Dodecafonismo serial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde dezembro de 2009). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

As catástrofes sociais que abalaram o mundo na primeira metade do século XX mostraram o quanto era falso continuar fazendo música em termos de passado. Pesquisas rítmicas, o ressurgimento de formas musicais antigas para resultados modernos, o uso de várias tonalidades (politonalismo) ou de nenhuma (anatonalismo) não constituem mero exotismo. Simplesmente refletem, com a força do real, a verdade da nossa época.

Segunda escola de Viena[editar | editar código-fonte]

Inaugurada pelo compositor austríaco Arnold Schoenberg (1874-1951) e seus dois principais alunos: Anton Webern (1883-1945) e Alban Berg (1885-1935).No início do século XX, os compositores eruditos buscavam alternativas para substituir o sistema tonal, que marcara a história da música desde inícios do século XVII.

Depois do período romântico, a música erudita não tinha mais o que inovar dentro das consonâncias e do tonalismo, e os compositores buscavam outros caminhos, tais como, o impressionismo musical (Claude Debussy), o politonalismo (Darius Milhaud), as tendências nacionalistas (Béla Bartok, Villa-Lobos) e, sobretudo, o atonalismo, praticado por Arnold Schoenberg no início de sua obra.

No início da década de 1920, Schoenberg teve a grande idéia de inventar um sistema para compor música atonal: o dodecafonismo.

A música de Anton Webern constitui a expressão mais radical da estética dodecafônica. Ao invés de melodias, suas obras são verdadeiras composições de timbres: ou seja, cada som é valorizado na sua individualidade. As músicas de Webern, extremamente curtas, se ouvem como cristais sonoros.

O dodecafonismo[editar | editar código-fonte]

O dodecafonismo é um estilo de se compor, englobado na Música Erudita e criado na década de 1920 pelo compositor austríaco Arnold Schoenberg. Ele foi o expoente da atonalidade no modernismo musical. Ainda que vários outros compositores experimentassem abandonar o esquema arraigado da tonalidade jamais o abandonaram completamente, fosse pela bitonalidade ou pela politonalidade. Igor Stravinsky é exemplo dessas últimas. Schoenberg, porém, logo considerou a linguagem atonal, ou seja, a não estruturação da composição sobre um eixo harmônico central, demasiadamente sem regras. Construiu então um método para organizar os doze tons da escala cromática igualmente. Essa técnica foi apresentada como "sistema dos 12 tons" que logo ficou conhecida como dodecafonismo serial.

No dodecafonismo não se escuta um tom duas vezes antes de ouvir os outros onze. Através de séries preestabelecidas de 12 sons diferentes e independentes entre si é que eram feitas as composições. O método nasceu em 1923 e perdurou até 1960 quando alguns dos próprios discípulos de Schoenberg consideraram-no morto.

Na forma de arte dodecafonista, Arnold Schoenberg conseguiu causar o definitivo rompimento com a cultura e o padrão clássico. Embora haja cromatismo na música de compositores como Richard Wagner, apenas Schoenberg de fato rompeu com a estrutura tonal. Esta estética foi rejeitada por grande parte dos ouvintes e críticos, por considerá-la "desagradável", ainda que esses compositores não tivessem intenção de escrever música bonita e agradável, mas enfocar outros elementos como os timbres ou mesmo a "ausência de som".