Discussão:Namoro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Gostaria de retificar alguns parágrafos que carecem de fonte:

Entre os protestantes o namoro descompromissado, historicamente, não é bem visto, por atentar contra suas doutrinas originais, que solicitam pureza moral e abstinência sexual antes do casamento, relutando contra as idéias do mundo pós-moderno, que prega uma maior liberdade sexual no compromisso do namoro. Casos em que os parceiros dividem o mesmo lar sem a oficialização do relacionamento diante da Igreja continuam sendo rechaçados, visando a manutenção da integridade moral da sociedade. No entanto, como não existe um só protestantismo, esses conceitos são bastante relativos hoje em dia. A igreja evangélica luterana na Alemanha, por exemplo, não interfere na vida privada das pessoas e não julga as pessoas pelo tipo de relacionamento. Ao contrário A "Evangelische Studentengemeinde" uma organização de igreja luterana na Alemanha é um ponto de encontro para jóvens luteranos e deste ponto de encontro surgem muitos namoros e depois, muitas vezes também casamentos. Esse tipo de envolvimento com a igreja e coma outras pessoas é bem-vindo e só fortalece as comunidades luteranas na Alemanha. Entre os evangélicos, devido à idéia de retorno às origens do cristianismo, e à sua pureza inicial, idéia esta que promoveu o surgimento das denominações chamadas evangélicas por volta do fim do século 19 e início do século 20, seus vários teólogos têm discutido a necessidade da existência, atualmente, desse nível de relacionamento pré-conjugal[carece de fontes], quando, na própria cultura hebraica (povo cuja cultura moral foi o berço do cristianismo) o namoro nunca existiu, ou sequer foi citado. Em muitas denominações evangélicas porém, seus principais teólogos, para não chocar os recém-ingressos no cristianismo evangélico, e também para evitar futuros divórcios, têm preferido transformar o namoro num pré-noivado[carece de fontes]. Têm dado a ele uma regra que antes só cabia ao noivado, o impedimento de qualquer nível de envolvimento sexual. Mas, ao mesmo tempo, tem permitido a aproximação fraternal e afetiva entre os pré-cônjuges, a fim de que testem, ainda antes do casamento, a relação entre si. Em algumas denominações ainda, seus líderes tem preferido até dar outro nome ao namoro, chamando-o corte, mas orientando os pré-cônjuges a que sigam a mesma conduta descrita anteriormente.

Esses artigos falam sobre os evangélicos, mas não há nenhuma fonte ou prova de que essas alegações são verdadeiras. São meras especulações, sem fundamento histórico. É visto que o artigo menciona sobre várias denominações evangélicas, mas não cita o nome de nenhuma. Isso põe em descredibilidade as informações do artigo. Além disso, esse artigo está ofendendo os evangélicos e cristãos, pois apenas está fazendo menções sobre essa religião. Me sinto profundamente ofendido com esses textos, pois ilustram um pensamento que não é real em todas as denominações. Como dito, acredito que o correto seria retirar informações sobre os cristãos e os evangélicos. comentário não assinado de 189.29.59.24 (discussão • contrib) (data/hora não informada) Mateus RM msg 12h50min de 17 de fevereiro de 2011 (UTC)

Symbol support vote.svg Concordo com você. Por isso, fiz esta edição. Mateus RM msg 12h50min de 17 de fevereiro de 2011 (UTC)