Donita Sparks

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde maio de 2014)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Donita Sparks
Donita Sparks
Informação geral
Nascimento 8 de abril de 1963 (55 anos)
Origem
País  Estados Unidos
Gênero(s)
Ocupação(ões) Musicista
Instrumento(s)
Período em atividade 1985—presente
Gravadora(s)
Afiliação(ões)
  • L7
  • Donita Sparks and the Stellar Moments
Página oficial DonitaSparks.com

Donita Sparks (Chicago, 8 de abril de 1963) é uma cantora, compositora e guitarrista estadunidense. Donita é a co-fundadora (junto com Suzi Gardner) da banda L7. Sparks lançou seu único álbum de estúdio solo Transmiticate, em fevereiro de 2008. Seu trabalho foi destaque em filmes como Natural Born Killers, Serial Mom, and Brokeback Mountain, e jogos de vídeo game, como Grand Theft Auto: San Andreas e Rock Band 2.[1] Em 1991, a banda formou o "Rock For Choise", um grupo de pró-escolhas dos direitos das mulheres, que foi apoiado por outras bandas daquela época, incluindo Nirvana, Pearl Jam, Red Hot Chili Peppers e Rage Against the Machine. O "Rock for Choice" ainda existe e organiza shows atualmente, para beneficiarem as organizações pró-aborto.[2]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Enquanto o L7 estava se apresentando no Reading Festival em 1992. a banda passou por dificuldades técnicas com vazamento de som. A plateia ficou irada e começou a vaiar. Sparks jogou seu absorvente no público e gritou: "Comam meu absorvente usado, filhos da puta!". Ela nunca se desculpou pelo incidente. O episódio é conhecido como uma das "coisas mais insanas que os astros do rock já fizeram nos palcos".[3][4] Em 1992, Sparks criou uma polemica na Inglaterra, Quando durante uma apresentação da banda, ela baixou as calças na televisão ao vivo no programa The Word.[5]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver também: Discografia de L7

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Solo[editar | editar código-fonte]

Donita Sparks and the Stellar Moments[editar | editar código-fonte]

  • Transmiticate (2008)

Referências

  1. «New Yorker out Loud, Vol. 2 - Various Artists: Credits». AllMusic. 2015. Consultado em 20 de novembro de 2015. 
  2. Schippers, Mimi (2002). Rockin' Out of the Box: Gender Maneuvering in Alternative Hard Rock. [S.l.]: Rutgers University Press. p. 185. ISBN 978-0-8135-3075-8 
  3. 9 das coisas mais insanas que os astros do rock já fizeram nos palcos. [S.l.]: Vix.com. 2002 
  4. Strong, Martin C. (2000). The Great Rock Discography 5th ed. Edinburgh: Mojo Books. p. 589. ISBN 1-84195-017-3 
  5. Brewer, Mary F. (20 de novembro de 2015). Exclusions in Feminist Thought: Challenging the Boundaries of Womanhood. [S.l.]: Sussex Academic Press. 127 páginas. ISBN 978-1-902210-63-6