Discussão:Poesia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

--187.39.157.108 (discussão) 03h04min de 12 de março de 2010 (UTC)== É preciso ser mais exigente! ==

Untitled[editar código-fonte]

É preciso ampliar este verbete! Os verbetes das Wikipedias francesa e espanhola são excelentes, tratam da História, gêneros, etc., enquanto a de lingua portuguesa é um esboço. Irei tratar disso. FabioSJ (discussão) 00h51min de 3 de Março de 2008 (UTC)



Realmente, o verbete é de uma pobreza fransiscana.--Egoeimibarbaros (discussão) 20h31min de 30 de Março de 2008 (UTC)

Poesia é a linguagem subjetiva, carregada de emoção e sentimento, com ritimo melódico constante, bela e indefinível como o mundo interior do poeta.Visa a um efeito estético.


Olá. Meu nome é Juliano Henrique Ferreira Zampieri. Há dois pontos no texto em que me sinto obrigado à chamar a atenção. Primeiramente darei uma sugestão, antes de chegar as questoes. Na tentativa de definir o que é "poesia", certamente que um dicionário proveria uma definição objetiva e lacônica. Essa noção do que poderia ser aceito, varia de dicionário para outro, tornando-se mais amplo. Não torna-se mais impreciso, apenas mais amplo. A sugestão é: orientar-se mais fielmente à essas definições. Senti que no momento de diferenciar poesia, poema e prosa, houve uma fuga do ponto de vista técnico.

Exemplo: No trecho "...A poesia, no seu sentido mais restrito, parte da linguagem verbal e, através de uma atitude criativa, transfigura-a da sua forma mais corrente e usual (a prosa)..."

- neste momento, fica vago se a intenção do que é descrito, está voltada para a poesia ou a prosa. Parece que está dizendo que poesia é prosa. Sem falar que é impossível afirmar de onde parte qualquer poesia. Afinal, se presumirmos que ela parte da linguagem verbal, o poeta teria que ditar para algum seus pensamentos em via de os registrar. Se não houvesse a escrita, seria impossível apurar a complexidade meditada da poesia...

O texto continua:

"...ao usar determinados recursos formais. Em termos gerais, a poesia é predominantemente oral - mesmo quando aparece escrita, a oralidade aparece sempre como referência quase obrigatória, aproximando muitas vezes esta arte da música..."

Como disse antes, me incomoda que em nenhum dicionário que consultei, N-Ã-o se trata a poesia, como já disse, vinculada predominantemente à fala, e agora o texto ainda mais, relaciona a poesia (lembre que estamos definindo e não estamos apenas reconhecendo uma de suas manifestações) com musica. Minha crítica está em haver na poesia, muita poesia que jamais seria possível ritimar nem cantar com melodia. Ou seja, assim como nem toda música é poesia, nem toda poesia é música. Para fortalecer meu argumento, afirmo com toda a minha convicção (pois eu mesmo já fiz isso) que há poesias que são muito melhores e mais eficazes, se experimentadas visualmente, lendo. Por exemplo: uma poesia que depois de lida, lê-se a mesma novamente, verso por verso, do último até o primeiro e, muda-se o sentido. Outro exemplo: uma poesia em que a caligrafia do poeta, ou a letra em que é impressa, contribua para o contexto da poesia, enriquecendo a experiência.

Prosseguindo minhas observações: Sugiro que a intensão em diferenciar poesia de poema, seja melhor pesquisada. Dando ênfase ao tamanho, qualidade em ter personagens, qualidade em terem estes personagens seus aspectos psicológicos, qualidade de fazer ambientação, qualidade de narrar uma história, etc. Digo isso pois para mim, até hoje, sobre tudo o que li nessa diferença, a poesia não é tão complexa nesses aspectos que mencionei, como é o poema. A poesia pode conter esses elementos, mas geralmente é apenas uma sentença, conclusão, desabafo, pessoalista e curta. Poesia geralmente tem o objetivo (se é que é possível definir) muito mais preciso e direto do que o poema. Ela, geralmente chega onde o poeta quer brevemente, no espírito dos escritores de dizer cada vez menos. Notaram algumas diferenças?

Não é correto pensar na ambiguidade, subjetividade, metaforismo, analogias, pois em ambos os casos (poesia e poema) elas ocorrem e, inclusive, é possível ser estas coisas e seus opostos ao mesmo tempo, usando de sutilezas nas entrelinhas, captadas pelos mais atentos. Assim, é melhor focalizar no que elas oferecem, nem tanto em seus metodos, mas principalmente suas respostas.

A segunda coisa que quero chamar atenção está na parte "licença poética", à seguir:

"...A poesia pode fazer uso da chamada licença poética, que é a permissão para extrapolar o uso da norma culta da língua, tomando a liberdade necessária para recorrer a recursos como o uso de palavras de baixo-calão, desvios da norma ortográfica que se aproximam mais da linguagem falada ou a utilização de figuras de estilo como a hipérbole ou outras que assumem o carácter "fingidor" da poesia, de acordo com a conhecida fórmula de Fernando Pessoa ("O poeta é um fingidor")..."

Para começar: o que quis dizer com "o caráter fingidor"? Não é possível ser mais vago? (estou tentando ser sarcástico para não ser grosso). Foi um comentário tão infeliz, principalmente por querer referir-se à outros conceitos, sem mencioná-los. Seria errado os mencionar também, pois o conceito de licença poética é justamente combater quaisquer padrões ou conceitos. Enfim, deixe-me ser mais preciso: Me é triste, pois sou poeta (com livro inclusive publicado pelo Ministério da Cultura), quando alguém menciona este poema do Fernando Pessoa. É uma desgraça essa associação de poeta com fingidor. Ainda mais poesia com fingimento. Ainda mais licença poética com ter em si "caráter fingidor" (o uso dessa licença é para ajudar a se expressar, seja fingindo ou não). Pois, o próprio Fernando Pessoa (creio eu) deve ter se arrependido de fazer essa associação, e tentou corrigir isso em um outro poema seu:

Fernando Pessoa: Isto Dizem que finjo ou minto Tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto Com a imaginação. Não uso o coração.

Tudo o que sonho ou passo, O que me falha ou finda, É como que um terraço Sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.

Por isso escrevo em meio Do que não está ao pé, Livre do meu enleio, Sério do que não é. Sentir? Sinta quem lê!

O Fernando Pessoa, explica que esse fingir, é "sentir com a imaginação". Então, se forem mesmo mencionar essa idéia de fingimento, mencionar o Pessoa, ao menos complementem a paráfrase deste autor, com tudo o que ele realmente disse sobre o assunto.

obrigado.

Olá me chamo Mayrini e gostaria de saber o significado da Palavra Poético ...

Artigo de Baixa Qualidade[editar código-fonte]

Este artigo está longe de ser algo enciclopédico. Ele possui muita pobreza no aspecto de definição ténica e parece mais que foi feito por um neófito em Poesia empolgado em tentar fazer o artigo de Poesia da WP ser algo poético. Não podia estar errando mais. O ideal é que o artigo explique de forma clara, sucinta, técnica e coerente o que significa Poesia, seus conceitos básicos e informações acessórias ao tema. O fato de a Poesia se caracterizar pelo uso do língua com fins estéticos não justifica que o artigo seja o alvo de tais usos. Esse artigo se trata de um desserviço intelectual. Peço que um editor competente faça uma revisão completa no artigo o mais cedo possível. 139.82.61.34 (discussão) 19h56min de 6 de setembro de 2011 (UTC)

Pois é, tentei melhorar minimamente e reverteram... Abraço, Fabio Rocha (discussão) 13h33min de 17 de fevereiro de 2013 (UTC)