Dominação e submissão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde Dezembro de 2008).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.

Dominação e submissão são práticas diretamente ligadas ao sadomasoquismo e fazem parte do acrônimo BDSM (bondage, disciplina, dominação, submissão, sadismo e masoquismo).Esse tipo de comportamento pode ser classificado como parafilia por algumas pessoas. Também conhecido como D/S , é a forma de se denominar uma relação desigual estabelecida entre duas pessoas, onde todo o poder é dado ao dominante e cabe a parte submissa obedecer por livre e espontânea vontade, realizando tarefas e obedecendo ordens que podem ou não ter conotação sexual.

A relação D/s[editar | editar código-fonte]

Dentro da relação Dominador(a)/submisso(a), o sadismo, o masoquismo e mesmo o sexo podem existir, não sendo necessariamente os ingredientes principais da relação, que se baseia no prazer de se doar pelo submisso(a) e no de comandar pelo(a) dominante, sendo muito comum que essa relação seja meio confusa no início, mas é importante que o submisso atenda o dominador sempre.

Apelidos na internet[editar | editar código-fonte]

Nos chat's da internet onde se iniciam muitas relações dessa natureza, apelidos como DOM para homens e DOMMES para mulheres são bastante comuns, assim como Sub para a parte submissa. Além desses apelidos é comum dominadores se autodenominarem com títulos de nobreza, tais como Sir, Lorde, Rainha, ou por Mestre, senhor, dono(a) entre outras. Os indivíduos submissos também podem se autodenominarem de várias formas desde as mais humildes como servo(a),escravo(a), cadela, verme, até as mais vulgares para os que gostam de ser humilhados. Uma das formas de se expressar as relações na rede é usando apelidos entre parenteses, chaves e colchetes para denominar a posição de submissão ou domínio. A coleira é pertencente ao Top (Dominador ou Dominadora) da relação e cabe a ele aceitar ou não um submisso, quando isso ocorre a coleira é entregue ao escravo. Portanto o nome na coleira (entre as chaves) é a do servo(a):

  • {sub}_DONO;
  • [sub]_DONO;
  • §sub§_DONO;

Existem inúmeras variações, porém a coleira é e sempre será do TOP sendo que o submisso quando a recebe recebe também o direito de usar o nome do seu dono, e desta forma ele deve honrar ao seu dono e aos ensinamentos que seu dono lhe proporcionou durante o chamado período de adestramento.

Existem sites que não permitem a colocação de caracteres no inicio, daí o servo(a) usará conforme orientação do seu DONO(A).

Rituais e práticas[editar | editar código-fonte]

Existem vários rituais popularizados pela literatura existente sobre dominação e submissão, como o ato de colocar uma coleira no submisso(a) simbolizando a auto-entrega e fazendo uma alusão ao cachorro por ser um animal dócil e fiel ao seu dono. Existe o uso de contratos que determinam os direitos e deveres da parte submissa, contendo também os limites que não podem ser ultrapassados pela parte dominante. Existe a convenção de que se deve praticar o D/S dentro do contexto SSC (sadio, seguro e consensual) e do bom senso para evitar que as fantasias saiam do controle e prejudiquem a vida pública dos envolvido, causando consequências mais sérias.

É comum no D/s , que o dominador(a) dite os detalhes e os afazeres do dia do seu submisso(a), que no caso de falha deverá ser punido de alguma forma. O Spanking é uma das formas de punição, sendo muito usada nos "jogos" D/s. Além do spanking, outras atividades mais lúdicas como o petplay, ou as mais físicas como a podolatria ou as de privação de sentidos e de movimentos como cordas, vendas e mordaças pode ser usada para humilhar e castigar o submisso(a). Cremes, Gelo, cera quente de velas e substâncias mentoladas também são utilizadas para amplificar os sentidos nas relações mais físicas também chamadas de "sessões". Vários artefatos podem ser usados com os mesmos intuitos como objetos de tortura física e sexual, sempre dentro das normas de segurança e bom senso.

A tortura mental é desaconselhável, por haver possibilidade de causar traumas e problemas psicológicos ao submisso. O submisso(a) que por sua vez não deve incentivar nem pressionar o seu dominador(a) a transgredir seus limites na insatisfação dos castigos e humilhações impostos. Algumas pessoas tem fantasias de sofrerem chantagens, e acabam misturando essas com os jogos D/s. As chantagens reais não são consensuais e são desaconselháveis, inclusive por serem um ato ilícito passível de punição penal.

O D/s deve ser visto como um jogo erótico de adultos, podendo ser praticado em situação que invadem o cotidiano dos relacionados. Existe a prática do 24/7 (24 horas por dia e 7 dias por semana)onde o indivíduo submisso deve ser controlado nos mínimos detalhes do seu dia, desde a roupa que veste até as coisas que come, fala e faz durante o dia.

Diferenças entre D/s e SM[editar | editar código-fonte]

Existem divergências entre os praticantes quanto a tentativas de classificar as relações como D/s ou SM, sendo um dos fatores que contribuiu para o uso do termo BDSM, por ser mais genérico. A relação D/s diferente da SM, tende a ser mais romântica de uma certa forma por envolver supostamente mais sentimentos entre dominante e dominado podendo eventualmente se transformar em relações muito profundas. Contudo o romantismo nesse tipo de relação não é uma unanimidade entre os praticantes. As pessoas que optam pela submissão na relação D/s, supostamente se diferenciam dos que se denominam escravos(as) pelo fato de haver mais sentimentos em relação ao dominador(a). Os escravos(as) seriam mais propensos a se importarem apenas com o prazer físico imposto pelos castigos e estariam mais ligados ao SM do que ao D/s.

Literatura moderna[editar | editar código-fonte]

Na trilogia literária "Cinquenta Tons de Cinza" de E L James, é apresentado o tema pelo personagem principal Christian Grey, um homem muito bonito, rico e grande dominador. O livro já emplacou o primeiro lugar do The New York Times e vai ganhar adaptação para o cinema, sendo os protagonista Dakota Johson (Anastasia Steele) e Jamie Dornam (Christian Grey). Outros livros também entram na lista tais como: Série Crossfire - Toda Sua, Profundamente Sua e Para Sempre Sua; O Diário de uma Submissa; A Casa da Submissão; Obsessão; Lúxuria; Algemas de seda; Dama da Internet; Proibida (The Black Door); Sunstone entre outros...


Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]