Dona Xepa (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde agosto de 2012). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Dona Xepa
 Brasil
1959 •  pb •  87 min 
Realização Darcy Evangelista
Argumento Darcy Evangelista
Alípio Ramos
Pedro Bloch (peça)
Elenco Alda Garrido
Odete Lara
Colé Santana
Género Comédia
Idioma Português
Página no IMDb (em inglês)

Dona Xepa é um filme de comédia brasileiro de 1959, dirigido por Darcy Evangelista com produção de Oswaldo Massaini. O roteiro é do diretor e Alípio Ramos baseado na peça de teatro homônima de Pedro Bloch. Alda Garrido repete o papel-título com o qual obteve muito sucesso no teatro brasileiro. Números musicais com Agostinho dos Santos e Colé (que em uma cena dança com Zezé Macedo a canção "Brasileirinho", tocada pela Dupla Chuvisco[1]).

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Dona Xepa é um viúva simples que possui uma barraca de frutas e legumes no Mercado e trabalha ali com a amiga Camila. Ela tem um casal de filhos adultos. Edson, o filho, estudou nos Estados Unidos e agora trabalha com dificuldades em sua invenção revolucionária, a "Válvula Isocrônica", capaz de tornar comum o uso da energia nuclear. Rosália, a filha, se envergonha da mãe e da vida pobre, rejeitando o interesse de Zé, o aspirante a futebolista. E aceitando ser cortejada por Manfredo, um diplomata rico. Dona Xepa hipoteca seu sítio e dá o dinheiro para o filho continuar a trabalhar na invenção. Enquanto isso, os vizinhos da vila caçoam dela e do filho, objeto de um samba de Coralino que compôs o refrão: "tenho o aparelho, falta funcionar". Manfredo faz parte de um grupo de negociantes inescrupulosos e finge ajudar Edson e a família mudando-os todos para uma bela casa e Dona Xepa se torna uma "madame".

Referências