Dogons

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Dois dogons com máscaras tradicionais

Dogons são um grupo étnico nativo da região do planalto central do Mali, na África Ocidental, ao sul da curva do Níger, perto da cidade de Bandiagara e em Burkina Faso . A população está entre 400 mil e 800 mil pessoas.[1] Eles falam as línguas dogon, que são consideradas um ramo independente da família linguística nigero-congolesas, o que significa que não estão intimamente relacionadas com outras línguas.[2]

Os dogons são mais conhecidos por suas tradições religiosas, suas danças de máscaras, esculturas de madeira e sua arquitetura. Desde o século XX, houve mudanças significativas na organização social, cultura material e crenças desse povo, em parte porque seu território é uma das principais atrações turísticas do Mali. [3]

Geografia e história[editar | editar código-fonte]

A principal área dogom é cortada pelas Falésias de Bandiagara, um penhasco de arenito de até 500 m de altura, estendendo-se cerca de 150 km. A sudeste da falésia, encontram-se as planícies arenosas de Séno-Gondo, e a noroeste da falésia estão as Terras Altas de Bandiagara. Historicamente, as aldeias dogom foram estabelecidas na área de Bandiagara há mil anos porque as pessoas coletivamente se recusaram a se converter ao Islã e se retiraram de áreas controladas por muçulmanos.[4]

A insegurança dos dogom diante dessas pressões históricas os levou a localizar suas aldeias em posições defensáveis ao longo dos muros da escarpa. O outro fator que influenciou a escolha do local de assentamento foi o acesso à água. O rio Níger está próximo e na rocha de arenito, um riacho corre ao pé da falésia no ponto mais baixo da área durante a estação chuvosa.

Habitações dogom ao longo da Falésia de Bandiagara
Um caçador dogom com um rifle de pederneira, 2010.

Entre os dogons, várias tradições orais foram registradas quanto à sua origem. Uma delas diz respeito à sua vinda de Mande, localizada a sudoeste da escarpa de Bandiagara, perto de Bamako. De acordo com esta tradição oral, o primeiro assentamento dogom foi estabelecido no extremo sudoeste da escarpa de Kani-Na.[5][6] Estudos arqueológicos e etnoarqueológicos na região dogom têm sido especialmente reveladores sobre o assentamento e história ambiental, e sobre práticas sociais e tecnologias nesta área ao longo de vários milhares de anos.[7][8][9]

Com o tempo, os dogons moveram-se para o norte ao longo da escarpa, chegando à região de Sanga no século XV.[10] Outras histórias orais situam a origem dos dogons a oeste, além do rio Níger, ou falam dos dogons vindos do leste. É provável que os dogons de hoje sejam descendentes de vários grupos de diversas origens que migraram para escapar da islamização.[11]

Muitas vezes é difícil distinguir entre práticas pré-muçulmanas e práticas posteriores. Mas a lei islâmica classificou os dogons e muitas outras etnias da região (mossis, gurmas, bobôs, busas e iorubás) como estando dentro do dar al-harb não canônico e, consequentemente, suscetíveis a ataques de escravos organizados por mercadores.[12] À medida que o crescimento das cidades aumentou, a demanda por escravos em toda a região da África Ocidental também aumentou. O padrão histórico incluiu o assassinato de homens nativos por invasores e escravização de mulheres e crianças.[13]

Por quase mil anos,[14] o povo dogom[15] enfrentou perseguição religiosa e étnica – através de jihads por comunidades muçulmanas dominantes.[14] Essas expedições jihadistas se formaram para forçar os dogons a abandonar suas crenças religiosas tradicionais pelo Islã. Tais jihads fizeram com que os dogons abandonassem suas aldeias originais e se mudassem para os penhascos de Bandiagara para melhor defesa e para escapar da perseguição - muitas vezes construindo suas moradias em pequenos cantos e recantos.[14][16]

Crenças astronômicas[editar | editar código-fonte]

Começando com o antropólogo francês Marcel Griaule, vários autores afirmaram que a religião tradicional dogom incorpora detalhes sobre corpos astronômicos extra-solares que não poderiam ser discernidos a olho nu. A ideia entrou na literatura da Nova Era e dos antigos astronautas como evidência de que alienígenas extraterrestres visitaram o Mali em um passado distante. De 1931 a 1956, Griaule estudou os dogons em missões de campo que variaram de vários dias a dois meses em 1931, 1935, 1937 e 1938[17] e depois anualmente de 1946 a 1956.[18] No final de 1946, Griaule passou 33 dias consecutivos conversando com o sábio dogom Ogotemmeli, fonte de muitas das futuras publicações de Griaule e Germaine Dieterlen.[19] Eles relataram que os Dogon acreditam que a estrela mais brilhante no céu noturno, Sirius (Sigi Tolo ou "estrela do Sigui" [20]), tem duas estrelas companheiras, Pō Tolo (a estrela Digitaria), e ęmmę ya tolo, (a estrela feminina do sorgo), respectivamente a primeira e a segunda companheiras de Sirius A.[21] Sirius, no sistema dogom, formou um dos focos para a órbita de uma estrela minúscula, a estrela companheira Digitaria. Quando Digitaria está mais próxima de Sirius, essa estrela brilha: quando está mais distante de Sirius, ela emite um efeito cintilante que sugere ao observador várias estrelas. O ciclo orbital leva 50 anos.[22] Eles também alegaram que os dogons pareciam conhecer os anéis de Saturno e as luas de Júpiter.[23] Griaule e Dieterlen ficaram intrigados com esse sistema estelar sudanês e iniciaram sua análise com o aviso: "O problema de saber como, sem instrumentos à sua disposição, os homens poderiam conhecer os movimentos e certas características de estrelas praticamente invisíveis não foi resolvido."[24]

Mais recentemente, surgiram dúvidas sobre a validade do trabalho de Griaule e Dieterlen.[25][26] Em um artigo de 1991 na Current Anthropology, o antropólogo Wouter van Beek concluiu após sua pesquisa entre os dogons que, "Embora eles falem sobre Sigu Tolo [que é o que Griaule afirmou que os dogons chamavam de Sirius], eles discordam completamente um do outro sobre qual estrela o termo significa; para alguns é uma estrela invisível que deveria surgir para anunciar o sigu [festival], para outros é Vênus que, por uma posição diferente, aparece como Sigu Tolo. Todos concordam, no entanto, que aprenderam sobre a estrela a partir de Griaule."[27] A filha de Griaule, Geneviève Calame-Griaule, respondeu as críticas em uma edição posterior, argumentando que Van Beek não passou "pelas etapas apropriadas para adquirir conhecimento" e sugerindo que os informantes dogons de van Beek podem ter pensado que ele havia sido "enviado pelas autoridades políticas e administrativas". para testar a ortodoxia muçulmana dos dogons".[28] Uma avaliação independente foi feita por Andrew Apter da Universidade da Califórnia.[29]

Em uma crítica de 1978, o cético Ian Ridpath concluiu: "Há vários canais pelos quais os dogons poderiam ter recebido conhecimento ocidental muito antes de serem visitados por Griaule e Dieterlen".[30] Em seu livro Sirius Matters, Noah Brosch postula que os dogons podem ter tido contato com astrônomos baseados em seu território durante uma expedição de cinco semanas, liderada por Henri-Alexandre Deslandres, para estudar o eclipse solar de 16 de abril de 1893.[31] Robert Todd Carroll também afirma que uma fonte mais provável dogom do conhecimento do sistema estelar Sirius é de fontes terrestres contemporâneas que forneceram informações aos membros interessados das tribos.[32] James Oberg, no entanto, citando essas suspeitas, observa sua natureza completamente especulativa, escrevendo que: "O conhecimento astronômico obviamente avançado deve ter vindo de algum lugar, mas é um legado antigo ou um enxerto moderno? Embora Temple não consiga provar sua antiguidade, a evidência para a recente aquisição da informação ainda é inteiramente circunstancial."[33] Além disso, James Clifford observa que Griaule procurou informantes mais qualificados para falar da tradição tradicional e não confiava em convertidos ao cristianismo, islamismo ou pessoas com muito contato com brancos.[34]

Oberg aponta uma série de erros contidos nas crenças dogom, incluindo o número de luas possuídas por Júpiter, que Saturno era o planeta mais distante do Sol e o único planeta com anéis. O interesse em outras alegações aparentemente falsificáveis, a saber, sobre uma estrela anã vermelha orbitando em torno de Sirius (não hipotetizada até a década de 1950), o levou a considerar um desafio anterior de Temple, afirmando que "Temple oferecia outra linha de raciocínio. "Temos na informação dogom um mecanismo preditivo que é nosso dever testar, independentemente de nossos preconceitos." Um exemplo: 'Se uma Sirius-C for descoberta e considerada uma anã vermelha, concluirei que a informação dogom foi totalmente validada.' Isso alude a relatos de que os dogons sabiam de outra estrela no sistema Sirius, Ęmmę Ya, ou uma estrela "maior que Sirius B, mas mais leve e fraca em magnitude". Em 1995, estudos gravitacionais de fato mostraram a possível presença de uma estrela anã marrom orbitando em torno de Sirius (uma Sirius-C) com um período orbital de seis anos.[35] Um estudo mais recente usando imagens infravermelhas avançadas concluiu que a probabilidade da existência de um sistema estelar triplo para Sirius é "agora baixa", mas não pode ser descartada porque a região dentro de 5 UA de Sirius A não foi coberta.[36]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Shoup, John A. (2011). Ethnic Groups of Africa and the Middle East: An Encyclopedia (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. ISBN 9781598843620 
  2. (Williamson & Blench 2000)
  3. «Mali: what price tourism?» (em inglês). 16 de abril de 2001. Consultado em 29 de março de 2019 
  4. (Griaule & Dieterlen 1965)
  5. Dieterlen, G., 1955.
  6. A. Mayor; et al. (31 de março de 2005). «Population dynamics and Paleoclimate over the past 3000 years in the Dogon Country, Mali». Journal of Anthropological Archaeology. 24 (1): 25–61. doi:10.1016/j.jaa.2004.08.003 
  7. Mayor, A. 2011. Traditions céramiques dans la boucle du Niger: ethnoarchéologie et histoire du peuplement au temps des empires précoloniaux. Africa Magna, Frankfurt a. M.
  8. Ozainne, S. 2013. Un néolithique ouest-africain: cadre chrono-culturel, économique et environnemental de l'Holocène récent en Pays dogon, Mali. Africa Magna, Frankfurt a. M.
  9. Robion-Brunner, C. 2010. Forgerons et sidérurgie en pays dogon: vers une histoire de la production du fer sur le plateau de Bandiagara (Mali) durant les empires précoloniaux. Africa Magna, Frankfurt a. M.
  10. Griaule, M. (1938) Masques dogons.
  11. Morton, Robert (ed.
  12. Timothy Insoll, The Archaeology of Islam in Sub-Saharan Africa (2003) Cambridge University Press, p. 308
  13. Christopher Wise, Yambo Ouologuem: Postcolonial Writer, Islamic Militant, 1999, Lynne Rienner Publishers
  14. a b c Griaule, Marcel; Dieterlen, Germaine; (1965).
  15. The Independent, Caught in the crossfire of Mali's war (25 de janeiro de 2013) by Kim Sengupta (acessado em 14 de março de 2020)
  16. Africa Today, Volume 7, Afro Media (2001), p. 126
  17. Ciarcia, Gaetano "Dogons et Dogon.
  18. Imperato, Pascal James, Historical Dictionary of Mali Scarecrow Press, 1977 ISBN 978-0-8108-1005-1 p.53
  19. Imbo, Samuel Oluoch, An Introduction to African Philosophy Rowman & Littlefield Publishers (28 June 1998) ISBN 978-0-8476-8841-8 p.64
  20. Sirius is also called Albararu.
  21. (Griaule & Dieterlen 1965)
  22. (Griaule & Dieterlen 1976)
  23. M Griaule, G Dieterlen, The Dogon of the French Sudan (1948)
  24. (Griaule & Dieterlen 1976)
  25. Bernard R. Ortiz de Montellano. «The Dogon Revisited». Consultado em 13 de outubro de 2007. Arquivado do original em 16 de fevereiro de 2013 
  26. Philip Coppens. «Dogon Shame». Consultado em 13 de outubro de 2007. Arquivado do original em 13 de abril de 2018 
  27. van Beek, WAE; Bedaux; Blier; Bouju; Crawford; Douglas; Lane; Meillassoux (1991). «Dogon Restudied: A Field Evaluation of the Work of Marcel Griaule». Current Anthropology. 32 (2): 139–67. JSTOR 2743641. doi:10.1086/203932 
  28. Geneviève Calame-Griaule: "On the Dogon Restudied".
  29. Andrew Apter, Cahiers d'Études africaines, XLV (1), 177, (2005), pp. 95–129. «Griaule's Legacy: Rethinking "la parole claire" in Dogon Studies» (PDF) 
  30. Ridpath, Ian (1978) "Investigating the Sirius Mystery" Skeptical Inquirer, vol.3, no.1, pp.56–62
  31. Brosch, Noah (2008), Sirius Matters, ISBN 9781402083198, Springer, p. 66, consultado em 21 de janeiro de 2011 
  32. Carroll, RT (2003). The Skeptic's Dictionary: A Collection of Strange Beliefs, Amusing Deceptions, and Dangerous Delusions. [S.l.]: John Wiley & Sons. ISBN 978-0-471-27242-7 
  33. Oberg, J. «The Sirius Mystery». Consultado em 30 de dezembro de 2008 
  34. James Clifford, 'Power and Dialogue in Ethnography:Marcel Griaule’s initiation,’ in George W. Stocking (ed.
  35. Benest, D. and Duvent, J. L. (1995).
  36. Bonnet-Bidaud, J. M.; Pantin, E. (outubro de 2008). «ADONIS high contrast infrared imaging of Sirius-B». Astronomy and Astrophysics. 489 (2): 651–655. Bibcode:2008A&A...489..651B. arXiv:0809.4871Acessível livremente. doi:10.1051/0004-6361:20078937 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Beaudoin, Gerard: Les Dogon du Mali (1997) Ed. BDT Développement. ISBN 2-9511030-0-X
  • Bedaux, R. & J. D. van der Waals (eds.) (2003) Dogon: mythe en werkelijkheid in Mali [Dogon: myth and reality in Mali]. Leiden: National Museum of Ethnology.
  • Griaule, M.: Dieu d'eau. Entretiens avec Ogotemmêli. (1966) Ed Fayard. ISBN 2-213-59847-9 (the original French work of Griaule (that was published in 1948) on his discussions with Ogotemmêli)
  • Griaule, Marcel (1970) [1965]. Conversations With Ogotemmêli: an Introduction To Dogon Religious Ideas. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-19-519821-8 
  • Griaule, Marcel; Dieterlen, Germaine (1976). «A Sudanese Sirius System». In: Robert Temple. The Sirius Mystery. London: Futura Books. pp. 58–81  – a translation of Griaule, M.; Dieterlen, G. (1950). «Un système soudanais de Sirius». Journal de la Société des Africainistes. XX (1): 273–294. doi:10.3406/jafr.1950.2611 
  • Griaule, Marcel; Dieterlen, Germaine (1965). Le mythe cosmologique. Col: Le renard pâle. 1. Paris: Institut d'Ethnologie Musée de l'homme 
  • Griaule, Marcel; Dieterlen, Germaine (1986). The Pale Fox. Chino Valley, AZ: Continuum Foundation 
  • Morton, Robert (ed.) & Hollyman, Stephenie (photographs) & Walter E.A. van Beek (text) (2001) Dogon: Africa's people of the cliffs. New York: Abrams. ISBN 0-8109-4373-5
  • Sékou Ogobara Dolo: La mère des masques. Un Dogon raconte. (2002) Eds. Seuil ISBN 2-02-041133-4
  • Wanono, Nadine & Renaudeau, Michel (1996) Les Dogon (photographs by Michel Renaudeau; text by Nadine Wanono). Paris: Éditions du Chêne-Hachette. ISBN 2-85108-937-4
  • Eds. Petit Futé. Mali 2005–2006 ISBN 2-7469-1185-X