Processo de Reorganização Nacional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ditadura militar argentina)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Processo de Reorganização Nacional é a autodenominação da ditadura que se instalou na Argentina, após o golpe de estado levado efeito em 24 de março de 1976, orquestrado pelos líderes das três forças armadas e que pôs fim ao governo de Isabelita Perón, instalando no poder uma junta militar constituída pelos comandantes das três Forças Armadas: Jorge Rafael Videla (Exército), Emilio Massera (Marinha) e Orlando Agosti (Força Aérea). Na sequência, Jorge Videla assumiria de facto a presidência da República.

O Processo, que perdurou até 10 de dezembro de 1983, foi caracterizado por violência política e perseguição aos opositores, tanto das facções da esquerda quanto do movimento peronista.

O governo militar seguidor ideológico do fascismo[1] sequestrou, torturou e assassinou milhares de dissidentes e suspeitos políticos, incluindo médicos e advogados que ofereciam apoio profissional aos perseguidos, e estabeleceu centros clandestinos de detenção para executar tais tarefas de guerra suja. Aproximadamente 30 mil pessoas foram assassinadas pelo regime militar, sendo contabilizados como "desaparecidos".

A derrota argentina frente ao Reino Unido, na Guerra das Malvinas, marca a fase final do período. Eleições democráticas foram realizadas meses depois.

Referências

  1. Here are 7 fascist regimes enthusiastically supported by America. Por Alex Henderson. Raw Story, 10 de fevereiro de 2015

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a Argentina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.