Protestos antirracistas nos Estados Unidos em 2020

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Protestos antirracistas nos Estados Unidos em 2020
Protesters outside the Minneapolis 3rd Police Precinct May 28 2020.jpg
Manifestantes do lado de fora da 3ª Delegacia de Polícia de Minneapolis em 28 de maio de 2020
Período 26 de maio de 2020 - atualidade
Local Estados Unidos
Situação Em curso
Causas Demostrar descontentamento com a ação policial que ocasionou a morte de George Floyd
Baixas totais
26 mortos[a]
14 000 prisões feitas[1]

Os protestos contra a morte de George Floyd ou protestos antirracistas nos Estados Unidos[2] são uma série de protestos e agitação social que tiveram início na cidade de norte-americana de Minneapolis em 26 de maio de 2020.[3] Os protestos começaram em reação ao assassinato de George Floyd, um afro-americano de 46 anos que morreu durante uma detenção em que Derek Chauvin, um polícia do Departamento de Polícia de Minneapolis, se ajoelhou sobre o pescoço de Floyd durante cerca de oito minutos enquanto três outros polícias observavam.[4][5][6][7]

A agitação social teve início com protestos na Região Metropolitana de Minneapolis-Saint Paul em apoio ao movimento Black Lives Matter, que rapidamente se alastraram a nível nacional e a mais de 2 000 cidades em mais de 60 países.[8][9][10] Os protestos prolongaram-se ao longo dos meses de junho e julho.[11] Estima-se que à data de 3 de julho tivessem já participado entre 15 e 26 milhões de pessoas nos protestos nos Estados Unidos, o que os torna os maiores protestos na História do país.[12]

Embora a maioria dos protestos tenham sido pacíficos,[13] em algumas cidades os protestos foram acompanhados de tumultos, pilhagens,[14] e confrontos com a polícia. Vários elementos da polícia responderam aos protestos com violência, incluindo violência contra jornalistas.[15][16][17] Face à intensa agitação social, em 3 de junho pelo menos 200 cidades norte-americanas tinham imposto recolher obrigatório e mais de 30 estados tinham mobilizado cerca de 62 000 efetivos da Guarda Nacional.[18][19][20] Em 30 de junho, tinham sido detidas pelo menos 14 000 pessoas,[1][21][22] entre as quais os quatro agentes da polícia envolvidos na detenção que resultou na morte de George Floyd.[23]

Os protestos deram origem a numerosas propostas de lei a nível municipal, estadual e federal, com o objetivo de combater a má conduta da polícia, o racismo institucional, a imunidade qualificada e a brutalidade policial nos Estados Unidos.[24][25] Ao mesmo tempo, o governo de Trump tem sido amplamente criticado pela resposta de linha-dura e militarizada e retórica agressiva.[26] Os protestos levaram à remoção de várias estátuas e memoriais e alterações de nomes em todo o mundo. Os protestos ocorreram durante a pandemia de COVID-19.[27]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Morte de George Floyd

Em 25 de maio de 2020, às 20:08, horário local,[28] oficiais do MPD responderam a uma ligação do 911 sobre uma ocorrência de "falsificação" em andamento na Chicago Avenue South, no bairro Powderhorn, Mineápolis. Segundo a polícia, George Floyd, um afro-americano de 46 anos, estaria em um carro próximo e parecia ser o suspeito. Um porta-voz do departamento de polícia disse que os policiais ordenaram que ele saísse do veículo, momento no qual ele supostamente resistiu fisicamente à abordagem. Um vídeo feito por uma testemunha mostra Floyd sendo removido de seu veículo sem qualquer iniciativa de arrosto.[29]

Segundo o MPD, os policiais "foram capazes de algemar o suspeito e notaram que ele parecia estar sofrendo de problemas médicos". Uma ambulância foi chamada. No entanto, uma transmissão ao vivo do Facebook, gravada por um espectador, mostrou que Derek Chauvin, um policial branco de 48 anos, sufocou Floyd no chão e estava ajoelhado em seu pescoço.[30][31] Os policiais são ensinados que este tipo de contenção, com um indivíduo em posição de bruços, é "intrinsecamente perigosa".[32] Floyd repetidamente diz a Chauvin "Por favor" e "Não consigo respirar", enquanto uma testemunha afronta o policial: "Você o derrubou. Deixe ele respirar".[33] Floyd então afirma que estava "prestes a morrer", levando Chauvin a sugerir para que ele relaxasse. Depois de algum tempo, um presente indica que Floyd estava sangrando pelo nariz enquanto outro espectador notifica à polícia que Floyd não estaria "resistindo à prisão no momento". A polícia reage, anuindo que Floyd estava "falando, ele está bem". O espectador responde dizendo que Floyd "não está bem". Um outro presente então protesta que a polícia estava impedindo Floyd de respirar, exortando-os a tirá-lo do chão: "você poderia tê-lo colocado no carro agora. Ele não está resistindo à prisão ou a nada. Você está gostando. Olhe para você. Sua linguagem corporal".

Floyd fica quieto e imóvel, no entanto, Chauvin não levanta o joelho do pescoço de Floyd. Uma ambulância chega e Chauvin não tira o joelho até os serviços médicos de emergência colocarem Floyd em uma maca. Chauvin esteve ajoelhado no pescoço de Floyd por cerca de sete minutos, quatro minutos depois que Floyd parou de se mover.[34] Os médicos não conseguiram detectar um pulso e Floyd foi declarado morto no hospital.[35]

Repercussão cronológica[editar | editar código-fonte]

Primeiro dia: 26 de maio[editar | editar código-fonte]

Os protestos surgiram durante o meio-dia de 26 de maio, horário local, um dia após a morte de Floyd.[36] Centenas de pessoas marcharam até a delegacia da 3ª Delegacia do MPD para expressar seu descontentamento com a polícia de Mineápolis.[37][38] O protesto se tornou violento quando a 3ª Delegacia foi vandalizada com tinta spray;[39] os carros da polícia também foram depredados.[40] No que parecia ser um impasse por volta das 20:00, na mesma noite, a polícia em equipamento anti-motim disparou balas de borracha e agentes químicos contra manifestantes, os quais, em represália, desferiram garrafas de água contra.[41]

Segundo dia: 27 de maio[editar | editar código-fonte]

Os protestos continuaram em 27 de maio, inclusive na Chicago Avenue South. Por volta das 18 horas, a polícia disparou balas de borracha e gás lacrimogênio perto da Avenida Hiawatha e da Rua Lake, enquanto manifestantes destruíam janelas da delegacia.[42] No começo da noite, um homem branco, usando equipamento de proteção preto, respirador com máscara facial e portando um guarda-chuva, caminhou casualmente até um estabelecimento Autozone ao lado do departamento de polícia e talou as janelas do prédio com um martelo.[43] Usuários de mídias sociais alegaram que o homem logrado de um guarda-chuva remontaria a, na verdade, um policial disfarçado do Departamento de Polícia de Saint Paul; o Departamento de Polícia de Saint Paul emitiu uma declaração via Twitter negando as contestações, retratando-se.[44][45]

Grafites com os dizeres que "Vidas Negras Importam", lema do movimento social de mesmo nome dos EUA, em uma loja da Target, que fora saqueada na Lake Street, Mineápolis, na manhã de 28 de maio.

Mais tarde, à noite, vídeos circularam no Twitter, Facebook e outras plataformas de mídia social, exibindo o comercio, Autozone, em carbonização da East Lake Street. Uma loja Target nas proximidades foi saqueada extensivamente por uma multidão de pelo menos 100 pessoas.[46] Naquela noite, um homem foi morto a tiros por um dono de uma loja de penhores que acreditava que ele estivesse roubando seu negócio.[12] O proprietário, de 59 anos, foi preso em conexão com a morte.

Terceiro dia: 28 de maio[editar | editar código-fonte]

Bombeiros observando os danos em Mineápolis na tarde de 28 de maio.

Estado de emergência foi declarado em Mineápolis em 28 de maio pelo prefeito Jacob Frey, e 500 soldados da Guarda Nacional de Minnesota foram enviados para a área.[47]

Pela manhã, mais de 30 empresas em Mineápolis foram danificadas por manifestantes. Em Saint Paul, uma loja da Dollar Tree e outra da Target foram saqueadas, e um restaurante da Wendy foi incinerado.[48] O Departamento de Polícia de Saint Paul informou que 170 empresas foram danificadas ou saqueadas na quinta-feira, e dezenas de incêndios foram destilados.[49] Na noite de 28 de maio, revoltosos perto da Delegacia de Polícia do 3º Distrito incendiaram prédios próximos por dois lados. As cercas ao redor da instalação foram demolidas. Então, a polícia no local usou gás lacrimogêneo contra os militantes, enquanto as tensões e as chamas continuavam. O prédio da Terceira Delegacia foi invadido por manifestantes no final da noite, sendo ulteriormente queimado.[50][51]

Quarto dia: 29 de maio[editar | editar código-fonte]

Não havia presença da polícia, bombeiros ou suporte médico na área onde os tumultos incoaram-se, por volta das 10:00 da noite do horário local em 28 de maio, e continuou a não ter presença até as primeiras horas de 29 de maio.[52] Às 1:30 da manhã no horário local, em 29 de maio, o prefeito Frey realizou uma conferência de imprensa sobre o alvoroço e condenou as ações dos saqueadores como "inaceitáveis". Frey disse que os indivíduos envolvidos na algazarra serão "responsabilizados" pelos danos causados à comunidade e que Mineápolis é "forte como o inferno".[53][54]

Mais tarde naquela manhã, às 5:11, o repórter da CNN Omar Jimenez, descendente de afro-americanos e colombianos,[55] e a equipe de filmagem que o acompanhava foram presos por oficiais da Patrulha Estadual de Minnesota, quando Jimenez fazia a cobertura televisionada ao vivo.[56][57] Jimenez se identificou a si e a equipe como jornalistas.[58] As autoridades disseram que a equipe não seguiu as ordens e a deteve. A CNN divulgou um comunicado dizendo que a prisão violou os direitos da Primeira Emenda dos repórteres, obtestando sua libertação imediata.[16] A equipe foi libertada cerca de uma hora depois,[56] após uma intervenção do governador de Minnesota, Tim Walz.[59][60]

Em 29 de maio, o presidente Donald Trump indicou no Twitter que enviaria os militares a Mineápolis para controlar os tumultos, se o governador não pudesse; isso ocorreu depois que o governador Walz assinou uma ordem executiva para enviar a Guarda Nacional de Minnesota a Mineápolis, oficialmente para proteger propriedades e permitir que os bombeiros locais fizessem seu trabalho.[61] Essa medida segue a publicação de Trump no início do dia, na qual ele criticou "o prefeito da esquerda radical muito fraco, Jacob Frey", e sua falta de controle sobre o desastre.[62]

No final da tarde, o governador Walz impôs um toque de recolher para as cidades de Mineápolis e Saint Paul, que seria executado a partir das 8:00 às 18:00 nos dias de 29 de maio até 30 de maio.[63][64] O prefeito de Mineápolis, Jacob Frey, também emitiu um toque de recolher semelhante.[65] Kirk Varner, diretor de notícias da KSTP-TV, afiliada local da ABC, divulgou um comunicado depois que surgiram alegações de que o repórter Rich Reeve estaria incitando a violência ao reproduzir ruídos de tiros em seu telefone para promover uma reação. Em uma tentativa de impedir que as teorias da conspiração circulassem nas mídias sociais, a emissora divulgou o vídeo na íntegra, mostrando um homem que estava disparando uma arma ao ar enquanto manifestantes atravessavam paralelamente, pelo qual Reeve posteriormente ilustrou para manifestantes próximos para informar-se acerca do incidente.[66]

Derek Chauvin foi acusado de homicídio de terceiro grau e homicídio culposo em 29 de maio.[67] Apesar do anúncio das acusações e do novo toque de recolher, a insurreição foi reerguida novamente na noite de sexta-feira e bem no início da manhã de sábado, com Ben Crump, advogado representante da família de Floyd, altercando que "Esperávamos uma acusação de assassinato em primeiro grau. Queremos uma acusação de assassinato em primeiro grau. E queremos ver os outros policiais presos".[68] A presença da polícia era supostamente "indetectável", pois a violência em Mineápolis se expandiu rapidamente até pouco antes da meia-noite, quando policiais, soldados estaduais e membros da Guarda Nacional começaram a confrontar manifestantes com gás lacrimogêneo e força em massa.[20] A Associated Press informou que o Pentágono recebeu ordens de preparar tropas, que seriam enviadas às cidades gêmeas. As autoridades haviam declarado que os 350 policiais no local do tumulto eram amplamente superados em número pelas multidões.[69]

Quinto dia: 30 de maio[editar | editar código-fonte]

O governador Walz realizou uma conferência de imprensa às 1:30 da manhã, no dia 30 de maio. "Isso não é lamentável, e isso não está fazendo uma declaração... isso é fatal, perigoso para as forças mais qualificadas para lidar com isso", afirmou a autoridade. "Não se trata da morte de George. É sobre o caos causado." O prefeito de Mineápolis também esteve presente na conferência de imprensa e pediu aos manifestantes que fossem para suas casas, relatando que "Se você se preocupa com a sua comunidade, precisa acabar com isso. Precisa parar".[69]

Sexto dia: 31 de maio[editar | editar código-fonte]

No domingo, pelo início da manhã, Paul Schnell, comissário do Departamento de Correções de Minnesota, declarou que a o cenário nas cidades gêmeas está majoritariamente controlado. "Hoje, nós sentimos que tudo correu muito melhor", contou Paul, numa conferência, cotejando o caos instalado na sexta e ao sábado. Ainda, reportou que a aderência ao estalão do toque de recolher teria se saído satisfatória, testemunhando que houve um "nível tremendo de apoio da comunidade [...], por mais difícil que seja em uma sociedade aberta e civil". Prosseguindo, aditou que não viu "um incêndio em grande escala" senão pela incineração de um veículo na Interstate 35 e lançamentos pontuais de coquetéis molotov.[70]

Episódios de violência, de fato, foram menos intensos durante o domingo, de acordo, também, com o que assentem autoridades estadunidenses; John Harrington, comissário de Segurança Pública, anuiu que 55 prisões teriam sido efetuadas ao longo de 2 a.m., e mais 40 a 50 durante a trilha das 6h. Um policial foi quase baleado, mas permaneceu incólume.

À tarde, manifestantes executaram um comício, intitulado "Justice for George Floyd", na frente do Capitólio Estadual. Coordenadores do protesto e integrantes do evento condenaram a brutalidade da polícia e pleitearam a prisão de outros três policiais encabeçados na cena de assassinato de Floyd. Ademais, na direção oeste da Interstate 94, um agrupamento, por volta das 17 horas (local), convocou atenção geral por demandar cobertura de tal rota, em sentido oeste, a fim de abonar a segurança dos envolvidos.

Apesar da redução de incidentes fatais, houve depravação estrutural de estabelecimentos; 75 lojas foram danificadas ou quebradas, e 3 pessoas foram detidas em Winconsin, estado postado ao lado de Minnesota.[71]

Acumulando os resultados de sábado e domingo, houve, em Minnesota, pelo menos 113 prisões, que podem ou não estar ligadas dos protestos de parte nobre. Tais consequências se dão por implementações divulgadas como vigentes a partir de sábado, claramente mais efervescentes, vide o toque de recolher. O governador Walz reiterou múltiplas vezes que as ações da polícia estavam sob seu mando, e qualquer crítica deveria recair sobre si.

O toque de recolher, neste domingo, arrancaria das 20h, sendo encerrado às 6h, aplicando-se a apenas Mineápolis e Saint-Paul; outras cidades, por intermédio de suas respectivas jurisdições, validaram sanções que manteriam-se até as 8h de segunda.

Residentes de bairros mais afetados, dada a ocorrência sem precedentes, chegaram a restringir o contato com suas casas, ou mesmo a barricar ruas de acesso.[72]

Protestos em outras localidades[editar | editar código-fonte]

Áreas com mais de 100 manifestantes em 30 de maio de 2020

Houve protestos simultâneos em outras cidades estadunidenses catalisando aqueles que buscavam justiça pela morte de Floyd e Black Lives Matters, e se manifestando contra a brutalidade policial, incluindo Atlanta, Charlotte, Denver, Los Angeles, Phoenix, Richmond, Virginia, e Washington, D.C..[73][74][75]

A maior parte desses protestos foi harmônica, mas vários deles se tornaram fervorosos à medida que a violência e os desafios nas cidades aumentava:

  • Atlanta, Geórgia: uma marcha pacífica foi planejada para 29 de maio no Centennial Olympic Park/ e contou com a presença de centenas de reivindicadores. Os manifestantes marcharam para o CNN Center, que depois foi vandalizado por si.[76] À medida que as tensões entre manifestantes e polícia aumentavam, esta os repulsou com o lançamento de gás lacrimogêneo. Os manifestantes dispararam garrafas de água, ovos e outros objetos nos policiais. Os manifestantes também vandalizaram o Hall da Fama do Futebol Americano Universitário, queimaram carros da polícia e deturparam negócios. Dois policiais ficaram feridos nos desencontros contumazes.[77] À meia-noite de 30 de maio, o governador Brian Kemp declarou estado de emergência no condado de Fulton e autorizou 500 membros da Guarda Nacional a ajudar na aplicação da lei na cidade.[78] Às 2:12 da manhã, um vídeo foi enviado ao Twitter mostrando o que parecia ser uma criança em equipamento anti-motim implantado fora do Lenox Mall.[79][80] Líderes negros locais, incluindo a prefeita Keisha Lance Bottoms e o rapper e ativista Killer Mike, criticaram os atos de conturbação;[81]
  • Bakersfield, Califórnia: centenas de pessoas[b] protestaram no centro de Bakersfield na sexta-feira. Um homem de 31 anos, Michael Tran, atropelou manifestantes, atingindo um jovem de 15 anos. Tran foi preso por tentativa de assassinato;[83]
  • Boston, Massachusetts: um grupo de centenas de manifestantes reuniu-se em Peters Park na quinta-feira no que começou como uma manifestação pacífica, mas entrou em conflito com a polícia depois que várias dezenas de conjurados se ajuntaram ao redor da delegacia de polícia próxima ao quarto distrito. Vários manifestantes foram destoados com gás de pimenta.[84][85] No mesmo dia, um grupo de cerca de trinta manifestantes se amontoou nas calçadas da cidade vizinha de Framingham,[86] e várias centenas de pessoas protestaram pacificamente em Springfield no dia seguinte;[87]
  • Bowling Green, Kentucky: pessoas protestaram do lado de fora do Departamento de Polícia de Bowling Green.[88] Durante o protesto, James Hunton, 24 anos, bateu em um manifestante com uma caminhonete Silverado e foi detido.[88] A polícia afirma que Hunton "tinha espaço de sobra... para evitar atropelar manifestantes" e que, quando perguntado a respeito da tentativa em atingi-lo, Hunton respondeu: "Havia manifestantes bloqueando a [expressão obscena] estrada; eles mereciam ser atingidos. Qualquer um faria".[c] Hunton foi preso, acusado de ameaça grave no primeiro grau (um crime no Kentucky) e levado para a cadeia regional do condado de Warren;[89]
Empresas no centro de Columbus, Ohio, que foram danificadas pelos distúrbios.
  • Columbus, Ohio: manifestantes invadiram o prédio da capital do estado e vandalizaram várias empresas.[93][94][95][96] Por volta das 7:00 no horário local, os manifestantes obstaram o tráfego na Interestadual 71, perto da 15th Street. Os protestantes, pela tarde, começaram a jogar garrafas, levando a polícia a dispersar spray de pimenta na multidão. Alguns manifestantes jogaram o spray de pimenta de volta nos policiais. Os manifestantes começaram a jogar ovos, fogos de artifício, bombas de fumaça, jarros de água e sapatos. A polícia conseguiu levar os manifestantes de volta às ruas N. High e State St., nas quais alguns manifestantes deformaram janelas de empresas e pontos de ônibus,além de amolgar as portas e janelas da frente do Ohio Statehouse, com alguns obtendo entrada para o Statehouse, o edifício do Capitólio estadual. Em N. High St. e Town St., alguns manifestantes começaram a adentrar negócios e conchavar saques em uma loja de conveniência local. Além disso, arrancaram latas de lixo e caixas de correio de suas montarias.[97] O Teatro de Ohio também foi danificado. A Associação Columbus para as Artes Cênicas estimou o prejuízo em US$ 15 000;[98]
  • Denver, Colorado: os manifestantes marcharam por quatro horas, bloqueando o tráfego na Interestadual 25 e manifestando-se no Capitólio do estado do Colorado.[100] Vários tiros foram disparados de lá, e a polícia arremeteu balas de borracha e lançou gás contra a multidão.[101] Um vídeo parece mostrar um veículo atingindo intencionalmente um manifestante, que havia entrado no capô do carro. Não está claro o que ocorreu antes disso - de acordo com a mulher que filmou o incidente, o homem pulou em cima do veículo antes de começar a filmar.[102] Três policiais ficaram feridos em confrontos com manifestantes, um dos quais teve recorrer a um hospital. Nenhuma das lesões causava risco de vida. 13 manifestantes foram presos;[103]
  • Des Moines, Iowa: centenas de manifestantes entraram em conflito com a polícia no centro da cidade.[104] Gás lacrimogêneo e spray de pimenta foram utilizados;
  • Detroit, Michigan: centenas de pessoas protestaram no centro de Detroit. Um manifestante de 19 anos no centro da cidade foi atingido por tiros de um Dodge Durango cinza.[105] A vítima foi transportada para o hospital, onde posteriormente foi ratificada morta;[106]
  • Fort Wayne, Indiana: multidões se reuniram do lado de fora do tribunal em uma manifestação pacífica que se tornou violenta depois que a polícia disparou gás lacrimogêneo em combalimento. Alguns estabelecimentos foram vandalizados;[108]
  • Houston, Texas: grandes números protestaram em Houston. O prefeito Turner suplicou por uma unidade e paz;[109]
  • Indianapolis, Indiana: manifestantes e policiais entraram em conflito no centro da cidade.[110] Balas de gás lacrimogêneo e borracha foram empregadas para dispensar a multidão;
  • Kansas City, Missouri: centenas de manifestantes marcharam do Country Club Plaza para o Westport, onde a polícia agiu com spray de pimenta em réplica;[111]
  • Los Angeles, Califórnia: milhares de manifestantes convergiram na 110 Freeway, desativando-a temporariamente. Vários manifestantes acabaram entrando em contenda com a polícia, o que suscitou dois feridos;[113]
  • Louisville, Kentucky: em 28 de maio, os manifestantes exigiram justiça pela morte de Breonna Taylor. Cerca de 500 a 600 integrantes marcharam pela cidade naquela noite.[114] Mais tarde, durante o protesto, sete participantes foram baleadas por um atirador(es), possivelmente não identificáveis, com uma vítima gravemente ferida.[115] Durante a noite de 29 de maio, houve mais protestos, com a contemplação de centenas de pessoas. Uma mulher sofreu uma parada cardíaca como resultado da inalação de gás lacrimogêneo e dois jornalistas foram feridos por balas de borracha disparadas por policiais;[116]
  • Memphis, Tennessee: manifestações silenciosas de cerca de 40 pessoas que protestavam contra a morte de Floyd, Breonna Taylor, no Kentucky, e Ahmaud Arbery, na Georgia, conduzindo a "destemperos verbais" com a polícia de Memphis e dois contra-manifestantes do grupo do Facebook "Confederate 901".[117] Em 27 de maio, os manifestantes fecharam a Union Avenue, perto do McLean Boulevard;[118]
  • Milwaukee, Wisconsin: dezenas de manifestantes bloquearam as estradas e organizaram uma procissão de veículos que percorreu vários quilômetros. Houve relatos de saques e rebeliões no Walgreen's;[119]
  • Nova York: quase 100 manifestantes encontraram-se na Union Square em 28 de maio; 72 foram presos,[121] cinco dos quais foram acusados de agredir policiais, em razão do lesionamento de numerosas forças destes. Os manifestantes marcharam até a prefeitura e interromperam o tráfego na parte baixa de Manhattan.[122][123][124] Em Manhattan, um manifestante rematou um soco no rosto de um oficial, enquanto outro jogou uma lata de lixo, atingindo outra autoridade na cabeça.[125] Os manifestantes também jogaram garrafas em policiais.[126] No dia seguinte, 29 de maio, os protestos pacíficos foram retomados em torno da Praça Foley, em Manhattan, mas depois os manifestantes entraram em conflito com a polícia no Barclays Center, no Brooklyn, e destruíram dois veículos da polícia no bairro de Fort Greene. Também tentaram violar a 79ª delegacia em Bedford-Stuyvesant, Brooklyn, mas foram repelidos. Disputas adicionais ocorreram, ainda, no Fort Greene Park. Doze policiais ficaram feridos durante os confrontos e pelo menos 200 foram presos.[127] Usuários de mídias sociais fizeram reivindicações de policiais disfarçados teoricamente infiltrados em meio aos protestos. Tais indivíduos estão identificados pelo uso de faixas brancas nos braços e câmeras corporais. Esse sistema de código de cores está alinhado com normativas usadas pela polícia;[128]
  • Oakland, Califórnia: em 29 de maio, centenas de manifestantes se reuniram perto da sede do Departamento de Polícia de Oakland, no centro de Oakland. Alguns militantes dispararam fogos de artifício e jogaram garrafas na polícia. A polícia disparou granadas e bombas de gás lacrimogêneo contra a multidão. Muitas empresas da região foram saqueadas ou sofreram detrimento em suas janelas. Várias dezenas de manifestantes bloquearam o tráfego na Interestadual 880, sujeitando o tráfego nas duas direções a cessar-se por cerca de meia hora.[16] O departamento de polícia de Oakland relatou prisões, mas não forneceu detalhes específicos. Um oficial dos Serviços de Proteção Federal foi morto após sofrer ferimentos nocivos;[129]
  • Phoenix, Arizona: centenas de pessoas protestaram, com a polícia usando spray de pimenta em combate;[130]
  • Portland, Oregon: centenas participaram de uma vigília de George Floyd no norte de Portland. Mais tarde, começou um protesto maior, composto por milhares, que resultou em Portland declarar estado de emergência depois que engendrou-se um tumulto;[131][132]
  • Richmond, Virgínia: em 29 de maio, um grupo de centenas de manifestantes reuniu-se perto de Monroe Park no que começou como uma marcha pacífica; todavia, tendeu a um confronto com a polícia da Virginia Commonwealth University, a polícia da cidade de Richmond e a polícia do Capitólio da Virgínia.[133] Um carro da polícia da VCU foi incendiado e destruído.[134] No subúrbio de Chesterfield, um policial da Comarca de Chesterfield foi baleado por um cidadão oposto à figura de George Floyd;[135]
  • Seattle, Washington: moradores anelavam marchar em resposta à morte de Floyd em 30 de maio.[138] No dia anterior, começaram a protestar vandalizando janelas da Amazon Go Store;[139]

Mortes[editar | editar código-fonte]

Até o dia 11 de julho de 2020, 26 pessoas já tinham morrido durante os motins e protestos:[143][144][145][146][147]

  • Em 27 de maio de 2020, Calvin Horton Jr. faleceu depois de ser fatalmente atingido durante um protesto;[148]
  • Em 29 de maio de 2020, um homem foi letalmente alvejado em Detroit;[149]
  • Em 30 de maio, em Oakland, um oficial do FPS, Federal Protective Service, foi baleado e morto do lado de fora de um tribunal federal;[150]
  • Em 30 de maio, em St. Louis, um homem morreu depois de ficar preso entre os pneus de um caminhão da FedEx na Interestadual 44;[151]
  • Em 30 de maio, em Chicago, um homem foi assassinado e outras cinco pessoas ficaram lesionadas durante manifestações;[152]
  • Em 30 de maio, em Omaha, um homem foi fatalmente atingido durante protestos;[153]
  • Em 31 de maio, durante a madrugada, duas pessoas foram fatalmente alvejadas durante conflitos violentos no centro de Indianapolis.[154]

Reações[editar | editar código-fonte]

Políticas[editar | editar código-fonte]

Em 27 de maio de 2020, o presidente Donald Trump tweetou: "A meu pedido, o FBI e o Departamento de Justiça já estão investigando a morte muito triste e trágica de George Floyd, em Minnesota...".[155]

Em 29 de maio, Trump, em mérito aos tumultos protendidos, mencionou Jacob Frey como "muito fraco", e que, senão contivesse as iniciativas ilídimas, ele encaminharia às cidades a Guarda Nacional, acrescentando que "qualquer dificuldade e nós iremos assumir o controle, mas, quando os combates começarem, o tiroteio começará".[156][157][158] O tweet foi interpretado como uma citação ao ex-chefe da polícia de Miami Walter Headley, que falou que "quando os saques começam, os tiros começam" em dezembro de 1967, ocasião em que Miami viu tensões crescentes em 1968 com protestos raciais durante a Convenção Nacional Republicana.[17][159]

Foi visto pelo Twitter como um incitamento à violência, sendo posteriormente colocado atrás de um aviso de interesse público pelo site por violar seus termos de serviço em relação ao incitamento à violência.[160] O tweet de Trump e a moderação do Twitter advieram no mesmo dia em que Trump assinou sua "Ordem Executiva para Prevenir a Censura Online", com a intenção de limitar a proteção que a Seção 230 da Lei de Decência das Comunicações concedeu a empresas de mídia social como o Twitter por seu suposto viés anti-conservador, dois dias após o Twitter ter tachado duas postagens de Trump sobre a votação por correio com avisos "potencialmente enganosos". Os opositores de Trump criticaram a ordem como uma ação de retaliação contra o Twitter pelos avisos, que surgiram em meio a reclamações de longa data a respeito de sua atividade no Twitter e a proferição de "alegações falsas, enganosas e acusatórias sobre diversos tópicos". Alguns juristas notaram que a ordem poderia abrir empresas de mídia social e redimensionar a responsabilidade remetente a declarações enviadas por Trump sobre plataformas de tal gênero, que poderiam ser cunhadas como difamatórias ou caluniosas, resultando em subalternação mais rigorosa de seus tweets, ou mesmo em uma proibição total do uso do Twitter.[161] Após a marcação efetuada pelo Twitter em 28 de maio, Trump reportou em outro tweet: "A seção 230 deve ser revogada pelo Congresso. Até lá, será regulamentada!".[162]

No dia seguinte, Trump comentou novamente em seu tweet original, dizendo: "Saques levam a tiros, e é por isso que um homem foi baleado e morto em Mineápolis na noite de quarta-feira - ou, veja o que aconteceu em Louisville com 7 pessoas baleadas. Não quero que isso aconteça, e é isso que a expressão divulgada na noite passada significa...".[163]

Nas primeiras horas da manhã de 30 de maio de 2020, o Pentágono colocou as forças de policiais militares de Fort Bragg e Fort Drum na ativa, preparando-se para se posicionar em Mineápolis.[164]

No dia 1º de junho o presidente Donald Trump realizou um anúncio em frente à Casa Branca, durante a qual declarou ser "um aliado dos protestantes pacíficos" e se comprometeu a mobilizar a Polícia Militar do país para acabar com os protestos violentos através da Lei da Insurreição de 1807.[165] No dia seguinte, o Pentágono confirmou que 1 600 soldados foram movidos para a área de Washington, D.C., apesar de protestos por alguns oficiais do Pentágono.[166]

Relatórios de empresas e mídia[editar | editar código-fonte]

Um bombeiro de St. Paul fica do lado de fora de um prédio ainda fumegante em 28 de maio.

Mais de 100 empresas de Mineápolis, mais de 40 em Saint Paul e cerca de sete nos subúrbios vizinhos sofreram danos de algum porte.[167]

A revista Reason escreveu que a polícia falhou em proteger as empresas locais dos saqueadores, argumentando que houve insuficiência em funções essenciais: proteger as pessoas e proteger a propriedade.[168]

Na manhã de 29 de maio, a Target fechou temporariamente 24 de suas lojas na área das cidades gêmeas e reabriu todas, exceto seis, ainda no mesmo dia.[169][170]

Organizações[editar | editar código-fonte]

O Departamento de Saúde de Minnesota levantou preocupações de que os protestos possam acentuar a pandemia de COVID-19 em andamento.[171]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias

Notas

  1. Ver seção #Mortes
  2. O jornal The Bakersfield Californian informou que havia cerca de 500 manifestantes, enquanto a polícia estimou um número entre 200 e 300 de militantes sinalizados à frente da sede da polícia.[82][83]
  3. A "expressão obscena" está omitida na fonte.

Referências

  1. a b Olson, Emily (27 de junho de 2020). «Antifa, Boogaloo boys, white nationalists: Which extremists showed up to the US Black Lives Matter protests?». ABC News. Australian Broadcasting Corporation. Consultado em 30 de junho de 2020 
  2. «Protestos contra a morte de George Floyd começam a provocar mudanças reais nos departamentos de polícia». ElPaís. 7 de junho de 2020. Consultado em 8 de julho de 2020 
  3. Taylor, Derrick Bryson (2 de junho de 2020). «George Floyd Protests: A Timeline». The New York Times. Consultado em 2 de junho de 2020. Cópia arquivada em 2 de junho de 2020 
  4. Hennessey, Kathleen; LeBlanc, Steve (4 de junho de 2020). «8:46: A number becomes a potent symbol of police brutality». AP News. Consultado em 9 de junho de 2020. Cópia arquivada em 9 de junho de 2020. But the timestamps cited in the document’s description of the incident, much of which is caught on video, indicate a different tally. Using those, Chauvin had his knee on Floyd for 7 minutes, 46 seconds, including 1 minute, 53 seconds after Floyd appeared to stop breathing. 
  5. Carrega, Christina; Lloyd, Whitney (3 de junho de 2020). «Charges against former Minneapolis police officers involved in George Floyd's death». ABC News. Consultado em 17 de junho de 2020 
  6. Navarrette, Ruben Jr. «Haunting question after George Floyd killing: Should good cops have stopped a bad cop?». USA Today 
  7. «플로이드 실제로 목 눌린 시간은 7분 46초». 서울신문 (em coreano). Consultado em 21 de junho de 2020 
  8. Burch, Audra D. S.; Cai, Weiyi; Gianordoli, Gabriel; McCarthy, Morrigan; Patel, Jugal K. (13 de junho de 2020). «How Black Lives Matter Reached Every Corner of America». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 14 de junho de 2020 
  9. Luscombe, Richard; Ho, Vivian (7 de junho de 2020). «George Floyd protests enter third week as push for change sweeps America». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 14 de junho de 2020 
  10. «George Floyd Protests on Race and Policing: Juneteenth Celebrations Across U.S.». Wall Street Journal (em inglês). 19 de junho de 2020 
  11. CNN, Jay Croft. «Some Americans mark Fourth of July with protests». CNN. Consultado em 6 de julho de 2020 
  12. a b «As Mayor Frey calls for officer's arrest, violence intensifies in Minneapolis». Star Tribune 
  13. Lovett, Ian (4 de junho de 2020). «1992 Los Angeles Riots: How the George Floyd Protests Are Different». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660. Consultado em 7 de junho de 2020  Verifique o valor de |url-access=subscription (ajuda)
  14. «Widespread unrest as curfews defied across US». BBC News (em inglês). 31 de maio de 2020. Consultado em 7 de junho de 2020 
  15. Baker, Mike; Dewan, Shaila (2 de junho de 2020). «Facing Protests Over Use of Force, Police Respond With More Force». The New York Times. Consultado em 1 de julho de 2020 
  16. a b c d Kindy, Kimberly; Jacobs, Shayna; Farenthold, David (5 de junho de 2020). «In protests against police brutality, videos capture more alleged police brutality». Washington Post (em inglês). Consultado em 6 de junho de 2020  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":1" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":1" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":1" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  17. a b Taylor, Derrick Bryson (8 de junho de 2020). «George Floyd Protests: A Timeline». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 9 de junho de 2020  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":2" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  18. Norwood, Candice (9 de junho de 2020). «'Optics matter.' National Guard deployments amid unrest have a long and controversial history». PBS NewsHour 
  19. Warren, Katy; Hadden, Joey (4 de junho de 2020). «How all 50 states are responding to the George Floyd protests, from imposing curfews to calling in the National Guard». Business Insider. Consultado em 8 de junho de 2020 
  20. a b Sternlicht, Alexandra. «Over 4,400 Arrests, 62,000 National Guard Troops Deployed: George Floyd Protests By The Numbers». Forbes (em inglês). Consultado em 13 de junho de 2020  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":5" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  21. Pham, Scott (2 de junho de 2020). «Police Arrested More Than 11,000 People At Protests Across The US». BuzzFeed News 
  22. «Associated Press tally shows at least 9,300 people arrested in protests since killing of George Floyd». Associated Press. 3 de junho de 2020. Consultado em 3 de junho de 2020 
  23. Condon, Bernard; Richmond, Todd; Sisak, Michael R. (3 de junho de 2020). «What to know about 4 officers charged in George Floyd's death». ABC7 Chicago (em inglês). Consultado em 6 de junho de 2020 
  24. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Fandos
  25. Hawkins, Derek (8 de junho de 2020). «9 Minneapolis City Council members announce plans to disband police department». The Washington Post. Consultado em 6 de junho de 2020 
  26. Para críticas à reação da administraçãoo Trump, consultar:
  27. Marie McCullough (27 de junho de 2020). «COVID-19 has not surged in cities with big protests, but it has in states that reopened early. Here are some possible reasons». Philadelphia Inquirer 
  28. «8 notable details in the criminal complaint against ex-Minneapolis Police Officer Derek Chauvin». Cable News Network 
  29. «New Videos Appear to Undermine Police Account That George Floyd 'Resisted' Officers». Vice 
  30. «F.B.I. to Investigate Arrest of Black Man Who Died After Being Pinned by Officer». The New York Times 
  31. «Video shows Minneapolis cop with knee on neck of motionless, moaning man who later died». CBS News 
  32. Aratani, Lauren (29 de maio de 2020). «George Floyd killing: what sparked the protests – and what has been the response?». The Guardian 
  33. «What we know about George Floyd's death in Minneapolis police custody». PBS Newshour 
  34. «Black Lives Matter Protests Over George Floyd's Death Spread Across the Country». The Daily Beast. Floyd, 46, died after a white Minneapolis police officer, Derek Chauvin, kneeled on his neck for at least seven minutes while handcuffing him. 
  35. Steinbuch, Yaron. «First responders tried to save George Floyd's life for almost an hour». New York Post (em inglês) 
  36. «In pictures: Protesting the death of George Floyd». CNN 
  37. «Demonstrators gather around Minneapolis to protest death of George Floyd». KSTP (em inglês) 
  38. «Family and Friends Mourn Minneapolis Police Killing Victim George Floyd». Time 
  39. «Minneapolis Protestors Trash Police Precinct During Clash over George Floyd's Death». nypost.com 
  40. «'It's Real Ugly': Protesters Clash With Minneapolis Police After George Floyd's Death» (em inglês) 
  41. «Shortly before 8 p.m. outside the 3rd Precinct headquarters, Minneapolis police in riot gear were firing chemical agents and sandbags at the protesters, who were throwing water bottles at them in what appeared to be a standoff.». Star Tribune 
  42. «Protestors Gather Where George Floyd Was Killed, As well as MPD 3rd Precinct». minnesota.cbslocal.com. Starting at about 6 p.m., police began firing chemical irritant and firing rubber bullets at the precinct, located near the intersection of Lake Street and Hiawatha Avenue, as video on social media shows some protesters once again began breaking the precinct's windows. 
  43. «Minneapolis Riots Real Instigator Arrest This Man!». www.youtube.com 
  44. «Did an undercover cop really vandalize a Minnesota AutoZone?». The Daily Dot (em inglês) 
  45. «'Not Our Officer': St. Paul PD Says Social Media Post Claiming One Of Its Officers Incited Mpls. Riots Is False». CBS Minnesota (em inglês) 
  46. «Looting and fires break out after protests in Minneapolis». fox9.com 
  47. «Minnesota Calls National Guard to Quell Violent Protests in Minneapolis». VOA 
  48. Sullivan, Tim; Forliti, Amy. «Violent protests rock Minneapolis for 2nd straight night over in-custody death». ABC7 Los Angeles (em inglês) 
  49. «George Floyd Riots: Violence Spans Twin Cities: 3rd Precinct Overtaken & Burned, Looting Continues, Businesses Torched». Minnesota CBS Local 
  50. «Tensions reignite near Minneapolis' 3rd Precinct». Fox 9 KMSP 
  51. «Minneapolis police precinct on fire as protests grow». KCRA 3 
  52. «CNN's Sara Sidner: 'Zero' police presence as precinct burns». CNN 
  53. «Minneapolis Mayor Jacob Frey Addresses City In The Middle Of Night Of Violence». CBS Minnesota (em inglês) 
  54. Bailey, Holly. «Chaotic scene in Minneapolis after second night of protests over death of George Floyd». Washington Post (em inglês) 
  55. «Police Arrest Black CNN Reporter Covering Minneapolis Protests: 'You Don't Have to Doubt My Story, You Saw It For Your Own Eyes'». The Root (em inglês) 
  56. a b Hanna, Jason. «A CNN crew has been arrested while covering Minneapolis protests». CNN 
  57. «CNN reporting crew arrested on camera by police in Minneapolis». NBC News (em inglês) 
  58. Smith, Eric; Miller, Ryan W.; Culver, Jordan; Shannon, Joel. «Minneapolis protests escalate as police precinct set on fire, CNN reporter arrested; Trump lashes out at looters on Twitter: What we know». USA TODAY (em inglês) 
  59. Rowland, Geoffrey. «Minnesota governor 'deeply apologizes' to CNN president after network crew arrested». TheHill (em inglês) 
  60. Yglesias, Matthew. «CNN reporter Omar Jimenez arrested live on the air in Minneapolis». Vox (em inglês) 
  61. realDonaldTrump (29 de maio de 2020). «The National Guard has arrived on the scene. They are in Minneapolis and fully prepared. George Floyd will not have died in vain. Respect his memory!!!» (Tweet) – via Twitter 
  62. realDonaldTrump (28 de maio de 2020). «I can't stand back & watch this happen to a great American City, Minneapolis. A total lack of leadership. Either the very weak Radical Left Mayor, Jacob Frey, get his act together and bring the City under control, or I will send in the National Guard & get the job done right.....» (Tweet) – via Twitter 
  63. TheoKeith (29 de maio de 2020). «BREAKING: Minnesota Gov. Tim Walz imposes an 8 p.m.-6 a.m. curfew in Minneapolis and St. Paul for both Friday and Saturday nights as Minnesota tries to restore order in the state's two biggest cities.» (Tweet) – via Twitter 
  64. TheoKeith (29 de maio 2020). «Walz nighttime curfew: "No one may travel on Minneapolis and Saint Paul streets or public places, except for first responders, members of the media, people going back and forth to work, individuals seeking emergency care or fleeing danger, and people experiencing homelessness."» (Tweet) – via Twitter 
  65. «Curfew to go into effect for Minneapolis-St. Paul starting at 8 p.m. on Friday». KTTC 
  66. Varner, Kirk. «KSTP news director responds to social media video regarding reporter Rich Reeve». KSTP (em inglês) 
  67. «Wife of Derek Chauvin, officer charged with murder in George Floyd's death, files for divorce». ABC News (em inglês) 
  68. «George Floyd Updates: 'Absolute Chaos' in Minneapolis as Protests Grow Across U.S.». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  69. a b «'This Is Not About George's Death': Protesters Defy Minneapolis Curfew Order, Fires Rage During 4th Night Of Unrest» (em inglês) 
  70. Haavik, Emily; Grisworld, David; Cashman, Tyler; Sandberg, Diane (31 de maio de 2020). «Twin Cities quieter Saturday as thousands of soldiers called in to control protests». KARE-TV (publicado em 30 de maio de 2020). Consultado em 31 de maio de 2020 
  71. «Peaceful Madison Protest Over Floyd Death Turns Violent». U.S. News & World Report. 31 de maio de 2020. Consultado em 31 de maio de 2020 
  72. «Floyd protests: Walz extends curfew; protesters block traffic on I-94». Minnesota Public Radio. 31 de maio de 2020. Consultado em 31 de maio de 2020 
  73. Sutton, Joe. «These are the US cities where George Floyd protests have happened». CNN 
  74. «Demonstrators clash with Atlanta police in violent protest against death of George Floyd». FOX 5 Atlanta 
  75. «Charlotte protest of George Floyd's death turns destructive». www.charlotteobserver.com 
  76. Alfonso III, Fernando. «CNN Center in Atlanta damaged during protests». CNN 
  77. «See the aftermath of protests outside CNN Center in Atlanta» (em inglês) 
  78. Stevens, Alexis; Boone, Christian. «Atlanta responds to George Floyd killing: Violence erupts downtown». ajc (em English) 
  79. Bicks, Emily. «WATCH: Video Appears to Show Kids With Riot Shields Standing Guard in Atlanta». Heavy.com (em inglês) 
  80. Loomes, Phoebe. «Protester shot dead by 'unknown gunman'». The Daily Telegraph (em inglês) 
  81. «Protests, some violent, spread to NYC, Atlanta in wake of George Floyd death». The Day (em inglês) 
  82. Wilson, Quinn. «Protesto em massa irrompe no centro de Bakersfield». The Bakersfield Californian 
  83. a b Jose Franco. «Bakersfield police arrest man accused of driving through crowd of protesters, striking girl». WWLP News 
  84. «Protesters Clash With Officers Outside Boston Police Station». Boston CBS Local 
  85. «Video captures protesters, Boston Police clashing outside South End precinct». WCVB News 
  86. Michael Bonner. «In wake of George Floyd's death, peaceful protests pop up across Massachusetts, from Boston to Springfield». MassLive 
  87. Ariana Tourangeau. «Peaceful protest in Springfield to honor George Floyd». KGET News 
  88. a b Jarett, Brandon. «UPDATE: Woman struck by truck during Black Lives Matter protest in Bowling Green». 13WBKO 
  89. https://definitions.uslegal.com/w/wanton-endangerment/
  90. https://www.charlotteobserver.com/news/local/article243091021.html
  91. Wagner, Jeff. «'I'm Not Gonna Stand With Nonsense': 2nd Night Of Minneapolis George Floyd Protests Marked By Looting, Tear Gas, Fires». minnesota.cbslocal.com 
  92. «Death of George Floyd Protesters Block Traffic on I-75 in Cincinnati». www.daytondailynews.com 
  93. «Protest in downtown Columbus broken up after demonstrators breach Ohio Statehouse». NBC4 WCMH-TV (em inglês) 
  94. «Violence again rocks Minneapolis after man's death; 1 killed». nbc4i.com 
  95. Clay, Jarrod. «Downtown Columbus protests turn destructive». abc6onyourside.com 
  96. Clay, Jarrod. «'Windows can be replaced, lives can't': protestors defend damage, destruction in downtown Columbus». abc6onyourside.com 
  97. «Downtown Columbus vandalized after police use pepper spray to disperse protesters». WBNS-10TV Columbus, Ohio | Columbus News, Weather & Sports 
  98. Thomas, Matthew. «Downtown Columbus businesses vandalized after George Floyd protest turns destructive». abc6onyourside.com 
  99. «Protests in Dallas, Fort Worth seek justice for black Americans killed by police». Dallas News (em inglês) 
  100. «Police Accountability Protest At State Capitol Turns Violent With Shots Fired, Property Damage». 4 CBS Denver (em inglês) 
  101. «Shots Fired During Denver Protest of Minneapolis Man's Death». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  102. «Video: Driver appears to intentionally hit man protesting death of George Floyd». KUSA.com (em inglês) 
  103. «Violent Denver George Floyd Protests: 13 Arrests, 3 Police Officers Hurt» (em inglês) 
  104. «Violence erupts as protesters face off with police in Des Moines». KCCI 
  105. «19-year-old shot and killed during downtown Detroit protest» 
  106. «WATCH: Hundreds gather at large protest in downtown Detroit on Friday night». WXYZ (em inglês) 
  107. «March in Eugene to protest George Floyd death takes destructive turn». KVAL 
  108. «Fort Wayne police fire tear gas as protesters spill into the streets». WPTA21 (em inglês) 
  109. McGuinness, Dylan. «Houston mayor calls for unity, peace amid protests over George Floyd's death». Houston Chronicle 
  110. Hill, Crystal; Ryckaert, Vic; Wilkinson, Kelly; Watson, Jenna; Martin, Ryan. «Downtown Indianapolis protests turn tense: police use tear gas, shots fired at deputy». The Indianapolis Star 
  111. «KC police use pepper spray to disperse Westport protesters». KSHB (em inglês) 
  112. «George Floyd protest on Las Vegas Strip turns into tense standoff». Las Vegas Review-Journal (em inglês) 
  113. «Protesters clash with police, shut down 110 Freeway, in L.A. demonstration over killing of George Floyd». Los Angeles Times (em inglês) 
  114. «7 shot at Louisville protest over fatal police shooting». Associated Press (em inglês) 
  115. «7 People Shot at Louisville Protest Over the Death of Breonna Taylor». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  116. «Protesters clash with police after former officer is charged in George Floyd's death» (em inglês) 
  117. Culver, Jordan; Kiggins, Steve. «'Stop killing black people': George Floyd's death sparks protests in Minneapolis, Memphis, LA». USA TODAY (em inglês) 
  118. «Protest against police brutality shuts down Union Avenue». www.wmcactionnews5.com 
  119. «Milwaukee protest updates: 'I look just like them' - Owner of looted cellphone shop furious with how George Floyd protest escalated». Milwaukee Journal Sentinel (em inglês) 
  120. Dean, Ashley. «Dozens Gather At Claiborne And Esplanade To Protest Police Violence And George Floyd's Killing». www.wwno.org 
  121. «Protests Flare in Brooklyn Over Floyd Death as de Blasio Appeals for Calm». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  122. «At Least 40 Arrests Made At Union Square Protest Over George Floyd's Death» (em inglês) 
  123. «Minnesota protest live updates: Trump warns military could 'assume control' of protest response» (em inglês). Several police officers were taken to the hospital with minor injuries, one with a possible concussion. 
  124. «More Arrests Made As Another Round Of Protests Over George Floyd's Death Takes Place In Lower Manhattan». newyork.cbslocal.com 
  125. «More Than 40 Arrested During George Floyd Protest at Union Square». NBC New York (em inglês) 
  126. «George Floyd protests in NYC turn violent: Officers punched, pelted, more than 40 people arrested». foxnews.com 
  127. «Protests in George Floyd's death turn violent in Brooklyn; cops injured, hundreds arrested» (em inglês) 
  128. Turner-Cohen, Alex. «How protesters are spotting undercover cops in crowds». News.com.au (em inglês) 
  129. Loomes, Phoebe. «Officer killed in US protests as law enforcement struggle to contain violence». News.com.au (em inglês) 
  130. Vandell, Perry. «Hundreds protest in downtown Phoenix over George Floyd's death; pepper spray used on protesters». azcentral (em inglês) 
  131. «Hundreds gather in North Portland for Floyd vigil». KOIN.com (em inglês) 
  132. Harbarger, Molly. «Riot erupts in downtown Portland, after peaceful protest of George Floyd killing» (em inglês). The Oregonian 
  133. «Hundreds gather in Richmond to protest George Floyd's death, police brutality». WTVR-TV 
  134. «WATCH NOW: Richmond protest turns violent». Richmond Times-Dispatch 
  135. «Police: Richmond man accused of shooting Chesterfield officer in the leg arrested». WRIC-TV 
  136. «Live Updates: Hundreds gather to show solidarity with Minneapolis at Sacramento rally». abc10.com 
  137. «Demonstrators Protesting George Floyd's Death Block Hwy. 101, March in San Jose». NBC Bay Area 
  138. Choe, Jonathan. «March in response to George Floyd's death planned for tomorrow in downtown Seattle». KOMO News 
  139. «Seattle protesters break windows, clash with police in rallies sparked by death of George Floyd». The Seattle Times 
  140. Carson, David; Heffernan, Erin; Harris, Taylor Tiamoyo. «Final protesters Saturday morning block Interstate 70 for almost 3 hours, disperse scene after gunshots». STLtoday.com 
  141. Behrmann, Savannah. «White House was locked down as protests over Floyd's death reach nation's capital». USA TODAY (em inglês) 
  142. Toohey, Grace; Weiner, Jeff. «As ex-Minneapolis officer arrested on murder charge, protesters at his Orlando-area home demand justice for George Floyd». orlandosentinel.com 
  143. Balk, Tim. «These are the 13 people who have died since George Floyd protests started last week». nydailynews.com 
  144. «Over 9,000 arrested during days of unrest, as protests continue across US despite curfews». abc.net.au. 2 de junho de 2020 
  145. «Retired officer, ex-college athlete among victims of unrest» (em inglês). Associated Press. 2 de junho de 2020. Consultado em 2 de junho de 2020 
  146. «Nearly a dozen deaths tied to continuing unrest in US». aljazeera.com 
  147. «Man dead, 14-year-old in critical condition after latest shooting in Seattle's CHOP». Q13 FOX News (em inglês). 29 de junho de 2020. Consultado em 29 de junho de 2020 
  148. «Man shot dead outside Lake Street pawnshop during unrest is identified». Star Tribune 
  149. CNN, Jennifer Henderson and Madeline Holcombe. «Man fatally shot during protests in Detroit». CNN 
  150. «Federal Protective Service officer killed in Oakland shooting amid protests». NBC News 
  151. «Man dragged by FedEx truck dies during night of George Floyd protests in St. Louis». 31 de maio de 2020 
  152. «1 Dead, at Least 5 Wounded in Shootings in Downtown Chicago Saturday Night». WMAQ-TV (em inglês). 31 de maio de 2020. Consultado em 31 de maio de 2020 
  153. Meadows, Danielle (31 de maio de 2020). «Omaha Police investigate Saturday night shooting death of protester». 3News Now KMTV. Consultado em 31 de março de 2020 
  154. Fedschun, Travis (31 de maio de 2020). «Indianapolis riots leave 2 dead after 'multiple shootings' reported downtown, buildings damaged». Fox News 
  155. realDonaldTrump (27 de maio de 2020). «At my request, the FBI and the Department of Justice are already well into an investigation as to the very sad and tragic death in Minnesota of George Floyd....» (Tweet) – via Twitter 
  156. «'When the looting starts, the shooting starts': Trump weighs in on Minneapolis protests». The Sydney Morning Herald 
  157. «Minnesota protest updates: Trump warns military could 'assume control' of protest response». ABC News 
  158. «Trump warns 'when looting starts, shooting starts' as fires burn in Minneapolis». NBC News 
  159. Stelter, Brian. «Trump tweets on protests: 'When the looting starts, the shooting starts'». CNN 
  160. «Twitter Places Warning on a Trump Tweet, Saying It Glorified Violence». The New York Times 
  161. «Trump's Order on Social Media Could Harm One Person in Particular: Donald Trump». The New York Times 
  162. Chalfant, Morgan. «Trump accuses Twitter of unfair targeting after company labels tweet 'glorifying violence'». The Hill 
  163. realDonaldTrump (29 de maio de 2020). «Looting leads to shooting, and that's why a man was shot and killed in Minneapolis on Wednesday night - or look at what just happened in Louisville with 7 people shot. I don't want this to happen, and that's what the expression put out last night means....» (Tweet) – via Twitter 
  164. «Pentagon puts military police on alert to go to Minneapolis». AP NEWS 
  165. Liptak, Kevin;Westwood, Sarah. «Trump declares himself the 'law and order' president as peaceful protesters are dispersed». CNN. Consultado em 2 de junho de 2020 
  166. Yeung, Jessie.; et al. (2 de junho de 2020). «Pentagon moves 1,600 active duty troops into the DC area to assist civil authorities». CNN (em inglês). CNN. Consultado em 3 de junho de 2020 
  167. Uren, Adam. «A list of the buildings damaged, looted in Minneapolis and St. Paul». Bring Me The News (Maven) 
  168. «Minneapolis Police Killed George Floyd, Then Failed To Protect Property Owners From Riots». Reason.com (em inglês) 
  169. «Target Closes 24 Stores Around Twin Cities As Protests Continue». CBS Minnesota 
  170. «Former Minneapolis police officer Derek Chauvin arrested». MinnPost 
  171. Olson, Jeremy. «Protests could trigger virus surge in Minnesota as deaths hit new high». Star Tribune