Dona Flor e Seus Dois Maridos (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Dona Flor e Seus Dois Maridos
 Brasil
1976 •  cor •  120 min 
Direção Bruno Barreto
Produção Luiz Carlos Barreto
Roteiro Bruno Barreto
Eduardo Coutinho
Leopoldo Serran
Baseado em Dona Flor e Seus Dois Maridos
(livro de Jorge Amado)
Elenco Sônia Braga
José Wilker
Mauro Mendonça
Gênero comédia
Música Chico Buarque
Francis Hime
Direção de fotografia Murilo Salles
Edição Raimundo Higino
Distribuição Embrafilme
(Versão para o cinema)
Paramount Pictures
(Lançamento em DVD)
Warner Bros. Pictures
(nos Estados Unidos)
Lançamento 22 de novembro de 1976
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Dona Flor e Seus Dois Maridos é um filme brasileiro de 1976, do gênero comédia, dirigido por Bruno Barreto. Baseado no livro homônimo de Jorge Amado, foi adaptado por Bruno Barreto, Eduardo Coutinho e Leopoldo Serran. A direção de fotografia é de Murilo Salles.

Foi por 34 anos recordista de público entre o cinema brasileiro levando mais 10 milhões de espectadores aos cinemas[1], até ser ultrapassado em 2010 por Tropa de Elite 2.[2] Foi refilmado nos Estados Unidos como Meu Adorável Fantasma, em 1982, e será refilmado no Brasil em 2014.[3] Foi adaptado também em forma de minissérie para a TV Globo, em 1998. Em novembro de 2015 o filme entrou na lista feita pela da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos.[4]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

No início da década de 1940, Dona Flor, sedutora professora de culinária em Salvador, é casada com o malandro Vadinho, que só quer saber de farras e jogatina nas boates da cidade. A vida de abusos e noites em claro acaba por acarretar sua morte precoce num domingo de Carnaval de 1943, deixando Dona Flor viúva. Logo ela se casa de novo, com o recatado e pacífico farmacêutico da cidade. Com saudades do antigo marido que apesar dos defeitos era um ótimo amante, acaba causando o retorno dele em espírito, que só ela vê. Isso deixa a mulher em dúvida sobre o que fazer com os dois maridos que passam a dividir o seu leito.

Música[editar | editar código-fonte]

Chico Buarque de Holanda com interpretação de Simone

Elenco[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o


Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Festival de Gramado

  • Ganhou dois Kikitos, nas categorias de melhor diretor e melhor trilha sonora.

Globo de Ouro (EUA)

  • Recebeu uma indicação, na categoria de melhor filme estrangeiro.

BAFTA (Reino Unido)

  • Indicado na categoria melhor revelação (Sônia Braga)

Referências

  1. «Qual é a maior bilheteria do cinema nacional?». Mundo Estranho. Consultado em 17 de janeiro de 2013. 
  2. «"Tropa de Elite 2" bate "Dona Flor" e se torna a maior bilheteria do cinema nacional». UOL. Consultado em 17 de janeiro de 2013. 
  3. «Dona Flor e Seus Dois Maridos ganhará nova versão em 2014». AdoroCinema. Consultado em 17 de janeiro de 2013. 
  4. «Críticos elegem os 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos». on.ig.com.br. 27 de novembro de 2015. Consultado em 22 de outubro de 2016. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]