Discussão:Sigmund Freud

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Untitled[editar código-fonte]

Este artigo é uma manta de retalhos de cópias de outras fontes. Desisto de andar à procura de todas. Precisa de um artigo de raiz, urgentemente. O único texto que parece original é o da Biografia que, contudo, está muito mal escrito e é de rigor duvidoso. Manuel Anastácio 01:54, 31 Jan 2005 (UTC)

mudei o subtítulo de "A psicanálise freudiana, a psicologia e a psiquiatria" para "contra freud" que é disso que se trata. Além do mais esta secção, se o seu criador quisesse, deveria ser reformulada a ´nível de expressão. está muito emocional e polémista, como se fosse um artigo de opinião, e aqui trata-se de tentar fazer uma enciclopédia.rafaeldioniso 11:18, 2 Mai 2005 (UTC)

fiz o que pude, mudei as informações de lugar para deixar o texto um pouco mais acessível, porém sinto que não posso passar mais tempo me dedicando a essa página. A parte da biografia em si merece uma boa leitura e reorganização. Observação: tive que alterar diversas frases para não parecer ambiguo, mas não apaguei nenhuma informação. Venho dizer também que tem um idiota mandando avisos para que não altere essa página: para ele aconselho apenas um curso de português. Frederico Falcetta

mudei alguns dados. usei como fonte o "Estudo autobiográfico" de Freud. rafael mendonça.

Por mais que existam muitas fontes pela internet falando sobre Freud e suas idéias, seria realmente muito difícil estabelece-las em ponto só a não ser que se passa-se muitas horas à procura. O site Wikipédia serve para isso. Para que sejam reúnidas o maximo de fontes e assim organizada-as e colocada-as em um unico texto ou textos, para que assim sejam melhor caracterizados. --Lucas Fontella Margoni 05:51, 14 Junho 2006 (UTC)

Guerra de edições[editar código-fonte]

Favor, queiram dirimir vossas disputas nesta secção. Alex Pereirafalaê 20h34min de 22 de Agosto de 2007 (UTC)

Não faz sentido ligação externa para texto integral de obras do autor?! Você pode me explicar se isso é errado ou contra as regras? Pois eu não consigo entender. ManoelB --ManoelB 20h38min de 22 de Agosto de 2007 (UTC)
A Wikipédia tem uma política radical de respeito aos direitos autorais. As obras de Freud estão protegidas até 1 de janeiro de 2010. Dantadd 21h09min de 22 de Agosto de 2007 (UTC)
Dantadd, ok, eu entendia que as obras estavam em domínio público. Aliás, há como consultar isso? Mas estando em domínio público, faz sentido as ligações? Se faz sentido, são desejáveis? Eu tentei deixar uma mensagem no teu perfil mas simplesmente não achei o link editar, desculpe, está meio confuso para um novato como eu... Saudações! --ManoelB 21h21min de 22 de Agosto de 2007 (UTC)
Obras em domínio público podem (é desejável que...) ser publicadas no Wikisource. Até que se possa provar contrariamente, obras (textos, imagens etc.) estão protegidas por direitos de autor até o primeiro dia do ano seguinte em que a morte do criador completa setenta anos. Dantadd 21h48min de 22 de Agosto de 2007 (UTC)

Caro ManoelB, não se revertem reversões. Se não é consensual, tem de ser discutido e de obter consenso antes de ser introduzido. Abraço, Ozalid 00h50min de 29 de Agosto de 2007 (UTC)

Freud Psiquiatra?[editar código-fonte]

Sigmund Freud foi um neurologista com um interesse tardio por doenças nervosas (vulgo "neuroses"). Apesar de suas idéias terem dominado a comunidade psiquiátrica por décadas a fio, ele não teve uma formação específica em psiquiatria; quem o teve foi seu ex-colaborador, Carl Gustav Jung. Musicaindustrial2 22h19min de 23 de Setembro de 2007 (UTC)

Vi que o usuário OS2Warp e os anônimos 189.6.125.52 e 201.83.126.143 reverteram minhas edições. Gostaria de saber o por quê e, se possível, apresentem referências justificando tal medida... Musicaindustrial2 14h17min de 4 de Outubro de 2007 (UTC)

Cura?[editar código-fonte]

Na psicanálise não se fala de "cura". Da onde se tirou essa idéia?

No seu livro Cartas a um Jovem Terapeuta (2004), o renomado psicanalista ítalo-brasileiro Contardo Calligaris comenta a reticência dos seus colegas de profissão nesse ponto, que "recusam a idéia de que o psicanalista se proponha a curar, de uma maneira ou de outra, o sofrimento de seus pacientes" (p. 60). Musicaindustrial2 14h09min de 4 de Outubro de 2007 (UTC)

O status da Psicanálise como "ciência"[editar código-fonte]

Esse é um assunto mais que debatido, e já se mostrou inúmeras vezes que a Psicanálise não está, em termos de precisão e replicabilidade, no mesmo patamar que as ciências físicas e biológicas. Isso não significa que ela não têm grau de veracidade e consistência - só significa que chamar a psicologia freudiana de "ciência" é correr o risco de ignorar conceitos básicos da filosofia da ciência. Musicaindustrial2 14h09min de 4 de Outubro de 2007 (UTC)

Críticas à Psicanálise[editar código-fonte]

A seção de críticas à psicanálise está fraca, incompleta e pouco consistente. Ela elogia Freud mais do que qualquer outra coisa, e mal tece críticas à sua invenção. Musicaindustrial2 14h21min de 4 de Outubro de 2007 (UTC)

Sigmund Freud foi também dependente de cocaína por dezessete anos . Foi Freud quem defendeu a disseminação da cocaína e fôra repreendido por Erlenmeyer ( o do tubo de ensaio ) por estar fazendo a apologia da terceira droga de maior penetrância na raça humana , sendo que a primeira seria a morfina e a segunda o álcool. Quando seu amigo Karl Coller inventou a coca koller , colocou cocaína que era um digestivo e foi posteriormente vendida e seu nome transformado em coca cola que tinha cocaína at´´e 1.900 , quando a cocaína começou a matar algumas pessoas. Daí retiraram a cocaína da coca cola. Logo após parar com o insumo de cocaína ( isso consta no livro de seu biógrafo Peter Gay e outro que escreveu Freud e a cocaína , não me lembro o nome do autor ) , desenvolveu dependência pelo vinho , usando o nome " o amigo Barolo ". Quando foi indicado para o cargo de Herr Professor por ajuda de uma paciente dele cujo esposo é quem fazia as indicações na Universidade , parou o insumo de álcool e desenvolveu uma forte neurose , notada por Jung em seu último livro " Memórias , Sonhos , Reflexões ", escrito por Aniela Jafé. Jung , comenta que " Será que os seguidores de Freud não percebem o que significa , para a teoria e prática da psicanálise o fato de o pai da psicanálise não conseguir se liberar de sua própria neurose ? ". Jung nada mais pôde fazer a não ser se afastar de Freud . Assina - Magnus Amaral Campos - CRMESP - 36.185 201.20.228.75 01h59min de 11 de Outubro de 2007 (UTC)

" Discurso Do Método "

Autor :RENÉE DESCARTES ; Epicuro do Schvoong; SeguinteAnt. Resumo de MAGNUS AMARAL CAMPOS (palavras: 900, Visitas: 1767) Publicado em: domingo, 28 de janeiro de 2007 (73 Crítica) Leia um resumen recomendado Traduzir Resumo Ligação para o seu resumo no Shvoong. Envie a um amigo! Report Violation


Este abstrato foi retirado do Schvoong, pela sua utilidade aos leitores ,e pela eventual possibilidade de o autor - auto denominado Epicuro - retirá-lo de seus abstratos, após minha observação. Todas as visitas feitas neste abstrato devem ser feitas ao autor Epicuro, do Schvoong. Publicado originalmente em 1637 o Discurso do Método de René Descartes é uma das mas famosas obras da literatura filosófica, sendo por muitos considerado o texto fundamente da ruptura cultural que da origem a Filosofia Moderna.O texto é composto de seis partes onde o autor, partindo de um relato de sua biografia intelectual, expõe de maneira clara e sucinta os grandes traços de seu novo sistema filosófico.Descartes começa seu texto apresentando os grandes parâmetros de sua formação cultural. Aluno de uma das mais prestigiadas escolas europeias, a Escola dos Jesuítas em La Flèche, pode receber o que de melhor tinha a ofertar a cultura de seu tempo. Estudou Lógica que considerava um interessante instrumento uma vez que estejamos de posse da verdade, mas que em nada auxiliava a obter a verdade; estudou Teologia, sabe importante sem dúvida, todavia dispensável, pois desde que tenhamos fé em Deus, nossa salvação estará assegurada; estudou Filosofia e, sobre essa, chegou a uma triste conclusão: a história da filosofia nos mostrava de que não existia nada de tão absurdo que já não tivesse sido afirmado alguma vez por algum filósofo. Em todas as disciplinas que estuda, a exceção da matemática, cuja aplicabilidade a problemas concretos somente se dará a partir e por causa de Descartes, constata ele que a cultura em geral não oferece nenhum saber que seja isento de dúvidas e útil para vida. Cabe portanto, concluir Descartes reformar o conhecimento e fundamentá-lo a partir de novas e sólidas bases. Tal é a tarefa que será delineada no Discurso do Método e buscada por toda a vida de Descartes.Para obter esse resultado, Descartes elabora um método que consta de quatro regras: 1) Não aceitar nada que não seja evidente e evitar a prevenção e a precipitação; 2) Dividir um problema em tantas partes quantas forem possíveis e necessárias, a chamada regra da análise; 3) Conduzir o pensamento por ordem, partindo dos objetos mais simples para os mais complexos, a chamada regra da síntese; 4) Efetuar enumerações tão completas de modo a ter certeza de nenhum elemento ter sido esquecido.Aplicando esse método aos objetos culturais, quais deles podem ser ditos tão evidentes que não possam ser colocados em dúvida? Todos os dados dos sentidos podem nos enganar; da mesma forma todos os objetos da razão igualmente o podem.... nada existe que seja dado ao homem que não posso ser posto em dúvida; todavia, se de tudo podemos duvidar, não podemos duvidar do fato de estarmos duvidando. Ou seja, em toda a dúvida está presente a certeza do sujeito que duvida; ora constata Descartes, se duvido pelo e, se penso logo existo. O conhecimento não deverá pois ser construído a partir de certezas externas, sempre falíveis, mas sim da única certeza indubitável, a certeza do Cogito.Certo, poderemos argumentar contra Descartes, mas e daí? Como sair da certeza do solipsismo para a certeza dos objetos do mundo? Analisando o que nos dá essa certeza inicial Podemos constatar que somos uma substância cuja essência consiste no pensamento, o que significa que que não existe uma união necessária entre o corpo e o espírito, já que é possível duvidar de que tenhamos um corpo, mas não uma razão pensante. Essa razão pensante, na medida em que duvida se descobre como imperfeita. Ora, nos diz Descartes, de onde vem essa idéia de perfeição? Não pode vir dos objetos do mundo na medida em que aí não a encontramos; não pode ter sido criada por nós, pois somos imperfeitos e, no entanto, a temos. Como se pergunta Descartes? Só pode ser uma idéia inata, impressa em nós por aquele que nos criou – Deus. Da existência de Deus, ser criador dotado de todas as perfeições, não é possível que nos enganemos sempre, pois aí o ser perfeito teria criado algo absolutamente imperfeito. Logo, a única coisa que nos impede de conhecer a verdade é não procedermos de forma metódica.No Discurso do Método, Descartes parte da certeza inicial do sujeito pensante, nela descobre Deus como ideia inata, dai conclui a impossibilidade do erro absoluto e propõe como forma de superação a adoção das regras metodológicas Temos assim o saber fundado agora na subjetividade humana e não mais no ser. Quando for possível a essa subjetividade, e esse é o processo da evolução da ciência moderna, apenas com base em regras metodológicas constituir a verdade, deus se tornará desnecessário ao saber, sendo recolhida aos recônditos da subjetividade humana.Descartes abre assim o caminho para o desencantamento do mundo. Acesse www.neurosehomossexual.com.br ou mande e-mail para magnuscampos@yahoo.com.br ou entre em contacto através de meu celular - (011) 7283.8959 - Magnus Amaral Campos - médico devidamente inscrito no CREMESP sob número 36.185 . Feliz Ano Novo ! Feliz Novo Milênio !






Shvoong HomeHumanidadesFilosofiaA LUZ ! A UNIÃO DO CORPO COM A ALMA !

A Luz ! A União Do Corpo Com A Alma !

Autor :MAGNUS AMARAL CAMPOS SeguinteAnt. Resumo de MAGNUS AMARAL CAMPOS (palavras: 600, Visitas: 168) Publicado em: domingo, 17 de junho de 2007 (59 Crítica) Leia um resumen recomendado Traduzir Resumo Ligação para o seu resumo no Shvoong. Envie a um amigo! Report Violation



ATENÇÃO ! NÃO LEIA ESTE ABSTRATO CASO NÃO QUEIRA SE VER LIVRE DE UMA NEUROSE ! VAI HAVER REBAIXAMENTO DA LIBIDO !

O movimento do corpo do ser humano deve ser absolutamente ZERO ! O ser humano não deve apresentar NENHUM MOVIMENTO INVOLUNTÁRIO ! QUALQUER MOVIMENTO INVOLUNTÁRIO FAZ PARTE DO SENTIMENTO ! E, por definição, se o organismo SENTIU é pelo fato de ter PENSADO ANTERIORMENTE ! Assim , não há como haver NENHUM TIPO DE SENTIMENTO QUE NÃO TENHA SIDO PREVIAMENTE PENSADO ! OS DESEJOS SEXUAIS, principalmente , SÃO PENSADOS ANTES DE SEREM SENTIDOS ! Isso significa que quando uma pessoa tem um DESEJO SEXUAL QUE PARA ELA SEJA INCÔMODO, por exemplo o DESEJO HOMOSSEXUAL, em homens , CARACTERIZADO PELO DESEJO DE SER PENETRADO, ESSE SINTOMA FOI PRECEDIDO DE UM PENSAMENTO ! Assim, quando a pessoa sentir DESEJO de ser penetrado, esse DESEJO não pode brotar do nada . Ele é necessariamente precedido por um PENSAMENTO QUE LEVOU A ESSE TIPO DE SENTIMENTO. O que o ser humano estava PENSANDO ANTES DESSE SINTOMA APARECER, ou seja , O PENSAMENTO IMEDIATAMENTE ANTERIOR AO SENTIMENTO é o que faz o aparecimento do DESEJO. Daí Immanuel Kant ter - se utilizado da frase : - " O PENSAMENTO SUBJETIVO É PENSADO ANTES DE SER SENTIDO ". Quando a pessoa tiver um DESEJO HOMOSSEXUAL, ou SEXUAL, ou QUALQUER OUTRO SINTOMA, DEVE VOLTAR ATRÁS EM SEU RACIOCÍNIO E LEMBRAR NO QUE ESTAVA PENSANDO E O QUE ESTAVA SENTINDO COM ESSE TIPO DE RACIOCÍNIO. O fato de ela CONECTAR o PENSAMENTO COM O SENTIMENTO é o suficiente para que qualquer sintomatologia NEURÓTICA DESAPAREÇA em cerca de três semanas . Se a pessoa vai-se masturbar posteriormente é coisa de pouca importância. Não deve ser feita A REPRESSÃO SEXUAL CONSCIENTE . É irrelevante para o caso em testilha ! A pessoa pode fazer o que bem entender DEPOIS DE TER FEITO A CONEXÃO DO CORPO COM A ALMA , APÓS TER FEITO A UNIÃO DO CORPO COM A ALMA , DO PENSAMENTO COM O SENTIMENTO QUE RENÉ DESCARTES DISSE QUE NÃO ERA IMPOSSÍVEL DE SER FEITA , MAS QUE ELE NÃO HAVIA CONSEGUIDO. É essa UNIÃO que SCHILLER disse SER IMPOSSÍVEL DE SER FEITA, ALÉM DE ARISTÓTELES E SPINOZA, QUE NÃO CONSEGUIRAM FAZER. ESSA A UNIÃO DO PENSAMENTO ( ALMA ) COM O SENTIMENTO ( CORPO ) QUE EU HAVIA PROMETIDO PARA O SCHVOONG E PARA TODOS VOCÊS HÁ ALGUM TEMPO. PRATICAMENTE NINGUÉM SABE FAZER ESSA ASSOCIAÇÃO QUE É FEITA APENAS POR ALGUMAS PESSOAS EM TODO O MUNDO E QUE VAI PERMITIR QUE CERCA DE 8% DAS PESSOAS ( calculo eu ) venham a ficar ANOS LUZ de distância dos seres humanos " normais ", pois agora, além de saber o funcionamento do cérebro de trás para a frente , como todos os seres humanos fazem , vocês acabaram de aprender como se faz essa movimentação de FRENTE PARA TRÁS que ninguém sabia fazer . Immanuel Kant e Arthur Schopenhauer parece terem chegado perto de fazer tal associação, mas não há referências ! Assina - Magnus Amaral Campos - médico devidamente registrado no CREMESP sob número 36.185 e que disputará , ano que vem em 2.008, as eleições ao Egrégio Órgão de Classe . Feliz Ano Novo para todos vocês ! Assina - Magnus amaral Campos - CRMESP - 36.185 201.20.228.75 04h18min de 11 de Outubro de 2007 (UTC)

Obtido em "http://pt.wikipedia.org/wiki/Discuss%C3%A3o:Ren%C3%A9_Descartes"

Sigmund Freud perdeu-se um pouco por ter-se deixado guiar pelo DESEJO ALEGRE de Nietzsche. Sempre que houver CONFLITO entre DESEJO e MORAL há de fazer a ABRAÇÃO DO DESEJO, pois a MORAL não pode coabitar com aquilo que é chamado em psiquiatria atual de DESJO EGO DISTÔNICO , pois produz " tremeliques " ou " tilintar " dos joelhos na pessoa que está sentada ,além de produzir danos de proporções assustadoras na cabeça da pessoa. A própria WIKIPÉDIA já admite que Nietzsche teve de fato uma desagregação mais por causa de uma neurose de que era portador do que de uma SÍFILIS que tivesse tido. Essa NEUROSE não tratada que é onde Freud não conseguiu acabar com o DESEJO é que é tão deletério para o ser humano. Eu acabei com esse DESEJO fazendo a UNIÃO do CORPO com a ALMA sempre que haja SINAIS OU SINTOMAS . Acabou a era de Freud. Se o pai da psicanálise não conseguiu sair de sua própria neurose, eu consegui para ele. Mais . Mentiu para toda a raça humana pois tinha uma NEUROSE que tentou encobrir até o fim de seus dias e que foi denunciada por mim e por Carl Gustav JUNG. Meu artigo - " 2.467 erros" pode ser lido no http://www.shvoong.com . Assina - Magnus Amaral Campos - CRMESP - 36.185 201.20.228.75 05h59min de 11 de Outubro de 2007 (UTC)

leia-se ABLAÇÃO DO DESEJO na frase acima. Assina - Magnus Amaral Campos - CRMESP - 36.185201.20.228.75 06h00min de 11 de Outubro de 2007 (UTC)

Hmmm...Realmente tem muitas marcas de opinião pessoal neste artigo. A psicanálise freudiana causou tamanho impacto, para o bem e para o mal, que defesas e acusações acabam sendo mais apaixonadas que rigorosas, impedindo a construção de um texto enciclopédico. Afirmações como "freud estava errado" são não só tendenciosas como perniciosas a qualquer interesse educativo.Sugiro que acreditemos na capacidade de discernimento dos leitores da wikipedia e busquemos apresentar as teorias de freud, as de seus críticos e até mesmo as nossas, nos espaços cabíveis, mas reservemos o juízo final ao leitor.O que resta mesmo é discutirmos por cá, nos policiarmos e não temer sugerir alterações. Falando nisso...Eu queria sugerir a discussão do uso de termos como 'descoberta' em relação aos construtos teóricos da psicanálise. A psicanálise, ao meu ver, não foi uma descoberta, mas um resultado do trabalho de Freud,e de sua abstração sobre os dados encontrados. Não é menos científica, ou tem menos valor, por isso. Propus a alteração de um trecho, onde se lia "freud descobriu o ego, o superego e o id" por "freud passou a adotar os conceitos de ego..." Não acho que alcancei o objetivo que eu mesmo me tinha proposto ainda(... está bem, eu sei,isso parece meio bobo)e queria aqui abrir espaço para discussão. O que vocês acham?


Acredito que somente escrevam aqui pessoas com o Ego inflado e que se acham donas absolutas da verdade. Exemplo disso são os textos ( ou seriam sermões religiosos?) do médico, Sr. Magnus. Me Parece um pseudo-intelectual.

Luis Augusto

Revisão de Freud[editar código-fonte]

Estou começando uma leitura da biografia de Freud e procurarei em seguida melhorar e acrescentar informações, etc. Uma primeira coisa que vejo é a possível irrelevância dos "pacientes" e os "discípulos" de Freud. Gostaria da opinião de alguém que fez e acompanha o artigo. Obrigado, Gots (discussão) 14h15min de 2 de Outubro de 2008 (UTC)

Revisando: A Morávia pertencia ao Império Austro-Húngaro quando Freud nasceu. Talvez seja interessante colocar a troca de correspondência com Einstein. Não entendi o Leibniz alí no começo. São as idéias, não?, que influenciaram Freud. A controvérsia dura do sec. XIX aos dias de hoje. Acho desnecessário colocar críticas de Freud na biografia dele, há outros espaços para isso como em Popper. Ele nasceu "Sigismund". Freud não fugiu, ele queria ficar em Viena - Maria Bonaparte que "comprou" a sua saída. Alguns familiares de Freud ficaram para trás. Há sim algum material da infância e adolescência de Freud, cartas a Silbertein (seu amigo da época), por exemplo. Há o subtítulo "Maturidade", mas que alcança até a celhice de Freud - talvez seja interessante colocar outros subtítulos. Bem, essa parte achei legal. Acho que se referiram à divisão do "aparelho psíquico", e a tradução de "id", "ego" e "superego" tem sido bastante criticada, porque o termo em alemão é Es, que passou para id (termo latino) devido a uma série de interesses editoriais na Inglaterra (de Jones). Defendo a retirada dos pacientes de Freud, assim como os discípulos. Acho que não vem ao caso da biografia dele, a não ser os seus contatos mais íntimos, como Adler, Jung, Ferenczi... Mas colocaram até Saussure! Gots (discussão) 18h26min de 7 de Outubro de 2008 (UTC)

Vamos ver se é difícil ou fácil editar por aqui... 200.160.70.34 (discussão) 16h25min de 17 de Novembro de 2008 (UTC) Estou trabalhando por aqui... Aqui é o Gots (discussão) 16h32min de 17 de Novembro de 2008 (UTC)

Texto removido do artigo[editar código-fonte]

"Além do mais, para testar a veracidade do "Édipo" de Freud pelo método de "falseamento" de Popper, teríamos de fazer uma entrevista com as crianças nascidas no mundo desde a criação da psicanálise, para verificar se todas elas desenvolveram o complexo de Édipo. E essa, obviamente, é uma tarefa impossível do ponto de vista empiríco. (esta parte não faz sentido, visto que para verificar a falsidade do complexo de Édipo basta apenas e só encontrar um ser humano no qual isto não aconteça, da mesma forma que se um objecto não cai-se (por um factor inacto) deitaria por terra a teoria que nos diz que existe uma força de atracção entre todos os corpos a que designamos de gravidade)"

Me parece realmente estranho que para provar uma teoria não se possa fazê-lo por amostragem. Da forma como está escrito fica impossível "do ponto de vista empírico" provar qualquer tese. FláviaCMsg 10h02min de 13 de janeiro de 2009 (UTC)

Você tem razão, Flávia... e nem cabe no termo "Freud". Gots (discussão) 14h05min de 17 de janeiro de 2009 (UTC)

Hmmm. Pesquisa inédita? RafaAzevedo msg 14h20min de 17 de janeiro de 2009 (UTC)

Tradução a partir da Wiki Fr[editar código-fonte]

Posso contrtibuir à expansão do artigo sobre Freud a partir da Wiki Fr[1]. Mas acho importantissimo que outras pessoas conhecendo francês, ingles, alemão ou espanhol, etc, ajudem a melhorá-lo. Pedidos como este existem desde 2005!Eliezer (discussão) 10h06min de 29 de abril de 2010 (UTC)

Religião Judaica[editar código-fonte]

Freud foi uma pessoa sem religião. Para verificar, basta ler o livro O Futuro de uma Ilusão http://pt.wikipedia.org/wiki/O_futuro_de_uma_ilus%C3%A3o. Veja também Moisés e o Monoteísmo http://livraria.folha.com.br/catalogo/1094997/moises-e-o-monoteismo-esboco-de-psicanalise-e-outros-trabalhos-vol-23. Não considero correto afirmar que Freud era judeu. Embora ele tenha sido criado/educado pelos pais que eram da religião judaica. Retirei a indicação de "etnia" da coluna da direita e a da primeira frase do artigo. Saudações.

Paulo Francisco Slomp. Paulo Francisco Slomp (discussão) 16h44min de 8 de setembro de 2012 (UTC)

Re: Discordo de você, Paulo Francisco Slomp. Não completamente, pois está correto em afirmar que Freud não seguia o judaísmo (a religião), pois ele era ateu. Mas ele era judeu no que se refere à etnia. Ele próprio se considerava um judeu alemão. Essa definição envolve todo um contexto histórico e cada um pode interpretar à sua maneira. Mas eu interpreto assim: por ter nascido num país germânico, ele adquiriu a língua, a cultura, os modos e a educação germânica, mas etnicamente ele nunca deixaria de ser judeu. Para um país multiétnico como o Brasil ou os EUA, essa consideração pode não fazer muito sentido, por serem muito miscigenados. Mas na Europa de 1938, isso era uma questão vital. Nós precisamos compreender o que significa etnia. Isso não tem a ver com, por exemplo, a cor da pele, pois existem muitos africanos que não são negros. Os germânicos e os eslavos têm um biotipo quase idêntico, mas etnias distintas. Os judeus na época não tinham uma pátria, pois Israel pertencia aos ingleses. Mas o grupo étnico era numeroso e disperso por todo o mundo. Existe uma famosa entrevista de Freud para George Sylvester Viereck em que ele afirma: "Minha língua é o alemão. Minha cultura, minha realização é alemã. Eu me considero um intelectual alemão, até perceber o crescimento do preconceito anti-semita na Alemanha e na Áustria. Desde então prefiro me considerar judeu." Veja no endereço deluco.blogspot.com.br/2012/09/os-ultimos-momentos-de-freud.html

Também discordo do texto a parte que dizia (e eu já modifiquei): "Era excelente aluno, porém, por ser judeu, só poderia escolher entre os cursos de Direito ou Medicina, optando por este último.[6]" De forma alguma! Inclusive a citação aponta para um texto que não fala disso em nenhum momento. Existiam judeus de todas as profissões na Áustria e Alemanha da época. Conforme escrito no livro FREUD - UMA VIDA PARA O NOSSO TEMPO de Peter Gay (página 562): "Os juízes, burocratas, industriais, banqueiros, professores, jornalistas e músicos judeus..." e (página 561): "... este incidente não foi o único [entre os judeus]: em abril, um engenheiro Isidor Pollack..."

O texto da Wikipedia em iglês traz assim: Freud went to the University of Vienna aged 17. He had planned to study law, but instead joined the medical faculty at the University of Vienna where his studies included philosophy under Franz Brentano, physiology under Ernst Brücke and zoology under Darwinist Professor Karl Claus.[11] In 1876 Freud spent four weeks at Claus's zoological research station in Trieste, dissecting hundreds of eels in an inconclusive search for their male reproductive organs. He graduated with an MD in 1881.

e o texto em Espanhol traz assim: A pesar de que su familia atravesó grandes dificultades económicas, sus padres se esforzaron para que obtuviera una buena educación y en 1873, cuando contaba con 17 años, Freud ingresó en la Universidad de Viena como estudiante de medicina en un ambiente de antisemitismo creciente. En 1877, abrevió su nombre de Sigismund Freud a Sigmund Freud. Estudiante poco convencional pero brillante, fue asistente del profesor E. Brücke en el Instituto de Fisiología de Viena entre 1876 y 1882.6 En 1880 conoció al que sería su colaborador Joseph Breuer.

Bruno Coutinho. Bruno Coutinho (discussão) 12h49min de 6 de outubro de 2012 (UTC)

Bloquear[editar código-fonte]

Sugiro que permitam apenas edições de usuários autoconfirmados. Renan Rabbit (discussão) 13h02min de 6 de maio de 2016 (UTC)

Fusão Sigmund Freud; Zur Psychopathologie des Alltagslebens