro de 2014 (UTC)

Concordo com Dantadd, mas não no ponto em que "farrobodó" é variante de "forrobodó", nada existe que ateste tal facto; o dicionário Aulete e o da Porto Editora atestam os dois termos como sinónimos, mas não indicam que um seja variante do outro, em razão de semântica, "sinónimo" e "variante" são questões bem distintas. Não tendo nada mais a acrescentar presentemente, fica a síntese:

  1. "Forró" é provável redução de "Forrobodó" - indiscutível e documentado devidamente
  2. "Farrobodó" e "Forrobodó" são sinónimos - indiscutível e documentado devidamente
  3. "Farrobo" e "Farrobodó" estão ligados - indiscutível e documentado devidamente
  4. Os três pontos supracitados são factos e não pesquisa inédita minha

Dou por concluída a minha intervenção na discussão no tocante aos quatro pontos que mencionei e sinto que todas as respostas que possa dar às incessantemente repetidas questões, não aportam nada de novo e assumiram já um papel desgastante. Caso haja acordo, de bom grado participarei no artigo com este assunto. Obrigado a todos e boas contribuições! --Cimbalino (discussão) 17h17min de 24 de janeiro de 2014 (UTC)

Ok, pode chamá-los sinônimos, mas são variantes fonéticas. Agora, traçar relação entre "forró" e "Farrobo" não é possível. É pesquisa inédita. Nenhuma obra fez esta relação. Este é seu Frankenstein (eu tenho vários meus...). Portanto, dizer que forrobodó possui um sinônimo está bom para mim. Fazer relação entre "forró" e Conde de Farrobo, não. Dantadd (α—ω) 20h21min de 24 de janeiro de 2014 (UTC)

Fusão Forró pé-de-serra; Forró