Saúde canina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Doenças caninas)
Ir para: navegação, pesquisa

A saúde canina é uma área bem estudada na medicina veterinária.

Doenças infecciosas que afetam os cães são importantes não só do ponto de vista veterinário, mas também devido ao risco para a saúde pública; um exemplo disso é a raiva. Desordens genéticas também afetam os cães, muitas vezes devidas a reprodução seletiva para produzir raças de cães individuais. Devido à popularidade de alimentos caseiros e industrializados, nutrição também é um tópico muito estudado.

Doença cardíaca[editar | editar código-fonte]

Coração de Cachorro. Em exposição no MAV/USP.

Raças de cães mais velhos e pequenos são mais propensas a insuficiência cardíaca congestiva, devido à degeneração da válvula mitral. Esta condição é conhecida por ser herdada por Cavalier King Charles Spaniels. A doença da válvula degenerativa é a forma mais comum de doença cardíaca em cães.[1] A insuficiência mitral leva a turbulência do fluxo sanguíneo e aumento da pressão no átrio esquerdo. Isto provoca um aumento da pressão nos vasos sanguíneos pulmonares e edema pulmonar (acúmulo de líquido nos pulmões). A diminuição da saída de sangue pelo ventrículo esquerdo faz com que o corpo compense aumentando o tônus simpático e ativando o sistema renina–angiotensina–aldosterona (SRAA). O aumento do tônus simpático leva ao aumento da resistência vascular periférica e da freqüência cardíaca e a contratilidade do músculo cardíaco. Aumento crônico do tônus simpático danifica o músculo cardíaco. A ativação do SRAA resulta em aumento de retenção de água e sódio pelos rins, vasoconstrição, e outros efeitos que resultam no aumento do volume de sangue. Isto também resulta em um aumento na pressão diastólica e leva a um edema pulmonar. O tratamento para a insuficiência cardíaca congestiva tem historicamente sido centrada em dois tipos de drogas que resolvem esses problemas: diuréticos (especialmente a furosemida), o que reduz o volume do sangue, e inibidores da ECA, que interrompe o SRAA. Recentemente, pimobendan - que aumenta a força com que o coração se contrai, e é também um vasodilatador - está sendo mais amplamente utilizado no tratamento da insuficiência cardíaca congestiva causada por doença valvular. Um grande estudo veterinário, chamado estudo QUEST (QUality of life and Extension of Survival Time, em inglês, ou Qualidade de vida e a Extensão do Tempo de Sobrevivência), publicado em setembro de 2008, descobriu que os cães com insuficiência cardíaca congestiva que recebiam pimobendanfurosemida tiveram resultados de sobrevivência significativamente melhores do que aqueles que receberam o benazepril (um inibidor da ECA) e furosemida.[2] No entanto, inibidores da ECA e pimobendan têm mecanismos de ação diferentes, e muitos cardiologistas veterinários recomendam que eles sejam usados simultaneamente.

Miocardiopatia, ou a doença do músculo cardíaco, também é vista em cães e está associada com várias raças (com exceção do Cocker Spaniel, uma raça de médio porte). Cardiomiopatia dilatada é vista em Great Danes, Irish Wolfhounds, São-Bernardos, Dobermanns, Boxers, e outras raças de grande porte. Dobbermanns, além da falha do músculo cardíaco são propensos a arritmia ventricular. Boxers são predispostos a uma cardiomiopatia única, com mudanças clínicas e histológicas análogas a cardiomiopatia arritmogênica ventricular direita (CAVD) humana.[3] A doença tem sido chamada de "cardiomiopatia do Boxer"*** ou "CAVD do Boxer", e é caracterizada pelo desenvolvimento de taquiarritmias ventriculares.[4] Cachorros afetados correm risco de síncope e morte cardíaca súbita.[3] Myocardial failure and congestive heart failure are rare manifestations of this disease.[4]

Doenças infecciosas[editar | editar código-fonte]

Uma doença infecciosa é causada pela presença de organismos, tais como vírus, bactérias, fungos ou parasitas (animal ou protozoários ). A maioria destas doenças são transmitidas diretamente de cão para cão, enquanto outros exigem um vetor tal como um carrapato ou mosquito[5]. Algumas doenças infecciosas são uma preocupação do ponto de vista de saúde pública, porque elas são zoonose (transmissíveis aos seres humanos).

Parvovirose[editar | editar código-fonte]

É uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus chamado Parvovírus. Esta virose pode afetar cães de qualquer idade, porém, os filhotes são mais suscetíveis à doença. Pois na maioria dos casos os filhotes de cães ainda não foram imunizados.A Parvovirose canina pode ser transmitida pelo contato com as fezes e secreções de animais contaminados. Os sintomas iniciais incluem perda de apetite, diarreia, vômitos, desidratação, problemas respiratórios. A principal forma de prevenir esta doença é vacinação.[6]

Babesiose[editar | editar código-fonte]

Também conhecida de Piroplasmose  ou doença de carrapato. É uma doença provocada pela Babesia Canis, a transmissão ocorre através do carrapato do cão  (Rhipicephalus), que pica o animal doente, e em seguida pica o cão sadio.  O Babesia  Canis invade a corrente sanguínea e causa uma grave anemia. Os sintomas incluem febre, anorexia, icterícia,  fadiga, entre outros. O método de prevenção é a higienização do ambiente, medicamentos para eliminar o protozoário.[7]

Coronavírus[editar | editar código-fonte]

É uma doença causada por um vírus do gênero  (Coronavírus Canino). É também conhecida como Gastroenterite . É uma enfermidade que difunde rapidamente. A transmissão ocorre através do contato com as fezes de animais contaminados. Os principais sintomas são: vômitos, diarréia, anorexia, dor abdominal e  febre . A melhor prevenção é a vacinação. [8]


Tosse do Canis[editar | editar código-fonte]

Também chamada de  Traqueobronquite Infecciosa Canina. É uma doença contagiosa, provocada pelos vírus Adenovírus Tipo II, Parainfluenza Vírus e a Bactéria Bordetela Bronchiseptica. O contágio se dá pelo contato entre cães sadios com cães doentes. Os sintomas comuns são tosse seca , espirros, ânsia de vomito. Em casos mais graves apresenta febre, falta de apetite, coriza. O controle da doença se obtém pela vacinação.[9]

Hepatite infecciosa[editar | editar código-fonte]

Trata-se de uma virose aguda, febril, atinge os cães de qualquer idade. É uma doença que afeta o fígado do cães e os filhotes são mais susceptíveis. É causada por um vírus adenovírus canino 1 ou CAV-1. O contágio da hepatite acontece por meio das secreções de um cão infectado. O cão apresenta os principais sintomas: apatia, tosse, vômito, edemas, causa muita sede, temperatura elevada. Em casos mais graves pode ocorrer a paralisia dos membros. A hepatite canina pode ser evitada através da vacinação.[10]

Giardíase[editar | editar código-fonte]

A giardíase canina é uma doença provocada por um protozoário ( Giárdia Lamblia) que aloja no intestino dos animais. A infecção acontece quando o cão ingere água e alimentos contaminados por cistos oriundos das fezes de outro cachorro já infectado. Os principais sintomas são: Diarreia, vômito, desidratação, perda de peso, entre outros.Recomenda-se a vacinação, bons hábitos de higiene como método de prevenção. Vale ressaltar, que as pessoas também estão sujeitas a adquirir essa doença. [11]


Parasitas externos[editar | editar código-fonte]

  • As pulgas e os carrapatos de várias espécies pode ser adquiridos e levados para casa por um cão, onde eles podem multiplicar-se e infectar seres humanos. Estes dois parasitas são particularmente importantes para notar, que doenças como a doença de Lyme tornou-se endêmica ao longo de uma grande área, além de outras doenças semelhantes, como febre maculosa . Embora os cães não parecem ser tão suscetíveis a doenças como seres humanos, bactérias como rickettsia são transmitidas por cães para humanos através de mecanismos como um cão matar um animal infectado e, em seguida, entrando em contato com seus donos, para fatalmente infectar a maioria da família.
  • Vários ácaros causam problemas de pele, tais como sarna.
  • Mosquitos

Parasitas internos[editar | editar código-fonte]

Pulmões e traqueia canina. Em exposição no MAV/USP.
  • Parasitas , vermes intestinais particularmente, como ancilostomídeos , tênias e lombrigas , podem ser transmitidos nas fezes de um cão. Alguns vermes têm pulgas como hospedeiros intermediários: o ovo sem-fim deve ser consumido por uma pulga para eclodir, então a pulga infectada deve ser ingerida (geralmente pelo cão, mas ocasionalmente por um ser humano através de vários meios) para o verme adulto estabelecer-se nos intestinos. Ovos do verme então passa através dos intestinos até aderir às regiões inferiores do cão, e o ciclo começa novamente. Vermes intestinais causam vários graus de desconforto.
  • Dirofilariose é um cão parasitóide. É difícil de eliminar e podem ser fatais; prevenção, no entanto, é facilmente conseguida usando medicação. Como o nome sugere, um mosquito infectado injecta uma larva na pele do cão, onde ele migra para o sistema circulatório e passa a residir nas artérias pulmonares e cardíacas, crescendo e reproduzindo a um grau alarmante. Os efeitos sobre o cão são bastante previsíveis, insuficiência cardíaca ao longo de um ano ou dois, levando à morte. O tratamento de um cão infectado é difícil, envolvendo uma tentativa de envenenar o parasita com arsénio composto sem matar o cão enfraquecido, e frequentemente sem êxito. A prevenção é muito melhor, por meio de profiláticos heartworm que contêm um composto que mata as larvas imediatamente após a infecção, sem prejudicar o cão. Muitas vezes eles estão disponíveis combinados com outros preventivos parasita.
  • Hidatidose é causada por um cestóide Echinococcus . Esta é geralmente observada entre cães, cães selvagens, raposas, etc. Devido à sua importância como zoonose , estes vermes são importantes para tratar. Prevenir hidatidose é uma tarefa mais fácil do que tratar o mesmo. Antigelminticos como praziquantel podem ajudar a prevenir esta condição. Proibição da alimentação dos cães com miudezas não cozidas pode ser a melhor medida profilática contra esses vermes .

Galeria (anatomia)[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Degenerative Valve Disease». The Merck Veterinary Manual. 2006. Consultado em 4 de setembro de 2007 
  2. Häggström J, Boswood A, O'Grady M, et al. (2008). «Effect of pimobendan or benazepril hydrochloride on survival times in dogs with congestive heart failure caused by naturally occurring myxomatous mitral valve disease: the QUEST study». J. Vet. Intern. Med. 22 (5): 1124–35. doi:10.1111/j.1939-1676.2008.0150.x. PMID 18638016 
  3. a b Basso C, Fox PR, Meurs KM, et al. (March 2004). «Arrhythmogenic right ventricular cardiomyopathy causing sudden cardiac death in boxer dogs: a new animal model of human disease». Circulation. 109 (9): 1180–5. doi:10.1161/01.CIR.0000118494.07530.65. PMID 14993138  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. a b Meurs KM (September 2004). «Boxer dog cardiomyopathy: an update». Vet. Clin. North Am. Small Anim. Pract. 34 (5): 1235–44, viii. doi:10.1016/j.cvsm.2004.05.003. PMID 15325480  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. «Tick-borne infectious diseases of dogs». Consultado em 14 December 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  6. Moraillon, Robert; Legeay, Yves; Boussarie, Didier; Sénécat, Odile (2013). pag 456 Manual Elsevier de Medicina Veterinária Verifique valor |url= (ajuda). Rio de Janeiro: Elsevier Brasil. Consultado em 25 de fevereiro de 2017 
  7. Robert, 2013, p. 82
  8. Quinn, 2005, p. 406
  9. Quinn, P.J, B. K. Markey,M. E. Carter,W. J. Donnelly,F. C. Leonard (2005). pag 161 Microbiologia veterinária e doenças infecciosas Verifique valor |url= (ajuda). Porto Alegre: Artmed Editora. Consultado em 25 de fevereiro de 2017 
  10. Millen, Eduardo (1995). pag 111 Zootecnica e Veterinário- Teoria e Práticas Gerais Verifique valor |url= (ajuda). Campinas: ICEA. p. 111. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  11. Nelson, Richarde W, Couto C. Guilhermo (2015). pag 469 Medicina Interna de Pequenos Animais Verifique valor |url= (ajuda). Rio de Janeiro: Elsevier Brasil. Consultado em 25 de fevereiro de 2017