Dolor Barreira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dolor Barreira
Nome nativo Dolor Uchôa Barreira
Nascimento 13 de abril de 1893
Solonópole
Morte 30 de junho de 1967 (74 anos)
Fortaleza
Cidadania Brasil
Alma mater Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará
Ocupação advogado, historiador, professor
Prêmios Academia Cearense de Letras
Empregador Universidade Federal do Ceará

Dolor Uchôa Barreira (Solonópole, 13 de abril de 1893 - Fortaleza, 30 de junho de 1967), foi um advogado, historiador, pesquisador e professor brasileiro.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Alfredo Lopes Barreira e Antônia Uchoa Barreira, estudou no Colégio São José, dos Beneditinos, na serra do Estevão (Quixadá) e no Liceu do Ceará. Tornou-se bacharel em direito pela Faculdade de Direito do Ceará (turma de 1914). Dedicou-se à advocacia, consagrando-se como um dos melhores advogados cearenses.[2]

Membro da Ordem dos Advogados do Brasil e do Instituto dos Advogados. Procurador dos Feitos da Fazenda Estadual, Secretário da Escola Normal, Professor de Direito Civil da Faculdade pela qual se formou.[3][4]

Desde jovem, dedicou-se à pesquisa, recolhendo informações que lhe permitiram escrever a magnífica História da Literatura Cearense, em 4 volumes, focalizando a atividade e os principais escritores e poetas até 1917.[5] Membro efetivo do Instituto do Ceará. Membro da Academia Cearense de Letras (cadeira n° 34, patrono: Samuel Felipe de Sousa Uchoa).[6][7]

Colaborou nas revistas da Academia Cearense de Letras, Instituto do Ceará, Faculdade de Direito do Ceará, “Ceará Judiciário”, “Revista do Direito”, “Crítica Judiciária” e outras.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • História da Literatura Cearense (1954),[8]
  • Investigação da Maternidade Ilegítima (1935);
  • Assinatura Falsa Perícia de Letras;
  • Da Causa nas Cambaias;
  • O Artigo 1586 do Código Civil e a sua Inteligência;
  • A Condição Jurídica do Filho Adulterino;
  • O Direito de Ildefonso Albano;
  • Clóvis Beviláqua.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Portal da História do Ceará - Dolor Uchoa Barreira». www.ceara.pro.br. Consultado em 19 de agosto de 2018 
  2. Bezerra, Carlos Eduardo de Oliveira (1 de janeiro de 2009). Adolfo Caminha: um polígrafo na literatura brasileira do século XIX (1885-1897). [S.l.]: SciELO - Editora UNESP. ISBN 9788579830334 
  3. Hironaka, Giselda Maria F. N. (2011). Direito das Sucessões. [S.l.]: Editora del Rey. ISBN 9788573089424 
  4. Marques, Rodrigo (23 de julho de 2018). Literatura cearense : outra história. [S.l.]: Editora Dummar. ISBN 9788567333427 
  5. Barreira, Dolor; Ceará, Instituto do (1986). História da literatura cearense. [S.l.]: Instituto do Ceará 
  6. «Solonópole: (Nascimento) Dolor Barreira». portal.ceara.pro.br (em inglês). Consultado em 19 de agosto de 2018 
  7. Nava, Pedro (28 de fevereiro de 2012). Baú de ossos. [S.l.]: Companhia das Letras. ISBN 9788580862263 
  8. Barreira, Dolor (1954). História da literatura cearense. [S.l.: s.n.] 
  9. «Biblioteca Pública Municipal Dolor Barreira - Cultura - Prefeitura Municipal de Fortaleza». catalogodeservicos.fortaleza.ce.gov.br. Consultado em 19 de agosto de 2018 
  10. «Busca CEP Avenida Dolor Barreira na cidade Fortaleza no Ceará - CE». www.achecep.com.br. Consultado em 19 de agosto de 2018 
  11. «Fórum das Turmas Recursais Professor Dolor Barreira comemora 10 anos de fundação». TJCE - Tribunal de Justiça do Estado do Ceará 
Precedido por
Thomaz Pompeu Sobrinho
Academia Cearense de Letras Emblema.png 4º Presidente da
Academia Cearense de Letras

1952 — 1954
Sucedido por
Mário Rômulo Linhares