Donald Triplett

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Donald Gray Triplett (nascido em 8 de Setembro de 1933) foi um cidadão americano e a primeira pessoa a ser diagnosticada com autismo no mundo. Ele foi primeiramente diagnosticado por Leo Kanner, e foi classificado como "Caso 1".[1] Triplett é conhecido por suas habilidades savant, particularmente suas habilidades em identificar notas musicais no piano, e em realizar rápidas multiplicações mentais.[2]

Início da Vida[editar | editar código-fonte]

Donald Triplett é filho de Beamon e Mary Triplett. Inicialmente, Donald era uma criança profundamente introvertida que não respondia aos gestos e vozes de seus pais. Sua linguagem era incomum, ele não brincava com outras crianças e parecia distante dos outros. Donald foi institucionalizado aos três anos de idade, mas seus pais o retiraram um ano depois. Seu pai, Beamon, o descreveu como socialmente retraído, mas interessado em padrões numéricos, notas musicais, letras do alfabeto e fotos do presidente dos EUA. Com apenas 2 anos, ele recitou o Salmo 23 e memorizou 25 perguntas e respostas do catecismo presbiteriano. Também manifestou interesse em criar acordes musicais.[3]

Quando os Tripletts foram a Baltimore, Maryland para se encontrar com Leo Kanner, este viu que Donald apresentava alguns sintomas semelhantes aos de esquizofrenia infantil, mas acabou diagnosticando-o com autismo.[4]

Educação e Vida Adulta[editar | editar código-fonte]

O diagnóstico de Donald Triplett levaria à complexa história do autismo,

A partir daí, a história do autismo se desdobraria através de décadas, atuando em muitos e variados episódios dramáticos, reviravoltas bizarras e mudanças de rotas de estrelas, tanto heróicas quanto vilanescas, por pesquisadores, educadores, ativistas e autistas.

 BBC Magazine[3]

Contudo, Donald Triplett e sua família se distanciaram de tudo isso. Ele estava matriculado na high school, onde seus professores e colegas estavam aceitando-o, e em 1958 ele se formou em francês pelo Millsaps College. Mais tarde, ele retornou à sua cidade natal, onde trabalhou no banco que pertencia a sua família. Ele aprendeu a dirigir e viajou ao redor do mundo em seu tempo livre.[1]

Legado[editar | editar código-fonte]

Donald foi localizado por John Donvan e Caren Zucker, que o entrevistaram para escreverem o artigo "Autism's First Child" na The Atlantic. Mais tarde, ele foi destaque no livro In a Different Key.[2][5]

Referências

  1. a b Pallardy, Richard. «Donald Triplett». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 19 March 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. a b Donvan, John; Zucker, Caren. «Autism's First Child». The Atlantic. Consultado em 19 March 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  3. a b Donvan, John; Zucker, Caren (21 January 2016). «Donald Grey Triplett: The first boy diagnosed as autistic». BBC News. Consultado em 19 March 2017  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  4. Kanner, L (1968). «Autistic disturbances of affective contact.». Acta Paedopsychiatrica. 35 (4): 100–36. PMID 4880460 
  5. Atlas, Darla (29 January 2016). «Donald Triplett: Autism's First-Ever Patient, Now 82, 'Has Continued to Grow'». PEOPLE.com. Consultado em 19 March 2017  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)