Domingos Vieira Serrão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Domingos Vieira Serrão
Nome completo Domingos Vieira Serrão
Nascimento 1570
Tomar
Morte 1632 (62 anos)
Tomar
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Área Pintor
Movimento(s) Maneirismo
Desembarque de Felipe III em Lisboa, gravado bado por Juan Schorquens sobre um desenho de Domingos Vieira Serrão para a obra de Juan Bautista Lavanha, Viaje de la Catholica Real Magestad del Rei D. Filipe III N. S. al reino de Portugal, Madrid, 1622.

Domingos Vieira Serrão (Tomar, c. 1570 - 1632) foi um pintor maneirista português, nomeado pintor do rei Filipe II de Portugal e III de Espanha em 1619.

No processo aberto em 1625 para a admissão no Santo Ofício é descrito que é filho de João Henriques Serrão, fidalgo e cobrador de impostos da Ordem de Cristo, e de Maria Dias, estando casado com Magdalena de Frias, filha do arquitecto Nicolau de Frias.

Entre 1592 e 1600 trabalhou com Simão de Abreu nos murais que cobrem a charola do Convento de Cristo em Tomar e várias capelas e altares do mesmo convento.[1]

Juntamente com Simão Rodrigues trabalhou num grande fresco da igreja do Mosteiro da Anunciada (em 1608, destruídos em 1755) e numa Alegoria da Caridade no tecto da Igreja do Hospital Real de Todos os Santos (em 1613, destruído em 1750). Também perdida é o seu fresco pintado no Buen Retiro, em Madrid, por volta de 1630.

Em 1602, com Simão Rodrigues e outros, fundou a Irmandade de São Lucas.

Em 1632 deve ter morrido, porque nesse ano foi nomeado no seu lugar como pintor do rei Miguel de Paiva.[2]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ana Paula Braz Abrantes Garcia, Domingos Vieira Serrão. Pintor da Contra-Maniera em Portugal. Entre Decoro e Conformismo, Dissertação de Mestrado em História de Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 1996

Referências

  1. López Vizcaíno, Pilar, «El Santo Sepulcro y las construcciones religiosas de la Orden del Temple. La Charola de Tomar», en Burdeus, María Dolores, Real, Elena y Verdegal, José Manuel, Las Órdenes Militares: realidad e imaginario, Castellón, Universitat Jaume I, 2000, ISBN 84-8021-297-7, pp. 181-220.
  2. Sousa Viterbo, Notícias de alguns pintores portugueses, Lisboa, Typographia da Academia Real das Sciencias, 1903, p. 157-175.