Distúrbios de Los Angeles em 1992

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Distúrbios de Los Angeles
ANG40InfantryDivisionLosAngelesRiot1992.jpg
A Guarda Nacional da Califórnia em um efetivo de 4.000 soldados foi chamada para ajudar a patrulhar as ruas durante os protestos
Período 29 de abril de 1992 (1992-04-29) – 4 de maio de 1992 (1992-05-04)
Local Condado de Los Angeles, Califórnia, Estados Unidos
Causas racismo, Violência policial
Características Distúrbios, protestos, saques, assassinatos, vandalismo
Participantes do conflito
Departamento de Polícia de Los Angeles
Departamento do Xerife do Condado de Los Angeles
Guarda Nacional da Califórnia
40ª Divisão de Infantaria dos Estados Unidos
Corpo de Fuzileiros Navais de Camp Pendleton
Manifestantes
Baixas
53 mortos e mais de 2.000 feridos
11.000 presos

Os distúrbios de Los Angeles em 1992[1][2][3] foram desencadeados em 29 de abril de 1992, quando um júri absolveu oficiais do Departamento de Polícia de Los Angeles, três brancos e um hispânico, acusados ​​de agressão contra o motorista negro Rodney King após uma perseguição em alta velocidade. A agressão dos policiais foi filmada. Milhares de pessoas na área de Los Angeles se revoltaram ao longo dos seis dias após o veredito provocando um conflito racial.[4]

Saques, assaltos, incêndios, assassinatos e danos materiais ocorreram, causando cerca de US$ 1 bilhão de prejuízo. Ao todo, 53 pessoas morreram durante os tumultos e milhares mais foram feridas.[5] Reginald Denny, um motorista de caminhão branco que passava pelo local dos distúrbios, foi arrancado de seu caminhão e agredido violentamente quase até a morte, tornando-se involuntariamente um símbolo da agressão e violência dos dias dos distúrbios.[6][7]

Os tumultos começaram no dia 29 de abril e iniciaram-se na região sul da cidade de Los Angeles, espalhando-se em seguida por toda a região metropolitana do Condado de Los Angeles. Como a polícia local não conseguiu lidar com a situação após quase uma semana de protestos, o Corpo de Fuzileiros Navais e a Guarda Nacional da Califórnia foram chamados para patrulhar as ruas, e, no sexto dia após o início, os tumultos finalmente cessaram. Após o final dos protestos, uma profunda reforma na polícia de Los Angeles foi realizada, o que incluiu a demissão do chefe de polícia, e os policiais envolvidos foram novamente julgados.

Consequências[editar | editar código-fonte]

Os tumultos terminaram depois que várias forças da Guarda Nacional do Exército da Califórnia, da 7ª Divisão de Infantaria e da 1ª Divisão Marinha foram trazidas para reforçar a polícia local. No total, 55 pessoas foram mortas durante os distúrbios e mais de 2.000 foram feridas.[5][8]

Depois que os tumultos cessaram, um inquérito foi encomendado pela Comissão de Polícia da cidade, liderada por William H. Webster (consultor especial) e Hubert Williams (consultor especial adjunto, presidente da Fundação da Polícia).[9] As conclusões do inquérito, The City in Crisis: A Report by the Advisor Special to the Board of Police Commissioners on the Disorder Civil in Los Angeles, também conhecido coloquialmente como Webster Report ou Webster Commission, foi divulgado em 21 de outubro de 1992.[10]

O chefe de polícia da polícia de Los Angeles, Daryl Gates, que vira seu sucessor Willie L. Williams nomeado pela Comissão de Polícia dias antes dos tumultos,[11] foi forçado a renunciar em 28 de junho de 1992.[12] Algumas áreas da cidade viram tréguas temporárias entre as gangues rivais Crips e Bloods, o que alimentou especulações entre os oficiais da polícia de Los Angeles de que a trégua seria usada para uni-los contra o departamento.[13]

Impacto cultural[editar | editar código-fonte]

Documentários[editar | editar código-fonte]

Os acontecimentos de 1992 ganharam documentários em 2017 que os explicam. O primeiro, intitulado de LA 92,[14] explora o contexto e a história do preconceito na cidade. Já o segundo documentário, intitulado de Rodney King,[15] foca na história do motorista agredido.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «The Social Science Journal : Effects of the 1992 Los Angeles civil unrest: Post traumatic stress disorder symptomatology among law enforcement officers». ScienceDirect. Consultado em 11 de agosto de 2010 
  2. «Gonorrhea and the 1992 Civil Unrest in Los Angeles». Gateway.nlm.nih.gov. Consultado em 11 de agosto de 2010 
  3. «Analysis of the 1992 Los Angeles Civil Unrest». Usc.edu. Consultado em 11 de agosto de 2010 
  4. Staten, Clark (29 de abril de 1992). «Three days of @#!*% in Los Angeles». Emergencynet News Service (ENN). Consultado em 9 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 3 de setembro de 2007 
  5. a b "The L.A. 53". By Jim Crogan. LA Weekly. April 24, 2002.
  6. http://www.nbclosangeles.com/news/local/Reginald-Denny-Looks-Back-on-the-LA-Riots--149165165.html Página acessada em 31 de dezembro de 2015.
  7. http://content.time.com/time/specials/2007/la_riot/article/0,28804,1614117_1614084_1614511,00.html Página acessada em 31 de dezembro de 2015.
  8. "Riot anniversary tour surveys progress and economic challenges in Los Angeles". By Stan Wilson. CNN. 25 de abril de 2012.
  9. «Panel Said to Fault Los Angeles Riot Response». The New York Times. 18 de outubro de 1992. ISSN 0362-4331. Consultado em 6 de junho de 2015 
  10. «NCJRS Abstract – National Criminal Justice Reference Service». Consultado em 11 de novembro de 2015 
  11. Connell, Rich; Braun, Stephen (16 de abril de 1992). «Philadelphia Chief to Head LAPD : Police: Willie L. Williams will be first black to head department and first outsider since 1949. 'He's the best,' Police Commission President Stanley Sheinbaum says.». Los Angeles Times. ISSN 0458-3035. Consultado em 6 de junho de 2015 
  12. Schneider, Keith (16 de abril de 2010). «Daryl F. Gates, L.A.P.D. Chief in Rodney King Era, Dies at 83». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 6 de junho de 2015 
  13. Terry, Don (12 de maio de 1992). «After the Riots: Hope and Fear in Los Angeles As Deadly Gangs Call Truce». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 12 de dezembro de 2015 
  14. «LA 92». AdoroCinema. Consultado em 26 de janeiro de 2019 
  15. «Confira o trailer do novo filme de Spike Lee produzido pela Netflix». Observatório do Cinema. 6 de abril de 2017. Consultado em 26 de janeiro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre os Estados Unidos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.