Domingo à Tarde

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Domingo à Tarde
 Portugal
1966 •  pb •  90 min 
Realização António de Macedo
Argumento António de Macedo
Elenco Isabel de Castro
Ruy de Carvalho
Isabel Ruth
Alexandre Pessoa
Constança Navarro
Júlio Cleto
Miguel Franco
Género drama, romance
Distribuição Marfilmes
Lançamento 13 de Abril de 1966
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Domingo à Tarde (1966) é um filme português de António de Macedo, a sua primeira longa metragem de ficção e a quarta do movimento do Novo Cinema.

Macedo, em contra-corrente, recusaria no entanto certos ditames estéticos dos vanguardistas franceses, negando o proclamado valor de Godard.

A desenvoltura narrativa deste seu filme, de inspiração vanguardista mas sobretudo imbuído de filosofia germânico-nórdica (Husserl, Heidegger, Kierkegaard), e as soluções formais nele exploradas tornariam entretanto mais transparente o tema que adopta: o romance homónimo do escritor Fernando Namora, da escola neo-realista portuguesa, transfigurado no filme através de uma visão metafísico-existencial dos temas da angústia, da morte e do destino último do homem.

Macedo teve confrontos sérios com os Serviços de Censura para poder estrear o filme. A estreia foi em Lisboa, no cinema Império, a 13 de Abril de 1966.

Ficha sumária[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

«Jorge dirige o departamento de Hematologia de um hospital. Um dia, chega Clarisse, que sofre de leucemia em estado avançado. Apaixona-se, e Jorge procura, pela primeira vez, salvar um doente. Clarisse morre, apesar de todos os esforços de Jorge que, cada vez mais desencantado, prossegue os seus trabalhos, com experiências de rotina, que sabe serem inúteis». Cit.: José de Matos-Cruz, em Cais do Olhar, ed. da Cinemateca Portuguesa, 1999.

Ficha artística[editar | editar código-fonte]

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

  • Argumento: romance de Fernando Namora
  • Adapatação: António de Macedo
  • Realizador: António de Macedo
  • Assistente de realização: José Carlos de Andrade e Zeni d’Ovar
  • Anotadora: Teresa Olga
  • Adereços: Zeni d’Ovar
  • Caracterização: Manuel Fernandes
  • Director de som: João Diogo
  • Operador de som: José de Carvalho
  • Música: Quinteto Académico
  • Sonoplastia: António de Macedo e Hugo Ribeiro
  • Montagem: António de Macedo
  • Laboratório de imagem: Ulyssea Filme
  • Laboratório de som: Valentim de Carvalho
  • Formato: 35 mm
  • Género: ficção (drama)
  • Distribuição: Imperial Filmes
  • Estreia: Cinema Império, em Lisboa, a 13 de Abril de 1966.

Festivais[editar | editar código-fonte]

  • Festival de Veneza 1965 (Itália) - Diploma di Merito
  • Festival de Cinema do Rio de Janeiro 1965 (Brasil)
  • Prémio da Casa de Imprensa em 1966
  • Prémios Plateia 1966 - Melhor Realizador, Melhor Actor (Ruy de Carvalho), Melhor Actriz (Isabel de Castro - 1966)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]