Dissociação (psicologia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados para dissociação, veja Dissociação (desambiguação).
Dissociação
Especialidade psiquiatria
Classificação e recursos externos
CID-10 F44
CID-9 300.12
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

A dissociação, como um conceito que tem sido desenvolvido ao longo do tempo na psicologia, descreve uma grande variedade de experiências que podem variar desde um leve desapego emocional do entorno imediato, até uma desconexão mais severa das experiências físicas e emocionais. A principal característica de todos os fenômenos dissociativos envolve um distanciamento da realidade, ao invés de uma perda da realidade como na psicose.[1][2][3][4]

Os fenômenos são diagnosticados sob o DSM-5 como um grupo de distúrbios, bem como um sintoma de outros distúrbios, através de várias ferramentas de diagnóstico.[5][6] Acredita-se que sua causa esteja relacionada a mecanismos neurobiológicos, trauma, ansiedade e drogas psicoativas. Pesquisas ainda relacionaram a dissociação à sugestionabilidade e a hipnose, e está inversamente relacionada à atenção plena, que é um potencial tratamento.

História[editar | editar código-fonte]

O filósofo e psicólogo francês Pierre Janet (1859—1947) é considerado o autor do conceito de dissociação.[7] Ao contrário de algumas concepções de dissociação, Janet não acreditava que a dissociação fosse uma defesa psicológica.[8][9]

Os mecanismos de defesa psicológica pertencem à teoria da psicanálise de Sigmund Freud, não à psicologia de Janet. Janet afirmou que a dissociação ocorria apenas em pessoas que tinham uma fraqueza constitucional de funcionamento mental que levava à histeria quando estavam estressadas. Embora seja verdade que muitos dos casos de estudo de Janet descrevem experiências traumáticas, ele nunca considerou a dissociação como uma defesa contra essas experiências. Muito pelo contrário: Janet insistiu que a dissociação era um déficit mental ou cognitivo. Assim, ele considerou o trauma como um dos muitos fatores de estresse que poderiam piorar a já prejudicada "deficiência mental" de um histérico, gerando assim uma cascata de sintomas histéricos (na linguagem de hoje, "dissociativos")[7][10][11][12]

Embora tenha havido grande interesse pela dissociação durante as duas últimas décadas do século XIX (especialmente na França e na Inglaterra), esse interesse diminuiu rapidamente com a chegada do novo século.[7] Até mesmo Janet voltou sua atenção para outros assuntos.

Houve um forte pico no interesse pela dissociação nos Estados Unidos de 1890 a 1910, especialmente em Boston, conforme refletido nas obras de William James, Boris Sidis, Morton Prince e William McDougall. No entanto, mesmo nos Estados Unidos, o interesse pela dissociação rapidamente sucumbiu ao crescente interesse acadêmico pela psicanálise e pelo behaviorismo.

Durante a maior parte do século XX, houve pouco interesse na dissociação. Apesar disso, uma revisão de 76 casos anteriormente publicados dos anos 1790 a 1942 foi publicada em 1944, descrevendo fenômenos clínicos consistentes com o que foi visto por Janet e pelos terapeutas de hoje.[13] Em 1971, Bowers e seus colegas[14] apresentaram um artigo de tratamento detalhado e ainda bastante válido. Os autores deste artigo incluíam os principais pensadores de seu tempo — John G. Watkins (que desenvolveu a terapia do estado do ego) e Zygmunt A. Piotrowski (famoso por seu trabalho no teste de Rorschach). Mais interesse na dissociação foi evocado quando Ernest Hilgard (1977) publicou sua teoria da neodissociação na década de 1970. Durante as décadas de 1970 e 1980, um número crescente de médicos e pesquisadores escreveu sobre dissociação, particularmente sobre o transtorno de personalidade múltipla.[15]

Carl Jung descreveu as manifestações patológicas de dissociação como casos especiais ou extremos do funcionamento normal da psique. Essa dissociação estrutural, tensão oposta e hierarquia de atitudes e funções básicas na consciência individual normal é a base dos Tipos Psicológicos de Jung.[16] Ele teorizou que a dissociação é uma necessidade natural da consciência para operar em uma faculdade sem ser prejudicada pelas exigências de seu oposto.

A atenção à dissociação como característica clínica vem crescendo nos últimos anos à medida que o conhecimento sobre o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) aumentou, devido ao interesse no transtorno dissociativo de identidade (TDI) e à medida que pesquisas em neuroimagem e estudos populacionais mostram sua relevância.[17]

Historicamente, o conceito psicopatológico de dissociação também tem outra raiz diferente: a conceituação de Eugen Bleuler, que analisa a dissociação relacionada à esquizofrenia.[18]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Transtorno dissociativo

A dissociação é comumente exibida em um contínuo.[19] Em casos leves, a dissociação pode ser considerada como um mecanismo de enfrentamento ou mecanismo de defesa na busca de dominar, minimizar ou tolerar o estresse — incluindo tédio ou conflito.[20][21][22] No final não patológico do contínuo, a dissociação descreve eventos comuns, como devaneios. Mais adiante no contínuo estão os estados alterados de consciência não patológicos.[19][23][24]

A dissociação mais patológica envolve transtornos dissociativos, incluindo fuga dissociativa e transtorno de despersonalização com ou sem alterações na identidade pessoal ou senso de si mesmo. Essas alterações podem incluir: uma sensação de que o "eu" ou o mundo é irreal (despersonalização e desrealização), uma perda de memória (amnésia), o esquecimento da identidade ou a assunção de um novo "eu" (fuga) e fluxos separados de consciência, identidade e o "eu" (transtorno dissociativo de identidade, anteriormente denominado transtorno de personalidade múltipla) e transtorno de estresse pós-traumático complexo.[25][26] Embora algumas rupturas dissociativas envolvam amnésia, outros eventos dissociativos não envolvem.[27] Os transtornos dissociativos são tipicamente experimentados como intrusões surpreendentes e autônomas nas formas usuais de resposta ou funcionamento da pessoa. Devido à sua natureza inesperada e em grande parte inexplicável, eles tendem a ser bastante perturbadores.

Os transtornos dissociativos às vezes são desencadeados por trauma, mas podem ser precedidos apenas por estresse, substâncias psicoativas ou um gatilho não identificável.[28] A CID-10 classifica o transtorno de conversão como um transtorno dissociativo.[19] O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais agrupa todos os transtornos dissociativos em uma única categoria e reconhece a dissociação como um sintoma de transtorno de estresse agudo, transtorno de estresse pós-traumático e transtorno de personalidade borderline.[29]

O diagnóstico errado é comum entre as pessoas que apresentam sintomas de transtornos dissociativos, com uma média de sete anos para receber o diagnóstico e tratamento adequados. Pesquisas estão em andamento sobre etiologias, sintomatologia e ferramentas de diagnóstico válidas e confiáveis.[6] Na população geral, as experiências dissociativas que não são clinicamente significativas são altamente prevalentes, com 60% a 65% dos entrevistados indicando que tiveram algumas experiências dissociativas.[30]

Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais[editar | editar código-fonte]

Os diagnósticos listados no DSM-5 são transtorno dissociativo de identidade, amnésia dissociativa, transtorno de despersonalização/desrealização, outro transtorno dissociativo especificado e transtorno dissociativo não especificado. A lista de transtornos dissociativos disponíveis listados no DSM-5 mudou do DSM-IV-TR, pois os autores removeram o diagnóstico de fuga dissociativa, classificando-o como um subtipo de amnésia dissociativa. Além disso, os autores reconheceram a desrealização no mesmo nível diagnóstico de despersonalização com a oportunidade de diferenciação entre as duas.[5][31]

O DSM-IV-TR considera sintomas como despersonalização, desrealização e amnésia psicogênica como características centrais dos transtornos dissociativos.[5] O DSM-5 carregava esses sintomas e os descrevia como positivos e negativos. Os sintomas positivos incluem intrusões indesejadas que alteram a continuidade das experiências subjetivas, o que explica os dois primeiros sintomas listados anteriormente com a adição de fragmentação da identidade. Os sintomas negativos incluem perda de acesso à informação e funções mentais que normalmente são de fácil acesso, o que descreve amnésia.[5][31]

Dissociação peritraumática[editar | editar código-fonte]

A dissociação peritraumática é considerada a dissociação que é experimentada durante e imediatamente após um evento traumático.[32][33][34] Pesquisas relacionadas ao seu desenvolvimento, sua importância e sua relação com trauma, transtornos dissociativos e predição do desenvolvimento de TEPT estão em andamento.[32][33][35][34]

Medidas[editar | editar código-fonte]

Duas das ferramentas de triagem mais usadas na comunidade são a Escala de Experiências Dissociativas e o Inventário de Dissociação Multiescala.[6][36][37] Enquanto isso, a Entrevista Clínica Estruturada para o DSM-IV – Transtornos Dissociativos (SCID-D) e sua segunda iteração, a SCID-DR, são entrevistas semiestruturadas e são consideradas ferramentas diagnósticas psicometricamente fortes.[6][38]

Outras ferramentas incluem o Office Mental Status Examination (OMSE),[39] que é usado clinicamente devido à subjetividade inerente e à falta de uso quantitativo.[6] Há também o Dissociative Disorders Interview Schedule (DDSI), que carece de clareza substantiva para diagnósticos diferenciais.[6]

A dissociação peritraumática é medida por meio da Escala Dissociativa Peritraumática.[40][33]

Etiologia[editar | editar código-fonte]

Mecanismo neurobiológico[editar | editar código-fonte]

Pesquisas preliminares sugerem que eventos indutores de dissociação e drogas como cetamina e convulsões geram atividade rítmica lenta (1-3 Hz) nos neurônios da camada 5 do córtex posteromedial em humanos (córtex retroesplenial em camundongos). Essas oscilações lentas desconectam outras regiões do cérebro da interação com o córtex posteromedial, o que pode explicar a experiência geral de dissociação.[41]

Trauma[editar | editar código-fonte]

A dissociação tem sido descrita como uma constelação de sintomas experimentados por algumas vítimas de múltiplas formas de trauma infantil, incluindo abuso físico, psicológico e sexual.[42][43] Isso é apoiado por estudos que sugerem que a dissociação está correlacionada com uma história de trauma.[44]

A dissociação parece ter uma alta especificidade e uma baixa sensibilidade para ter uma história autorrelatada de trauma, o que significa que a dissociação é muito mais comum entre aqueles que estão traumatizados, mas ao mesmo tempo há muitas pessoas que sofreram trauma, mas que não apresentam sintomas dissociativos.[45]

A dissociação de adultos, quando combinada com uma história de abuso infantil e transtorno de estresse pós-traumático relacionado à violência interpessoal, demonstrou contribuir para distúrbios no comportamento dos pais, como a exposição de crianças pequenas à mídia violenta. Tal comportamento pode contribuir para ciclos de violência familiar e trauma.[46]

Os sintomas de dissociação resultantes do trauma podem incluir despersonalização, entorpecimento psicológico, desengajamento ou amnésia em relação aos eventos do abuso. Foi levantada a hipótese de que a dissociação pode fornecer um mecanismo de defesa temporariamente eficaz em casos de trauma grave; no entanto, a longo prazo, a dissociação está associada à diminuição do funcionamento e ajuste psicológico.[43]

Outros sintomas às vezes encontrados junto com a dissociação em vítimas de abuso traumático (muitas vezes referido como "sequelas de abuso") incluem ansiedade, TEPT, baixa autoestima, somatização, depressão, dor crônica, disfunção interpessoal, abuso de substâncias, automutilação e ideação ou ações suicidas.[42][43][47] Esses sintomas podem levar a vítima a apresentar os sintomas como a fonte do problema.[42]

O abuso infantil, especialmente o abuso crônico iniciado em idades precoces, tem sido relacionado a altos níveis de sintomas dissociativos em uma amostra clínica,[48] incluindo amnésia para memórias de abuso.[49] Também se viu que as meninas que sofreram abusos durante sua infância tiveram maior pontuação de dissociação do que os meninos que relataram a dissociação durante sua infância.[50] Uma amostra não clínica de mulheres adultas associou níveis elevados de dissociação ao abuso sexual por uma pessoa significativamente mais velha antes dos 15 anos,[51] e a dissociação também foi correlacionada com uma história de abuso físico e sexual na infância.[52] Quando o abuso sexual é examinado, os níveis de dissociação aumentam junto com a gravidade do abuso.[53]

Um artigo de revisão de 2012 sustenta a hipótese de que traumas atuais ou recentes podem afetar a avaliação de um indivíduo sobre o passado mais distante, alterando a experiência do passado e resultando em estados dissociativos.[54]

Substâncias psicoativas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Droga dissociativa

As drogas psicoativas muitas vezes podem induzir um estado de dissociação temporária. As substâncias com propriedades dissociativas incluem cetamina, óxido nitroso, álcool, tiletamina, anfetamina, dextrometorfano, MK-801, PCP, metoxetamina, sálvia, muscimol, atropina, ibogaína e minociclina.[55]

Correlações[editar | editar código-fonte]

Hipnose e sugestionabilidade[editar | editar código-fonte]

Há evidências que sugerem que a dissociação está correlacionada com a sugestionabilidade hipnótica, especificamente com sintomas dissociativos relacionados ao trauma. No entanto, a relação entre dissociação e sugestionabilidade hipnótica parece ser complexa e indica que mais pesquisas são necessárias.[56][57]

Aspectos da hipnose incluem absorção, dissociação, sugestionabilidade e disposição para receber instruções comportamentais de outras pessoas.[58] Tanto a sugestionabilidade hipnótica quanto a dissociação tendem a ser menos conscientes, e a hipnose é usada como uma modalidade de tratamento para dissociação, ansiedade, dor crônica, trauma e muito mais.[58][59] Diferença entre hipnose e dissociação: uma é sugerida, imposta pelo próprio ou por outro, o que significa que a dissociação é geralmente uma alteração mais espontânea da consciência.[60]

Atenção plena e meditação[editar | editar código-fonte]

A atenção plena e a meditação mostraram uma relação inversa especificamente com a dissociação relacionada à reexperiência do trauma devido à falta de consciência presente inerente à dissociação.[32][34] Os episódios de reexperiência podem incluir qualquer coisa entre ilusões, distorções na realidade percebida e desconexão do momento presente.[32][34] Acredita-se que a natureza da dissociação como enfrentamento de evitação ou mecanismo de defesa relacionado ao trauma inibe a resolução e a integração.[34]

A atenção plena e a meditação também podem alterar o estado de consciência do momento presente; no entanto, ao contrário da dissociação, ela é usada clinicamente para trazer maior consciência ao estado atual de ser de um indivíduo. Elas conseguem isso por meio do aumento da capacidade de autorregular a atenção, a emoção e a excitação fisiológica, manter a continuidade da consciência e adotar uma abordagem aberta e curiosa para a experiência presente.[34] Na prática, a consciência não julgadora mostrou uma relação positiva com sintomas mais baixos de prevenção do TEPT, o que pode estar relacionado a maiores oportunidades de sucesso com a terapia de exposição e redução dos sintomas de TEPT de hipervigilância, reexperiência e supergeneralização de medos.[61][34]

Ao usar a atenção plena e a meditação com pessoas que expressam sintomas de trauma, é crucial estar ciente dos possíveis gatilhos de trauma, como o foco na respiração. Muitas vezes, uma sessão de meditação começará com atenção focada e passará para monitoramento aberto. Com sintomas de trauma grave, pode ser importante iniciar o treinamento de meditação e uma sessão individual na consciência periférica, como os membros.[34] Além disso, os sobreviventes de traumas frequentemente relatam sentir-se entorpecidos como uma proteção contra os ativadores e lembretes de trauma, que muitas vezes são dolorosos, tornando uma boa prática iniciar todos os treinamentos nos membros como uma exposição gradual às sensações corporais. Fazer isso também aumentará o apego físico ao momento presente e a sensação de enfrentamento, aumentando assim a tolerância a lembretes de trauma e diminuindo a necessidade e o uso da dissociação.[34]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Ao receber o tratamento, os pacientes são avaliados para descobrir seu nível de funcionamento. Alguns pacientes podem ter um nível de funcionamento superior a outros. Isto é levado em consideração ao criar os potenciais alvos de tratamento de um paciente. Para iniciar o tratamento, o tempo é dedicado a aumentar o nível mental e as ações adaptativas do paciente, a fim de obter um equilíbrio tanto em sua ação mental quanto comportamental. Uma vez alcançado este objetivo, o próximo é trabalhar na remoção ou minimização da fobia criada pelas memórias traumáticas, que está causando a dissociação do paciente. A etapa final do tratamento inclui ajudar os pacientes a lidar com sua dor para seguir em frente e ser capaz de se envolver em suas próprias vidas. Isso é feito com o uso de novas habilidades de enfrentamento adquiridas através do tratamento.[62] Uma habilidade de enfrentamento que pode melhorar a dissociação é a atenção plena devido à introdução de permanecer na consciência presente enquanto observa sem julgamento e aumenta a capacidade de regular as emoções.[63] Especificamente em adolescentes, a atenção plena demonstrou reduzir a dissociação após praticá-la por três semanas.[64]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Dell PF (março de 2006). «A new model of dissociative identity disorder». The Psychiatric Clinics of North America. 29 (1): 1–26, vii. PMID 16530584. doi:10.1016/j.psc.2005.10.013 
  2. Butler LD, Duran RE, Jasiukaitis P, Koopman C, Spiegel D (julho de 1996). «Hypnotizability and traumatic experience: a diathesis-stress model of dissociative symptomatology». The American Journal of Psychiatry. 153 (7 Suppl): 42–63. PMID 8659641. doi:10.1176/ajp.153.8.A42 
  3. Gleaves DH, May MC, Cardeña E (junho de 2001). «An examination of the diagnostic validity of dissociative identity disorder». Clinical Psychology Review. 21 (4): 577–608. PMID 11413868. doi:10.1016/s0272-7358(99)00073-2 
  4. Dell PF (5 de junho de 2006). «The multidimensional inventory of dissociation (MID): A comprehensive measure of pathological dissociation». Journal of Trauma & Dissociation. 7 (2): 77–106. PMID 16769667. doi:10.1300/J229v07n02_06 
  5. a b c d Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. 1 Fourth, Text Revision (DSM-IV-TR) ed. [S.l.: s.n.] 2000. ISBN 0-89042-334-2. doi:10.1176/appi.books.9780890423349 
  6. a b c d e f Mychailyszyn MP, Brand BL, Webermann AR, Şar V, Draijer N (maio de 2020). «Differentiating Dissociative from Non-Dissociative Disorders: A Meta-Analysis of the Structured Clinical Interview for DSM Dissociative Disorders (SCID-D)». Journal of Trauma & Dissociation. 22 (1): 19–34. PMID 32419662. doi:10.1080/15299732.2020.1760169 
  7. a b c The Discovery of the Unconscious: The History and Evolution of Dynamic Psychiatry. New York: BasicBooks. 1970. ISBN 978-0-465-01673-0 
  8. The Mental State of Hystericals: A Study of Mental Stigmata and Mental Accidents. Washington, DC: University Publications of America. 1977 [1893/1901]. ISBN 978-0-89093-166-0 
  9. The major symptoms of hysteria. New York: Hafner Publishing Company. 1965 [1920/1929]. ISBN 978-1-4325-0431-1 
  10. Outline of abnormal psychology. New York: Charles Scribner's Sons. 1926 
  11. The Psychology of Medicine. London: Methuen. 1921. ISBN 978-0-8274-4240-5 
  12. Medical Psychology and Psychical Research. New York: E. P. Dutton. 2007 [1923]. ISBN 978-1-4067-3500-0 
  13. Taylor WS, Martin MF (1944). «Multiple Personality». The Journal of Abnormal and Social Psychology. 39 (3): 281–300. doi:10.1037/h0063634 
  14. Bowers MK, Brecher-Marer S, Newton BW, Piotrowski Z, Spyer TC, Taylor WS, Watkins JG (abril de 1971). «Therapy of multiple personality». The International Journal of Clinical and Experimental Hypnosis. 19 (2): 57–65. PMID 5549585. doi:10.1080/00207147108407154 
  15. «History of the concept of Dissociation». Dissociation and the Dissociative Disorders: DSM V and beyond. New York: Routledge. 2009 
  16. Psychological Types. [S.l.]: Routledge London. 1991. ISBN 978-0-7100-6299-4 
  17. The Body Bears the Burden: Trauma, Dissociation, and Disease. Binghamton, New York: Haworth Medical Press. 2001. pp. 97–126. ISBN 978-0-7890-1246-3 
  18. «Dissociation. Dissociative phenomena. Questions and answers». Bridging Eastern & Western Psychiatry. 1 (1): 1–134. 2003 
  19. a b c «Preface». Dissociation and the dissociative disorders: DSM-V and beyond. New York: Routledge. 2009. pp. xix–xxi 
  20. Psychology Applied to Modern Life 9 ed. [S.l.]: Wadsworth Cengage Learning. 2008. ISBN 978-0-495-55339-7 
  21. Coping: The Psychology of What Works. New York: Oxford University Press. 1999. ISBN 978-0-19-511934-3 
  22. Handbook of Coping: Theory, Research, Applications. New York: John Wiley & Sons. 1996. ISBN 978-0-471-59946-3 
  23. Dissociation: clinical and theoretical perspectives. [S.l.]: Guilford Press. 1994. ISBN 978-0-89862-186-0 
  24. «Dissociation and information processing in posttraumatic stress disorder». Traumatic stress: The effects of overwhelming experience on mind, body, and society. New York: Guilford Press. 1996. pp. 303–27 
  25. Coons PM (junho de 1999). «Psychogenic or dissociative fugue: a clinical investigation of five cases». Psychological Reports. 84 (3 Pt 1): 881–6. PMID 10408212. doi:10.2466/pr0.1999.84.3.881 
  26. Kritchevsky M, Chang J, Squire LR (1 de março de 2004). «Functional amnesia: clinical description and neuropsychological profile of 10 cases». Learning & Memory. 11 (2): 213–26. PMC 379692Acessível livremente. PMID 15054137. doi:10.1101/lm.71404 
  27. Van IJzendoorn MH, Schuengel C (1996). «The measurement of dissociation in normal and clinical populations: meta-analytic validation of the dissociative experiences scale (DES)». Clinical Psychology Review. 16 (5): 365–382. doi:10.1016/0272-7358(96)00006-2 
  28. Feeling Unreal: Depersonalization Disorder and the Loss of the Self. Oxford: Oxford University Press. 2006. ISBN 978-0195170221 
  29. American Psychiatric Association (22 de maio de 2013). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (em inglês). [S.l.]: American Psychiatric Association. ISBN 978-0-89042-555-8. doi:10.1176/appi.books.9780890425596 
  30. Waller N, Putnam FW, Carlson EB (1996). «Types of dissociation and dissociative types: A taxometric analysis of dissociative experiences.». Psychological Methods (em inglês). 1 (3): 300–321. ISSN 1939-1463. doi:10.1037/1082-989X.1.3.300 
  31. a b American Psychiatric Association (22 de maio de 2013). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (em inglês). [S.l.]: American Psychiatric Association. ISBN 978-0-89042-555-8. doi:10.1176/appi.books.9780890425596 
  32. a b c d Carlson E, Dalenberg C, McDade-Montez E (2012). «Dissociation in posttraumatic stress disorder part I: Definitions and review of research.». Psychological Trauma: Theory, Research, Practice, and Policy (em inglês). 4 (5): 479–489. ISSN 1942-969X. doi:10.1037/a0027748 
  33. a b c Marmar CR, McCaslin SE, Metzler TJ, Best S, Weiss DS, Fagan J, et al. (julho de 2006). «Predictors of posttraumatic stress in police and other first responders». Annals of the New York Academy of Sciences. 1071 (1): 1–18. Bibcode:2006NYASA1071....1M. PMID 16891557. doi:10.1196/annals.1364.001 
  34. a b c d e f g h i «Meditation and Psychotherapeutic Meditation». Dissociation, Mindfulness, and Creative Meditations. [S.l.]: Routledge. 10 de fevereiro de 2017. pp. 125–139. ISBN 978-1-315-73443-9. doi:10.4324/9781315734439-8 
  35. Otis C, Marchand A, Courtois F (1 de julho de 2012). «Peritraumatic dissociation as a mediator of peritraumatic distress and PTSD: a retrospective, cross-sectional study». Journal of Trauma & Dissociation. 13 (4): 469–77. PMID 22651680. doi:10.1080/15299732.2012.670870 
  36. Briere J, Weathers FW, Runtz M (junho de 2005). «Is dissociation a multidimensional construct? Data from the Multiscale Dissociation Inventory». Journal of Traumatic Stress. 18 (3): 221–31. PMID 16281216. doi:10.1002/jts.20024 
  37. Carlson EB, Putnam FW, Ross CA, Torem M, Coons P, Dill DL, et al. (julho de 1993). «Validity of the Dissociative Experiences Scale in screening for multiple personality disorder: a multicenter study». The American Journal of Psychiatry. 150 (7): 1030–6. PMID 8317572. doi:10.1176/ajp.150.7.1030 
  38. The validation of the DES (Dissociative Experience Scale) against the criterium of the SCID-D (Structured Clinical interview for DSM-III Dissociative Disorders, using Relative Operating Characteristic (ROC) analysis. [S.l.: s.n.] 1992. doi:10.1037/e610072012-022 
  39. Loewenstein RJ (1 de setembro de 1991). «An Office Mental Status Examination for Complex Chronic Dissociative Symptoms and Multiple Personality Disorder». Psychiatric Clinics of North America. Multiple Personality Disorder (em inglês). 14 (3): 567–604. ISSN 0193-953X. PMID 1946025. doi:10.1016/S0193-953X(18)30290-9 
  40. Candel I, Merckelbach H (janeiro de 2004). «Peritraumatic dissociation as a predictor of post-traumatic stress disorder: a critical review». Comprehensive Psychiatry. 45 (1): 44–50. PMID 14671736. doi:10.1016/j.comppsych.2003.09.012 
  41. Vesuna S, Kauvar IV, Richman E, Gore F, Oskotsky T, Sava-Segal C, et al. (outubro de 2020). «Deep posteromedial cortical rhythm in dissociation». Nature. 586 (7827): 87–94. Bibcode:2020Natur.586...87V. PMC 7553818Acessível livremente. PMID 32939091. doi:10.1038/s41586-020-2731-9 
  42. a b c Transforming Trauma: A Guide to Understanding and Treating Adult Survivors. [S.l.]: Sage Publications. 1995. ISBN 978-0-8039-5509-7 
  43. a b c The APSAC Handbook on Child Maltreatment 2nd ed. [S.l.]: Sage Publications. 2002. ISBN 978-0-7619-1992-6 
  44. van der Kolk BA, Pelcovitz D, Roth S, Mandel FS, McFarlane A, Herman JL (julho de 1996). «Dissociation, somatization, and affect dysregulation: the complexity of adaptation of trauma». The American Journal of Psychiatry. 153 (7 Suppl): 83–93. PMID 8659645. doi:10.1176/ajp.153.7.83 
  45. Briere J (fevereiro de 2006). «Dissociative symptoms and trauma exposure: specificity, affect dysregulation, and posttraumatic stress». The Journal of Nervous and Mental Disease. 194 (2): 78–82. PMID 16477184. doi:10.1097/01.nmd.0000198139.47371.54 
  46. Schechter DS, Gross A, Willheim E, McCaw J, Turner JB, Myers MM, et al. (dezembro de 2009). «Is maternal PTSD associated with greater exposure of very young children to violent media?». Journal of Traumatic Stress. 22 (6): 658–62. PMC 2798921Acessível livremente. PMID 19924819. doi:10.1002/jts.20472 
  47. Briere J (abril de 1992). «Methodological issues in the study of sexual abuse effects». Journal of Consulting and Clinical Psychology. 60 (2): 196–203. CiteSeerX 10.1.1.474.3942Acessível livremente. PMID 1592948. doi:10.1037//0022-006x.60.2.196 
  48. Merckelbach H, Muris P (março de 2001). «The causal link between self-reported trauma and dissociation: a critical review». Behaviour Research and Therapy. 39 (3): 245–54. PMID 11227807. doi:10.1016/s0005-7967(99)00181-3 
  49. Chu JA, Frey LM, Ganzel BL, Matthews JA (maio de 1999). «Memories of childhood abuse: dissociation, amnesia, and corroboration». The American Journal of Psychiatry. 156 (5): 749–55. PMID 10327909. doi:10.1176/ajp.156.5.749 
  50. Hulette AC, Freyd JJ, Fisher PA (fevereiro de 2011). «Dissociation in middle childhood among foster children with early maltreatment experiences». Child Abuse & Neglect. 35 (2): 123–6. PMC 3073131Acessível livremente. PMID 21354620. doi:10.1016/j.chiabu.2010.10.002 
  51. Briere J, Runtz M (janeiro de 1988). «Symptomatology associated with childhood sexual victimization in a nonclinical adult sample». Child Abuse & Neglect. 12 (1): 51–9. PMID 3365583. doi:10.1016/0145-2134(88)90007-5 
  52. Briere J, Runtz M (setembro de 1990). «Augmenting Hopkins SCL scales to measure dissociative symptoms: data from two nonclinical samples». Journal of Personality Assessment. 55 (1–2): 376–9. PMID 2231257. doi:10.1080/00223891.1990.9674075 
  53. Draijer N, Langeland W (março de 1999). «Childhood trauma and perceived parental dysfunction in the etiology of dissociative symptoms in psychiatric inpatients». The American Journal of Psychiatry. 156 (3): 379–85. PMID 10080552. doi:10.1016/j.biopsych.2003.08.018 
  54. Stern DB (janeiro de 2012). «Witnessing across time: accessing the present from the past and the past from the present». The Psychoanalytic Quarterly. 81 (1): 53–81. PMID 22423434. doi:10.1002/j.2167-4086.2012.tb00485.x 
  55. Drugs of Abuse 2nd ed. Los Angeles: Practice Management Information Corp. 1997. ISBN 978-1-57066-053-5 [falta página]
  56. Terhune DB, Cardeña E, Lindgren M (setembro de 2011). «Dissociated control as a signature of typological variability in high hypnotic suggestibility» (PDF). Consciousness and Cognition. 20 (3): 727–36. PMID 21147539. doi:10.1016/j.concog.2010.11.005 
  57. Wieder L, Terhune DB (maio de 2019). «Trauma and anxious attachment influence the relationship between suggestibility and dissociation: a moderated-moderation analysis» (PDF). Cognitive Neuropsychiatry. 24 (3): 191–207. PMID 30987544. doi:10.1080/13546805.2019.1606705 
  58. a b Jiang H, White MP, Greicius MD, Waelde LC, Spiegel D (agosto de 2017). «Brain Activity and Functional Connectivity Associated with Hypnosis». Cerebral Cortex. 27 (8): 4083–4093. PMC 6248753Acessível livremente. PMID 27469596. doi:10.1093/cercor/bhw220 
  59. van der Hart O (1 de dezembro de 2012). «The use of imagery in phase 1 treatment of clients with complex dissociative disorders». European Journal of Psychotraumatology. 3 (1). 8458 páginas. PMC 3402145Acessível livremente. PMID 22893843. doi:10.3402/ejpt.v3i0.8458 
  60. Farvolden P, Woody EZ (janeiro de 2004). «Hypnosis, memory, and frontal executive functioning». The International Journal of Clinical and Experimental Hypnosis. 52 (1): 3–26. PMID 14768966. doi:10.1076/iceh.52.1.3.23926 
  61. Thompson BL, Waltz J (maio de 2010). «Mindfulness and experiential avoidance as predictors of posttraumatic stress disorder avoidance symptom severity». Journal of Anxiety Disorders. 24 (4): 409–15. PMID 20304602. doi:10.1016/j.janxdis.2010.02.005 
  62. The Haunted Self: Structural Dissociation and the Treatment of Chronic Traumatization (em inglês). [S.l.]: W. W. Norton & Company. 2006. ISBN 9780393704013 
  63. Zerubavel N, Messman-Moore TL (2015). «Staying Present: Incorporating Mindfulness into Therapy for Dissociation». Mindfulness (em inglês). 6 (2): 303–314. ISSN 1868-8527. doi:10.1007/s12671-013-0261-3 
  64. Sharma T, Sinha VK, Sayeed N (2016). «Role of mindfulness in dissociative disorders among adolescents». Indian Journal of Psychiatry. 58 (3): 326–328. PMC 5100126Acessível livremente. PMID 28066012. doi:10.4103/0019-5545.192013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]