Ditado popular

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde outubro de 2014). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.

Ditado popular ou provérbio[1] ou ainda adágio[2] é uma frase do popular, com um texto mínimo de autor desconhecido que é várias vezes repetido e se baseia no senso comum de um determinado meio cultural, como por exemplo: “antes ele do que eu”.

Ditados tornam-se expressões comuns e se mantêm imutáveis através dos anos, constituindo uma parte importante de cada cultura.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Lista de ditados[editar | editar código-fonte]

A César o que é de César, a Deus o que é de Deus.

Água mole, pedra dura, tanto bate até que fura.

A pressa é a inimiga da perfeição.

À noite todos os gatos são pardos.

As aparências enganam.

Antes só do que mal acompanhado.

Casa de ferreiro, espeto de pau.

Cavalo dado não se olha os dentes.

Camarão que dorme a onda leva.

Cada macaco no seu galho.

Cão que ladra não morde.

Caiu na rede, é peixe.

Deus escreve certo por linhas tortas.

Deus ajuda quem cedo madruga

De grão em grão a galinha enche o papo.

Dois coelhos com uma cajadada só.

Em terra de cego, quem tem um olho é rei

Em terra de saci qualquer chute é voadora.

É dando que se recebe.

Filho de peixe, peixinho é.

Ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão

Mente vazia, oficina do diabo.

Mais vale um pássaro na mão do que dois voando.

Mentira tem perna curta.

O barato sai caro.

Onde há fumaça há fogo.

O que os olhos não veem, o coração não sente.

O seguro morreu de velho

Papagaio que acompanha joão-de-barro vira ajudante de pedreiro

Para bom entendedor, meia palavra basta.

Pimenta nos olhos dos outros é refresco.

Quando um burro fala, o outro abaixa a orelha.

Quem com ferro fere, com ferro será ferido.

Quem canta seus males espanta.

Quem mistura-se com porcos, farelo come.

Quem não tem cão, caça como gato.

Quem pode, pode; quem não pode, se sacode.

Quem ri por último ri melhor.

Quem semeia vento, colhe tempestade.

Saco vazio não para em pé.

Se chove em Florença, rume a Roma.

Um dia é da caça, outro do caçador.

Um tiro para o lado, dois pulos para frente.


Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Cultura é um esboço relacionado ao Projeto Cultura. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.