Discussão:Não-binariedade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Hífen[editar código-fonte]

@Yanguas: olá! Até onde sei o não funciona tal como um prefixo ante os substantivos, daí a necessidade de hífen para identificar o novo substantivo. Quando está ao lado de adjetivos funciona normalmente, sem hífen, já que advérbios acompanham adjetivos (e verbos e outros advérbios), mas nunca substantivos. Onde viu que a "ortografia agradece" a retirada do hífen? --Luan (discussão) 14h36min de 1 de agosto de 2018 (UTC)

Caro Luan, o NAO extinguiu a figura do não como prefixo (o que justificaria sua anexação com hífen ao termo seguinte), devolvendo-o à mera condição de advérbio, ao contrário de bem e mal, por exemplo, outros advérbios que podem assumir a função de prefixo, como em bem-vindo e mal-entendido. Yanguas diz!-fiz 15h52min de 1 de agosto de 2018 (UTC)
@Yanguas: De primeira, imagino que quis escrever "AO" e não "NAO". Segundo, pode me mostrar onde está essa extinção promovida pelo AO? Por fim, em "Não binaridade" o "não" não tem como ser advérbio. Advérbios acompanham verbos (ex.: escreveu ontem), adjetivos (ex.: muito bonito) ou outros advérbios (ex.: bem rapidamente). Como "binaridade" é um substantivo, o que está ao lado dele tem de ser um artigo, adjetivo, pronome ou numeral. Consultando o Dicio, o Aulete, o Priberam e o Michaelis, a entrada "não" somente é registrada como advérbio ou substantivo. O Priberam inclusive registra a entrada "não-", o prefixo. Então, há algo de bastante estranho aí nesse teu comentário. Para ir mais fundo, consultei algumas outras fontes. Elas levam à conclusão de que há uma tentativa de eliminação do hífen posterior e exterior ao AO1990. Nesse sentido estão principalmente, o FLiP/Lucas CAMPOS, Lucas CAMPOS e Cláudio Moreno; Ciberdúvidas/Carlos Rocha e Grupo Folha-UOL/Paulo Ramos não fazem menção ao AO e suposta proibição ao recomendar a hifenização; Sérgio Nogueira trata de como era antes do AO e a eliminação posterior ao acordo, sem mencionar qual parte do AO1990 prevê a eliminação; José Maria da Costa se posiciona contra o hífen, mas se baseando em algo inexistente na "Lei Eduardo Ramos" (decreto de n. 726, de 8/12/1900) e interpretando a lacuna do acordo, sem nem questionar qual seria a função morfológica de "não" não hifenizado ao lado dum substantivo ou qual seria o processo de formação de nova palavra (se prefixação ou justaposição) para indicar a pertinência ao vazio de qual inciso do acordo (pois poderia ser inclusive "nãoagressão", por exemplo) — além do mais, razões óbvias impedem a regulamentação minuciosa de todos e quaisquer (pseudo-)prefixos da língua portuguesa, uma língua viva, portanto, dinâmica. --Luan (discussão) 16h08min de 2 de agosto de 2018 (UTC)
Caro Luan, eu não me enganei, referi-me ao NAO, uma das formas como é chamado. Os dicionários registram uso, o que não implica ser recomendado. Basta ver que é possível encontrar o substantivo "perca" no Houaiss, mas ninguém o usaria num texto em norma culta, como se pretende na Wikipédia. Normas gramaticais e ortográficas não "proíbem", apenas indicam o que é lícito. Por exemplo, nada proíbe grafar "exêmplo", com acento, simplesmente não há regra que o justifique. Eu concordo com a maior parte de sua argumentação, mas o ponto principal é: não não é prefixo, logo não pode ser acompanhado de hífen. Boas. Yanguas diz!-fiz 17h28min de 2 de agosto de 2018 (UTC)
Não sabia dessa outra sigla, Yanguas. Sobre "'não' não é prefixo", o que seria então? Um falso prefixo? Qualquer outro tipo de elemento de composição? Ainda assim, nesses casos, os termos devem ser hifenizados. Fora desses casos, chegamos a algo "ilícito" (como disse), fora das normas gramaticais. --Luan (discussão) 22h33min de 13 de agosto de 2018 (UTC)

Sem explicação do que seria o "não", conforme demonstrei acima, e mais o erro em "binaridade" conforme Ciberdúvidas, renomeei o artigo. --Luan (discussão) 16h51min de 6 de dezembro de 2018 (UTC)

@Yan Victor de Brito: veja a discussão aqui, as regras gramaticais preveem uso do hífen. --Luan (discussão) 15h24min de 12 de fevereiro de 2019 (UTC)

Binariedade e binaridade[editar código-fonte]

Binaridade vem de aridade, logo não é ariedade e sim aridade. Binariedade me soa apenas uma especificidade para não-binárie(a/o) como gênero. Tanto que aqui auto-corrigi-se binariedade para binaridade. A edição de Luan é válida mas não anula a outra ou mais correta, binaridade.comentário não assinado de Sbonetti (discussão • contrib) (data/hora não informada)

@Sbonetti: suas alterações foram revertidas, pois removeu fonte confiável e fez adições sem referenciar as fontes que a suportariam. Esse achismo com "aridade" não se sustenta frente à fonte do Ciberdúvidas, tampouco as outras invenções postas. Antes de mudar, por favor, exponha aqui sua argumentação de forma devida, sem ineditismos. --Luan (discussão) 18h46min de 14 de dezembro de 2018 (UTC)
@Luan: a fonte que você colocou não era 100% confiável, aparentemente era apenas um fórum no qual Carlos Rocha deu uma opinião. No wikcionário tem uma página sobre binarity, e não há sobre binariety. Logo, não é achismo meu, mas sim prescritivismo seu e crença sua num achismo de outro. Fora que se você pesquisar sobre não-binaridade, encontrará diversos artigos acadêmicos, até mais do que com não-binariedade. Então sua remoção para a sinonímia é descabida. --Sbonetti (discussão) 16h49min de 16 de dezembro de 2018 (UTC)
@Sbonetti: o Ciberdúvidas da Língua Portuguesa é uma fonte lexicográfica confiável e recorrentemente utilizada na Wikipédia — sua avaliação é fruto de viés cognitivo e gosto pessoal. E, pelo visto, preciso lembrar o óbvio e evidente: estamos na Wikipédia em português, logo sua frase sobre wikt:binarity não tem cabimento — ainda assim, apenas aponto wikt:solidarity. --Luan (discussão) 19h17min de 16 de dezembro de 2018 (UTC)
@Luan: meu gosto pessoal para este caso, o de gênero, é por binariedade, meu apelo é apenas pela preservação do sinônimo, muito utilizado noutros artigos, que poderia linkar (x), (x), (x), (x, (x), (x),. O sufixo é -dade, o prefixo certo poderia ser tanto binari- quanto binarie-, sendo o segundo derivado do adjetivo neolinguístico binárie (gênero-neutro de binário e binária). Se você retira uma forma, ela simplesmente aparecerá quando pesquisarem. --Sbonetti (discussão) 19h40min de 16 de dezembro de 2018 (UTC)
@Sbonetti: as fontes que você apontou não sustentam essa ortografia como a vigente da norma padrão, tal como essas fontes não podem dizer que "reinvindicar" esteja certo, no lugar de "reivindicar". Tampouco, essas para "mulçumano" em detrimento de "muçulmano". Dentre vários outros exemplos. Em adição ao Ciberdúvidas, trago explicações também do FLiP (da Priberam) e do Mural de Consultas (do Instituto Euclides da Cunha) sobre o uso dos sufixos -idade e -iedade; e há também o esqueminha bem mastigadinho da coluna Pensar a Língua do funchalnoticias.net sobre os mesmos sufixos. --Luan (discussão) 21h47min de 20 de dezembro de 2018 (UTC)