Dividir para conquistar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em política e sociologia, dividir para conquistar (ou dividir para reinar), (derivado do grego: διαίρει καὶ βασίλευε), consiste em ganhar o controle de um lugar através da fragmentação das maiores concentrações de poder, impedindo que se mantenham individualmente. O conceito refere-se a uma estratégia que tenta romper as estruturas de poder existentes e não deixar que grupos menores se juntem.

Esse conceito foi utilizado pelo governante romano César (divide et impera), Filipe II da Macedónia e imperador francês Napoleão (divide ut regnes). Também há o exemplo de Aulo Gabínio, que repartiu a nação judaica em cinco convenções, conforme relatado no livro I de A Guerra dos Judeus (De bello Judaico), do historiador Flávio Josefo.[1] Em Geografia, 8.7.3, Estrabão relata que a Liga Aqueia foi gradativamente dissolvida sob a posse romana da Macedónia, porque eles não lidavam com todos os estados da mesma maneira.[2]

Na era moderna, Traiano Boccalini, em La bilancia politica, cita "divide et impera" como um princípio comum na política. O uso desta técnica refere-se ao controle que o soberano possui sobre populações ou facções de diferentes interesses, que juntas poderiam ser capazes de se opor ao seu governo. Sendo assim, o governante precisa evitar que os diferentes grupos e populações se entendam, pois uma união poderia causar uma oposição forte demais. Maquiavel cita uma estratégia militar parecida no livro IV de A Arte da Guerra (Dell'arte della guerra), dizendo que um capitão deve se esforçar ao máximo para dividir as forças do inimigo, seja fazendo-o desconfiar dos homens que confiava antes ou dando-lhe motivos para separar suas forças, enfraquecendo-as.[3][4]

A estratégia de divisão e regra tem sido atribuída aos soberanos que variam de Luís XI para os Habsburgos. Edward Coke denuncia no Capítulo I da Quarta Parte dos Institutos, relatando que quando foi exigido pelos Lordes e Comuns que poderia ser um dos principais motivo para que eles tenham um bom sucesso no Parlamento, foi respondido: "Eritis insuperabiles, Si inseparabiles fueritis Explosum est illud diverbium.:. Divide, e impera, cum radix & imperii vértice em obedientium consenso rata sunt" [Você seria insuperável se eram inseparáveis. Este provérbio, Dividir para reinar, foi rejeitada, uma vez que a raiz e o ápice da autoridade são confirmadas pelo consentimento dos sujeitos.] Por outro lado, em uma variação menor, Sir Francis Bacon escreveu a frase "separa et impera" em uma carta a James I. Em 15 de fevereiro de 1615 James Madison fez esta recomendação em uma carta a Thomas Jefferson de 24 de outubro de 1787,[5] que sintetiza a tese de O Federalista[6] "Divide et impera, o reprovado axioma da tirania, é sob certas (algumas) qualificações, a única política, pela qual uma república pode ser administrada em princípios justos." Em paz perpétua: um esboço filosófico por Immanuel Kant (1795), Apêndice um, 'divide et impera' é a terceira das três máximas políticas, sendo as outras 'Fac et excusa' (Agir agora, e pedir desculpas mais tarde) e 'Si fecisti', nega (quando você cometer um crime, negá-lo).

Basicamente, os elementos dessa técnica envolvem:

  • Criar ou estimular divisões entre os indivíduos com o objetivo de evitar alianças que poderiam desafiar o soberano;
  • Auxiliar, promover e dar poder político para aqueles que estão dispostos a cooperar com o soberano;
  • Fomentar a inimizade e desconfiança entre os governantes locais;
  • Incentivar gastos sem sentido que reduzam a capacidade de gastos políticos e militares.


Historicamente, esta estratégia foi utilizada de muitas maneiras diferentes pelos impérios que buscaram expandir seus territórios.

O conceito também é mencionado como uma estratégia de ação do mercado na economia para obter o máximo dos jogadores em um mercado competitivo.

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Flavius Josephus, The Wars of the Jews, Book I, section 159». Perseus.tufts.edu. Consultado em 27 de agosto de 2011 
  2. «Strabo, Geography, Livro 8, capítulo 7, seção 1». Perseus.tufts.edu. Consultado em 27 de agosto de 2011 
  3. http://etext.library.adelaide.edu.au
  4. http://www.intratext.com
  5. «Constitutional Government: James Madison to Thomas Jefferson». Press-pubs.uchicago.edu. Consultado em 27 de agosto de 2011 
  6. constitution