Dominic Cummings

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Dominic Cummings
Nascimento 25 de novembro de 1971 (49 anos)
Durham
Residência Islington
Cidadania Reino Unido
Cônjuge Mary Wakefield
Alma mater Exeter College, Durham School
Página oficial
https://dominiccummings.com/

Dominic Mckenzie Cummings (nascido em 25 de novembro de 1971) é um estrategista político britânico que atua como consultor sênior[1][2] do primeiro-ministro Boris Johnson desde julho de 2019.

De 2007 a 2014, foi consultor especial de Michael Gove, desde quando este era Secretário de Estado da Educação do então primeiro-ministro David Cameron. De 2015 a 2016, Cummings dirigiu a campanha Vote Leave, durante o referendo de 2016 para o Brexit .

Vida pregressa e Carreira Política[editar | editar código-fonte]

Cummings nasceu em Durham em 25 de novembro de 1971. Foi educado na Durham School e na Exeter College, Oxford. Ainda jovem, trabalhou na Klute, uma boate de propriedade de seu tio em Durham.[3] Depois da universidade, Cummings mudou-se para a Rússia pós-soviética de Yeltsin de 1994 a 1997, trabalhando em vários projetos. Em um empreendimento russo, ele trabalhou para um grupo que tentava montar uma companhia aérea conectando Samara no sul da Rússia a Viena .[4]

De 1999 a 2002, Cummings foi diretor de campanha de um grupo de lobby, a Business for Sterling, formado em 1998 para resistir à integração britânica ao Euro. Ele então se tornou diretor de estratégia do líder do Partido Conservador Iain Duncan Smith por oito meses em 2002, com o objetivo de modernizar o Partido Conservador (do qual ele não era membro); no entanto, ele logo deixou clara sua frustração com a introdução de mudanças que classificou como meias medidas, chamando Duncan Smith de "incompetente".[5][6]

Cummings trabalhou para o político conservador Michael Gove de 2007 a janeiro de 2014, primeiro na oposição e depois, após a partida de Andy Coulson, como consultor especial no Departamento de Educação. Ele era o chefe de gabinete de Gove,[5] um compromisso bloqueado por Andy Coulson até sua própria demissão.

Campanha para o Brexit (2015–2019)[editar | editar código-fonte]

Cummings tornou-se diretor de campanha do Vote Leave após a criação da organização em outubro de 2015.[7] Ele é creditado por ter criado o slogan Vote Leave, "Take back control", e por ser o principal estrategista da campanha.[8][9] O referendo de junho de 2016 resultou em um voto de 51,9% para "deixar" a União Europeia. Cummings foi elogiado ao lado de Elliott como um dos mentores da campanha.[10]

Em março de 2019, o Commons Select Committee of Privileges recomendou que a Câmara emitisse uma advertência por desrespeito ao Parlamento depois que Cummings não apareceu durante o inquérito do Comitê de Digital, Cultura, Mídia e Esporte sobre reivindicações de veiculação de notícias falsas durante a campanha do referendo.[11] A resolução que o admoestava foi aprovada pela Câmara dos Comuns em 2 de abril de 2019.[12]

Em julho de 2017, o advogado e comentarista político, David Allen Green, perguntou a Cummings via Twitter: "Existe algo que poderia acontecer (ou não acontecer) e que faria você agora desejar não ter vencido o referendo?" Cummings respondeu: "Muita coisa! Já disse antes que o referendo foi uma ideia idiota, outras coisas deveriam ter sido tentadas primeiro."[13]

Representação no cinema[editar | editar código-fonte]

Cummings foi interpretado por Benedict Cumberbatch no drama do canal 4 de 2019 Brexit: The Uncivil War .[14][15]

Referências

  1. «PM's aide Cummings calls for civil service changes». BBC News (em inglês) 
  2. «Who is Dominic Cummings?». BBC News (em inglês) 
  3. «Dominic Cummings: "I wasn't a bouncer, I just helped take money"». Palitinate 
  4. «Dominic Cummings: brilliant eccentric or evil genius?». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  5. a b «An optimistic Eurosceptic. For Dominic Cummings, leaving the European Union is a first step in a British renaissance». The Economist 
  6. Maya Oppenheim. «Dominic Cummings: The Vote Leave chief who invented £350m claim before admitting Brexit was a mistake». The Independent 
  7. "Bagehot". «An interview with Dominic Cummings». The Economist 
  8. «Combative Brexiter who took control of Vote Leave operation». Financial Times 
  9. «Matthew Elliott on Vote Leave's 'genius moment'». BBC News 
  10. «How Vote Leave won the EU referendum». Financial Times 
  11. «Vote Leave's Dominic Cummings 'in contempt of Parliament'». BBC 
  12. «Privileges – Hansard». hansard.parliament.uk 
  13. «Is Brexit an error? Now even Vote Leave's chief is having doubts | Jonathan Freedland». The Guardian 
  14. «Brexit: The Uncivil War review: Benedict Cumberbatch is superb in this thrilling romp through the referendum». The Daily Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235 
  15. Matthew Elliott. «Vote Leave's Matthew Elliott on Channel 4's Brexit: The Uncivil War». Financial Times. Screenwriter James Graham has turned the campaign into a compelling story – and nailed my mannerisms 

links externos[editar | editar código-fonte]