Domingo Caycedo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Domingo Caycedo
Presidente da Colômbia
Período 4 de maio de 1830
a 13 de junho de 1830
Antecessor Simón Bolívar
Sucessor Joaquín Mosquera
Dados pessoais
Nome completo Domingo de Caycedo y Sanz de Santamaría
Nascimento 4 de agosto de 1783
Santa Fé de Bogotá
Morte 1 de julho de 1843 (59 anos)
Puente Aranda

Domingo de y Caycedo Sanz de Santamaría (1783 - 1843) foi um político colombiano que serviu como vice-presidente da Colômbia e da República de Nova Granada, e devido à ausência dos presidentes, ele mesmo serviu como Presidente de um total de onze vezes, tornando-se a pessoa que serviu mais vezes como presidente da Colômbia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em 4 de agosto de 1783 em Santa Fé de Bogotá, estudou no Colegio Mayor de Nuestra Señora del Rosario (hoje conhecido como Universidade Del Rosário) em Bogotá, sendo formado em direito.

Viajou para a Espanha onde serviu no Exército de Napoleão, e mais tarde trabalhou no Congresso Espanhol.

Foi governador de Neiva sendo nomeado em 1827, em 1829 foi secretário do interior da Colômbia, em 1830 foi secretário de estado, mais tarde foi presidente do Supremo Tribunal Federal.[1]

Em 1830, assumiu como presidente interino substuíndo Simón Bolívar,[2] que tinha deixado o cargo por questões de saúde, deixando o cargo em 13 de junho de 1830.

Referências

  1. Gobernantes Colombianos, Ignacio Arismendi Posada, Interprint Editors Ltd., Italgraf, Segunda Edición, Page 31, Bogotá, Colombia, 1983
  2. Gobernantes Colombianos, Ignacio Arismendi Posada, Interprint Editors Ltd., Italgraf, Segunda Edición, Page 32, Bogotá, Colombia, 1983
Precedido por
Simón Bolívar
Presidente da Colômbia
18301830
Sucedido por
Joaquín Mosquera
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

El médico Fernando Caycedo Caycedo recientemente publicó un libro de la historia de los descendientes de Domingo Caycedo y todos sus ramales en el país, aún con quienes lo escriben con i latina.