Dominique Mamberti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dominique Mamberti
Cardeal da Santa Igreja Romana
Prefeito do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica
(direitos de imagem reservadas)
Hierarquia
Papa Francisco
Atividade Eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Nomeação 8 de novembro de 2014
Predecessor Dom Raymond Leo Cardeal Burke
Mandato 2014 -
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 20 de setembro de 1981
Ajaccio
por Dom Jean-Charles Thomas
Nomeação episcopal 18 de maio de 2002
Ordenação episcopal 3 de julho de 2002
Vaticano
por Dom Angelo Cardeal Sodano
Nomeado arcebispo 18 de maio de 2002
Cardinalato
Criação 14 de fevereiro de 2015
por Papa Francisco
Ordem Cardeal-diácono
Título Santo Espírito em Sassia
Brasão
Coat of arms of Dominique Mamberti.svg
Lema ERITIS MIHI TESTES
Vós sereis Minhas testemunhas
Dados pessoais
Nascimento Marrakesh
7 de março de 1952 (66 anos)
Nacionalidade francês
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Dominique François Joseph Mamberti (7 de março de 1952 [1]) é um cardeal francês de origem marroquina, atual Prefeito do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Na década de 1960, ele vive com sua família em Belfort, onde, em seguida, participou da Igreja de Nossa Senhora dos Anjos, em que ele fez a sua profissão de fé em junho de 1965.

Ele tem formação acadêmica em direito civil e canônico. Ele fala francês, italiano, inglês e espanhol.[1]

Vida eclesiástica[editar | editar código-fonte]

Foi ordenado padre em 20 de setembro de 1981 por Jean-Charles Thomas, bispo de Ajaccio, sendo incardinado na diocese de Ajaccio.

Ele entrou para o serviço diplomático da Santa Sé e trabalhou nas nunciaturas apostólicas na Argélia, Chile e no Líbano, no escritório da Santa Sé na Sede das Nações Unidas em Nova Iorque e na Seção para as Relações com os Estados da Secretaria de Estado da Santa Sé.[2]

Eleito arcebispo-titular de Sagona e nomeado núncio para o Sudão e delegado apostólico para a Somália em 18 de maio de 2002, foi consagrado em 3 de julho pelo Cardeal Angelo Sodano, cardeal-bispo de Albano, secretário de Estado, assistido por Robert Sarah, arcebispo emérito de Conakry, secretário da Congregação para a Evangelização dos Povos, e por André Jean-René-Lacrampe, Ist. del Prado, bispo de Ajaccio. Foi nomeado núncio para a Eritreia em 19 de fevereiro de 2004; ao mesmo tempo, ele deixou de ser delegado apostólico para a Somália. Em 15 de setembro de 2006 foi nomeado secretário para as Relações com os Estados da Secretaria de Estado. Em 5 de fevereiro de 2007, ele foi premiado com o Cavaleiro Grã-Cruz da Ordem do Mérito da República Italiana.[3] Em 2009, foi feito Comendador da Legião de Honra.[4]

Mamberti é considerado um expert em América Latina, em Nações Unidas, África, Oriente Médio e Islamismo.[5]

Em junho de 2010, Mamberti visitou Cuba e passou vários dias na ilha, marcando 75 anos de relações diplomáticas entre o Vaticano e Cuba e participando de uma conferência nacional sobre os ensinamentos sociais da Igreja. Ele se reuniu com o presidente Raul Castro, dizendo depois que as relações bilaterais são "cordial, contínua e em ascensão." "A visita do (arcebispo) Mamberti também mostrou a evolução favorável das relações entre o Estado e a Igreja Católica em Cuba", disse uma nota do governo cubano.[5]

Mamberti, dirigindo-se às Nações Unidas, em setembro de 2011, chamou de "decisões corajosas" em direção à solução de dois Estados para a Terra Santa, após os líderes palestinos solicitaram adesão total à ONU para o Estado Palestino. O arcebispo Mamberti não disse se o Vaticano apoiou explicitamente a iniciativa da ONU junto aos palestinos. Ele acrescentou que o Vaticano considerou que a oferta palestina "na perspectiva de esforços para encontrar uma solução definitiva" para a questão israelo-palestiniano - uma questão abordada por uma resolução da ONU de 1947, que previa a criação de dois estados. "Um deles já foi criado, enquanto o outro ainda não foi estabelecida, embora quase 64 anos se passaram. A Santa Sé está convencida de que, se queremos a paz, é necessário adotar decisões corajosas", disse.[6]

Na abertura da Assembleia Geral da ONU em setembro de 2012, Mamberti disse que a lei internacional é "solidamente baseada na dignidade e natureza da humanidade, em outras palavras, sobre a lei natural." Ele chamou a atenção dos delegados da ONU "para a linguagem da Carta das Nações Unidas e da Declaração Universal dos Direitos do Homem, que afirmam a importância da lei natural. O direito internacional vai ganhar reconhecimento e respeito", disse ele, "se for reconhecido como protegendo todas as pessoas e nações, que não favorece os poderosos". "Tal será possível", disse ele, "se a legislação a nível internacional for marcada pelo respeito à dignidade da pessoa humana, começando com a centralidade do direito à vida e à liberdade de religião."[7]

Em um outro local no início de outubro de 2012, Mamberti falou do tema da assembleia que foi o "ajuste ou solução das controvérsias ou situações internacionais por meios pacíficos." Em seu discurso em língua francesa, lamentou a "perda de fé no valor do diálogo, e a tentação de favorecer a priori um dos lados em conflitos regionais e nacionais", dizendo que isso ameaça "o respeito aos mecanismos jurídicos da Organização das Nações Unidas." O arcebispo Mamberti referiu-se especificamente a situações no Oriente Médio, especialmente na Síria, onde "A solução é impossível se não respeitar as normas do direito internacional e humanitário, ou cai fora dos mecanismos estabelecidos na Carta das Nações Unidas", afirmou. "Todas as partes interessadas devem não só facilitar a missão do enviado especial das Nações Unidas e da Liga Árabe, mas também garantir a assistência humanitária às populações que sofrem. A comunidade internacional deve unir os seus esforços para que todos os lados substituam a corrida às armas com negociação, assim como se deve insistir no respeito efetivo à liberdade religiosa, os direitos humanos e todas as liberdades fundamentais."[8]

Em julho 2014 comentando sobre a situação em Gaza, Mamberti enviou uma nota formal a todos os embaixadores acreditados junto a Santa Sé, chamando sua atenção para os apelos do Papa Francisco para os cristãos no Iraque e em outras partes do Oriente Médio. Mamberti disse que a Santa Sé está "profundamente preocupada" com o sofrimento dos cristãos na região. "Comunidades cristãs sofrem injustamente, eles estão com medo, e muitos cristãos foram forçados a emigrar", disse ele.[9]

Foi nomeado prefeito do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica em 8 de novembro de 2014.[1]

Em 4 de janeiro de 2015, o Papa Francisco anunciou a sua criação como cardeal, no Consistório Ordinário Público de 2015.[1][10] Foi criado cardeal-diácono de Santo Espírito em Sassia, recebendo o barrete e o anel cardinalício em 14 de fevereiro.

Referências

  1. a b c d The Cardinals of the Holy Roman Church
  2. «Pope names foreign minister at ceremony for new secretary of state». Catholicnews.com. Consultado em 15 de outubro de 2012. 
  3. «Presidenza della Repubblica». Quirinale.it. Consultado em 15 de outubro de 2012. 
  4. «François Fillon invite à une méditation collective». la-croix.com. 11 de outubro de 2009 
  5. a b «Vatican confirms relations with Cuba are "cordial and on a healthy course" — MercoPress». En.mercopress.com. 22 de junho de 2010. Consultado em 15 de outubro de 2012. 
  6. «CNS STORY: Vatican calls for 'courageous' decisions on Palestinians». Catholicnews.com. Consultado em 15 de outubro de 2012. 
  7. «International law must be based on natural law, Vatican official tells UN : News Headlines». Catholic Culture. 26 de setembro de 2012. Consultado em 15 de outubro de 2012. 
  8. «Holy See at UN: Negotiation Must Replace Race to Arms». ZENIT. 3 de outubro de 2012. Consultado em 15 de outubro de 2012. 
  9. Vatican Secretariat of State issues alert to diplomatic corps on plight of Christians in Middle East
  10. «Consistório 2015: Papa reforça papel das «periferias» no Colégio Cardinalício». Agência Ecclesia. 4 de janeiro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Dominique Mamberti


Precedido por
Ereção como sé titular
Brasão arquiepiscopal
Arcebispo-titular de Sagone

2002
Sucedido por
sede vacante
Precedido por
Marco Dino Brogi, O.F.M.
Brasão episcopal
Delegado apostólico para a Somália

20022004
Sucedido por
Ramiro Moliner Inglés
Precedido por
Marco Dino Brogi, O.F.M.
Brasão episcopal
Núncio apostólico para o Sudão

20022006
Sucedido por
Leo Boccardi
Precedido por
Silvano Maria Tomasi, C.S.
Brasão episcopal
Núncio apostólico para a Eritreia

20042006
Sucedido por
Leo Boccardi
Precedido por
Raymond Leo Burke
Coat of arms Holy See.svg
Prefeito do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica
Presidente da Suprema Corte do Estado da Cidade do Vaticano

2014
Sucedido por
Precedido por
Fiorenzo Angelini
Brasão Cardinalício
Cardeal-diácono de Santo Espírito em Sassia

2015
Sucedido por