Domingos Savio (político)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Domingos Sávio
Deputado federal por Minas Gerais Minas Gerais
Período 1 de fevereiro de 2011
31 de janeiro de 2015
Deputado estadual de Minas Gerais Minas Gerais
Período 1 de fevereiro de 2003
31 de janeiro de 2011
(2 mandatos consecutivos)
Prefeito de Divinópolis Bandeira de divinópolis.svg
Período 1 de janeiro de 1997
até 1 de janeiro de 2001
Vereador de Divinópolis Bandeira de divinópolis.svg
Período 1 de janeiro de 1993
até 1 de janeiro de 1997
Dados pessoais
Nascimento 25 de março de 1957 (60 anos)
São Tiago, MG
Partido PSDB
Profissão Médico veterinário
linkWP:PPO#Brasil

Domingos Sávio Campos Resende, mais conhecido como Domingos Sávio (São Tiago, 25 de março de 1957) é um político brasileiro, filiada ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).

Foi deputado estadual em Minas Gerais desde 2003, sendo Líder da Maioria na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. [1]

Em 2010 foi eleito deputado federal pelo PSDB;[2] em 2013 foi autor da proposta de anulação da sessão do Congresso Nacional que depôs o presidente João Goulart, em 1963.

Foi reeleito deputado federal em 2014, para a 55.ª legislatura (2015-2019). Em 4 de fevereiro de 2014 tomou posse no cargo de "líder da minoria"[3], responsável por organizar a atuação da oposição[4] na Câmara dos Deputados ao Governo Dilma Rousseff.

Durante o processo de investigação da Lava-Jato, o ex executivo da Odebrecht, Benedicto Barbosa da Silva, apresenta ao Ministério Público uma planilha onde detalha pagamentos via caixa dois. O nome do Deputado Domingos Sávio aparece nessa lista devido a um repasse de R$ 25 mil para apresentar emendas e defender projetos de interesse da companhia. Na lista, ele é identificado como “Sábado”. Em nota[5] o Deputado nega todas as acusações.

Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[6] Posteriormente, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[6] Em abril de 2017 foi favorável à Reforma Trabalhista.[6] [7] Em agosto de 2017 votou contra o processo em que se pedia abertura de investigação do então Presidente Michel Temer, ajudando a arquivar a denúncia do Ministério Público Federal.[6][8]

Referências

  1. Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais - http://www.almg.gov.br.
  2. Câmara dos Deputados [1]. Câmara.leg. Acesso em 08/01/2014
  3. «Portal da Câmara dos Deputados». www2.camara.leg.br. Consultado em 8 de agosto de 2017 
  4. «Como Funciona — Portal da Câmara dos Deputados». www2.camara.leg.br. Consultado em 8 de agosto de 2017 
  5. «NOTA DE ESCLARECIMENTO». www.domingossavio.com.br. Consultado em 8 de agosto de 2017 
  6. a b c d G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  7. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  8. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017 


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.